Ching Shih

Jihng Sih
Ching Shih (1775–1844)[1] (simplified Chinese: 郑氏; traditional Chinese: 鄭氏; pinyin: Zhèng Shì; Cantonese: Jihng Sih; “widow of Zheng”), also known as Cheng I Sao (simplified Chinese: 郑一嫂; traditional Chinese: 鄭一嫂; pinyin: Zhèng Yī Sǎo; Cantonese: Jihng Yāt Sóu “wife of Zheng Yi”), was a prominent pirate in Qing China who terrorized the South China Sea in the early 19th century. She commanded over 300 junks manned by 20,000-40,000 pirates.[2] Another estimate has Cheng’s fleet at 1,800 and crew at about 80,000[3][4]— men, women, and even children. She challenged the empires of the time, such as the British, Portuguese and the Qing dynasty. Undefeated, she would become one of China and Asia’s strongest pirates, and one of world history’s most powerful pirates. She was also one of the few pirate captains to retire from piracy.

Jihng Sih is featured in numerous books, novels, video games and films.

Early life

She was born Sehk Heonggu (Chinese: 石香姑; Jyutping: sek6 heong1 gu1, IPA: [sɛk˨ hœŋ˥ ku˥]) in 1775 in Guangdong. She was a Cantonese prostitute who worked in a small brothel in Guangzhou, but was captured by pirates. In 1801, she married Jihng Yāt, a notorious pirate. The name she is best remembered by simply means “Jihng’s widow”.

Marriage to Jihng Yāt

Jihng Yāt belonged to a family of successful pirates who traced their criminal origins back to the mid-seventeenth century. Following his marriage to Jihng Sih, “who participated fully in her husband’s piracy,” Jihng Yāt used military assertion and his reputation to gather a coalition of competing Cantonese pirate fleets into an alliance. By 1804, this coalition was a formidable force, and one of the most powerful pirate fleets in all of China; by this time they were known as the Red Flag Fleet.

Ascension to leadership

On 16 November 1807, Jihng Yāt died in Vietnam. Jihng Sih immediately began maneuvering her way into his leadership position. She started to cultivate personal relationships to get rivals to recognize her status and solidify her authority. In order to stop her rivals before open conflict erupted, she sought the support of the most powerful members of her husband’s family: his nephew Cheng Pao-yang and his cousin’s son Cheng Ch’i. Then she drew on the coalition formed by her husband by building upon some of the fleet captains’ existing loyalties to her husband and making herself essential to the remaining captains.

Since Jihng Sih would have such a large force at her command, she knew she needed someone to assist her in managing the Red Flag Fleet’s day-to-day operations, but remain loyal to her and be accepted by the low-level pirates. She believed there was only one man for the job, Cheung Po Tsai.

Relationship with Cheung Po Tsai[edit]
Cheung Po Tsai was the son of a fisherman and had been impressed into piracy at age 15, when he was captured by Jihng Yāt. Cheung rose rapidly through the ranks and was eventually adopted by Zheng Yi.[10] Jihng Yāt was known to engage in same-sex relationships so the adoption was a cover for him to have Cheung as his male lover.

As soon as Jihng Sih chose Cheung, she acted quickly to solidify the partnership with intimacy. The two became lovers within weeks and eventually married.Jihng Sih gave birth to a son at the age of 38 with Cheung. Cheung Po Tsai died at 36, causes unknown.

The code

Once she held the fleet’s leadership position, Jihng Sih started the task of uniting the fleet by issuing a code of laws. (The Neumann translation of The History of Pirates Who Infested the China Sea claims that it was Cheung Pao Tsai that issued the code. Yuan Yung-lun says that Cheung issued his own code of three regulations, called san-t’iao, for his own fleet, but these are not known to exist in a written form.The code was very strict and according to Richard Glasspoole, strictly enforced.

First, anyone giving their own orders (ones that did not come down from Jihng Sih) or disobeying those of a superior were beheaded on the spot.

Second, no one was to steal from the public fund or any villagers that supplied the pirates.

