Smeagol é descoberto no Brasil

opilao - smeagol brasileiro

Nomeado em homenagem ao personagem de “Senhor dos Anéis”, Smeagol, uma nova espécie de opilão (animal aracnídeo) sem olhos foi encontrada engatinhando em uma caverna úmida no sudeste do Brasil. Eles nunca saem de sua casa subterrânea, o que torna esta uma descoberta preciosa para todos os envolvidos.

A espécie é altamente modificada em comparação com seus semelhantes. A pesquisa que levou a sua descoberta foi feita pela equipe do Dr. Ricardo Pinto-da-Rocha, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, juntamente com a Dra. Maria Elina Bichuette e Rafael Fonseca-Ferreira, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Poucos, mas preciosos

Embora existam habitantes das cavernas que podem sobreviver facilmente acima do solo e até mesmo regularmente saem para se alimentar ou matar, há alguns, tais como os integrantes desta nova espécie de opilão, a Iandumoema smeagol, que absolutamente NUNCA deixam seus habitats subterrâneos. Como uma adaptação, a nova espécie não tem olhos e tem uma quantidade reduzida de pigmentação, através da qual mostra cores amareladas pálidos.

Os 14 adultos e jovens indivíduos da espécie que foram observados pelos pesquisadores demonstraram um comportamento de ficar sempre perto da água, e mais frequentemente preferir as paredes das cavernas molhadas. Enquanto os jovens pareceram bastante ativos, os adultos mostraram um comportamento mais sedentário.

opilao - smeagol brasileiro habitat

Outra característica marcante é que a nova espécie foi encontrada em uma caverna com depósitos de matéria orgânica ou manchas. Em uma ocasião, a equipe também observou que um dos animais estava se alimentando de carcaças de invertebrados.

Em conclusão, os autores destacam que estudos adicionais sobre a biologia populacional da espécie são urgentes para traçarmos uma estratégia de conservação adequada. Isso é importante porque o habitat destes animais poderá, muito provavelmente, sofrer as consequências do desmatamento que afeta as imediações da caverna.[phys]

Anúncios

11 LUGARES COM ÁGUAS CRISTALINAS PELO BRASIL QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

O Brasil deixa a desejar em muitas coisas, mas não dá para pensar em ficar longe de suas belas praias, que se destacam no mundo todo. Em especial, as regiões litorâneas com águas cristalinas causam um encantamento ainda maior e, por isso, lugares como o Caribe fazem tanto sucesso entre os turistas.

Para a nossa sorte nem é necessário ir tão longe, já que a diversidade é ponto alto na nossa terra verde e amarela. O azul intenso na bandeira pode ser encontrado também em rios e grutas no interior de alguns estados.

Não perca mais tempo pensando na cotação do dólar e do euro. Vamos explorar as águas surpreendentes do Brasil? Acompanhe a lista de 10 lugares com águas de fazer inveja a qualquer estrangeiro.

1. Morro de São Paulo

Em duas horas de barco de Salvador, você chega a esta ilha incrível e isolada, onde não entram carros. A gastronomia é ponto forte, assim como as noites animadas e as praias de águas intensamente azuis.

morrospFoto © 

2. Península de Maraú

Interior da Bahia, a Península reúne algumas das praias mais lindas da região, com águas cristalinas ideais para a prática de mergulho. São 40 praias praticamente desertas entre Morro de São Paulo e Itacaré, como Taipus de Fora.

marauFoto © hiddenpousadasbrazil

3. Praia de Atalaia

Muito protegida para manter os recifes intactos, a praia em Fernando de Noronha se destaca pela piscina natural que é um verdadeiro berçário de tubarões. Só é permitida a entrada de 100 pessoas por dia e o mergulho só pode ser feito com a maré alta.

FernandoNoronha

4. Rio Triste

Não tendo nada de triste, este rio a 17 quilômetros de Bom Jardim, no Mato Grosso, fica na região de Nobres e surpreende por suas águas transparentes, ideais para a prática de snorkel.

rio tristeFoto © 

5. Gruta do Lago Azul

O azul da água nesta gruta de Bonito, no Pantanal, é uma incógnita por ser tão diferente, escuro e muito intenso. Considerada umas das maiores cavidades inundadas do planeta, a gruta já reuniu diversas teorias sobre a cor da água, mas pode ser que a origem seja de um rio subterrâneo. O mistério atrai ainda mais para um mergulho.

gruta-azulFoto © wikipedia

6. Bombinhas

Santa Catarina tem praias fantásticas, mas a praia de Bombinhas se destaca. A cor da água é um verdadeiro convite em dias ensolarados, num local cercado pela natureza.

bombinhasFoto © bombinhas

7. Gruta da Pratinha

Parece de mentira, mas é “só” uma gruta linda na Chapada da Diamantina, que tem águas intensamente azuis e transparentes, ideais para observar os peixes.

