Arquitetos usam caixotes velhos descartados para criar área de convivência na rua

 
Com criatividade é possível transformar espaços gastando pouco e reaproveitando materiais. Uma prova disso é a incrível área de convivência urbana que o coletivo português de arquitetos FAVA criou com caixotes de madeira. O grupo cria soluções dinâmicas, sustentáveis e inovadoras para aprimorar o uso de lugares públicos.

Por meio do projeto Fora da Caixa, os arquitetos arquitetos André Alves e Ricardo Afonso apresentaram a nova proposta durante o evento Jardins Efêmeros, que ocorreu em Viseu, Portugal. A praça foi elaborada com material totalmente transportável, versátil e de baixo custo, que pode ser usado de inúmeras maneiras e assim assumir vários papéis de acordo com a demanda.

As caixas usadas em feiras e mercados foram utilizadas em três blocos principais: mercado, lounge e bancada de som para o DJ. A rua charmosa ficou ainda mais bonita e animada, além de servir como ponto de encontro e promover a conexão entre as pessoas. É assim que se faz a ressignificação de espaços, tão importante nos dias de hoje. A ação foi gravada em vídeo, que pode ser assistido abaixo:

coletivofava7

Fotos © Telmo Afonso | FAVA

Ele não tinha veículo nem dinheiro, mas está rodando o mundo de moto fazendo fotos de tirar o fôlego

Walter Astrada tinha um sonho de fotografar uma volta ao mundo. Mas, assim como muitos de nós que também sonhamos com algo do tipo, faltava grana. Ele também não tinha carro e por isso arranjou uma moto. Porém um detalhe: ele não sabia dirigir uma.

Há cerca de oito meses Walter deixou sua vida em Barcelona montado em cima de Athena, sua fiel escudeira motocicleta, que ele teve que aprender a dirigir na marra! Carregada com suas roupas e equipamento fotográfico, ela já foi da Coreia do Sul à Turquia acompanhada de muitas falhas mecânicas e força de vontade.

Em entrevista ao New York Times, o fotógrafo diz acreditar que as pessoas não devem pensar muito antes de tomar decisões como esta, pois “se você pensar muito, você acaba não fazendo”.

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/waler-astrada.jpg

Com uma carreira de mais de 20 anos como fotojornalista, ele já cobriu guerras na África e até o terremoto do Haiti, em 2010. Mas ainda assim, mesmo com um rica bagagem de experiências, ele não se sentia completo retratando apenas o que era notícia – sem uma abordagem mais intimista e profunda.

“Eu tinha perdido a prática de sair por aí fotografando qualquer coisa que me chamasse atenção. Fotografar para grandes agências me fez perder o cotidiano daquele lugar depois de um grande acontecimento. Resumindo, eu queria retratar o outro lado da notícia”.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Antibes-Franca.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Arles-Franca.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Darvi-Mongolia.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/estreito-de-Bosforo-Istanbul.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Gulcha-Quirguistao.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Konya-Turquia.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Noratus-Armernia.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Osh-Quirguistao.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Osh-Quirguistao2.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Pushkar-India.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Rishikesh-Quirguistao.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Road-E119-Russia.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Seoul-Coreia-do-Sul.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Seoul-Coreia-do-Sul2.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Tatvan-Turquia.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Tbilisi-Georgia.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ulan-Bator-Mongolia.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Varanasi-India.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Varanasi-India2.jpg

Varanasi-India2

Todas as imagens: Walter Astrada

Casal constrói a própria casa com materiais recicláveis e reaproveitados

O que você precisa para efetivamente ser feliz? O casal Tim Eddy e Hannah Fuller não precisa de muito. Eles resolveram fugir do modelo de habitação convencional e construíram, com as próprias mãos, uma pequena casa, com recurso a materiais reutilizados, reciclados e que tinham à disposição, na região de Tahoe, Califórnia, em um terreno de 20 hectares.

