Quais são os trajes típicos dos países islâmicos e o que representam?

Os turbantes e túnicas usados hoje nos países árabes são quase idênticos às vestes das tribos de beduínos que viviam na região no século VI. “É uma roupa que suporta os dias quentes e as noites frias do deserto”, afirma o xeque Jihad Hassan Hammadeh, um dos líderes islâmicos no Brasil. A partir do século VII, a expansão do islamismo difundiu esse vestuário pela Ásia e pela África, fixando algumas regras. A religião não permite que os fiéis mostrem em público as “partes íntimas” – para os homens, a região entre o umbigo e o joelho; e, para as mulheres, o corpo inteiro, exceto o rosto e as mãos. Por esse motivo, as vestes não podem ter nenhuma transparência nem serem justas a ponto de delinear o corpo. “Essas partes só podem ser vistas pelo cônjuge e alguns familiares. Dentro de casa, portanto, veste-se qualquer roupa”, diz Jihad. Existem também normas para diferenciar a aparência feminina da masculina. Os homens não devem usar objetos de ouro ou seda.

 

Recomenda-se também que tenham barba, para distanciar-se ainda mais da estética feminina e assemelhar-se aos antigos profetas. Entre os religiosos xiitas, há o costume de vestir preto, em sinal de luto pela morte, em 680, de seu patriarca Husayn, filho de Ali, o quarto califa, que consideram sucessor legítimo de Maomé.

Keffiyeh

Keffiyeh é o nome dado ao pano usado na cabeça pelos homens no Médio Oriente, tipicamente branco e preto pelos beduínos, branco e vermelho pelos habitantes da Jordânia (geralmente possui cordões de algodão) e da Arábia Saudita, e branco imaculado pelos homens das cidades.

O keffiyeh, também grafado kaffiyah, keffiya, kaffiya ou ainda kufiya, é associado ao movimento nacionalista palestiniano desde a Revolta Árabe (1916-1918) até mais recentemente, devido à sua adopção pelo ex-líder palestiniano Yasser Arafat.

Ficheiro:YemeniJew.jpg

Judeu com keffiyeh (sudra) (c. 1914)

Ficheiro:Sabaa Nissan Militiaman.jpg

Iraquiano com keffiyehno estilo Charraweyya

Ficheiro:Amir Nuri as-Shaalan 0001.jpg

Amir Nuri as-Shaalan, líder beduíno, 1927.(‍چراوية)

O líder palestino Yasser Arafat, usando keffiyeh

Tarbush

O fez, também conhecido como tarbush, é um pequeno chapéu de feltro ou pano muitas vezes utilizados em conjunto com um turbante. O fez é mais comumente usado pelos muçulmanos, embora na religião islâmica não haja rigor nenhum quanto ao seu uso.

O ihram é uma veste usada pelos muçulmanos durante as peregrinações, como aquelas feita à Meca. Consiste simplesmente em duas toalhas brancas amarradas ao corpo,

Durante as peregrinações não se deve usar mais nada além do ihram, até os pés devem permanecer descalços. Isso é devido a crença de que, durante as peregrinações, todos os sinais de riqueza devem ser retirados do corpo simbolizando que perante Deus que todos são iguais.

Turbante Árabe

De origem desconhecida, já era utilizado no Oriente muito antes do surgimento do islamismo. Consiste em uma longa tira de pano – que, às vezes, chega a 45 metros de comprimento – enrolada sobre a cabeça. As inúmeras formas de amarrá-lo compõem uma linguagem: o turbante indica a posição social, a tribo a que a pessoa pertence e até o seu humor naquele momento.

Túnica

A principal peça do vestuário árabe é esse “vestido” de manga comprida que cobre o corpo inteiro. Ela costuma ser clara e larga para refletir os raios solares, fazer o ar circular e refrescar o corpo durante o dia. O corte e o material variam em cada país, podendo receber nomes como caftan, djellabia, dishdasha ou gallibia.

Taqiyah

O taqiyah (também escrito tagiya; árabe: طاقية / ALA-LC: Taqiyah, Urdu, Hindi “topi”; ٹوپی / ALA-LC: “topi”) é uma pequena, arredondada calota craniana. Eles são freqüentemente usados ​​para fins religiosos; por exemplo, os muçulmanosacreditam que Maomé usado para manter a cabeça coberta, portanto, tornando-mustahabb (que significa “louvável” para cobrir a cabeça, a fim de imitá-lo).  muçulmanos muitas vezes usá-los durante as cinco orações diárias.

Quando usados ​​por si só, o Taqiyah pode ser de qualquer cor. No entanto, particularmente no Árabes países, quando usado sob a keffiyeh headscarf, eles são mantidos em um branco tradicional. Alguns muçulmanos embrulhar um turbanteem volta da tampa, chamado de amamah em árabe, que muitas vezes é feito por Shia e sufis muçulmanos. Nos Estados Unidos e Grã-Bretanha taqiyas são geralmente referidos como “kufis”. 

Topi é um tipo de taqiyah tampa que é usado na Índia, Bangladesh, Paquistão, e outras regiões do sul da Ásia. Muitos tipos diferentes de tampas topi existem incluindo, a tampa de Sindi, usado em Sindh ea topi crochet que é frequentemente usado em muçulmanas serviços de oração, consulte salat.A tampa topi é muitas vezes usado com kameez, que é o traje nacional do Paquistão.