Third, all goods taken as booty had to be presented for group inspection. The booty was registered by a purser and then distributed by the fleet leader. The original seizer received twenty percent and the rest was placed into the public fund.

Fourth, actual money was turned over to the squadron leader, who only gave a small amount back to the seizer, so the rest could be used to purchase supplies for unsuccessful ships. According to Philip Maughan, the punishment for a first-time offense of withholding booty was severe whipping of the back. Large amounts of withheld treasure or subsequent offenses carried the death penalty.

Jihng Sih’s code had special rules for female captives. Standard practice was to release women, but J.L. Turner witnessed differently. Usually the pirates made their most beautiful captives their concubines or wives. If a pirate took a wife he had to be faithful to her. The ones deemed unattractive were released and any remaining were ransomed. Pirates that raped female captives were put to death, but if pirates had consensual sex with captives, the pirate was beheaded and the woman he was with had cannonballs attached to her legs and was chucked off the side of the boat.

Violations of other parts of the code were punished with flogging, clapping in irons, or quartering. Deserters or those who had left without official permission had their ears chopped off, and then were paraded around their squadron. Glasspoole concluded that the code “gave rise to a force that was intrepid in attack, desperate in defense, and unyielding even when outnumbered.”

Career

The fleet under her command established hegemony over many coastal villages, in some cases even imposing levies and taxes on settlements. According to Robert Antony, Jihng Sih “robbed towns, markets, and villages, from Macau to Canton.” In 1806 a British officer reported on the terrible fate of those who resisted Jihng Sih’s pirates; the pirates nailed an enemy’s feet to the deck and then beat him senseless.Contemporary reports from the British admiralty called her “The Terror of South China”.

The 1932 book The History of Piracy by Philip Gosse (grandson of the naturalist Philip Henry Gosse) claims Jihng Sih was an opium smuggler.

The Chinese navy lost sixty-three ships in the attacks. Even the hired navies of Portugal and Britain could not defeat Jihng Sih.[22] Finding it hopeless to defeat her, in 1810, amnesty was offered to all pirates. Jihng Sih and Chang Pao wanted to take advantage of the amnesty but negotiation at sea between Cheung Pao Tsai and the government official Zhang Bai Ling (张百龄)hit a deadlock. Besides the fate of the loot, one sticking point was the government’s demand that the pirates had to kneel before them. For the pirates to consider kneeling in front of their previous defeated foe was too much to accept.

Jihng Sih took 17 illiterate women and children and walked into Zhang Bai Ling’s office in Canton unarmed and began negotiation. She got everything she wanted including keeping all her loot. The kneeling deadlock was solved by Zhang Bai Ling acting as a witness at the marriage of Cheung Po Tsai and Jihng Sih (officially, Cheung Po Tsai was still Jihng Sih’s son, so a government blessing was needed). The two had to kneel to thank him. That was accepted as part of the act of surrender.

She ended her career that year with all her loot. Cheung was given an official position in the government. After he died suddenly, Jihng Sih went back to Canton with her young son and opened a gambling house.

She died in 1844, at the age of 69.

Cultural references

A semi-fictionalized account of Ching Shih’s piracy appeared in Jorge Luis Borges’s short story The Widow Ching, Lady Pirate (part of A Universal History of Infamy, first edited in 1954), where she is described as “a lady pirate who operated in Asian waters, all the way from the Yellow Sea to the rivers of the Annam coast”, and who, after surrendering to the imperial forces, is pardoned and allowed to live the rest of her life as an opium smuggler. Borges acknowledged the 1932 book The History of Piracy, by Philip Gosse (grandson of the naturalist Philip Henry Gosse), as the source of the tale.

In 2003, Ermanno Olmi made a film, Singing Behind Screens, loosely based on Borges’s retelling, though rights problems prevented the Argentine writer from appearing in the credits.

Afterlife, a 2006 OEL graphic novel, depicts Jihng Sih as a guardian who fights demons to protect the denizens of the underworld.

In The Wake of the Lorelei Lee, book eight of L.A. Meyer’s Bloody Jack series, Jacky is captured by Jihng Sih and so impresses her that the pirate bestows her with a tattoo of a dragon on the back of her neck to indicate she is under Shih’s protection.

