O CRUZEIRO QUE PARTE DA AUSTRÁLIA PARA DAR UMA VOLTA AO MUNDO EM 114 DIAS

Enquanto muita gente se vira no mochilão e perrengues da viagem com pouco dinheiro, outros investem em roteiros caríssimos e cheios de luxo. Inusitado, o cruzeiro daPrincess Cruises, vai ficar 114 dias no mar levando passageiros endinheirados para dar uma volta ao mundo.

O navio, que parte da Austrália em 29 de maio, cobra cerca de 52 mil reais por pessoa, sem incluir as taxas. A longa jornada inclui 1.998 hóspedes, cinco continentes e 30 países. Não dá pra negar que a rota é interessante.

A rota inicia e termina na Austrália, passando pela Nova Zelândia, Taiti, Turquia, Dubai, Egito, Croácia, Islândia, Canadá, Estados Unidos, Caribe, Peru e Chile (o Brasil está fora do roteiro). Enquanto passam pelo longo período no mar, aproveitam das regalias no navio como spa, teatro, cassino e cinema ao ar livre.

Comece já por viajar nessas imagens:

princess13

princess12

princess11

princess10

princess8

princess7

princess6

princess5

princess4

princess3

princess2

princess

Todas as fotos: Reprodução/Princess Cruises

FOTO DO DIA

“Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender e, se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar.”

Nelson Mandela

Conheça o mítico retiro espiritual dos Beatles na Índia que acaba de ser reaberto ao público

Se a história dos Beatles é mitologia fundamental para qualquer banda ou amante de rock que se preze, um dos mais curiosos e prolíficos capítulos dessa história é a viagem da banda a Rishikesh, no norte da Índia, em fevereiro de 1968.

Junto deles viajaram suas esposas, e ainda Mike Love, dos Beach Boys, Mia Farrow e sua irmã, Prudence (que inspirou a canção ‘Dear Prudence’) e o cantor Donovan. Atrás, o Maharishi Mahesh Yogi.

Os Beatles em Rishikesh, na Índia. Junto deles viajaram suas esposas, e ainda Mike Love, dos Beach Boys, Mia Farrow e sua irmã, Prudence (que inspirou a canção 'Dear Prudence') e o cantor Donovan. Atrás, o Maharishi Mahesh Yogi ©Arquivo Hutton / Getty Images
Os Beatles em Rishikesh, na Índia. Foto © Arquivo Hutton / Getty Images

George

John+Cinthia

Ringo

De cima pra baixo: George, John com Cynthia Lennon, então sua mulher, Ringo Starr e Paul McCartney, durante a estadia no Ashram © Divulgação
De cima pra baixo: George, John com Cynthia Lennon, então sua mulher, Ringo Starr e Paul McCartney, durante a estadia no Ashram. Todas as fotos: Divulgação

Inspirada pelo interesse crescente do guitarrista George Harrison na cultura e nos sons orientais, a banda viajou para lá a fim de fugir do olho do furacão midiático em que viviam, e aprender meditação transcendental com o mestre Maharishi Mahesh Yogi, em seu Ashram, centro de meditação, à beira do Himalaia e do sagrado rio Ganges.

Os Beatles com o Maharishi. © Divulgação
Os Beatles com o Maharishi. FotoDivulgação

Lá eles compuseram quase 50 canções – levantando praticamente todo o repertório do que viria a ser o Álbum Branco – e, apesar do mal estar estomacal que tomou conta de Ringo por conta da dieta indiana, e de terem suspendido suas férias espirituais subitamente, após suspeitas sobre o comportamento financeiro e sexual do Maharishi (sobre as quais, anos mais tarde, Paul e George viriam a público se desculpar), os Beatles para sempre levariam consigo o hábito de meditarem, e a estadia na Índia se tornaria uma boa lembrança de um período um pouco mais leve e alegre, antes do amargo fim da banda.

