Em 1923

Em 1923, um jóquei sofreu um ataque cardíaco fatal no meio da corrida, mas o cavalo continuou e venceu oficialmente.

Conheça o médico que aceita lixo como pagamento por suas consultas

Na Indonésia, o médico Gamal Albinsaid, de 26 anos, buscava uma solução para oferecertratamento básico de saúde a pessoas que não tinham dinheiro para bancar um seguro de saúde. “Você tem pessoas que não podem ir ao hospital porque não têm dinheiro. Então eu comecei a pensar, se você não tem dinheiro, o que você tem?” E a resposta, em um país onde a coleta de lixo mal chega à metade dos resíduos produzidos, foi bastante óbvia: lixo.

Albinsaid criou o Garbage Clinical Insurance (GCI), projeto que permite aos pacientes pagar um seguro de saúde com lixo reciclável. Cerca de 2 kg de plástico podem ser revendidos para centros de reciclagem por cerca de 10 mil rúpias, o equivalente a pouco mais de 1 dólar. Com isso, o programa consegue bancar consultas médicas por um mês para um paciente.

A solução, que já funciona há dois anos e já foi adotada em 5 clínicas, ajuda a resolver dois problemas de uma só vez, dando atendimento de qualidade aos pacientes e dando um destino apropriado a parte do lixo acumulado nas cidades da Indonésia. 

Nós acreditamos que a saúde é um direito fundamental. A abordagem pouco ortodoxa da empresa também está ajudando a resolver um desafio ambiental do país, que é o segundo maior causador do lixo plástico em oceanos, logo depois da China“, afirmou o idealizador do projeto àFastCo.

garbage-clinical-insurance

garbage-clinical-insurance2

garbage-clinical-insurance3

garbage-clinical-insurance5

garbage-clinical-insurance6

garbage-clinical-insurance7

garbage-clinical-insurance8

garbage-clinical-insurance9

garbage-clinical-insurance10

garbage-clinical-insurance11

Todas as fotos via Garbage Clinical Insurance

Um exemplo que vale a pena seguir de perto:VEJA O VÍDEO NO COMENTÁRIO

Frases do Dia

“Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida – umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana.
Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso.”

Fernando Pessoa

Frases do Dia

“Se um poeta consegue expressar a sua infelicidade com toda a felicidade, como é que poderá ser infeliz?”

Mario Quintana

As casas na floresta mais impressionantes

As casas na floresta mais impressionantes (1)
Quem nunca quis ter uma casa tranquila no bosque, longe do trânsito e da correria da cidade, para passar alguns dias descansando e desestressar ? Neste post você verá algumas incríveis casas em bosques e florestas. Confira.

As casas na floresta mais impressionantes (2)

As casas na floresta mais impressionantes (3)

As casas na floresta mais impressionantes (4)

As casas na floresta mais impressionantes (5)

As casas na floresta mais impressionantes (6)

As casas na floresta mais impressionantes (7)

As casas na floresta mais impressionantes (8)

As casas na floresta mais impressionantes (9)

As casas na floresta mais impressionantes (10)

As casas na floresta mais impressionantes (11)

As casas na floresta mais impressionantes (12)

As casas na floresta mais impressionantes (13)

As casas na floresta mais impressionantes (14)

As casas na floresta mais impressionantes (15)

As casas na floresta mais impressionantes (16)

As casas na floresta mais impressionantes (17)

As casas na floresta mais impressionantes (18)

As casas na floresta mais impressionantes (19)

Série de fotos retrata a boêmia vida estudantil em Paris nos anos 60

É sempre peculiar observar como era a vida nos grandes centros, no passado. A incrível Nova York, a charmosa São Paulo e, claro, Paris. Quem hoje caminha pelas ruas da bela cidade talvez tente imaginar como viviam os boêmios da década de 60, período que implicou mudanças sociais grandiosas que transformaram não só a França, mas todo o mundo.

Em 1961, o famoso fotógrafo Loomis Dean, da revista norte-americana LIFE, acompanhou um grupo de jovens estudantes em suas atividades rotineiras e boêmias. As fotos são menos conhecidas do que deveriam e nos dão a chance de ver por dentro como eram as festas em apartamentos, os dormitórios em sótãos, os simpáticos cafés e jovens do passado que, na verdade, poderiam ser estudantes atuais. Será que Paris mudou tanto assim em 50 anos?

Vem ver:

boemia-paris

boemia-paris2

boemia-paris3

boemia-paris4

boemia-paris5

boemia-paris7

boemia-paris8

boemia-paris9

boemia-paris11

boemia-paris12

boemia-paris13

boemia-paris14

boemia-paris16

boemia-paris17

boemia-paris18

boemia-paris19

boemia-paris20

boemia-paris21

boemia-paris22

boemia-paris23

boemia-paris24

boemia-paris25

boemia-paris26

boemia-paris27

Todas as fotos © Loomis Dean

Fotógrafa brasileira lança debate retratando “mulheres gordas” em ensaio sensual

 

Não, não tem nada errado com o título. E não, a palavra gorda não é xingamento. É o que defende a fotógrafa Mariana Godoy: “Gosto da palavra gorda exatamente para discriminar agordofobia. Geralmente as pessoas usam ‘gordinha’, ‘cheinha’, ‘plus size’, mas ao falar simplesmente ‘gorda’ é uma forma de desconstrução para que a palavra não seja uma ofensa e sim um elogio“, diz.

Foi a partir dessa perspectiva que ela, que também é gorda, criou o projeto fotográfico Empoderarte-me, que traz uma seleção de fotografias sensuais estampadas por mulheres bem acima do peso. A ideia é uma maneira de fazer com que estas mulheres retratadas aprendam a aceitar e amar seu corpo independente dos julgamentos.

Depois de publicar a primeira foto do ensaio no Facebook, Mariana conta que as pessoas adoraram a ideia e identificaram na hora como um manifesto de autoaceitação. Foi assim que o projeto ganhou um site próprio e passou a divulgar também fotografias de outras mulheres que procuraram a fotógrafa querendo posar para suas lentes.

Dá uma olhada no resultado:

empoder1

empoder2

empoder3

empoder4

empoder5

empoder6

empoder7

empoder8

empoder9

empoder10

empoder11

empoder12

empoder13

empoder14

empoder15

Todas as fotos © Mariana Godoy