TRIBO DINKA

Os dinkas (em dinka: muonyjang, plural jieng) são um grupo étnico do Sudão do Sul, habitando a região do Bahr al-Ghazal, Junqali e partes do Cordofão do Sul e do Alto Nilo.São majoritariamente um povo agropastoril, praticando o pastoreio de gado em campos ribeirinhos durante a estação seca e plantam milheto e outras variedades de grãos em acampamentos fixos, durante a estação das chuvas.

Estima-se que a população total esteja por volta dos dois milhões de pessoas, constituindo cerca de 20% da população do país. São o maior grupo étnico do Sudão do Sul.

Os Dinka são um grupo étnico nilótico do Sudão do Sul. Vivem desde o século X em ambos dos lados do rio Nilo, e falam uma língua pertencente ao grupo Nilo-sahariano. Eles são cerca de três milhões e estão divididos em cerca de 21 grupos, cada um com seu próprio líder legítimo.

Embora a pecuária sempre foi o seu principal recurso econômico, nunca tem faltado uma importante atividade agrícola e de pescaque lhes permitiu ser auto-suficientes em alimentos. Mais vão ganhando cada vez mais importância seu comércio e indústria leve.

As fotógrafas Carol Beckwith e Angela Fisher tem uma experiência de mais de 30 anos de registro de cerimônias, rituais e vida cotidiana dos povos tribais africanos. Suas fotografias refletem uma relação longa e profunda de respeito para com os costumes e as pessoas dessas tribos, especialmente as dos Dinka do Sudão:

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka, uma tribo maravilhosa do Sudão

Dinka de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

Impresionantes imágenes de una tribu de Sudán

 
 
 
 

Tradicionalmente os Dinka usam pouca roupa, sendo normal para um homem adulto ficar completamente nu, exceto os colares em seus pescoços. As mulheres costumam usar apenas uma pele de cabra na cintura. Cada vez mais, as mulheres jovens gostam de se vestir as formas de cidades vizinhas, e os homens, das longas túnicas usadas no norte. Eles se preocupam muito, especialmente os homens, da ornamentação corporal. Eles costumam remover alguns dentes por uma questão puramente estética. Homens que são pastores, usam cinza do esterco de vaca para afastar os mosquitos. É fácil de ver os homens, especialmente entre os jovens, com o cabelo vermelho tingido, usam urina de vaca, enquanto as mulheres raspam sua cabeça e sobrancelhas, deixando apenas um tufo de cabelo acima de sua cabeça.

Como resultado das guerras civis no Sudão após sua independência da Grã-Bretanha, os Dinka foram envolvidos em conflitos políticos, na rebelião armada, e forçados a fugir de suas terras e viver como refugiados. Como resultado, os indígenas Dinka vivem longe de sua terra natal. A maioria dos Dinka, no entanto, continuam a viver no sul do Sudão mantendo grande parte das formas tradicionais que eles seguiram de geração após geração, combinado com a introdução de algumas formas modernas.

Os Dinka , ou como eles se referem a si mesmos, Mounyjaang , vivem em um dos braços do Rio, o Lago Nilotes (assim como outros povos agro-pastoris do leste da África que falam línguas nilóticas, incluindo o Nuer e os Maasai ). A linguagem Dinka – que é também chamada Dinka, bem como ” thuɔŋjäŋ (thuongjang) “- é da família Nilotica de línguas, pertencente ao ramo Chari-Nilo da família nilo-saariana. Ela é escrita usando o alfabeto latino, com alguns acréscimos. Seu nome significa “povo” na língua Dinka.

Eles são um povo negro diferindo significativamente dos povos de língua árabe, grupos étnicos que habitam norte do Sudão. Uma das coisas que mais destaca o povo Dinka, é sua altura, este povo é tido como o povo mais alto do mundo, que possuem altura mínima de 1,80 de altura, isso atribuindo as mulheres.

19

Os Dinka são um povo antigo, são datados de 3000 aC, no deserto do Saara , onde caçadores se estabeleceram na maior área de pântano do mundo, no sul do Sudão. A sociedade Dinka vem se espalhado sobre a região sudanesa nos últimos séculos, a partir de 1500 dC
os Dinka lutaram e defenderam sua pátria contra os turcos otomanos, em meados de 1800 foram consternados e devastados pelas tentativas violentas do comércio de escravos e a tentativa de convertê-los ao Islã.

O Povo do Sudão, do Exército da Libertação, liderado por John Garang De Mabior, um Dinka, pegaram em armas contra o governo em 1983. Durante a Guerra Civil subseqüente, muitos milhares de Dinka, juntamente com colegas não-sulistas Dinka, foram massacrados pelas forças governamentais. Os Dinka também envolveram-se em uma guerra civil separatista com os Nuer, por isso eles têm vivido em reclusão harmoniosa nos últimos 5.000 anos.

