O CRÂNIO ALONGADO DO POVO MANGBETU

O Povo Mangbetu vive em uma floresta da Savana, localizada na província Oriental, região nordeste da República Democrática do Congo. Esse povo vive da agricultura, juntamente com  criação de pequenos animais, caça, pesca e coleta. As culturas de rendimento têm incluído o óleo de palma, café, amendoim, arroz, banana e milho.Esse povo é conhecido pela peculiaridade do alongamento do crânio, técnica denominada de “lipombo”. 
O lipombo foi uma técnica utilizada nas sociedades Maia e de Kemet (Antigo Egito), inclusive pela Rainha Nefertiti e o Faraó Tutancâmon. As cabeças dos bebês eram envoltas com um pano, a fim de dar-lhes esta aparência aerodinâmica. Com a presença do cristianismo e a ocidentalização essa prática foi fortemente abalada a partir dos anos de 1950.

Em Janeiro e Março 1967 edições da revista francesa La mode L’Officiel publicou uma série de fotografias inspiradoras com as manchetes “Inspirado pela arte Africano” (l’Art Nègre) e “Magia Negra”, junto com o texto:

“África, este velho continente onde mitos ancestrais se refugiam à sombra das árvores baobá, nas margens de grandes rios, pantanosas, tem inspirado quase todos os nossos grandes criadores…”

Então, de quem a revista falava? Nada mais do que as pessoas Mangbetu  de Congo.

O Mangbetu refere-se a um grupo de pessoas linguísticas e culturalmente ligados situados nordeste da República Democrática do Congo (RDC). Os seus subgrupos principais são a Mangbetu, Meegye, Makere, Malele, Popoi e Abelu. A sua terra ancestral está situada na floresta do Congo, e que praticam a agricultura, criação de pequenos animais, caça, pesca e colecta, produção de culturas de rendimento como o óleo de palma, café, amendoim, arroz, banana e milho.

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/c2/aa/9e/c2aa9e1547b0c022350b696e41910c89.jpg

Até muito recentemente, o Mangbetu eram parte de um pequeno número de povos congoleses que praticavam as compensações de morte. Sempre que alguém morria eles consideravam que era responsabilidade do grupo da família de seu pai. Isso significava que o grupo do pai tinha que compensar o grupo da mãe, independentemente das circunstâncias da morte. Seu sistema de crença tradicional inclui uma rede complexa de ideias sobre bruxaria e feitiçaria. HISTÓRIA

https://farm4.staticflickr.com/3823/9853443933_1dcfe4ab96_b.jpg

No início do século XIX, o Mangbetu eram apenas um dos muitos pequenos grupos de pessoas que se instalaram no extremo norte da floresta do Congo. Naquela época, o líder Mangbetu, Nabiembali, reuniu um séquito de guerreiros e mudou-se para o norte através do rio Bomokandi para subjugar grupos de Mangbele e Mabisanga.

https://i1.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_02902.jpg
Não muito tempo depois, ele continuou a expansão Mangbetu conquistando outros povos da região, entre eles grupos de Madi, Bangba, Mayogo, Mayvu, Makango e Barambo. A grande importância das conquistas de Nabiembali foi que ele incorporou povos de língua não Kere ao seu reino. Suas conquistas foram a primeira vez que o poder tinha sido exercido em uma base territorial.

O Mangbetu são basicamente patrilinear. Ao mesmo tempo, os tios maternos de um homem são muito importantes. Antigamente era uma prática comum um sobrinho forte se tornar o governante de sua família materna. O filho do sobrinho, em seguida, tornava-se herdeiro do poder de seu pai. Ligado a essas práticas foi a tradição de dar às mulheres a grupos independentes ou realizar troca de mulheres. Esta prática foi aceite em toda a região como uma forma de pacificação ou aliança, mas Nabiembali-e o Mangbetu que o seguiam transformou este costume em uma instituição de controlo sobre os vários grupos étnicos. Uma das principais vantagens desta prática foi a de que ele poderia dar um clã fraco um líder forte, através de laços maternos do clã; no entanto, Nabiembali usou a prática em sentido inverso.

https://i2.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_02984.jpg

Ele desenvolveu uma estratégia de se casar com muitas mulheres, não só para aumentar a produtividade, exibir sua riqueza, e ter muitos filhos, mas também para legitimar as suas conquistas e estender seu controle. Sua política funcionou na medida em que alguns de seus filhos foram aceitos como governantes entre os povos de suas mães. No entanto, porque seus filhos procuravam estender seu próprio poder e da influência de seus clãs maternos (sobre as quais eles governavam), e porque eles desafiaram a autoridade de seu pai, tanto o poder centralizado e da extensão da regra Mangbetu acabaram sendo enfraquecidas.