pratinhaFoto © Julia Guimarães via urbonu

8. Arraial do Cabo

O Rio de Janeiro pode ser a Cidade Maravilhosa, mas são nos arredores da capital que se encontram algumas das praias mais bonitas. Arraial do Cabo fica a apenas 140 quilômetros da capital e encanta turistas do mundo todo, mantendo um pedaço da Mata Atlântica e águas cristalinas.

arraial do caboFoto © arraialtur

9. Rio Sucuri

Estranho pensar que existem rios de águas cristalinas. Mas em Bonito, no Pantanal, está um dos mais lindos e encantadores do mundo, de onde dá para avistar os peixes facilmente.

sucuriFoto © vidadeturista

10. Ilha de Boipeba

Também na Bahia, a ilha em Valença, a 300 quilômetros de Salvador, pode ser o recanto perfeito para quem quer fugir de tudo. As águas de azul intenso são um encontro do oceano com o estuário do Rio do Inferno.

boipebaFoto © dicasdeferias

11. Cavalcante

Na Chapada dos Veadeiros, mais precisamente em Cavalcante, a cachoeira Santa Bárbara chama a atenção pelo poço de água cristalina, um tanto quanto chamativa. O local é ótimo para mergulho e para lavar a alma na queda de 35 metros de altura.

CavalcanteFoto © rodoviariadegoiania [Via]

Casas bem preservadas da Idade do Bronze são descobertas no Reino Unido

https://i1.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/idade-do-bronze-pompeia-britanica-5.jpg

Arqueólogos dizem ter descoberto a “Pompeia Britânica”: as habitações mais bem preservadas da Idade do Bronze já encontradas no Reino Unido.

As casas de madeira circulares, construídas sobre palafitas, fazem parte de um assentamento em Must Farm, Cambridgeshire. Elas datam de cerca de 1000 a 800 aC.

Um incêndio destruiu os postes, fazendo com que as casas caíssem em um rio. Por sua vez, a lama ajudou a preservar os materiais. A comparação com Pompeia é justa: até mesmo panelas com refeições ainda dentro foram encontradas no local.

https://i0.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/idade-do-bronze-pompeia-britanica-4.jpg

Achados fascinantes

Os pesquisadores acreditam ter encontrado cerca de cinco casas, que agora estão sendo escavadas.A Idade do Bronze na Grã-Bretanha durou de 2500 a 2000 aC, até o uso de ferro tornar-se comum, entre 800 a 650 aC.

https://i1.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/idade-do-bronze-pompeia-britanica-2.jpg

Restos clássicos da época no assentamento incluem machados sofisticados, objetos de ouro preciosos e túmulos redondos, os quais ainda podem ser vistos pela Grã-Bretanha.

Os arqueólogos também encontraram pequenas xícaras, taças e jarras, além de peças de vidro “exóticas” que faziam parte de um colar e insinuam uma sofisticação que não é geralmente associada com a Idade do Bronze. Por fim, tecidos feitos de fibras vegetais, como a casca de uma árvore chamada tília, também foram desenterrados.

https://i2.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/idade-do-bronze-pompeia-britanica-6.jpg

https://i2.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/idade-do-bronze-pompeia-britanica-7.jpg

Dois metros abaixo da superfície do assentamento, os pesquisadores ainda encontraram pegadas preservadas, que se acredita serem das pessoas que lá viviam.

Dificuldades que valerão a pena

A escavação precisará ser rápida. Existem preocupações que o nível da água no local possa cair em algum momento no futuro, de forma que os restos das casas não podem ser preservados in situ.

https://i2.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/idade-do-bronze-pompeia-britanica-1.jpg

“Um incêndio dramático 3.000 anos atrás, combinado com subsequente preservação alagada, deixou-nos um momento congelado no tempo, o que nos dá uma imagem gráfica da vida na Idade do Bronze”, disse Duncan Wilson, presidente-executivo da Historic England, que está financiando a escavação em conjunto com a Forterra. “Este sítio é de importância internacional e sua escavação vai realmente transformar a nossa compreensão do período”

https://i1.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/idade-do-bronze-pompeia-britanica-8.jpg

David Gibson, da Cambridge Archaeological Unit, o líder da escavação, disse: “Podemos realmente ver a vida cotidiana durante a Idade do Bronze. É arqueologia pré-histórica em 3D, com achados insuperáveis tanto em termos de variedade quanto de quantidade”.

Enquanto outros assentamentos da Idade do Bronze já foram encontrados no Reino Unido, nenhum é tão bem preservado. “A maioria não tem qualquer madeira restante, apenas furos e marcas de onde os postes teriam estado”, explica Gibson. “Até agora, este é único sítio com a estrutura do telhado também”.

Uma vez que todos os itens do local forem recuperados, limpos e documentados, devem ser colocados em exposição pública. [BBC]