Cultura

Grandes estábulos de gado significam que ali houve grande investimento, mão de obra e recursos, ou seja, certamente é um assentamento permanente.
Os Dinka não possuem autoridade política centralizada, eles compreendem muitos clãs independentes, porém, interligados. Alguns destes clãs tradicionalmente possuem chefes rituais, conhecidos como os “mestres da lança de pesca”, que fornecem liderança para todo o povo e parecem ser hereditário. Como os Dinka não têm infra-estrutura especificamente organizada pelo governo, há anciãos na aldeia que possuem domínio e influência sobre as questões tribais, em vez de exercer o poder e autoridade.

https://i1.wp.com/www.angolabelazebelo.com/wp-content/uploads/2014/06/20.jpg

Tradicionalmente pastores de gado, o gado Dinka é utilizado para uma variedade de fins práticos. O gado desempenha um papel central na sua cultura e sobrevivência. Os Dinka usam o leite para fazer manteiga e ghee, eles inovaram encontrando maneiras de usar a amônia produzida pela urina para lavar, para curtimento de peles, e lavar o cabelo. O esterco é queimado em fogueiras gerando cinzas suficientes para manter afastados os mosquitos sugadores de sangue, carrapatos e outros parasitas. Esta cinza também é usada como um tipo de creme dental, e para a decoração dos corpos. O gado não é mortos para que sua carne seja aproveitada, a não ser em casos de um sacrifício ou morte natural. Os couros são utilizados para fazer uma variedade de artigos: tambor, a roupa, cintos e cordas. Ossos e chifres são usados também em aplicações decorativas.

Os Dinka acham importante estar familiarizado com sua herança familiar pois certas famílias não estão autorizadas a casar com outras devido a conflitos internos. É importante para os homens terem filhos para garantir a linhagem de sua família. Riqueza é medida pela quantidade de gado, e os pais das noivas Dinka muitas vezes procuram gado como dotes, pois é considerado valioso ter meninas para trazer mais riqueza para a unidade da família.

Como rito de passagem para um menino que vem para a idade adulta, uma série de cicatrizes em forma de V é esculpida em sua testa. Esses meninos são, então considerados os homens, ou parapuol, e já servem como guerreiros em diferentes aspectos da vida Dinka, que vão desde proteger o gado contra invasores inimigos, a guarda da tribo contra os predadores naturais. Eles também já estão disponíveis para se casar. No processo de escarificação, o menino cita os nomes de seus antepassados e canta músicas do clã, afim de preparar adequadamente a sua mente, corpo e espírito para se tornar um homem. Se o menino grita muito durante o ritual de iniciação, ele é considerado fraco, ou um covarde. Este rito de passagem ocorre a qualquer momento entre as idades de 10-16 anos de idade. Os Dinka são grandes amantes da tradição, e até mesmo na África contemporânea, as mulheres preferem homens guerreiros que carregam as cicatrizes da parapuol.

Conta-se que quando uma criança nasce com deformidades, os Dinka as jogam dentro do rio, pois eles acreditam que Deus não terminou de construí-la, logo, a criança precisa ser jogada no rio para que Deus termine de construí-la.

Anualmente, é feito um concurso de beleza masculino, um concurso onde a beleza é medida pela quantidade de gordura no corpo, os jovens rapazes são isolados por 4 meses, e nestes 4 meses ficam em baixo de uma árvore sem fazer absolutamente nada, apenas sentados e alimentando-se de leite durante o dia inteiro, no final desse tempo, os jovens estão impressionante gordos, e até apresentam dificuldade para andar que precisam do auxílio de uma vara para caminhar.

Crenças religiosas

Estilo de vida pastoral da Dinka também se reflete em suas crenças e práticas religiosas (que são animistas). O termo Jok refere-se a um grupo de espíritos ancestrais. Eles têm um Deus, Nhialic, que fala através de espíritos que tomam posse temporária de indivíduos, afim de falar com eles. O supremo deus criador Nhialic está presente em toda a criação, e controla os destinos de cada planta, humano e animal da Terra. Nhialic é o deus do céu e da chuva, e governante de todos os espíritos.
Deng ou Dengdit, é o deus do céu de chuva e fertilidade capacitado por Nhialic, o ser supremo de todos os deuses.

