Sim este homem largou mesmo uma carreira de sucesso para construir uma casa na arvore

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt12.jpg

Não é todo dia que você vê alguém largando uma carreira de sucesso para construir uma casa na árvore. Mas do que são feitos os sonhos, não é mesmo? O nova iorquino Foster Huntington largou uma trajetória promissora no mundo fashion para ir atrás de uma vontade simples, porém de valor inestimável.

Construindo não só uma, mas três casas na árvore conectadas por pontes, Huntington chamou o empreendimento de ‘Bro-topia’. Tudo começou em 2011 quando ele largou seu emprego de designer na Ralph Lauren, grife mundialmente conhecida, e assim percebeu que não se importava tanto com roupas. Ao ver um ensaio feito no Alasca, quis mudar o rumo de sua vida, praticar fotografia e largar a cidade.

Então em 2014 foi atrás de um sonho da infância e começou a colocar a mão na massa para construir a morada dos sonhos. Com dinheiro da poupança e cerca de 20 amigos, começou a construir na propriedade da família em Skamania, Washington. O mais legal de ter um grupo reunido é que surgem novas ideias e soluções para os problemas que surgem no meio do processo.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt9.jpg

Cada uma das duas casas tem sua devida função, sendo uma para seu quarto e outra para um estúdio de criação, além de ter ainda pista de skate e uma jacuzzi no quintal. Os planos futuros incluem um livro fotográfico sobre seus projetos chamado The Cinder Cone, que está em busca de financiamento coletivo no site Kickstarter. Quem disse que sonhos de crianças não se tornam realidade?

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt8.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt7.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt6.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt3.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt4.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt5.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt2.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt10.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt11.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt13.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt14.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt15.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/fosterhunt12.jpg

Todas as fotos © Foster Huntington

Série de fotos incrível mostra quem foram as últimas “sereias” do Japão

No Japão da década de 20, centenas de mulheres mergulhavam nuas em busca de ostras e pérolas. Com um fôlego invejável, elas chegavam a ficar mais de 2 minutos debaixo d’água, inclusive durante o inverno. Chamadas de Amas, essas mulheres foram registradas por Iwase Yoshiyuki em sua Kodak. As fotografias são um dos únicos registros dessa milenar profissão que se extinguiu algumas décadas depois.

Utilizando uma máscara para os olhos e chinelos especiais, mulheres e meninas, também conhecidas como sereias, enfrentavam os mares por toda a costa japonesa. O motivo de fazerem isso nuas? Enquanto que roupas de mergulho não chegaram ao país até 1950, roupas de algodão atrapalhavam o mergulho, além de serem desconfortáveis quando molhadas e demorarem para secar.

Cada mergulho de 2 minutos em busca de ostras era intercalado com pequenos intervalos de respiro. A maratona era feita até 60 vezes por dia. Tanto esforço, contudo, pagava-se. Em poucas semanas de trabalho, uma Ama conseguia mais dinheiro que um homem comum que trabalhasse por um ano.

Os homens, aliás, raramente participavam da busca por ostras. Acreditava-se que o corpo da mulher, por conter mais gordura, era mais apropriado para controlar a respiração e as baixas temperaturas. Embarque nessa verdadeira viagem no tempo com as fotos de Iwase Yoshiyuki abaixo:

ama03

ama02

ama01

ama23

ama22

ama21

ama20

ama19

ama18

ama17

ama16

ama8

ama9

ama10

ama11

ama12

ama13

ama14

ama15

ama7

ama06

ama05

ama04

Todas as fotos © Iwase Yoshiyuki 

10 exemplos que provam que morar numa casa pequena pode ser incrível

Com o crescimento das cidades, vivemos numa época em que cada vez os imóveis estão menores, principalmente nos grandes centros – é a síndrome dos apertamentos. No entanto, há benefícios em morar em um lugar pequeno – os preços são mais acessíveis, há menos coisas para limpar, e espaços pequenos costumam ser mais aconchegantes.