Todas as imagens GOOGLE 

Jovem clica fotos divertidas de sua inseparável dupla de cadelinhas irmãs

Fotos de bichinhos para alegrar o dia é um grande clichê, mas todos nós sabemos que funciona. Prova disso são as imagens incríveis de duas cadelinhas irmãs, da raça Old English Sheepdog, clicadas por sua dona, a holandesa Cees Boll. A moça, que é fotógrafa amadora, capta momentos incríveis em que a dupla corre, brinca e posa para fotos – mediante guloseimas de recompensa, claro.

Sophie, de 6 anos, e Sarah, de 4, costumam acompanhar Cees e seu namorado durante passeios e caminhadas e são muito fotogênicas. “A principal razão pela qual eu tiro essas fotos é poder fazer as pessoas felizes e colocar um sorriso em seus rostos – bem, Sophie e Sarah fazem isso“, afirmou Boll ao DailyMail. “Em um mundo cheio de coisas ruins, eu encontrei uma forma de o tornar um pouco mais brilhante. E ver pessoas felizes me faz feliz“.

Do pôr-do-sol a um lanchinho no McDonald’s, essas fofuras vão deixar seu dia mais feliz! Olha só:

cees-boll

cees-boll2

cees-boll3

cees-boll4

cees-boll5

cees-boll6

cees-boll7

cees-boll8

cees-boll9

cees-boll10

cees-boll11

cees-boll12

cees-boll13

cees-boll14

cees-boll15

cees-boll16

Todas as fotos © Cees Boll

Mensagem de Reflexão

Apesar dos nossos defeitos, precisamos enxergar que somos pérolas únicas no teatro da vida e entender que não existem pessoas de sucesso ou pessoas fracassadas. O que existe são pessoas que lutam pelos seus sonhos ou desistem deles.

Augusto Cury

FRASE DO DIA

Construí amigos, enfrentei derrotas, venci obstáculos, bati na porta da vida e disse-lhe: Não tenho medo de vivê-la.

Augusto Cury

O bar secreto inspirado nos anos 70 que fica escondido dentro de um café-lavanderia em Londres

Nos antigos tempos de Lei Seca nos Estados Unidos e em outros países, quando o consumo de álcool era proibido, literalmente milhares de bares “secretos” faziam a venda ilegal de bebidas. A regra caiu, mas o charme dos bares clandestinos permanece. Em Londres, na região de Battersea, quem olha para o The Breakfast Club, uma aconchegante lanchonete no estilo norte-americano, que serve panquecas, milk shakes e sanduíches a qualquer hora do dia, não imagina o que há por trás de uma porta de correr, escondida na parede.

Ao lado de uma série de máquinas de lavar roupas antigas, a porta dá acesso ao The King of Ladies Man, um pitoresco bar no estilo anos 70. Dos drinks com guarda chuvinha à camisa estilo “havaiana” dos bartenders, o bar conta com uma vibe antiga incrível, que pode ser vista não só na decoração, como também na carta de drinks e petiscos.

Confira algumas das fotos do espaço e do que se esconde por trás dele:

bar-secreto-londres

bar-secreto-londres2

bar-secreto-londres3

bar-secreto-londres5

bar-secreto-londres6

Fotos © The Breakfast Club

bar-secreto-londres8

bar-secreto-londres9

bar-secreto-londres10

bar-secreto-londres11

bar-secreto-londres14

bar-secreto-londres16

Fotos © The King of Ladies Man

Casal transforma trailer em uma incrível casa móvel em formato de castelo

Quando o assunto é ser criativo no lar, as menores casas parecem ser os maiores desafios. Afinal, como tornar espaços pequenos em agradáveis e funcionais ambientes? Mas para o casal neozelandês Justin e Jola Siezen, transformar um trailer em uma casa não foi o suficiente: com muita ousadia e trabalho duro, o casal conseguiu transformar o espaço em um verdadeiro castelo.

Jola é acrobata e por isso precisa viajar com bastante frequência. Mas quando seu filho Piko nasceu, o casal decidiu ter um lar, mesmo que móvel. “Eu gosto de engenharia, eu gosto de arte, e quando você pode unir essas duas coisas é muito bom. É como se fosse um grande projeto de artes“, afirma Justin. O trailer foi reformado completamente e conta com um quarto completo, cozinha, banheiro com chuveiro de água quente e um terraço com banheira e rede para curtir o sol. Boa parte dos móveis e da decoração foi criada a partir de materiais recicláveis e peças reaproveitadas. Ainda pensando em sustentabilidade e praticidade, o aquecimento do trailer é feito a partir de painéis solares.

O mais curioso é que, apesar de trazer a torre e toda a estrutura do castelo, o trailer pode pegar estrada normalmente. O teto do terraço é removível e as torres foram construídas de forma a girar para dentro do cômodo, se fechando.

Veja como funciona o trailer-castelo no vídeo e fotos abaixo:

casa-castelo

casa-castelo2

casa-castelo3

casa-castelo4

casa-castelo5

casa-castelo6

casa-castelo7

casa-castelo8

casa-castelo9

casa-castelo10

Todas as fotos © Living Big in a Tiny House

FRASE DO DIA

Se algo está te deixando triste, procure observar quais sãos os motivos e tente mudar isso. Não deixe pra amanhã, a felicidade não pode ser adiada, a vida é curta demais para vivermos infelizes.

Eva Andressa