TUDO NOVO DE NOVO



Eu quero tudo novo de novo. Eu não sinto medo. Eu quero dar a mim mesmo e tenho, eu amo o jogo mais e mais. 
Correr até cair. Eu quero deixar o mundo. Eu pedi a praia no fim de semana. Desfrute de amigos, abraçar-los ainda mais. Eu assistir a filmes e ler mais, eu quero comer mais pipoca, mais. Por favor, obter os detalhes. Eu quero um novo emprego. Eu não me preocupa de modo não muito lento. Sozinho, eu tenho um momento de paz. Eu quero dançar e eu tenho. Coma mais将pote, e acordar cedo, poupando muito. , Choram menos sorriso mais, mais útil. Eu acho que mais e pensar menos. Andar com a moto. Vá para o parque com mais freqüência. Quer a paz, eu quero ser feliz, quero outra tatuagem. Eu adoraria ver mais. Eu cortei um monte de cabelo. Chuva do que tomar um banho mais um dia. Eu quero fazer mais, e suor, preciso me concentrar mais, quero esperar mais mais.Não delirante, eu canto muito mais mais. Eu queria ver mais e mais pessoas. Eu quero olhar para a frente e para trás apenas o suficiente. Sem dor, ele sofre, eu olho em seus olhos e falta abraço sorriso. Ouvir a desculpa de muito, eu me sinto culpado. Eu servi como o sabonete um pouco mais de grounder esperança. Muito, atrevo-me a aceitar a pedir muito mais. Por favor, tente o acima. Eu "em vez de" quero fazer o seguinte. Eu não sinto saudades de casa. Quando eu tiver, eu quero tudo. "E sair ou se o restante terá de vir vir."

TAE YANG

 
 

No teu barco da vida: Quantos portos de partida? Quantos portos de chegada? Quantas guerras travadas? Quantos rumos desviados! E quantos reencontrados! Ainda me lembro quando começas-te a viagem, zarpas-te em direção ao futuro, Num barco novo,acabadinho de sair do estaleiro, Là onde tudo começa. O mar sereno, Tal qual a tua alma O sol brilhava no seu explendor Os passaros embelezavam os teus mastr

os o seu chilrear toava nos teus ouvidos como uma cantiga de embalar. Levavas contigo todos os sonhos do mundo, O vento como esperança Os passaros como companheiros e as estrelas,como guias. Nos primeiros mares navegados a calmaria era uma constante, viajavas nos teus sonhos calmamente saboreando as caricias da brisa e a plenitude das noites de luar. Um dia,as estações alteraram-se, O mau tempo e as intempéries começaram a mudar o teu rumo. Ao leme do teu barco, não compreendias porque Porque mudar de rumo? Mas o tempo foi implacável e mudou-te completamente o rumo. Do barco da tua vida. Perdeste-te algures num oceano desconhecido. Andas-te solitaria a deriva sem rumo. Valeram-te as estrelas guias Que lá no céu guiam os navios perdidos E conduziram-te a porto seguro. Ancoras-te em terra firme, num pais tão bonito e tão calmo. Foi a tua melhor e mais serena estadia em terra. Enches-te o teu barco de saber conhecimentos carinho amizades amores. Mas um barco não se constrói para estar em terra e uma vez mais fizeste-te ao mar Este era um mais agitado mais desconhecido mais implacável. Desconhecias o rumo. Levavas contigo todos os sonhos do mundo, O vento como esperança Os passaros como companheiros e as estrelas,como guias. Nesta viagem feita de muitas lutas contra ti própria, para vencer as tempestades que teimavam em te derrubar Lutas-te. Lutas-te contra as ondas gigantes do racismo da incompreensão das noites escuras da solidão, contra tantos fantasmas que teimavam em assombrar as tuas noites. E no meio de uma grande tempestade, sentis-te o barco a naufragar Era uma noite escura, gelada onde as ondas gigantes do desespero pareciam engolir-te para afundares nelas todas as dores todos os medos todo o desencanto todo o desespero. Com o nascer da aurora a tempestado deu lugar ao bom tempo. O sol começou a brilhar no que restava desse barco. Deste iniçio a uma tarefa ainda mais dificil a de juntar os pedaços do barco espalhados Pelas aguas do teu sofrimento. Foi dificil retomar de novo o rumo.Mas: Levavas contigo todos os sonhos do mundo, O vento como esperança Os passáros como companheiros e as estrelas,como guias. Sentes agora que meio oceano esta percorrido. As vezes as lágrimas salgadas ainda jorram pelos teus olhos embaciados pelo desalento As vezes ainda sentes o vento da insegurança atormentar-te os teus dias Mas vais seguindo viagem. Sabes que aida vais encontrar muitas tempestades as ondas gigantes da incerteza, virão de tempos a tempos ensombrar as tuas noites. Mas o rumo e sempre em direcção A FELiCIDADE. Sabias,sempre soubes-te Qual era o teu rumo. viajavas rumo a felecidade E foi depois de muitas viagens de ter enfrentado muitas tempestades que descobris-te que a felicidade Sempre esteve a teu lado, nos momentos mais marcantes da tua viagem. Naqueles momentos em que o mar estava tão calmo que conseguias tocar todos os teus sonhos. onde podias sentir a paz a serenidade,tão desejada que deixavas o barco rumar sozinho.