Como um peixe de ferro tem ajudado a salvar vidas

A anemia é o problema nutricional mais comum em todo o mundo, acometendo cerca de 2 bilhões de pessoas. Mas, como combater o problema se, em muitos lugares, suplementos não estão disponíveis ou são caros demais para a população? Este peixinho de ferro pode ser a solução.

Inventado pelo canadense Christopher Charles e apelidado de Lucky Iron Fish, o peixe oferece cerca de 75% do consumo diário de ferro recomendado para um adulto e dura por anos. No Camboja, onde metade da população apresenta deficiência de ferro, o utensílio já está sendo usado por mais de 2500 pessoas e estudos mostram que 50% daqueles que utilizaram o peixe durante um ano já não estão mais anêmicos.

Para utilizá-lo, a recomendação é colocar o peixe de ferro na água e deixá-la ferver por, pelo menos, 10 minutos. Depois, é possível retirar o utensílio e usar a água para cozinhar normalmente – de preferência adicionando um pouco de suco de limão, que ajuda na absorção do ferro. Ah, e, desde que você lave o peixe direitinho, a comida não deverá ter seu sabor alterado.

Confira esta inovação sustentável no vídeo abaixo:

peixe1

peixe2

peixe3

peixe4

peixe5

peixe6

peixe7

peixe8

peixe9

Fotos: Divulgação.

peixe10

Foto © Kyle James

Anúncios

Fotógrafo viaja o mundo trocando trabalho por hospedagem e alimentação

Antes que houvesse dinheiro, banco, inflação e juros, as pessoas trocavam objetos por outros objetos ou serviços. A prática, denominada escambo, há tempos caiu em desuso, mas foi resgatada recentemente pelo fotógrafo australiano Shantanu Starick. Há dois anos ele viaja o mundo trocando alimentação e hospedagem por trabalhos fotográficos.

Quer fotografar a sua nova loja, o show da sua banda ou um casamento? O fotógrafo faz o trabalho sem problemas, mas em troca você deve dar a ele um lugar para dormir e tomar banho e algumas refeições – necessidades básicas de qualquer viajante. O curioso projeto se chama “The Pixel Trade” e já passou por cinco dos sete continentes, em cidades como Marrocos, Nova York, Melbourne, Boston, Dublin e Paris.

Até agora, Shantanu sobreviveu à base de 183 trocas, que foram documentadas no site do projeto. O objetivo é passar por todos os continentes e fazer o maior número de trocas possíveis. Dessa forma, ele não só conhece lugares, mas também tem a chance de conviver com os mais diversos tipos de pessoas e expor seu trabalho em todos os cantos do mundo.

Confira algumas das fotos feitas em troca de sobrevivência:

Mês 1 – Troca VI

Localização: Melbourne, Austrália

Duração: 3 dias

Trabalho: Fotos dos cafés Wee Jeanie e Cornershop para seus websites.

pixeltrade4

pixeltrade5

pixeltrade6

Mês 1 – Troca IV

Localização: Melbourne, Australia

Duração: 3 dias

Trabalho: Fotografar a nova coleção de uma loja de acessórios + experimento artístico com a dona do estabelecimento.

pixeltrade7

pixeltrade8

pixeltrade9

Mês 3 – Troca XXVI

Localização: Bronte Park, Austrália

Duração: 5 dias

Trabalho: Fotografar uma igreja e seus arredores.

pixeltrade10

pixeltrade11

pixeltrade12

Mês 4 – Troca XXXIII

Localização: Melbourne, Austrália

Duração: 1 dia

Trabalho: Fotografar o escritório da Frankie Magazine.

pixeltrade13

pixeltrade14

pixeltrade15

Mês 5 – Troca XLVIII

Localização: Nova York, EUA

Duração: 6 dias

Trabalho: Fotografar Jeri Silvermann, uma jovem cantora e atriz.

pixeltrade16

pixeltrade17

pixeltrade18

Mês 1 – Troca XI

Localização: Brisbane, Australia

Duração: 3 dias

Trabalho: Fotografar a coleção da Bandhini Homewear Design.

