Plesiossauro enorme é descoberto na Patagônia

Fernando Novas ao lado de um molde de fóssil
Fernando Novas ao lado de um molde do fóssil Um dos maiores e mais completos esqueletos de plesiossauro, o réptil marinho de pescoço comprido da era dos dinossauros, foi encontrado na Patagônia.O animal ainda está sendo escavado pelo paleontólogo Fernando Novas, do Museu Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais em Buenos Aires, na Argentina.
plesiossauro patagonia (6)
Novas e seus colegas pesquisadores acreditam que o fóssil recém-descoberto é de um gênero e espécie até então desconhecidos.

Gigante

O animal nadava nas águas que agora são da Patagônia Argentina, cerca de 65 milhões de anos atrás. O plesiossauro viveu durante o Cretáceo, cerca de “30 minutos antes da queda do asteroide”, brincou Novas.
As suas quatro nadadeiras medem, cada uma, mais de 1,30 metro de comprimento, e seu corpo inteiro se estendia por cerca de 7 metros quando vivo.
plesiossauro patagonia (4)
Os ossos ainda estão envoltos em rocha, mas o achado é claramente o plesiossauro mais completo e articulado (ou seja, os ossos não estão espalhados, mas assentados na posição correta) de que se tem registro.

A descoberta

Em 2009, Novas recebeu uma dica que o levou, juntamente com colegas, a escavar a criatura perto da costa do Lago Argentino, na província patagônica de Santa Cruz.
Depois de obter a permissão do proprietário da terra onde o animal se encontrava, Gerardo Povazsán, um pequeno grupo de paleontólogos começou a trabalhar, criando uma barreira circular de sacos de areia ao redor da criatura e drenando a água do lago.
plesiossauro patagonia (2)
Com a ajuda de um trator doado, os fósseis foram carregados a um caminhão e transportados para Buenos Aires. Os pesquisadores continuam a analisar os restos em laboratório, mas já descobriram um fato intrigante: o plesiossauro tem um pescoço longo.
“A América do Norte está mais familiarizada com os plesiossauros de pescoço longo, mas aqui estamos mais familiarizados com os plesiossauros de pescoço curto, que datam do período Cretáceo. Este é um dos poucos casos em que descobrimos uma exceção aos nossos padrões do sul”, afirmou Novas.
plesiossauro patagonia (3)

Árvore genealógica réptil

Uma vez que escavarem totalmente os ossos, os pesquisadores planejam descrever a nova espécie e comparar a sua anatomia com a de outros plesiossauros, para que possam criar uma árvore genealógica desses répteis (apesar do “sauro” no seu nome confundir as coisas, plesiossauros não são dinossauros. Sua alcunha, de fato, significa “quase lagarto”). [LiveScience 1 e 2]
Anúncios

Impressora 3D permite que cegos apreciem obras de arte clássica pela primeira vez

 

Sabe aquele momento em que todo mundo está falando sobre uma coisa e você é a única pessoa que não conhece? Agora image que quem sofre com problemas de visão passa por isso o tempo inteiro, principalmente quando falamos sobre obras de arte. Afinal, por questões de conservação, até agora era impossível para uma pessoa cega tocar em uma obra ao visitar um museu – mas a impressão 3D pode estar prestes a mudar essa realidade.

Um projeto criado pelo designer Marc Dillon, morador de Helsinki, na Finlândia, quer utilizar impressoras 3D para permitir que cegos vejam algumas obras de arte famosas, como a Mona Lisa, ou os girassóis de Van Gogh. Para isso, ele desenvolveu o projeto Unseen Art, que usa impressão 3D à base de areia para recriar essas obras de arte em uma escala e qualidade que permite que sejam expostas em museus.

Embora a ideia lembre bastante o projeto Touch The Prado, que criou réplicas de alguns quadros famosos expostos no museu para que pessoas cegas pudessem apreciá-los, ela é ainda mais ambiciosa, visto que pretende criar também um repositório online onde artistas possam submeter versões em 3D de suas obras para que as pessoas as imprimam em casa.

O projeto ainda está em fase de arrecadação de recursos, buscando financiamento através da plataforma IndieGoGo, onde já reuniu quase U$ 2.000 para sua produção.

