PAULISTANO VIAJA PELO MUNDO COM MENOS DE UM SALÁRIO MÍNIMO POR MÊS

Sabe aquela inquietude que você guarda lá dentro do peito e da consciência? Por que não transformá-la em uma viagem inesquecível? Foi o que fez o  fotógrafo paulistano Felipe Vazami, de 26 anos, que largou um bom emprego na área de marketing para realizar o sonho de viajar pela América Latina.

Entre 2012 e 2013, após um intercâmbio em Madri, Felipe começou a planejar sua jornada e assim investiu no projeto Redescobrir. Mas a aventura seria feita com baixo custo, que começou com a descoberta do couchsurfing, plataforma mundial de hospedagem gratuita. Com 20 reais por dia, algumas caronas e trabalho em troca de outras ajudas relacionadas a viagem, conseguiu encontrar um novo estilo de vida que custava menos do que um salário mínimo por mês. Muitas vezes, ele consegue alimentos e refeições pelo caminho, com a solidariedade alheia, além de ter uma parceria com uma empresa de seguros para câmeras fotográficas, que paga por publieditoriais em sua página.

Após o convite para participar do projeto social PAAPI, que dá assistência média aos povos indígenas do Mato Grosso, ele deu início a sua viagem em março de 2014, sem roteiro definido, mas com a vontade de chegar ao México. No meio do percurso, enfrentou fortes chuvas no Acre, pegou carona com avião da FAB, comeu carne de macaco no Amazonas, cruzou da Colômbia ao Panamá a bordo de um veleiro em pleno mar caribenho, e alcançou o território mexicano em janeiro deste ano. Assim, descobriu que não quer mais parar de viajar.

Atualmente, o paulistano está na Bélgica e pretende seguir para África e Ásia, explorando os dois continentes e acumulando novas histórias que vão mudar sua vida para sempre, provando que a vida realmente se transforma quando saímos da nossa zona de conforto.

vazami12

vazami11

vazami10

vazami9

vazami8

vazami7

vazami6

vazami5

vazami4

vazami3

vazami2

vazami

Todas as fotos © Felipe Vazami

Anúncios

É possível: eles viajaram por mais de 50 países em uma van gastando apenas 8 dólares por dia

Se a suas finanças vão de mal a pior, calma, ainda dá pra manter o otimismo. O casal polonês Karol e Wojciech Lewandowski  prova que é possível ser feliz com pouco dinheiro e até mesmo cruzar fronteiras. Comprando uma van antiga por 600 dólares, eles deram um up no veículo, armazenaram comida e botaram o pé na estrada.

Só para se ter uma ideia de como dá para percorrer esse mundão com pouca grana, a dupla já visitou mais de 50 países em seis anos de viagens. Já são mais de 150 mil km percorridos em cinco continentes. Sem pagar por acomodação, pois dormem no carro e em barracas, e fazendo a própria comida, conseguem se bancar gastando apenas US$ 8 por dia. Até quando o carro quebra, eles mesmos que arrumam depois de aprender algumas coisas.

A aventura passou por lugares como o Grand Canyon, pelas águas termais da Islândia, pelas montanhas da Noruega, por Veneza e até ficaram noivos no deserto do Sahaara. Depois de criar um blog e começar a fazer sucesso, outros poloneses passaram a fazer o mesmo e encontram com eles em suas jornadas, dividindo custos da gasolina e boas histórias. Karol e Wojciech continuam juntos pelas estradas mundo afora.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan2.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan3.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan4.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan5.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan6.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan7.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan8.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan9.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan10.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan11.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan12.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan13.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan14.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan15.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan16.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan17.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan18.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan19.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan20.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan21.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan22.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan23.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan24.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/viagemvan25.jpg

Todas as fotos © Karol e Wojciech Lewandowski 

A impressionante escadaria de uma ilha espanhola em cima das rochas

Gaztelugatxe, uma pequena ilha no Golfo da Biscaia, chama a atenção por conta da curiosa escadaria que a liga ao continente e que culmina com uma misteriosa igreja. A chamada San Juan de Gaztelugatxe, datada no século X,  é dedicada a João Batista.