In 2007, in the third film in the Pirates of the Caribbean franchise, Jihng Sih was portrayed as the powerful pirate Mistress Ching.

Puppetmongers Theatre of Toronto, Canada, mounted two different productions based on Jihng Sih’s life. The first was a co-production with the Center for Puppetry Arts in Atlanta, directed by Jon Ludwig in 2000, and the second version, directed by Mark Cassidy played at Toronto’s Tarragon Theatre Extra Space in 2002.

In the 1990s, the Treasure Island Hotel and Casino in Las Vegas, NV had a Chinese restaurant named after Jihng Sih (Madame Ching’s). It is no longer in business.

Red Flag, a limited series which centers on Jihng Sih, starring Maggie Q and Francois Arnaud, is scheduled to start filming in the fall of 2014 in Malaysia.

As tatuagens contemporâneas do artista brasileiro Victor Montaghini

Tatuagens com estilo próprio e que as tornam únicas têm se propagado e ganhado novas dimensões. Os tatuadores são cada vez mais vistos como artistas, personalizando desenhos e vontades dos clientes de uma maneira realmente inesquecível para quem as leva no corpo, mas também para quem olha o trabalho.

Com traços contemporâneos e mistura de elementos do old school, aquarela e sketches, Victor Montaghini é um ilustrador brasileiro que se dedica à tatuagem há 11 anos. Por conta de seu dom para o desenho, nunca foi fã dos rabiscos clássicos de tattoo, como dragões e índios. Com muito treino, chegou ao seu desenho autoral e atualmente só trabalha com ele, marcando a pele de publicitários, artistas plásticos, diretores de arte e demais pessoas envolvidas com arte de alguma forma.

Aquarela, nanquim, types, colagem e pontilhismo são exploradas por Montaghini, que ao conhecer os gostos dos clientes consegue chegar ao desenho ideal, criando sua própria assinatura, facilmente assimilada quando alguém vê seus desenhos. Ele acredita que, para resultar em algo autêntico, é necessário que o cliente confie e deixe o tatuador livre para criar. 

victor-montaghini5

victor-montaghini4

victor-montaghini3

victor-montaghini2

victor-montaghini-01

victor-montaghini6

victor-montaghini13

victor-montaghini12

victor-montaghini11

victor-montaghini10

victor-montaghini9

victor-montaghini8

victor-montaghini7

victor-montaghini18

victor-montaghini17

victor-montaghini16

victor-montaghini15

victor-montaghini14

victor-montaghini19

victor-montaghini20

Todas as fotos © Victor Montaghini

Em 1894

Em 1894, na Alemanha um padre salvou um menino de 4 anos de um afogamento – O nome do menino era Adolf Hitler.

Kroll

Kroll foi um assassino que confessou matar mais de 13 pessoas para comer e economizar nas compras. Ele foi preso em casa cozinhando a mão de uma criança de 4 anos.

Entenda porque Van Gogh é mais genial do que você pensa

van

Uma pesquisa recente aponta que o pintor pode ser ainda mais genial do que todo mundo acreditava. Os seus conhecimentos romperam as barreiras da arte e anteciparam leis da física.

 

Vicent Van Gogh é considerado um dos maiores pintores que o mundo já teve. Um verdeiro gênio à frente do seu tempo, pesquisas apontam que em vida ele não conseguiu vender um único quadro.

Mas depois da sua morte, a sua genialidade como pintor foi reconhecida e as suas obras foram difundidas mundialmente. No entanto, recentemente se descobriu que o pintor pode ser ainda mais incrível do que todo mundo imaginava.

Uma das obras mais conhecidas, e também uma das mais enigmáticas, de Van Gogh é a Noite Estralada. Mas parte desse enigma parece ter sido enfim desvendado.

noite estrelada

 

O quadro foi pintado enquanto o artista estava internado em um hospital psiquiátrico, onde permaneceu por um ano depois que sofreu um surto e cortou parte da própria orelha.