Dinka Contemporâneo

A experiência dos Dinka refugiados da guerra civil no Sudão foi retratado no filme documentário “Os Meninos Perdidos do Sudão” de Megan Mylan e Jon Shenk baseado no livro “Os Meninos Perdidos do Sudão” escrito por Mark Bixler. Sua história também foi contada em um livro de Joan Hecht chamado “A Viagem dos Garotos Perdidos”. Uma autobiografia ficcionada de um refugiado Dinka, Dave Eggers ‘intitulado “O que é o quê”. Outros livros sobre e os Meninos Perdidos incluem “Deus se cansou de nós” por John Bul Dau, e “Eles derramaram fogo sobre nós” de Alephonsion Deng, Deng Benson, e Ajak Benjamin.
Grupos Dinka de refugiados podem ser encontrados em locais modernos longe de sua terra natal, incluindo Jacksonville, Flórida e Clarkston, um subúrbio da classe trabalhadora de Atlanta, Georgia.

A maioria dos Dinka, no entanto, continuam a viver no sul do Sudão, tem havido alguma quebra nos padrões tradicionais de vida para dos Dinka. Roupas e ferramentas modernas foram introduzidas, alterando seus padrões de trabalho. Muitos agora deslocam-se para a cidade para ganhar o dinheiro para comprar gado, pagar um dote para que possam se casar mais cedo. Isso tem atrapalhado a tradicional redistribuição de riqueza entre os clãs com problemas frequentes. No entanto, muitas meninas ainda dão preferência aquelas cicatrizes tradicionais do parapuol.

1991 Massacre Dinka

Em 15 de novembro de 1991, o evento conhecido como o “Massacre Dinka” ou Massacre Sudeste Dinka começou no Sul do Sudão. Forças lideradas pela facção dissidente do Riek Machar deliberadamente matou cerca de 2.000 civis Dinka do estado de Jonglei e feriu outros milhares mais ao longo de dois meses. Estima-se que cerca de 100.000 pessoas deixaram a área após o ataque. A fome seguiu o massacre, as forças Machar haviam saqueado e queimado as aldeias e assim roubaram todo o gado. Cerca de 25.000 pessoas morreram em conseqüência da fome, segundo a Anistia Internacional.

Reuters Pastores de gado da tribo Dinka festejam, com dança tradicional, a oração pela paz e boa saúde no caminho até à localidade de Rajaf Payam, no Sudão.

Sudan. | ©Tom McShane:

Dinka Men | Bor Dinka tribal mark,South Sudan:

This young Dinka man had dyed his hair, and it matched the cloth he was wearing beautifully. 2008 0227 Dinka cattle camp by ngari.norway, via Flickr:

Africa | Dinka woman. Duba, South Sudan | © Ilanosom, via Flickr:

Leni Riefenstahl, The Nuba, Sudan.:

DINKA CHILDREN IN FRONT OF A THATCHED HUT - ©Angela Fisher and Carol Beckwith Modernbook Gallery:

Faces of South Sudan, Rumbek:

2008 0226 Dinka cattle camp by ngari.norway, via Flickr:

Salgado, Dinka in traditional house, Southern Sudan, 2006. #Africa #African #Dinka:

Sebastião Salgado. Os Dinkas - Sul do Sudão. 2006.:

dynamicafrica: Dinka Women in South Sudan AUGUST: Celebrating...:

George Rodger. SUDAN. Kordofan. The Nubas. Dinka and Nuer girls dressed for ceremonial dance. 1949.:

Sebastiao Salgado, Dinka man at the cattle camp of Kei. People cover themselves with ash to sterilize the skin against insects and parasites, Southern Sudan, 2006, gelatin silver print:

Africa | Dinka mother and child, Sudan.

Mike Tsang UK

Sudan. Nuba boy photographed by Leni Riefenstahl, 1975. Traditional facepainting by South-East Nuba people of Sudan:

The Shilluk (Shilluk: Chollo) are a major Nilotic people of Southern Sudan, living on both banks of the river Nile, in the vicinity of the city of Malakal.:

Dinka woman from the Sudan:

South Sudan. Young Dinka photographed at the cattle camp. Al Buhayrat // ©Ngari Norway:

Africa | Atwot Dinka man carrying a small child, in the cattle camp in Buhayrat. Sudan | © Ngari Norway:

Africa | Sights and Sounds. Dinka with cattle. Cattle dominate almost all sectors of the Dinka economy, as they are also essential in acquiring and maintaining prestige, influence and political power in the community. The Dinka see their lives and those of their cattle inextricably intertwined.:

DINKA Girl, circa 1910:

Ethiopia : Dinka by foto_morgana, via Flickr:

Alek Wek, Sudanese DINKA Tribe International Super Model.:

Dinka #Guillemvalle:

Dinka child, Southern Sudan, 2006, by Sebastião Salgado:

kicker-of-elves: “ Dinka women in Sudan National Geographic November 1984  Angela Fisher ”:

Dinka woman wearing traditional corset:

Dinka: Legendary Cattle Keepers of Sudan: Angela Fisher, Carol Beckwith:

Dinka man, South Sudan:

Dinka boy I | Flickr - Photo Sharing!:

Nuer man from Western Sudan - pic by abgefahren2004, via Flickr:

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s