Fotógrafo belga retrata o drama de povo nômade do Quênia

Roger Job é um fotógrafo belga que já documentou o sofrimento humano causado pelas guerras civis na Libéria, no Sudão e no Congo.

No entanto, seu trabalho mais recente mostra o drama dos Turkana, pastores nômades do Quênia que têm sentido como niguém os impactos provocados pelas mudanças climáticas.Os Turkana têm enfretado dificuldade para encontrar água e pasto para o gado, o que ameaça seriamente o modo de vida nômade levado por esse povo há pelo menos seis mil anos.

O site do jornal britânico The Guardian traz 19 imagens produzidas pelo fotógrafo belga (clique aqui) e algumas delas estão reproduzidas logo abaixo.

Café da manhã no alto do Loima – Longole Lochan mostra sua mísera ração antes de um longo dia de caminhada

Pela manhã, Longole Lochan prepara para as crianças o leite retirado de suas cabras

Mulher dá a um camelo a água barrenta retirada de um rio seco. Os Turkana tentam hidratar as fêmeas do animal para que elas possam dar leite

Mulheres coletam água para o gado no alto do Loima. Diante da falta de chuva, é preciso cavar profundamente para achar água

Uma menina cava à procura de água no leito seco de um rio

https://i.guim.co.uk/img/static/sys-images/Guardian/Pix/pictures/2009/9/9/1252497301702/Turkana-pastoralists-faci-002.jpg?w=700&q=85&auto=format&sharp=10&s=d0bc1976df1d2ca5e6b1cb77b461991f

https://i.guim.co.uk/img/static/sys-images/Guardian/Pix/pictures/2009/9/9/1252497319732/Turkana-pastoralists-faci-019.jpg?w=700&q=85&auto=format&sharp=10&s=c7a04316249bd73f602f123743c24995

A partir do ano que vem, o trabalho de Roger Job no Quênia também poderá ser conferido em uma exposição no Museu de Fotografia de Charleroi, na Bélgica.

Série de fotos coloridas mostra como era a vida nos EUA durante a II Guerra

Todos nós já vimos uma ou outra foto tirada no período da II Guerra Mundial, mesmo que seja apenas ilustrando os livros de história. Porém, embora a maioria das fotografias da época fosse feita em preto e branco, alguns fotógrafos que trabalhavam para a Farm Security Administration e para o Office of War Information, nos Estados Unidos, tinham acesso a uma tecnologia nova para o momento: a fotografia colorida.

Com uma câmera em mãos, eles tiraram centenas de fotografias que registravam o dia-a-dia no país entre os anos de 1939 e 1945, mostrando um outro lado da guerra. Como o foco das imagens era registrar a vida rural e os avanços da indústria, muitas delas mostram mulheres trabalhando e muito maquinário pesado, mas são também uma ótima maneira de perceber como era o cotidiano e a moda neste momento.

Confere só:

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war20.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war18.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war17.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war16.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war15.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war14.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war13.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war12.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war11.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war10.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war9.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war8.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war7.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war6.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war4.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war3.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/war2.jpg

Todas as fotos © The Library of Congress

O incrível trabalho do fotógrafo especialista em retratar animais selvagens

Se tem uma combinação que dificilmente dá errado é a de fotógrafos e animais. Fotografias amadoras de donos babando nos seus cães e gatos já costumam fazer sucesso, quando as lentes estão nas mãos de profissionais e os modelos são espécies selvagens em seu habitat natural, então…

O francês Laurent Batheux começou a carreira como jornalista e editor, mas logo descobriu a paixão pela fotografia, se dedicando a cobrir eventos esportivos. Em 2002, durante uma passagem pela Tanzânia, começou a fotografar animais selvagens.

Meu primeiro encontro com a África foi como um raio. Uma parte de mim queria voltar às raízes, e o continente ressoou em mim como o instinto animal que descansa em cada um de nós”, ele conta. Desde então, Laurent viajou por Botsuana, Quênia, África do Sul e Namíbia, em busca de espécies que vivem bem longe dos humanos. Sempre trabalhando em preto e branco, suas obras capturam lindos animais, com fotografias que exalam vida.

Olha só:

RHINO-BAHEUX-44617

Ape-BAHEUX-7051

Baboon-BAHEUX-2-2

1427-Zebra-and-birds-Kenya-2014-©-Laurent-Baheux

Zebra-BAHEUX-3218

3927-Zebras-Tanzania-2015-©-Laurent-Baheux

Zebra-BAHEUX-7312

LEOPARD-BAHEUX-4847

Cheetah-BAHEUX-4531

Cheetah-BAHEUX-2380

Cheetah-BAHEUX-2344

5220-Lion-in-the-wind-5-Tanzania-2007-©-Laurent-Baheux

HYENA-BAHEUX-9710

Giraffe-BAHEUX-6345

HIPPO-BAHEUX-2501

HIPPO-BAHEUX-0213

baheux-4178

Crocodile-BAHEUX-4490

ELEPHANT-BAHEUX-9611

7740-Elephant-Dust-explosion-II-Kenya-2013-©-Laurent-Baheux

Todas as fotos © Laurent Batheux

Essas tatuagens têm detalhes incríveis que só podem ser vistos na luz negra ou no escuro

 
Você, que não tem tatuagem porque não gostaria de vê-la o tempo todo, conhece a tatuagem ultravioleta? A estadunidense Crazy Chameleon Body Art Supply criou uma tinta com composição diferente da tradicional que só pode ser vista na luz negra ou no escuro.

