Frank Morris e os Irmãos Anglin: Os únicos prisioneiros que poderão ter saído de Alcatraz.

Durante os seus 29 anos de atividade, a penitenciária de Alcatraz orgulhava-se de poder dizer que nunca nenhum prisioneiro havia conseguido fugir. Não por falta de tentativas, que as houve: 36 prisioneiros estiveram envolvidos em 14 tentativas de fuga, dois homens tentaram em dose dupla; 23 foram apanhados, 6 foram abatidos e 3 desapareceram no mar que envolve a prisão, apesar de os corpos nunca terem sido encontrados.

No entanto, no dia 11 de Junho de 1962, Frank Morris e os irmãos Anglins protagonizaram, com sucesso, uma das fugas mais espectaculares alguma vez engendrada. Morris e os Anglins subiram pelo poço da ventilação até ao topo de uma das chaminés, alcançando o topo do telhado. Em seguida, desceram o muro com a ajuda de cordas e, com a ajuda de barcos de borracha, remaram dali para fora. Na manhã seguinte a polícia procurou os foragidos de Alcatraz, contudo, sem sucesso.

O actual director da prisão disse que eles colocaram cabeças de bonecos – feitas com uma mistura de sopa com papel e cabelo verdadeiro – nas suas camas para enganar os guardas prisionais na inspecção nocturna. Morris e os irmãos Anglins desapareceram sem deixar rasto e ainda são procurados pelo FBI, apesar de se acreditar que se tenham afogado na baía de São Francisco no momento em que deixavam a ilha.

O feito serviu de inspiração para o filme: “A fuga de Alcatraz”, de Clint Eastwood, que foi um sucesso de bilheteira.

Foto: Frank Morris e os Irmãos Anglin: Os únicos prisioneiros que poderão ter saído de Alcatraz.

Durante os seus 29 anos de atividade, a penitenciária de Alcatraz orgulhava-se de poder dizer que nunca nenhum prisioneiro havia conseguido fugir. Não por falta de tentativas, que as houve: 36 prisioneiros estiveram envolvidos em 14 tentativas de fuga, dois homens tentaram em dose dupla; 23 foram apanhados, 6 foram abatidos e 3 desapareceram no mar que envolve a prisão, apesar de os corpos nunca terem sido encontrados.

No entanto, no dia 11 de Junho de 1962, Frank Morris e os irmãos Anglins protagonizaram, com sucesso, uma das fugas mais espectaculares alguma vez engendrada. Morris e os Anglins subiram pelo poço da ventilação até ao topo de uma das chaminés, alcançando o topo do telhado. Em seguida, desceram o muro com a ajuda de cordas e, com a ajuda de barcos de borracha, remaram dali para fora. Na manhã seguinte a polícia procurou os foragidos de Alcatraz, contudo, sem sucesso.

O actual director da prisão disse que eles colocaram cabeças de bonecos – feitas com uma mistura de sopa com papel e cabelo verdadeiro – nas suas camas para enganar os guardas prisionais na inspecção nocturna. Morris e os irmãos Anglins desapareceram sem deixar rasto e ainda são procurados pelo FBI, apesar de se acreditar que se tenham afogado na baía de São Francisco no momento em que deixavam a ilha.

O feito serviu de inspiração para o filme: “A fuga de Alcatraz”, de Clint Eastwood, que foi um sucesso de bilheteira.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s