Abaixo o vídeo e algumas fotos de apresentação do projeto:

3d1

3d2

3d4

3d5

3d6

3d7

3d8

3d9

3d10

Todas as fotos: Divulgação

Festival anual celebra o terceiro gênero no México

A cidade de Juchitán, no sul do México, mantém há muitos anos sua característica mais marcante: a fluidez de gêneros. A relação com pessoas de diferentes sexualidades é comum por lá e um chamado terceiro sexo ganhou o nome de “muxes”. E por que não celebrar toda essa diversidade?

Os muxes são originalmente homens que cresceram se identificando com mulheres. Ou melhor, com o papel que muitas delas exercem na sociedade. Há um forte traço da cultura indígena presente neste local que leva os muxes a ocuparem uma posição de matriarcas da família. Eles não necessariamente se vestem como mulheres ou têm relações com homens. É mais como posição social, é completamente fluido.

E todos os anos essas pessoas recebem da cidade um festival em sua homenagem celebrando o terceiro gênero conhecido como “Vela”. Entre as atividades estão muita dança, desfiles e até uma coroação de rainha da festa. Demais, não é mesmo? Principalmente porque estamos falando de um país majoritariamente machista e com elevadíssimos números de feminicídio.

Veja as fotos abaixo e se encante com todo esse colorido!

muxes1

muxes9

muxes6

muxes5

muxes4

muxes3

muxes8

muxes2

muxes7

muxes15

muxes14 muxes16

muxes11

muxes13

muxes10

muxes12

Todas as fotos: © Anna Bruce via Dazed.

O retorno da íbis Missão: facilitar a sobrevivência de uma ave rara

Íbis-eremita, vista na colônia de Palmyra, na Síria
Esta íbis-eremita foi vista na colônia de Palmyra, descoberta entre as escarpas no deserto em 2002
Hieróglifos egípcios com ascendente da íbis-eremita
As íbis-eremitas achadas na Síria são os últimos descendentes conhecidos das aves dos hieróglifos egípcios
Escarpas do deserto na Síria, próximas à colônia de Palmyra
Escarpas onde foi encontrada a íbis, em 2002

Dez anos atrás, no deserto sírio de Palmyra, o biólogo italiano Gianluca Serra, perito em conservação, topou com sete derradeiras íbis-eremita, uma espécie até então considerada extinta no Oriente Médio. A descoberta dessa colônia causou comoção nos meios científicos. Com razão, pois essas aves são os últimos descendentes das íbis representadas nos antigos hieróglifos egípcios.

Desde então, Serra e colegas vêm lutando para salvar essa colônia preciosa, com suporte da National Geographic Society. “Começamos treinando uma equipe local para delimitar uma área de reserva”, conta o biólogo. Nos anos seguintes, todavia, a população continuou a minguar. A saída foi pesquisar o hábitat de inverno das aves nas montanhas da Etiópia, mas poucas ameaças foram detectadas. Intrigado, em 2009, Serra as acompanhou em sua migração através da península Arábica. E descobriu que eram abatidas por caçadores clandestinos na Arábia Saudita.

“Não é fácil abolir a caça quando está tão entranhada em uma cultura tradicional”, diz Serra. Apesar disso, sua equipe conseguiu introduzir com êxito, na colônia de Palmyra, vários filhotes nascidos em cativeiro. Devido aos recentes conflitos políticos na Síria, o projeto foi interrompido. Mas Serra dispõe de informaçõesde que ainda há entre um e cinco indivíduos capazes de se reproduzir.

Pela primeira vez na história, cédula de 10 dólares tratá o rosto de uma mulher

foram importantes na história. Mas e as mulheres? Pela primeira vez em mais de um século,uma nota de dólar trará um rosto feminino. Segundo o Secretário do Tesouro norte-americano,Jack Lew, a nota de 10 dólares foi a escolhida e será lançada com o novo visual em 2020, comemorando o centenário pelo direito das mulheres ao voto.

Qual será a mulher a ser representada na cédula ainda não se sabe. O governo está preparando uma campanha na internet e quer saber o que diz a opinião pública. As únicas exigências para o nome escolhido é que a mulher não seja viva e esteja relacionada ao tema da cédula:democracia. “Nossas cédulas e as imagens de grandes líderes norte-americanos e marcos há tempos têm sido uma forma de honrarmos nosso passado e discutirmos nossos valores“, afirmou Lew.