Depois de cicatrizada a tatuagem ‘desaparece’ à luz do dia, ganhando vida em neon na escuridão. A tattoo UV é também recomendada para aqueles que querem dar um toque a mais em sua tatuagem convencional.

Ilumine as ideias com a seleção abaixo!

tatuagem1

[Via]

tatuagem2

tatuagem3

[Via]

tatuagem4

[Via]

tatuagem5

[Via]

tatuagem6

[Via]

tatuagem7

[Via]

tatuagem8

[Via]

tatuagem9

[Via]

tatuagem10

[Via]

tatuagem11

[Via]

tatuagem12

[Via]

tatuagem13

[Via]

[Via]

tatuagem16

[Via]

tatuagem17

[Via]

*As imagens sem link de referência são de fontes desconhecidas

Cidade espanhola lança competição de vasos nas janelas e deixa toda a cidade florida

A primavera traz cenas lindas e floridas ao redor do mundo, mas na cidade de Córdoba ela ganha um incentivo a mais no início de maio. O desfile chamado “Batalha das Flores” acontece anualmente junto com a competição Fiesta dos Pátios, feita entre quem tem os vasos mais bonitos na janela durante a época.

A população parece se empenhar bastante na hora de decorar suas grades de ferro e fachadas com plantas e flores, com destaque para jasmins, gerânios e cravos, além de fontes de água. Nem sempre os pátios são acessíveis, por serem propriedade privada, mas durante o grande festival, eles ficam abertos para que todos se encantem com tamanha beleza e charme.

O vencedor com a mais bela e conservada decoração é contemplado não só com dinheiro, mas com bastante prestígio reconhecido na cidade. A tradição de pátios decorados, alguns datados no século X, vem dos árabes, que pensaram nisso como solução para refrescar o clima seco, tornando esses lugares perfeitos para reunir a família e fugir do calor.

patios-de-cordoba-22_16

Crédito da foto

patios-de-cordoba-2210

Foto © Xavier E Traité

patios-de-cordoba-232

Foto © Xavier E Traité

patios-de-cordoba-216

Foto © Javi

patios-de-cordoba-242

Foto © Adam Jones

patios-de-cordoba-22

Foto © Home Remodeler

patios-de-cordoba-84

Foto © Trevor Huxham

patios-de-cordoba-32

Foto © Trevor Huxham

patios-de-cordoba-42

Foto © Trevor Huxham

patios-de-cordoba-72

Foto © Trevor Huxham

patios-de-cordoba-102

Foto © Agu V.

patios-de-cordoba-132

Foto © Agu V.

Leão é empalado em chifre de búfalo durante uma batalha de 90 minutos

Atenção: Não prossiga se for sensível a conteúdo gráfico.

https://i0.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/leoes-atacam-bufalo-4.jpg

Em mais um exemplo de como a natureza pode ser assustadora, nem mesmo o rei da selva escapa de ser vítima de outros incríveis animais de vez em quando.

 

Durante uma batalha com um búfalo-africano na Reserva de Mala Mala, na África do Sul, fato que foi registrado pela câmera de Roan Ravenhill, um guarda florestal da reserva de 28 anos de idade, um leão ficou empalado no chifre do seu oponente, mas sobreviveu ao ferimento.

Já o touro não teve tanta sorte.

O ataque

Ravenhill conseguiu capturar esta briga intensa a partir de apenas 20 metros de distância. O búfalo pastava na reserva privada quando foi atacado por um bando de cinco leões.

https://i2.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/leoes-atacam-bufalo-1.jpg

Obviamente, usou sua melhor arma para se defender: os chifres enormes. Um dos leões azarados ficou empalado no chifre esquerdo do animal por 20 minutos. A ponta foi profundamente cravada sob a pata esquerda dianteira do felino.

https://i0.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/leoes-atacam-bufalo-3.jpg

https://i1.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/leoes-atacam-bufalo-5.jpg

Depois de uma hora e meia de mordidas e contorcidas, o búfalo foi finalmente derrotado pelo grupo de leões, que em seguida banquetearam em sua presa.

https://i2.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/01/leoes-atacam-bufalo-2.jpg

Ravenhill disse ao jornal britânico The Daily Mail que o leão empalado foi visto dias depois ainda mancando por causa de sua lesão. Ele acrescentou: “De longe, foi a batalha mais longa que já vimos entre leões e um búfalo – foi difícil de assistir, mas essa é a realidade da natureza”. [IFLS, DailyMail]

Arquiteto projeta escolas flutuantes sustentáveis para ajudar crianças em regiões com inundações frequentes

Para lidar com o problema de constantes inundações na região de Makoko, na Nigéria, o arquiteto Kunie Adeyemi, da NLE, projetou escolas sustentáveis e flutuantes que podem abrigar até 100 crianças cada uma e que funcionam independentemente de fenômenos naturais. 

A estrutura, que tem 10 metros de altura e três andares, é construída sobre uma base de 32 metros quadrados, que flutua em 256 tambores reaproveitados. Toda em madeira reutilizada, a escola conta com playground, área de lazer, salas de aula e espaços para aula ao ar livre.

Para não precisar depender da luz e da água que está disponível em terra firme, o arquiteto optou por implementar na escola flutuante painéis solares e um sistema para captar a água da chuva, que é filtrada e usada nos banheiros.

Com as escolas flutuantes, as crianças da região não ficam sem aulas mesmo em períodos de alagamento, podendo chegar até o local usando barcos. Com foco na sustentabilidade, as escolas flutuantes pensadas por Kunie Adeyemi custam menos do que aquelas construídas em terra firme.

Veja só essas imagens:

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Escola flutuante

Todas as imagens © NLE