Construída em meio às rochas, a igreja parece ter origem por meio dos Cavaleiros Templários. No ano de 1053 foi doada por Lady Tota Ortiz y López Enneko ao monge Zianno, do mosteiro de San Juan de la Peña (Huesca), um dos mais influentes da Idade Média. O acesso até ela é feito através de uma extensa ponte de pedra e uma escadaria estreita de 230 degraus.

Mas Gaztelugatxe não está sozinha por lá, fazendo par com outra ilha vizinha de nome exótico, Aketze.  As duas se estendem entre as cidades de Bakio até Cabo Matxitxako, no Golfo da Biscaia. Em termos históricos,  Gaztelugatxe não teve muito sossego, servindo inicialmente como pilar da resistência contra os caprichos do rei de Castela, Alfonso XI. O local foi defendido por sete cavaleiros em 1334, que resistiram aos ataques do exército por um tempo; resultando na queda do monarca. Foi aí que, em 1593, foi saqueada e atacada por Francis Drake que, com auxílio de suas tropas, deu um final trágico ao eremita, jogado-o para fora do penhasco. 

Atualmente, a ilha é um daqueles pontinhos no meio da imensidão azul do mar, com vista espetacular e habitada por muitas aves. A igreja se mantém fechada durante o inverno e lota no verão. A melhor época para fazer uma visita é durante a primavera e o outono.

Gaztelugatxe-3

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2014/07/Gaztelugatxe-10.jpg

Gaztelugatxe-8

Gaztelugatxe-7

Gaztelugatxe-4

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2014/07/Gaztelugatxe-topo.jpg

Gaztelugatxe-2

Gaztelugatxe

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2014/07/Gaztelugatxe-12.jpg

Gaztelugatxe-14

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2014/07/Gaztelugatxe-11.jpg

Fotos: Alexis Shandler, panduanwisata, bastian., busturialdea, cruzandomundo, top-places-in-spain,  chalo84

10 fotógrafos de viagem que você precisa conhecer

Wandelust. A expressão alemã que poderia ser traduzida como “desejo de viajar” também é uma definição perfeita para o trabalho de alguns fotógrafos de viagens. São aquelas fotos que, quando observamos, deixam qualquer um com vontade de fazer as malas na hora e embarcar no primeiro avião.

E nós separamos 10 fotógrafos habilidosos que não se cansam de registrar cada cantinho desse mundo para que possamos conhecê-lo sem sequer sair de casa. Confere só quem são eles:

1. Vincent Laforet

Produtor de vídeos, professor, pai e fotógrafo, Vincent é inovador por natureza. Suíço, ele cresceu entre a França e Nova Iorque e acabou indo estudar jornalismo em Chicago. Hoje pode se orgulhar de ter registrado algumas das paisagens e lugares mais incríveis do mundo, como a foto abaixo:

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon1.png

Foto © Vincent Laforet

2. Richard I’Anson

A jornada deste fotógrafo pelo mundo começou há mais de 30 anos e continua até hoje, registrando alguns dos lugares e pessoas que encontra pelo caminho. Richard foi selecionado recentemente para participar da série Tales by Light do canal National Geographic, que segue alguns fotógrafos em suas viagens para mostrar as histórias contadas por eles.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon2.jpg

Foto © Richard I’Anson

3. Scott Kelby

Natural da Flórida, nos Estados Unidos, Scott é presidente da comunidade KelbyOne, focada em fotógrafos e usuários de Photoshop e Lightroom. Mas, mais do que isso, ele também é um fotógrafo dedicado a registrar cada cantinho deste mundo através de suas lentes.

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon3.jpg

Foto © Scott Kelby

4. Rich McCor

Este fotógrafo londrino encontrou uma maneira diferente de olhar para alguns pontos turísticos por onde passava, interagindo com eles através de recortes de papel. O hobby rendeu também o apelido de sua conta no Instagram @paperboyo, onde já soma mais de 90 mil seguidores.