A um custo muito baixo, comparado com o das construções tradicionais, o casal ergue a casa usando pilares feitos com troncos de árvores e otimizando produtos antigos com novas funções. Tudo com muito charme, uma paisagem estonteante na janela, um quintal e ainda perto de tudo: eles levam cerca de 15 minutos para chegar à cidade (quem não conhece a experiência de morar na cidade e levar muito mais no trânsito pra chegar no trabalho?).

Apesar da casa ser pequena, ela tem as coisas suficientes para se viver de forma confortável e digna. É lá que o próprio casal vem se reeducando, aprendendo a consumir menos, o que lhes proporciona uma qualidade de vida impagável.

Conheça um pouco da casa:

12656717825_c61f673af8_c

12656718335_741fae1dac_c

12656718965_14357243fb_c

12656720205_ec77c67fb2_c

12656721145_31d47c8219_c

12656721825_18f392f8a6_c

12656722565_b9bede290a_c

12656722735_3729ddda95_c

12656724965_3f0edaacaf_c

12656727145_2984cc07b6_c

12656728785_785a5ac364_c

12656729525_0a02cb327b_c

12656850123_3a4060c2ac_c

12656854743_37d986bc6d_c

12656857093_efb3f9e64c_c

12656860943_c74fd0198e_c

12657194754_960040a948_c

12657195374_bab288d593_c

12657196074_7c58a2d9f2_c

12657199414_059d195e9d_c

12657200644_8671fe701d_c

12657200964_644325c0be_c

12657202574_2f6da72686_c

12657202934_57507834c1_c

12657203274_4b8a5bed3e_c

12657204124_5433452fd7_c

Fotógrafa cria ensaio poderoso para lutar contra a cultura do estupro

Vivemos tempos de mudança. E como qualquer mudança, esta leva tempo. A cultura do estupro é algo tão entranhado na sociedade que faz com que atos da mais pura civilidade pareçam arrojados (ou, como alguns gostam de chamar, ‘mimi’ ou ‘vitimização’).

A fotógrafa Rory Banwell não se conformou quando, após ficar grávida de sua primeira filha, ouviu comentários como “agora Alex [o marido e pai da menina] precisa ‘comprar uma arma’” para proteger a menina. Banwell se questionava porque são as meninas que precisam se proteger e não a mentalidade que precisa mudar. “Nós ficamos tão desapontados com as reações iniciais das pessoas que diziam que deveríamos protegê-la simplesmente por causa de seu gênero” que a ideia ficou remoendo na cabeça da fotógrafa.

O ‘empurrão’ final para a série foi uma fotografia que a australiana viu em Chicago. Nela, uma menina nua, com apenas uma fita tapando seus seios, mostrava a frase “Still Not Asking For It” (“Ainda Não Estou Pedindo Por Isso”, em tradução livre). E assim nasceu a série com o mesmo nome, que retrata mulheres – e também alguns homens – com seus corpos nus exibindo frases que explicam o que muita gente parece ainda não ter entendido sobre consentimento e violência sexual.

StillNot1
Álcool não é desculpa

A fotógrafa dedica o projeto a todos os sobreviventes de violência doméstica e sexual, um problema que, ao contrário do que possamos pensar, não afeta apenas países subdesenvolvidos ou em vias de desenvolvimento. Banwell é australiana e lá o tema é preocupação central do governo, que não tem conseguido acabar com essa cultura e que chegou a declarar que a violência sexual é a vergonha da Austrália.

Os números no país são assustadores (não mais, nem menos, que os do Brasil): 63 mulheres foram assassinadas pelos parceiros só no último ano, e 1 em cada 4 é alvo de violência física ou sexual. Como se isso não fosse suficientemente preocupante, olha este número: 58% das mulheres nunca chega a denunciar a situação, seja por ineficácia da resposta, por dissuasão do agressor, medo de represálias ou por achar que sim, a agressão é consequência de um ato irrefletido da própria mulher.

A fotógrafa levanta o debate e desafia mais pessoas a denunciar, de todas as formas possíveis. Porque esses números não são uma vergonha apenas para a Austrália. São para o Brasil e são para cada um de nós.