Ashram2_AntonyMeadley_AgCatersNews

Ashram3_AntonyMeadley_AgCatersNews

Ashram4BOM_AntonyMeadley_AgCatersNews

O Ashram hoje em dia © Antony Meadley / Agência Caters News
O Ashram hoje em dia. Foto © Antony Meadley / Agência Caters News

Pois se por muitos anos os fãs tiveram de subornar guardas ou pular os muros para visitar o Ashram – que permaneceu por décadas abandonado depois que a concessão de uso, cedida pelo governo para o Maharishi, expirou – e conhecer esse cenário mítico e espiritual, agora enfim o centro de meditação foi reformado e reaberto para o público. Por dois dólares para os indianos e 10 para estrangeiros, qualquer um pode conhecer o local onde foram compostos clássicos como Dear Prudence, Back In The USSR, I’m So Tired, Ob-la-di Ob-la-da e Revolution.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ashram_CEN3

© CEN

Foto © CEN

Placa sobre a estadia da banda no Ashram ("Os Beatles em Rishikesh. Eles vieram para cá em 1968, para estudar meditação transcedental com o Maharishi Mahesh Yogi. Durante sua estadia aqui, escreveram muitas canções célebres, lançadas no Álbum Branco e Abbey Road") © STR-AFP-Getty Images

Placa sobre a estadia da banda no Ashram (“Os Beatles em Rishikesh”. Eles vieram para cá em 1968, para estudar meditação transcedental com o Maharishi Mahesh Yogi. Durante sua estadia aqui, escreveram muitas canções célebres, lançadas no Álbum Branco e Abbey Road”)

Foto © STR-AFP-Getty Images

Divulgação5

Divulgação4

Divulgação3

Divulgação2

© Divulgação
Fotos: Divulgação

A abertura pública do local aconteceu no dia 08 de Dezembro de 2015, exatos 35 anos após o assassinato de John Lennon. A ideia é tornar o local um grande centro de Yoga e meditação, além de revitalizar o turismo da região.

Dá uma olhada nessas reportagens da época sobre os Beatles no Ashram:

Que tal dar um pulo na Suécia para conhecer a árvore mais antiga do planeta?

Encontrar uma árvore no meio de um longo caminho pode ser um verdadeiro milagre para quem almeja por um pouco de sombra e água fresca. Na Suécia, a surpresa seria se deparar com a árvore mais antiga do mundo, que tem 9.550 anos de idade. A anciã Old Tjikko, na província de Dalarna, foi descoberta apenas em 2004 por um grupo de pesquisadores que deu a ela tal título. Antes tarde do que nunca.

O processo para saber o quão antiga era foi até diferente das demais. O grupo liderado por Leif Kullman, do departamento de meio ambiente e ecologia da Universidade de Umea, fez estimativas a partir de material orgânico coletado de sua raíz ao invés de contar os anéis em seu tronco. Conhecida como “Árvore de Natal”, a Picea abis tem a capacidade de manter sua raíz firme e forte mesmo após a morte do caule, que é capaz de viver uns 600 anos, fazendo com que ela se regenere inúmeras vezes. 

Com quatro metros de altura, a árvore está  a 910 metros de altitude num condado histórico próximo a Noruega. A província atrai suecos durante as férias de verão, que descansam no meio da natureza em casas encantadoras com lagos ao lado e participam de bailes tradicionais. A Old Tjikko desbancou o título do pinheiro Bristleone, da Califórnia, que tem 5 mil anos.

old-tjikko2

2120723069_7087368447_o

Foto © i.prinke

old-tjikko3

Foto via

OLYMPUS DIGITAL CAMERA 

dalarna

Fotos: divulgação

Você se hospedaria num hotel que já foi um campo de concentração?


Com um passado nada louvável, uma construção histórica em Montenegro, no meio do Mar Adriático, vai se transformar em resort de luxo. Construído em 1853 na ilha de Mamula, o forte serviu como campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Hospedagem  bizarra não?

O general austro-húngaro Lazar Mamula tinha como objetivo a proteção contra inimigos no Boka Bay. Mas quando aconteceu a segunda grande guerra, o fascista italiano Benito Mussolini transformou o espaço, alojando cerca de 2 mil prisioneiros, que posteriormente foram executados ou morreram de fome sob condições precárias.