pixeltrade33

pixeltrade1

pixeltrade2

Todas as fotos © Shantanu Starick

FOTO DO DIA

Fotógrafo viaja o mundo trocando trabalho por hospedagem e alimentação

Antes que houvesse dinheiro, banco, inflação e juros, as pessoas trocavam objetos por outros objetos ou serviços. A prática, denominada escambo, há tempos caiu em desuso, mas foi resgatada recentemente pelo fotógrafo australiano Shantanu Starick. Há dois anos ele viaja o mundo trocando alimentação e hospedagem por trabalhos fotográficos.
Quer fotografar a sua nova loja, o show da sua banda ou um casamento? O fotógrafo faz o trabalho sem problemas, mas em troca você deve dar a ele um lugar para dormir e tomar banho e algumas refeições – necessidades básicas de qualquer viajante. O curioso projeto se chama “The Pixel Trade” e já passou por cinco dos sete continentes, em cidades como Marrocos, Nova York, Melbourne, Boston, Dublin e Paris.
Até agora, Shantanu sobreviveu à base de 183 trocas, que foram documentadas no site do projeto. O objetivo é passar por todos os continentes e fazer o maior número de trocas possíveis. Dessa forma, ele não só conhece lugares, mas também tem a chance de conviver com os mais diversos tipos de pessoas e expor seu trabalho em todos os cantos do mundo.
Confira algumas das fotos feitas em troca de sobrevivência:
Mês 1 – Troca VI
Localização: Melbourne, Austrália
Duração: 3 dias
Trabalho: Fotos dos cafés Wee Jeanie e Cornershop para seus websites.
pixeltrade4
pixeltrade5
pixeltrade6
Mês 1 – Troca IV
Localização: Melbourne, Australia
Duração: 3 dias
Trabalho: Fotografar a nova coleção de uma loja de acessórios + experimento artístico com a dona do estabelecimento.
pixeltrade7
pixeltrade8
pixeltrade9
Mês 3 – Troca XXVI
Localização: Bronte Park, Austrália
Duração: 5 dias
Trabalho: Fotografar uma igreja e seus arredores.
pixeltrade10
pixeltrade11
pixeltrade12
Mês 4 – Troca XXXIII
Localização: Melbourne, Austrália
Duração: 1 dia
Trabalho: Fotografar o escritório da Frankie Magazine.
pixeltrade13
pixeltrade14
pixeltrade15
Mês 5 – Troca XLVIII
Localização: Nova York, EUA
Duração: 6 dias
Trabalho: Fotografar Jeri Silvermann, uma jovem cantora e atriz.
pixeltrade16
pixeltrade17
pixeltrade18
Mês 1 – Troca XI
Localização: Brisbane, Australia
Duração: 3 dias
Trabalho: Fotografar a coleção da Bandhini Homewear Design.
pixeltrade33
pixeltrade1
pixeltrade2
Todas as fotos © Shantanu Starick

A pequena raposa branca domesticada que está conquistando a internet

Centenas de cachorrinhos e gatinhos fofos tornam os nossos dias mais felizes na internet, mas é uma raposa que tem conquistado milhares de likes e sorrisos. Rylai é uma raposa-vermelha de cinco meses de idade que é domesticada e vive como uma animal de estimação, nos Estados Unidos.
Por ter sido criada em cativeiro, ela não possui a típica cor avermelhada da espécie, mas pelos branquinhos e um comportamento menos agressivo. Apesar de suas raízes selvagens, a pequena raposa é mantida em casa, gosta de brincar e até aprendeu a usar a caixinha de areia para fazer suas necessidades. Contudo, criar um animal desses está longe de ser fácil. “Raposas são animais maravilhosos e incríveis, mas eles dão MUITO trabalho“, escreveu o dono de Rylai na conta do Facebook que usa para postar fotos do animal.
Segundo ele, embora possam ser domesticadas, raposas precisam de atenção especial e treinamento para evitar problemas para o animal e para os donos. “Elas ficam rapidamente destrutivas quando entediadas, elas podem ser barulhentas e teimosas, são difíceis para se treinar em casa e têm outros comportamentos não muito agradáveis. Então, se você ainda está interessado [em ter uma dessas em casa] e aceita o desafio, pesquise muito bem antes“, completou.
Veja algumas fotos da irresistível Rylai:
rylai-raposa12
rylai-raposa10
rylai-raposa13
rylai-raposa14
RylaiExtra1
RylaiExtra2
rylai-raposa15
rylai-raposa16
rylai-raposa17
rylai-raposa11
rylai-raposa9
rylai-raposa8
rylai-raposa7
rylai-raposa6
rylai-raposa5
rylai-raposa4
rylai-raposa3
rylai-raposa2
rylai-raposa
Todas as fotos © Instagram/Reprodução

FOTO DO DIA

A pequena raposa branca domesticada que está conquistando a internet

Centenas de cachorrinhos e gatinhos fofos tornam os nossos dias mais felizes na internet, mas é uma raposa que tem conquistado milhares de likes e sorrisos. Rylai é uma raposa-vermelha de cinco meses de idade que é domesticada e vive como uma animal de estimação, nos Estados Unidos.

Por ter sido criada em cativeiro, ela não possui a típica cor avermelhada da espécie, mas pelos branquinhos e um comportamento menos agressivo. Apesar de suas raízes selvagens, a pequena raposa é mantida em casa, gosta de brincar e até aprendeu a usar a caixinha de areia para fazer suas necessidades. Contudo, criar um animal desses está longe de ser fácil. “Raposas são animais maravilhosos e incríveis, mas eles dão MUITO trabalho“, escreveu o dono de Rylai na conta do Facebook que usa para postar fotos do animal.

Segundo ele, embora possam ser domesticadas, raposas precisam de atenção especial e treinamento para evitar problemas para o animal e para os donos. “Elas ficam rapidamente destrutivas quando entediadas, elas podem ser barulhentas e teimosas, são difíceis para se treinar em casa e têm outros comportamentos não muito agradáveis. Então, se você ainda está interessado [em ter uma dessas em casa] e aceita o desafio, pesquise muito bem antes“, completou.

Veja algumas fotos da irresistível Rylai:

rylai-raposa12

rylai-raposa10

rylai-raposa13

rylai-raposa14

RylaiExtra1

RylaiExtra2

rylai-raposa15

rylai-raposa16

rylai-raposa17

rylai-raposa11

rylai-raposa9

rylai-raposa8

rylai-raposa7

rylai-raposa6

rylai-raposa5

rylai-raposa4

rylai-raposa3

rylai-raposa2

rylai-raposa

Todas as fotos © Instagram/Reprodução