StillNot2

Eu não quero que minha filha seja 1 em cada 4” [referência à estatística que deixamos no texto]

StillNot3

Eu educarei melhor meu filho

StillNot5

Seu corpo, sua escolha

StillNot6

Casamento não é consentimento

StillNot7

Culpe os estupradores, não as vítimas

StillNot8

Quebre o silêncio

StillNot9

Eu sou modelo e ainda não estou pedindo por isso

StillNot10

Apenas ‘sim’ significa ‘sim’

StillNot11

Nossa sexualidade não é um convite

StillNot12

Eu não quero que meu filho nasça em uma sociedade que aceita a violência sexual

StillNot13

Respeite minhas irmãs

StillNot14

Meus seios são para alimentar

A fotógrafa criou também um vídeo de apresentação do projeto, que você pode ver abaixo:

Para acompanhar as novidades do projeto, siga a página pessoal de Rory Banwell ou o Tumblr da série.

Todas as fotos © Rory Banwell

Conheça Chefchaoen, a Cidade Azul que fica no Marrocos

https://i2.wp.com/www.sudexpeditions.com/gestor/img/excursoes_gal/chefchaouen_2.jpg

É fascinante descobrir lugares completamente diferente de tudo que conhecemos, e essa cidade vai te deixar curioso para visitá-la. Chama-se Chefchaoen (ou simplesmente Chaouan), fica no Marrocos e é mundialmente conhecida pelos seus edifícios e ruas azuis,que lembra muito a cidade Jodhpur azul da India.

https://i1.wp.com/i1.nyt.com/times-journeys/2014/10/DAY3-chefchaouen_019-NYT-CROP-1200x550.jpg

O hábito de pintar as casas de azul surgiu do povo judeu que morou exilado em Chaouan na década de 30. Como parte de uma tradição, eles pintavam as casas como um lembrete de que Deus e o céu estão acima de tudo. E mesmo que os judeus atualmente não sejam a maioria na cidade, a população mantém o hábito de pintar a cidade na linda cor índigo.

Etimologia

O nome berbere da cidade (Accawen ou Axauen) significa “os chifres” em berbere rifenho, uma referência aos dois picos que ladeiam a povoação, a qual está alcandorada nas suas encostas. Segundo a crença popular, o nome árabe Shifshawen procede do árabe coloquial shuf (olha) e do rifenho arabizado ashawen (axauen), mas não há evidências disso. Shawen (ou Chaouen em francês; pronúncia: “xauã”) é a forma abreviada, não oficial, do nome da cidade, a qual se chamava oficialmente Xauen em espanhol durante o protetorado espanhol.

Resultado de imagem para chefchaouen

Clima

O clima de Xexuão é do tipo mediterrânico, frio e chuvoso no inverno e seco e temperado a quente no verão. A queda de neve é comum nas partes mais altas das montanhas, mas relativamente rara na altitude da cidade (cerca de 600 m). Não é raro registarem-se temperaturas negativas no inverno, que em 2005 chegaram a -8°C. Em contrapartida, mo verão a temperatura chega a a ultrapassar os 40°C.

https://i1.wp.com/www.letstravelsomewhere.com/wp-content/uploads/2013/05/lets-travel-to-morocco-chefchaouen-with-sandra-jordan-1.jpg

História

Xexuão foi fundada em 1471 pelos xarifes idríssida do Jbel La’lam, tendo sido povoada principalmente por mouriscos do Al-Andalus (Espanha muçulmana). Mulei Ali Ibn Rachid (também conhecido como Moulay Ali Ben Moussa Ben Rached El Alami ou Ali ibne Raxede, Barraxe nas crónicas portugueses), o primeiro alcaide, considerado o fundador da cidade, e descendente do santo Moulay Abdeslam Ben Mchich Alami e de Maomé, construiu uma pequena fortaleza que ainda hoje existe no local de uma pequena povoação berbere, para combater o avanço dos portugueses em Marrocos, que tinham acabado de conquistar Arzila e Tânger.