O quadro é marco por pinceladas circulares, que representam a luz. Esse efeito é real, acontece quando pontos de luz são observados a partir de reflexos na água, por exemplo. Esse efeito é conhecido como luminância.

Depois de 60 anos de Van Gogh ter pintado a noite estrelado, um físico chamado Andrey Kolmogorov criou uma teoria sobre o “fluxo turbulento”, que é como a energia se comporta, gerando uma cascata.

Ou seja, grandes turbilhões de energia, a transferem para turbilhões menores, gerando o efeito circular que o pintor retratou em sua obra. Além de um gênio da arte, Van Gogh também antecipou conhecimentos sobre a física.

Para entender melhor assista ao vídeo no comentário 

 

Bônus: Por que Van Gogh cortou a própria orelha?

orelha

A teoria de que Van Gogh teve um surto psicótico e cortou a própria orelha até pouco tempo era indiscutível. No entanto, uma publicação alemã recente a respeito da vida do artista aponto o contrário.

A pesquisa divulgada, que foi feita pelos historiadores Hans Kaufmann e Rita Widegans, defende a possibilidade de que o pintor possa ter inventado toda essa história para proteger o amigo Gaunguin, que era um ótimo lutador de esgrima.

De acordo com a teoria dos dois pesquisadores, em um surto de raiva, o homem teria atingido a orelha do pintor. A verdade sobre os acontecidos nunca teria vindo  à tona devido a um acordo os dois amigos.

Gaunguin possivelmente não queria ser acusado de um atentado e Van Gogh estaria apaixonado pelo amigo e, por isso, preferiu sofrer as consequências de ser considerado psiquicamente instável para mantê-lo por perto.

“Nós reexaminamos com cuidado os depoimentos das testemunhas e as cartas escritas pelos dois artistas e nós chegamos à conclusão de que Van Gogh estava terrivelmente triste com o plano de Gaunguin de voltar a Paris, depois dos dois terem passado uma estadia infeliz juntos na Casa Amarela”, declarou Kaufmann a ABC News.

Visitantes assistem, estarrecidos, a burro vivo ser oferecido a tigres em zoológico

Um incidente ocorrido na China vem despertando preocupações sobre o bem-estar dos animais e seus direitos nos zoológicos do país. Um vídeo gravado na segunda-feira, 05 de junho, mostra um burro vivo entregue a tigres como alimento em frente ao público que estava presente no local.

No vídeo, supostamente filmado por um visitante do Yancheng Safari Park, um grupo de homens vestindo casacos impermeáveis empurra um burro por uma rampa de madeira em direção ao fosso onde estão os tigres, que logo avançam. O vídeo mostra, inclusive, o burro brincando dentro d’água antes de ser cruelmente atacado.

As filmagens mostram apenas o início do sofrimento do animal, mas uma notícia do South China Morning Post informou que o burro levou cerca de trinta minutos para morrer.

De acordo com um comunicado em chinês emitido pelo zoológico, acionistas descontentes estiveram por trás do incidente. Irritados pela falta de retornos financeiros por parte da instituição, eles providenciaram que o grupo de homens capturasse alguns dos animais, incluindo o burro, e os vendessem a pessoas de fora da instalação. Como foram interrompidos pela segurança, os homens então decidiram empurrar o burro para os tigres para, ao menos, “economizar na alimentação dos bichos”, disse um acionista ao The Guardian.

“É um vídeo terrivelmente triste: todos os que fazem parte dele sofrem, seja o burro, os tigres ou o público que assistia àquele tormento”, disse Doug Cress, o diretor executivo da World Association of Zoos and Aquariums, uma entidade que aprova zoológicos mas que não tem ligação com o Yancheng Safari Park.

Cress afirma que o incidente não deveria jamais ter ocorrido. “Se existissem, no zoológico, as barreiras adequadas entre os visitantes e as cercas que protegem os animais, em primeiro lugar não seria possível movê-los de seus locais de vivência. Além disso, não haveria possibilidade de atirá-los aos tigres. Claramente, as barreiras e proteções não são efetivas nesse zoológico”.