Já nos dias atuais, o Parlamento montenegrino permitiu que a empresa Orascom transforme o local num resort com discotecas, spa e restaurantes. Porém, a nova empreitada já está sendo criticada por não respeitar as famílias que perderam pessoas dentro do campo de concentração, além do desrespeito com a construção histórica.

O governo ainda assim alega que o projeto vai impulsionar a economia com a ajuda dos investidores que vão manter a estrutura de pé e torna-la acessível ao público. Além de manter a arquitetura, a empresa também se comprometeu a construir um memorial para as vítimas, mas o assunto continua mal resolvido. 

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/mamula-island-fort-22.jpg
Foto  © Atraktor Studio
https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/mamula-island-fort-92.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/mamula-island-fort-62.jpg


https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/mamula-island-fort-72.jpg
Fotos  ©  Hons084
https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/mamula-island-fort-82.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/mamula-island-fort-36.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/mamula-island-fort-46.jpg

Fotos: reprodução

Presídio carioca realiza desfile de moda para aumentar autoestima de detentas

Em um ambiente tão sórdido e complicado quanto a prisão, medidas consideradas simples podem mudar a vida de muita gente.

Foi isso que aconteceu com as detentas do presídio Talavera Bruce, no Complexo Penitenciário de Bangu, no Rio de Janeiro, na última terça-feira (24). Elas participaram do Miss Penitenciária 2015, concurso de beleza da prisão. Com direito a maquiagem completa, passarela com tapete vermelho e roupões de banho, as detentas puderam passar por um dia de princesas e relembrar que a autoestima não fica para fora das grades.

Dez mulheres concorreram pelo prêmio, após uma sessão de preparação com uma modelo brasileira. A vencedora foi Michele Rangel (de vestido vermelho na foto abaixo) naquela que foi a 11ª edição do concurso que quer incentivar as mulheres a se integrarem e combater o ócio.

MissPenitenciaria1

 

MissPenitenciaria2

Ainda que os presídios apenas aumentem suas capacidades (segundo o Ministério da Justiça, o número de mulheres detentas cresceu 567% de 2000 para 2014), é esse tipo de atitude que volta a lembrar essas pessoas de algo muito importante: que todos são seres humanos e merecem cuidado e atenção.

MissPenitenciaria4

MissPenitenciaria3

MissPenitenciaria5

MissPenitenciaria6

MissPenitenciaria7

MissPenitenciaria8

MissPenitenciaria9

MissPenitenciaria10

Todas as fotos © Getty Images via Daily Mail

Mais uma arte de Banksy contra a xenofobia e em defesa dos refugiados, agora em Londres

Com rosto ausente e lata de spray ativa, um dos grafiteiros mais famosos e influentes do mundo ataca novamente. Banksy lançou uma nova arte polêmica que reflete problemas atuais. Desta vez, o alvo foi diretamente os franceses por conta do tratamento violento com os refugiados em Calais, região Norte da França. O trabalho foi feito nas ruas de Londres.



Sem medo de provocar, a arte mostra a personagem Cosette do romance Les Misérables, de Victor Hugo, aos prantos em meio a uma nuvem de gás lacrimogênio. O stencil foi posicionado em lugar estratégico, a menos de 2 km do Palácio de Buckingham e logo em frente ao edifício da embaixada francesa.

Além da imagem chocante e cheia de significados, ele ainda adicionou ao tapume uma pequena lembrança por meio de um código QR, no canto inferior esquerdo. Este pequeno detalhe nos leva ao vídeo abaixo, que mostra a polícia francesa em ação inconsequente, fazendo uso de gás lacrimogênio e balas de borracha contra os imigrantes, fato que os porta-vozes da polícia negam ter acontecido.

Não é a primeira vez que o artista se manifesta a favor dos refugiados. Em um de seus últimos projetos, Dismaland, resolveu ceder os materiais para a construção de um abrigo para os imigrantes em Calais, que até o momento já conta 12 residências. As fotos depois do vídeo mostram o campo onde estão sendo construídas.



banksy

banksycalais
Calais-Banksy4

Calais-Banksy

Calais-Banksy9

Calais-Banksy2

Calais-Banksy5





Calais-Banksy7

Calais-Banksy8

Todas as fotos © Banksy