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon4.jpg

Foto © Rich McCor

5. Art Wolfe

Aventureiro por natureza, Art registra algumas das mais belas paisagens do mundo e seu currículo inclui passagens pela Patagônia, Peru, Bolívia, Alaska, Etiópia, Madagascar, Índia, entre outros lugares incríveis. Muitas de suas viagens estão registradas na série televisiva Travels to the Edge, distribuída pela Televisão Pública Americana.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon5.jpg

Foto © Art Wolfe

6. Carlos Augusto Taparelli

Nascido no Rio de Janeiro e morador de São Paulo, Carlos tem sua principal inspiração no skate. Grande parte de suas fotografias registram o dia-a-dia de quem se aventura pelo esporte, mas também é possível acompanhar alguns registros de suas viagens, como a foto abaixo, tirada em Buenos Aires.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon6.jpg

Foto © Carlos Augusto Taparelli

7. Steve Winter

A vida selvagem sempre chamou a atenção de Steve, que se tornou fotógrafo da National Geographic. Hoje ele se orgulha de ter registrado alguns animais incríveis durante suas viagens: rinocerontes na Índia, um jaguar no Brasil e até mesmo ter dormido seis meses em uma barraca com temperaturas abaixo de zero para fotografar um leopardo-das-neves.

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon7.jpg

Foto © Steve Winter

8. Amy Toensing

Se tem algo que fascina esta fotógrafa é a vida das pessoas comuns. É também esse um dos motivos que a faz viajar e conhecer pessoas ao redor do mundo, tentando descobrir um pouquinho sobre como elas vivem. Nos últimos anos, ela já registrou a última tribo das cavernas de Papua Nova Guiné, o povo Maori da Nova Zelândia, os aborígenes na Austrália e também o dia-a-dia de mulheres muçulmanas que vivem em meio à cultura ocidental.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon8.jpg

Foto © Amy Toensing

9. Christian Richter

Descobrir a beleza que está por trás de espaços abandonados é um dos passatempos do fotógrafo Christian Richter. Muitas das fotografias registradas por ele são clicadas durante suas viagens pela Europa e trazem uma vontade de descobrir o que há por trás da história desses lugares.

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon9.jpg

Foto © Christian Richter

10. Phillip Van Nostrand

Este fotógrafo já sabe o que é necessário para registrar os melhores momentos pelo mundo: uma lente olho de peixe, uma 500 mm e uma 135 mm. Com este pequeno arsenal em mãos, ele captura imagens incríveis durante suas viagens, como a foto abaixo, tirada sobre uma ponte de Moscou.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2015/12/canon10.jpg

Foto © Phillip Van Nostrand

Conta no Instagram faz sucesso ao registrar o crescimento de um garoto e seu gato de estimação

Lembram-se quando falamos da pequena Chiho e seu gatinho Toco? A família japonesa aclamada no Instagram conta com os cliques de uma mãe coruja, que narra o crescimento de seus filhos ao lado do carismático felino.

A família da conta @makicocomo, ativa desde 2011, ganhou recentemente um novo integrante. E, assim como seus outros irmãos humanos, Toco parece estar adorando viver com o irmão caçula, mostrando-se um ótimo companheiro nas horas das brincadeiras e da soneca. Morra de amores com as fotos a seguir, que acompanham a dupla desde o nascimento do bebê, e não deixe de acompanhar a conta, que já conta com mais de 22 mil seguidores.

gato2

gato3

gato6

gato7

gato12

gato8

gato9

gato13

gato1

gato00

gato4

gato14

gato11

gato5

gato15

gato10

Todas as fotos © @makicocomo

 

15 cidades de montanha charmosas pra conhecer antes de morrer

Quando chega o frio, ao mesmo tempo que alguns reclamam por não conseguir mover seus dedos, outros comemoram explorando todas as atividades gostosas da época. Curtir as montanhas no inverno parece ainda mais atraente, e não à toa lugares montanhosos costumam ter uma temperatura mais baixa, além de serem altamente charmosos e encantadores.