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/68/15/4c/68154c10811ec24da8b34147aa09b568.jpg

O fundamento da liderança Mangbetu foi relacionado a dois conceitos, nataate e nakira. “Nataate”, traduzido livremente, se refere a uma de capacidade para o fazer, ou habilidades sociais de um. “Nakira” refere-se à inteligência ou habilidades técnicas e mentais de uma. Nataate é o poder dinâmico que existe dentro de uma pessoa e faz com que ele seja respeitados pelos outros. Nakira é a capacidade que se tem em quase todos os actos, mas particularmente na dança, canto, e falar em público.

https://i2.wp.com/36.media.tumblr.com/796d625124459cd6b462308850495a18/tumblr_ns7mzt3hQi1rnaggyo1_1280.jpg

O critério para a sucessão Mangbetu foi uma combinação de ligações hereditárias e habilidade. Nataate Superior e nakira foram seriamente considerada na escolha de um sucessor para o governante; portanto, um filho primogênito incompetente pode ser rejeitado em favor de um irmão mais novo mais competente. Na prática, muitos problemas de sucessão aconteceram devido a essa fórmula imprecisa para a transferência de poder.

https://i2.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_03003.jpg

O Mangbetu atingiu um nível muito elevado de desenvolvimento tecnológico e de material, como indicado por relatos anteriores de exploradores europeus. Por exemplo, Georg Schweinfurth, o primeiro europeu a chegar à área, visitou Mbunza, o governante Mangbetu, em 1870, e descreveu milhares de indivíduos na corte de Mbunza, bem como centenas de nobres e cortesãos.

Dentro da capital, houve muitos grandes edifícios; cabanas menores cheios de peles de animais, chapéus de penas e colares; e um arsenal de lanças de ferro, pilhas de facas, e centenas de lanças de cobre polido. Casa de Mbunza incluído músicos, eunucos, bobos da corte, cantores de baladas, dançarinos e guarda-costas. Ao redor da capital existia grandes campos e pomares de dendê e outras árvores cultivadas (Schweinfurth 1874).

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/bc/27/0c/bc270c27a8888584b74856968dc2d617.jpg

Grande parte do material cultura Mangbetu provavelmente foi emprestado de povos conquistados, mas o Mangbetu incentivou o desenvolvimento de todas as artes dos povos sob seu controle.

O ALONGAMENTO CRANIANO

‘Lipombo’, o costume de alongamento crânio, que era um símbolo de status entre as classes dirigentes Mangbetu no início do século e mais tarde foi imitado por grupos vizinhos, evoluiu para um ideal comum de beleza entre os povos do Congo nordestino. De acordo com Schildkrout e Keim, a tradição sobreviveu até meados deste século, quando foi proibido pelo governo belga.

https://i1.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_05660.jpg

O Mangbetu tinha uma aparência distinta e isso foi em parte devido a suas cabeças alongadas. Ao nascer, os chefes de bebês ‘estavam fortemente envolvido com o pano, a fim de dar suas cabeças o aspecto aerodinâmico. A prática começou a morrer na década de 1950 com a chegada de mais europeus e ocidentalização. Devido a este aspecto distinto, é fácil reconhecer figuras Mangbetu na arte Arte Africana.

PENTEADOS MANGBETU

Em 1870, o botânico alemão Georg Schweinfurth foi o primeiro europeu a chegar ao Mangbetu, que vivem no nordeste da República Democrática do Congo. Sua livro de exploração descreve-os como aristocrático e elegante. Seus cortes reais, sua prática de acentuar o alongamento de suas cabeças com penteados complicados, suas danças da corte, arquitectura real e suas artes atraíram fotógrafos ocidentais e cineastas, na primeira metade do século 20.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b7/COLLECTIE_TROPENMUSEUM_Mangbetu_vrouw_met_baby_met_gedeformeerd_achterhoofd_TMnr_60033952.jpg

As imagens das mulheres Mangbetu com o penteado clássico tornaram-se emblemáticos e circularam em muitos meios de comunicação, no Ocidente, que vão desde cartões postais, cartões comerciais e selos postais de esculturas, jóias, livro e ornamentos de capô de carros.

https://i2.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_03029.jpg

Todos em Mangbetu foram e continuam a ser, um povo bonito e estas imagens de sua herança impressionante são uma lembrança pungente de rica história, a criatividade e a magnificência de África.
Para que não esqueçamos!

Anúncios

18 comentários

  1. My knowledge of Spanish helps me to understand this. I would so appreciate it , however, if you would include a “translation” button. At any rate, thank you, for this very educational/informative piece. The world is in need of more education regarding the dispersal of early/original Egyptians throughout Africa. Thank you, again!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Pingback: O CRÂNIO ALONGADO DO POVO MANGBETU | Toni Roberts' Photojournal of Self-Transformation

  3. Pingback: Antropologia. Cultura Africana. O CRÂNIO ALONGADO DO POVO MANGBETU | MariaLDario's Blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s