Série emocionante mostra o parto humanizado de brasileira com as duas pernas amputadas

Lurdes Soares, mato-grossense, atendente de call center, foi atropelada por um caminhão aos sete anos. O acidente teve como consequência suas duas pernas amputadas. No entanto, a sua deficiência nunca foi uma limitação. E sim mais um dos desafios que enfrentara.

“A verdade é que foram as pessoas que tiveram que aprender  a lidar comigo. Quando criança, se eu queria brincar de esconde esconde, eu ia brincar. As outras crianças que tinham que se adaptar a brincar comigo. Nunca permiti que me deixassem no canto.”, conta Lurdes ao blog Mãe Onça.

Agora que já a conhecemos um pouco melhor, imaginemos uma situação: Lurdes quer fazer um parto humanizado. Mas todos os médicos falaram um cessaria e tentaram a convencer. E você acha mesmo que ela desistiria tão fácil? Que nada! O pequeno Derik nasceu perfeito, com 2,5 kg – de parto normal humanizado.

lurdes11

Para quem ainda não está familiarizado com o assunto, isso quer dizer que ele pode ser realizado na água, na maternidade ou no centro cirúrgico. O fator principal é que nele a natureza faz o seu trabalho. Ou seja, é um parto com o o mínimo de intervenções possíveis.

Foram 18 horas de trabalho de parto sem anestesia e nenhuma intervenção médica. “Foi uma explosão de sentimentos, é a coisa mais emocionante da vida de uma mulher, algo divino”, completa. O resultado é para lá de inspirador! E você pode conferir abaixo, com um belíssimo ensaio fotográfico.

Espia só:

lurdes10

lurdes6

lurdes9

lurdes7

lurdes8

lurdes5

lurdes4

lurdes1

lurdes3

lurdes2

Todas as fotos © Elis Freitas

Série de fotos rara documenta a vibrante noite de Nova York na década de 70

O final da década de 70 foi uma época bastante significativa para a noite de Nova Iorque, que reverbera até hoje, como é o caso da lendária discoteca localizada em Manhattan, Nova Iorque, inaugurada em 26 de abril de 1977, Studio 54.

Mas, não apenas o Studio 54 fazia parte dessa efervescência da noite nova-iorquina – o fotógrafo Bill Bernstein captou de forma excepcional os diversos personagens que viviam nas noites regadas a muita bebidas e drogas. Mas Bernstein não registrava as celebridades: seu olhar era para homens e mulheres desconhecidos que faziam de lugares como Paradise Garage, Xenon Dance Floor, L’Amour, GG’s Barnum Room Disco Bats, Rollerina – The Fun House, Le Clique e The Mudd Club ambientes tão marcantes.

Todas essas imagens históricas de um tempo extremamente criativo e excitante estão documentadas no livro “Disco: The Bill Bernstein Photographs“. Deixamos algumas delas abaixo para que também você possa entrar nessa viagem:

New York Disco, 1979 (1)

New York Disco, 1979 (2)

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2015/12/New-York-Disco-1979-3.jpg

New York Disco, 1979 (4)

New York Disco, 1979 (5)

New York Disco, 1979 (6)

New York Disco, 1979 (7)

https://i1.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2015/12/New-York-Disco-1979-8.jpg

New York Disco, 1979 (9)

New York Disco, 1979 (10)

New York Disco, 1979 (11)

New York Disco, 1979 (12)

New York Disco, 1979 (14)

New York Disco, 1979 (15)

New York Disco, 1979 (16)

New York Disco, 1979 (17)

New York Disco, 1979 (18)

New York Disco, 1979 (19)

New York Disco, 1979 (20)

New York Disco, 1979 (21)

Todas as fotos © Bill Bernstein

"Carnabarro": projeto brasileiro propõe Carnaval diferente e sustentável em ecovilas

Já tem algum plano para o Carnaval? Que tal curtir estes dias em meio à natureza aprendendo um pouco mais sobre bioconstrução com barro? Apesar de parecer inusitada, essa é a proposta da Ecovila Clareando e do Sítio Pau D’Água, que trazem o Carnabarro, um evento pensado para quem quer comemorar o Carnaval com muita consciência ecológica.

Entre os dias 6 e 8 de fevereiro, será possível participar de uma série de oficinas de bioconstrução usando barro, vivências terapêuticas com argila e barro e de ritmos populares. Todas as atividades são realizadas pelos moradores das comunidades, em um sistema aberto em que cada um sabe o quanto o outro recebe e gasta para oferecer cada atividade.