Com cenários dignos de filmes, as cidades na França, Noruega, Nova Zelândia e Itália, e ainda em outros países, aquecem o coração daqueles que buscam por um cantinho para curtir o clima. No meio disso, uma surpresa: sabia que no Marrocos tem neve? Nossa lista abaixo mostra uma linda cidade para se visitar que vai além do deserto.

Descubra novos destinos para se explorar quando as temperaturas não combinam com praia e piscina:

1. Notre Dame de Bellecombe, França

A pequena cidade francesa é similar aos Alpes suíços, com estruturas histórias e um lindo cenário montanhoso de fundo. Para os apreciadores de um bom vinho, parece mais perfeita ainda, já que por lá acontece um popular festival de vinho local.

montanha9

2. Sandpoint, EUA

A cerca de 65 quilômetros do Canadá, a pequena e charmosa cidade abriga muitos festivais de arte em meio às montanhas exuberantes. Alguns resorts reservam atividades como pesca, ski, hockey no gelo, caiaque e viagens de barco.

montanha12

3. Olden, Noruega

A tranquila cidade de Olden abriga em torno de 500 residentes, que têm o privilégio de acordar todos os dias com uma vista espetacular para lagos glaciais, cachoeiras, montanhas e os fiordes mais famosos da Noruega, dignos dos cenários de filmes como “O Senhor dos Anéis”.

montanha14

4. Bled, Eslovênia

Parece até um quadro, mas entre a borda da Eslovênia e a Áustria está uma cidade alpina com um impressionante castelo num pico bem alto, um lago intensamente turquesa e muitas histórias medievais incríveis. Além disso, o famoso bolo “kremma resina” costuma conquistar os turistas pelo estômago.

montanha8

5. Chamonix, França

Esta privilegiada cidade está simplesmente na base da montanha mais alta da Europa, o Monte Branco (Mont Blanc). Com uma das vistas mais espetaculares do país, o local atrai turistas durante as férias devido seu charme inquestionável, sua arquitetura história e o visual único.

montanha7

6. Hallstatt, Áustria

Nesta cidade, carro não entra, é banido. Só este fato já faz dela um lugar onde as belezas naturais falam mais alto do que qualquer outra coisa, cercado de flores coloridas e casinhas de madeira que vão fazer seu coração derreter.

montanha6

7. Torla, Espanha

A vida na província de Aragon é perfeita para quem procura vales glaciais, montanhas, florestas de pinho e cachoeiras magníficas. Os visitantes podem curtir ainda uma parte da Reserva da Biosfera Ordesa-Vinamala e o Parque Natural Ordesa y Monte Perdido, presentes em seus arredores.

montanha13

8. Whistler, Canadá

Apesar de estar em meio às montanhas, a cidade é animada com restaurantes, pubs e lojas de butique. Além disso, é uma ótima escolha para quem gosta de esquiar e conhecer gente do mundo todo.

montanha5

9. Ouray, Estados Unidos

Conhecida como a “Suíça das Américas”, Ouray é uma histórica cidade em Colorado, no meio das montanhas San Juan. As construções ao estilo vitoriano ficam ainda mais charmosas quando a neve cobre seus telhados. Quem curte montanhismo, não pode perder.

montanha10

10. Wanaka, Nova Zelândia

A Nova Zelândia nunca é uma má ideia para quem curte estar em meio à natureza. À beira do lago Wanaka estão situadas muitas vinhas, bons restaurantes e outras atrações que vão além da exuberância natural.

montanha1

11. Shirakawa-go, Japão

A pequena vila japonesa, tida como Patrimônio Mundial da UNESCO, está cercada de quietude e ar fresco vindo das montanhas. Com um verde impressionante, a cidade foi construída na base do Monte Hakusan, onde ficam preservadas casinhas de campo, feitas em sua maioria durante o século 19.  Nem precisamos citar que se torna mais atraente durante o inverno.