https://i0.wp.com/www.wondermondo.com/Images/Africa/Morocco/Tanger/Chefchaouen.jpg

Graças às suas características de reduto nas montanhas, de difícil acesso, Xexuão serviu de base a muitos ataques contra os portugueses durante praticamente um século. Mulei Ali Ibn Rachid participou em muitos ataques às praças portuguesas do norte de Marrocos, principalmente Arzila, quer sozinho quer juntamente com os alcaides de Tetuão, Larache Jazém (Asjen, na província de Ouezzane) e Alcácer

Veja as imagens abaixo e comece a planear sua próxima viagem:

chefchaouen-morocco-woe2-690x654

https://i0.wp.com/www.shetellstraveltales.com/wp-content/uploads/2015/04/Chefchaouen-10.jpg

https://i2.wp.com/tangier-private-guide.com/en/wp-content/uploads/2015/08/chefchaouen-4.jpg

https://i2.wp.com/laviwashere.com/wp-content/uploads/2015/04/IMG_3087-1024x768.jpg

https://i2.wp.com/wheretotravel.today/wp-content/uploads/2015/02/morocco-Chefchaouen.jpg

https://i0.wp.com/www.demilked.com/magazine/wp-content/uploads/2014/06/blue-town-walls-chefchaouen-morocco-2.jpg

https://dbf3bb47b670eaaa7be1-968fa800d06a2236454303935cd1d7a3.ssl.cf2.rackcdn.com/145779536056e43120e972a79_34385.jpg

https://i1.wp.com/territorios.com.br/TerritoriosNet/wp-content/uploads/2014/01/chefchaouen_davicarneiro.jpg

https://i0.wp.com/planetden.com/wp-content/uploads/2014/04/Chefchaouen-Robinju1.jpg

https://i2.wp.com/jamesclear.com/wp-content/uploads/2014/02/IMG_3985-final4-990.jpg

http://travel.nationalgeographic.com/u/TvyamNb-BivtNwcoxtkc5xGBuGkIMh_nj4UJHQKuorpGUEzU2IOKmQYgAZvr71ZimTJiGlMqrwEmaw/

chefchaouen-morocco-woe8-690x388

https://i.ytimg.com/vi/G6C3KjLKXJg/maxresdefault.jpg

https://i2.wp.com/mademoisellevoyage.com.br/blog/wp-content/uploads/2014/06/Michael-Sheridan.jpg

https://vivimetaliun.files.wordpress.com/2016/02/c09c0-img_7849.jpg

https://i0.wp.com/leaveyourdailyhell.com/wp-content/uploads/2015/10/Chefchaouen-8.jpg

https://i2.wp.com/www.sudexpeditions.com/gestor/img/excursoes_gal/chefchaouen_2.jpg

https://i0.wp.com/images-resrc.staticlp.com/C=AR1200x630/S=W1200,U/O=85/http://www.lonelyplanet.com/travel-blog/tip-article/wordpress_uploads/2014/02/Chefchaouen_cs.jpg

https://i1.wp.com/angieaway.com/wp-content/uploads/2013/06/IMG_0060.jpg

https://www.moroccoworldnews.com/wp-content/uploads/2014/12/Chefchaouen-Morocco-Tourism.1.jpg

https://moroccowhynot.files.wordpress.com/2012/01/img_1862.jpg

https://i2.wp.com/www.cantstopdreaming.com/wp-content/uploads/2013/12/chefchaouen.jpg

https://i0.wp.com/mowgli-adventures.com/wp-content/uploads/2016/08/A-definitive-guide-to-Chefchaouen-7.jpg

chefchaouen-morocco-woe5-690x459

chefchaouen-morocco-woe6-690x517

chefchaouen-morocco-woe8-690x388

chefchaouen-morocco-woe9-690x461

chefchaouen-morocco-woe10-690x517

Fonte:   via. ,via  ,via ,via , via ,via ,via .