Os locais estão situados na Serra da Mantiqueira, em meio à Mata Atlântica, onde será possível conviver com macacos bugios, esquilos, tucanos e outros animais. Mas para quem quer aproveitar o feriado ainda mais, um baile de Carnaval irá acontecer no sábado, dia 6, e na segunda, 8, haverá um bloco de Carnaval que sairá da Ecovila até o Sítio Pau D’água em um trajeto de dois quilômetros por estrada de terra.

Ecovila3

O pacote completo para os três dias inclui hospedagem em alojamento coletivo, café da manhã, almoço e janta, além de diversas oficinas e tem um custo de R$ 560 por pessoa. É possível obter mais informações através do e-mail carnabarro@gmail.com. Já pensou que esse carnaval pode ser diferente? Olha só o que te espera por lá:

24185324886_6db890c08a_k

Todas as fotos © Kaminari Comunicação

As incríveis casas populares e de baixo custo do arquiteto eleito o melhor do mundo

 
Há alguns anos, os vencedores do Pritzker, o maior prêmio da arquitetura mundial, costumavam ser notados por obras de tamanho colossal, cheias de detalhes luxuosos. Desde 2014, porém, os premiados são aqueles cujos trabalhos se ligam à chamada “arquitetura cidadã”.

É o caso de Alejandro Aravena, vencedor do Pritzker em 2016. O chileno, de 48 anos, se destacou na última década por projetos de habitação social e por obras para a recuperação de cidades atingidas por desastres naturais.

Seu projeto mais famoso é o conjunto habitacional Quinta Monroy, em Iquique, em seu país natal. Trata-se de um conjunto de moradias populares, com custo de 7.500 dólares por unidade, vendidas a pessoas de baixa renda que antes viviam em um terreno ocupado ilegalmente.

O escritório Elemental, criado por Aravena em 2001, já construiu mais de 2500 unidades de habitação social. Além disso, o arquiteto assinou projetos educacionais no Chile, EUA, México, China e Suíça.

Confira fotos de projetos assinados por Alejandro:

Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Quinta Monroy
Ayelén School
Ayelén School
Escola de matemática da Universidad Católica

Escola de matemática da Universidad Católica

Todas as fotos © Elemental

Carteiro ajuda menino de 12 anos que queria ler, mas não tinha dinheiro para isso

Sabe aquela pessoa que gosta tanto de ler que “lê até bula de remédio”? Pois bem, o garoto norte-americano Matthew Flores, de 12 anos, lia panfletos e propagandas, já que estava de férias da escola e sua família não tem condições de comprar livros ou de levá-lo até uma biblioteca. Mas foi ao perguntar se o carteiro Ron Lynch tinha alguns jornais sobrando para lhe dar que isso tudo mudou.

Eu estava colocando a correspondência nas caixas para os moradores do prédio quando eu ouvi esse garoto lendo em um panfleto de supermercado coisas como ‘bananas, 66 centavos’ e coisas do tipo. Então ele veio e me perguntou se eu tinha algum jornal ou propaganda sobrando para que ele pudesse ler“, disse Lynch à ABC News.

O menino contou ao carteiro que seus pais não tinham carro ou dinheiro para pagar a passagem do ônibus até uma biblioteca, mas como ele gostava de ler, divertia-se com panfletos. Surpreso, Lynch usou seu perfil no Facebook para fazer um apelo aos amigos e pedir que enviassem livros a Matthew. Com mais de 15 mil curtidas, o pedido rendeu mais de 500 livros vindos de todas as partes dos Estados Unidos e também de outros países. Agora, Matthew tem sua própria biblioteca e quer ajudar crianças que, como ele, não têm acesso ao incrível mundo dos livros.

Os livros nos levam a lugares em que nunca estivemos e eu não queria que ele estivesse em um supermercado. Eu queria que ele estivesse em outros mundos“, disse Lynch, que com um gesto tão simples mudou de uma vez por todas a vida de Matthew.

matthew-flores-livros8

 matthew-flores-livros

matthew-flores-livros2

matthew-flores-livros3

matthew-flores-livros4

Fotos © Reprodução/Facebook Mail Carrier Ron Lynch, sits with Mathew Flores Sunday, July 26, 2015, in Sandy, near a book shelf now full of books that have been given to Mathew. Mathew approached Ron while he was delivering mail and asked if he had anything he could read.Foto © KSL