12. Le Chinaillon, França

Situada numa altitude bem alta, em meio aos alpes franceses, o local é popular por conta da proximidade com o famoso Monte Branco, além de ter a maior estação de esqui na área de Le Grand-Bornand. Durante a primavera, a cidade se enche de flores.

montanha4

13. Ifrane, Marrocos

Se você acha que Marrocos se resume a paisagens cercadas por deserto, ficará surpreso. Comparável às cidades montanhosas da Europa, o local tem semelhanças com a Suíça, por conta de sua arquitetura de telhados alpinos, clima e visual.  Dá pra esquiar em algumas ladeiras também.

montanha3

14. Cavalese, Itália

Como havia de ser, a Itália não pode faltar em listas com lugares charmosos. A vila está em meio à Dolomitas, entre o espetacular Monte Corne e o Parque Natural Paneveggio-Pale di San Martino. Por ser próxima de Latemar, um dos lugares naturais mais lindos da Terra segundo a UNESCO, costuma atrair ainda mais turistas curiosos. 

montanha2

15. Girdwood, Estados Unidos

Originalmente chamada de “Cidade Geleira”, Girdwood está próxima ao maior resort de esqui do Alasca. Por conta da neve massiva, a cidade é uma ótima opção para quem gosta de explorar áreas gélidas, seja escalando ou caminhando entre as montanhas. Uma das minas de ouro mais famosas do Alasca também se encontra por lá, a Crow Creek.

montanha

Fotos: myfourthirds, , omega-grupa, top10triplist,  Antonio Modroño, titlis39, elakramine, , Dave Blaze

Exposição reúne imagens raras de objetos da intimidade de Kurt Cobain

Em 2007, o fotógrafo americano Geoff Moore foi contratado para registrar alguns dos mais íntimos objetos de estimação deixados pelo músico Kurt Cobain, morto em 1994, aos 27 anos. Moore teve exatamente um dia para fotografar essa memorabilia tão estimada por Kurt – transportada para um estúdio de fotografia do depósito de segurança máxima em que normalmente os objetos permanecem guardados.As fotografias serão expostas a partir do dia 11 de fevereiro em uma galeria de Los Angeles, a KM Fine Arts.

O All Star do astro - com a palavra "Endorsement", que quer dizer "patrocínio" - e que batiza a exposição
O All Star do astro – com a palavra “endorsement” escrita, que quer dizer “patrocínio“,  e que batiza a exposição

Ainda que ilustrem o espírito do músico, as imagens se oferecem mais como estranhos enigmas, cheios de significado mas sem nenhuma resposta evidente – enigmas impactantes, estranhos e muitas vezes até humorados, um tanto como é a música criada por Kurt e sua lendária banda, o Nirvana.

Alguns dos objetos, como as fitas K7 e os cadernos de anotações, funcionam como uma máquina do tempo que, através da intimidade mais resguardada de uma só pessoa, conseguem nos fazer rever o espírito de uma geração.

KURT2

Parte dos objetos retratados é mais reconhecível ou fácil de encaixar na mitologia ao redor de Kurt – como uma de suas icônicas guitarras, ou a caixa em formato de coração, obviamente referenciada à canção Heart-Shapped Box, presente em In Utero, último disco de estúdio do Nirvana.

KURT9

KURT1

Seu humor cínico e ácido pode ser visto no enorme adesivo colado ao corpo de um de seus violões – onde se lê “Nixon Já”, slogan de campanha do conservador ex-presidente americano, a quem Cobain evidentemente jamais apoiaria de fato.

KURT4

Outros aparecem como objetos de arte, delicados e belos, ainda que singelamente macabros – como a Nossa Senhora despedaçada com seus bebês de plástico, ou a estranha marionete sem uma das mãos. Montar esse quebra-cabeça é tentar desvendar a personalidade desse que foi o último grande herói do rock, e que, ao morrer tão jovem e de forma tão brutal, se eternizou como justamente um enigma que jamais permitiu ser de fato desvendado.

KURT7

KURT6

KURT5

Pedaço de um violão arrebentado, onde pode se ler anotado um trecho da letra da canção "Frances Farmer Will Have Her Revenge In Seattle"
Pedaço de um violão arrebentado, onde pode se ler anotado um trecho da letra da canção “Frances Farmer Will Have Her Revenge In Seattle“

Seus cadernos de anotações
Seus cadernos de anotações

Todas as fotos © Geoff Moore