 

Até o fechamento da edição da National Geographic, o safari ainda não havia respondido à solicitação de entrevista.

Esta é a mais recente ocorrência em uma série de eventos perturbadores envolvendo zoológicos chineses, que já têm a reputação de não se adequar aos padrões de bem-estar animal. Cress afirma que a prosperidade econômica chinesa conduziu o país a um boom nos negócios no setor de zoológicos e aquários nos últimos 20 anos. Porém, o respeito pelos animais e a compreensão dos princípios de bem-estar foram deixados de lado.

Episódios recorrentes

Os visitantes de zoológicos, na China, são conhecidos por atirar pedras e lixo aos animais. Às vezes, inclusive, estes são forçados a realizar performances para o público, uma prática amplamente criticada por inúmeras agências renomadas de credenciamento pelo fato de trazer sofrimento e maus tratos aos animais.

Dave Neale, diretor de bem-estar animal junto à base em Hong Kong da entidade sem fins lucrativos Animals Asia, disse que está hororizado com o que aconteceu no Yancheng Safari Park, embora não esteja surpreso. Quando ele visitou o zoológico, no passado, os ivisitantes tinham autorização a pagar para que patos e galinhas vivas fossem lançadas às jaulas de leões e tigres para seu entretenimento.

Em outras situações, mais raras, Neale já viu instituições oferecerem ovelhas vivas, cabras, porcos e vacas para o “banquete” de predadores. “Se alguém paga o suficiente, alguns parques estão dispostos a fazer qualquer coisa”, diz. “Isso prejudica o valor educacional de um zoológico – eu não vejo qualquer valor em práticas dessa natureza”.

Neale diz que esse tipo de crueldade ocorre, na maioria das vezes, em parques de safári fora dos centros urbanos, geridos pela Administração Florestal da China, em vez de instituições administradas por departamentos da cidade e que se concentram mais na preservação do que no entretenimento. O zoológico de Pequim e o de Shangai são exemplos de companhias com esse enfoque.

 

O Yangcheng Safari Park é credenciado pela Associação Chinesa de Jardins Zoolóicos, de acordo com Neale. Esta é uma organização que, segundo ele, tem boas intenções, mas que falha em uma série recursos essenciais para impor padrões rigorosos de bem-estar animal a seus membros. A associação também não respondeu ao pedido da National Geographic para comentar se pretende agir em resposta ao incidente de segunda-feira.

Interferência humana na rotina animal

Além das barreiras inadequadas do zoológico, diz Cress, a ocorrência deixa outro problema à mostra: os tigres no zoológico simplesmente não estão acostumados a se alimentar de animais vivos. Enquanto, na selva, os tigres matam uma ampla variedade de bichos para se alimentarem – desde veados e búfalos até, ocasionalmente, gado domesticado – os zoológicos alimentam seus tigres com carnes de cavalo e de boi, não de animais que estão vivos e respirando.

“Não foi a fome o que os conduziu: foi a curiosidade”, assegura Cress. “Eles não parecem ter a compreensão de como derrubar um animal como esse nem o que fazer com ele”.

Na verdade, enquanto os tigres gravados no vídeo atacam o burro, dificilmente é esse o comportamento padrão dos predadores. Em meio à natureza, um tigre persegue sua presa e pode matá-la em poucos segundos ao apertar o seu pescoço.

Além desse fato, Cress aponta que a falta de instinto predador em tigres cativos poderia causar danos se um animal com chifres, por exemplo, invadir seu habitat.

“A segurança dos animais e das pessoas deve ser a prioridade número um”, assinala Neale. “Por isso, o zoológico tem muita culpa, embora, esperamos, este se trate de um incidente único, que não mais se repetirá”.Fonte [NationalGeographic]

Rolando Valcir Spanholo

Esse é o ex-borracheiro Rolando Valcir Spanholo, ele estudou durante 4 anos, acumulou 200 kg de resumos e se tornou juiz no Distrito Federal.

Spanholo também já costurou e lavou carros para viver, trocava de roupa com os irmãos para não ir igual todos os dias à faculdade. Enfim conquistou o seu sonho.