Há alguns meses foi lançada na internet uma campanha civil chamada “Women on 20s” (“Mulheres no vintão”) que buscava o apoio popular para pedir que o rosto de uma mulher fosse colocado na nota de 20 dólares, onde hoje está o ex-presidente Andrew Jackson. Na votação online, foram finalistas Eleanor Roosevelt, defensora dos direitos humanos e esposa do ex-presidente norte-americano Franklin Roosevelt, e Rosa Parks, protagonista do episódio que foi o gatilho para a luta contra a segregação racial nos EUA.

As últimas mulheres a aparecerem em uma cédula de dólar foram Martha Washington, a primeira primeira-dama dos EUA, cujo rosto esteve presente nas moedas de 1 dólar no período de 1891 a 1896 e Pocahontas, ícone da colonização norte-americana, que esteve em uma foto em grupo impressa nas notas de 20 dólares, de 1865 a 1869.

A cédula atual:

10-dollar-mulher13

Algumas possibilidades:

10-dollar-mulher8

Rosa Parks, protagonista da luta contra a segregação racial nos EUA.

10-dollar-mulher2

Harriet Tubman, ex-escrava que ajudou na fuga de diversos escravos. 

10-dollar-mulher3

Eleanor Roosevelt, defensora dos direitos humanos e da mulher

10-dollar-mulher4

Sally Ride, a primeira mulher norte-america a ir ao Espaço

10-dollar-mulher6  

Beyoncé. Por que não? 😉

Fotos via UsaToday

Para proteger oceanos, startup está criando camarão artificial feito a partir de algas e proteínas

O consumo e a pesca de camarão em larga escala são um problema sério para os oceanos e o problema é que tem muita gente que não abre mão da iguaria. Mas uma invenção parece ser a solução para este problema. 

A start up New Wave Foods, empresa criada por biólogas da Universidade Carnegie Mellon e do Instituto Scripps de Oceanografia, criaram uma proposta ambiciosa para tentar evitar a escassez da espécie nos mares: fazer um camarão tão bom e saudável quanto o normal, porém, feito a partir de algas e proteínas.

Background photo of three fresh isolated shrimps

Inicialmente, a empresa tentou salvar tubarões. A proposta inicial era criar, em laboratório, um produto que se assemelhasse às barbatanas do peixe carnívoro. Só em 2013, uma pesquisa da Universidade de Dalhousie, no Canadá, mostrou que mais de 100 milhões de tubarões são mortos anualmente pela pesca. Porém, os objetivos mudaram quando as cientistas viram que dava para ir mais longe e estudar o camarão, que é o fruto do mar mais consumido nos Estados Unidos.

cama 3

O alimento ainda está sendo desenvolvido, mas um elemento de sua composição já está definido, uma estirpe de algas (parte que funciona como raiz da planta) usada como alimento por camarões. É que essa substância deixa o produto bem parecido com “o de verdade”. Não há previsão de quando o alimento começará a ser vendido no mercado. Segundo as pesquisadoras, uma primeira leva feita para testes e demonstrações está planejada para fevereiro, nos Estados Unidos.

camaraocrop

Imagem: creativecommons/Boiled-shrimp via ecodesenvolvimento

Ah os anos 1980! Cores loucas, moda inusitada novas (pra época claro!) tecnologias e muita novidade na música. Só mesmo boas imagens para lembrarmos, ou conhecermos (no caso dos mais novos) isso tudo. E foi isso que fez o fotógrafo alemão e repórter Thomas Hoepker nesta incrível serie fotográfica.

Durante anos, Hoepker se dedicou a documentar a cidade de Nova York, um dos grandes epicentros mundiais de tendências e novidades. O resultado foi publicado no livro New York por Thomas Hoepker, que cria um retrato da vida da cidade e de seus habitantes durante as últimas décadas.

Eventos trágicos como o 11 de setembro e o furacão Sandy fazem parte desses registros icônicos, assim como a alegria, as cores, a esperança e também alguns problemas típicos da década de 1980 e 1990, muito bem representados nestes cliques. Confira:

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-2https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2015/12/Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-3.jpg

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-4

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-5https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2015/12/Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-6.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2015/12/Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-8.jpg

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-12

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-13

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-14

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-16

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-17https://i1.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2015/12/Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-20.jpg

Thomas-Hoepker-Magnum-Photos-21

Todas as imagens: © Thomas Hoepker / Magnum Photos