Para provar que casas pequenas também podem ser legais, fizemos uma compilação de casas que são tão bacanas, que muita gente toparia trocar uma casa espaçosa por uma delas. Confira:

1. A casa mais estreita do mundo – criada pelo designer, Jakub Szczęsny, ela fica na Polônia entre dois edifícios, e tem entre 92 e 152 centímetros de largura.

casa1

2) Com 125 metros quadrados, essa pequena porém adorável casa pertence à Ann Holley and Darren Macca. A casa foi construída num trailer e feita basicamente com materias reciclados.

casa2

3) Com 65 metros quadrados, essa pequenina casa foi feita pensando em ser um lar confortável e aconchegante para uma pessoa. Criada pela Tumbleweed Tiny House Co., esse modelo de casa é pré-fabricado, e vai pronta de navio para que o novo dono possa se mudar instantaneamente.

casa3

4) A necessidade de dar um novo fim para containers que não estão mais sendo usados para sua função inicial, tem gerado criações interessantes e inteligentes e essa é mais uma delas. Criada pelo pessoal do Poteet Architects, esse container se transformou em uma estilosa casa ecológica com piso de bambu e telhado verde.

casa6

5) Em Massachusetts, Derek Diedricksen criou essa pequena porém excêntrica casa utilizando como material de apoio utensílios domésticos velhos, como a porta de uma máquina de lavar que acabou servindo de porta para a casa.

casa6

6) Criada por Piet Hein Eek, essa simpática casa feita com troncos de árvores fica na Holanda, e pertence ao músico Hans Liberg. Um detalhe que dá mais charme a essa pequena, porém notável morada, é que as janelas ficam camufladas com os troncos, dando a impressão de se tratar de uma casa inteiriça.

log

casa7

7) Como parte da exposição “People’s future”, o estúdio de arquitetura chinês People’s Architecture Office criou essa casa-triciclo, em resposta ao problema imobiliário que afeta a China e outros países no mundo. As paredes são feitas de um tipo de plástico reciclado, que garante iluminação para a casa sobre rodas. A Tricylce House inclui fogão, pia e uma cama que se transforma em banco e mesa de jantar.

casa8

8) Essa charmosa casinha no estilo Vitoriano pertence a Sandra Foster e fica em Nova York. Os móveis e toda a decoração interna também seguem o romântico estilo vintage, resultando no que parece ser uma verdadeira casa de bonecas.

casa9

9) Com 36 metros quadrados, essa casa fica no Japão, e conta com garagem para 1 carro no primeiro andar, sala e cozinha no segundo, e dois quartos estreitos no terceiro piso. As janelas na frente e nos fundos da casa permitem que a luz entre, fazendo com que ela não fique claustrofóbica.

casa10

10) O Studio Liu Lubin criou essa casa modular feita de plástico e fibra de vidro. Ela foi criada nesse tamanho de propósito para caber em um container e poder ser transportada caso o dono deseje se mudar.

casa10

 E então, toparia morar em uma casa pequenina se ela fosse tão bacana quanto uma das que mostramos nessa seleção?

1 grama desta substância poderia matar 50 milhões de pessoas

https://i1.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/02/polonio-210-substancia-muito-toxica.jpg

Polônio-210 é um elemento mortal descoberto por Marie Curie que tem um efeito violento no corpo humano. Ele é uma das substâncias mais tóxicas conhecidas pelo homem – tanto que um mísero grama dela poderia fazer um estrago gigantesco.

A primeira vítima

O elemento radioativo (número atômico 84) foi encontrado em 1898. A substância rara rendeu a Curie o Prêmio Nobel de Química em 1911. A cientista descobriu o polônio em uma fonte de urânio.

Embora a quantidade encontrada no minério de urânio seja pequena (tão pouco quanto cerca de 100 microgramas ocorrem em uma tonelada), o trabalho de Curie com a substância foi suficiente para expor fatalmente sua filha Irène em um acidente de laboratório.

Além de Irène, outras pessoas morreram ao longo dos anos por exposição a polônio. O elemento é tão perigoso que apenas um grama dele poderia matar 50 milhões de pessoas, além de deixar outras 50 milhões doentes.

A vítima mais famosa

Alexander Litvinenko foi um agente do serviço secreto britânico MI6 e ex-espião soviético e russo.

Um belo dia, ele estava bebendo chá em uma reunião de negócios com outros dois russos. Acredita-se que durante esta reunião ele ingeriu uma dose fatal de polônio-210 (Po-210). O ex-espião sucumbiu à doença da radiação em Londres em novembro de 2006, semanas depois da tal reunião.

A autópsia no corpo de Litvinenko foi um processo complexo. Poucas horas antes de sua morte, os médicos descobriram que Po-210 era o que estava lhe matando. Estima-se que os assassinos utilizaram apenas 26,5 microgramas para acabar com Litvineko, o que já é uma dose excepcionalmente grande.

https://i0.wp.com/hypescience.com/wp-content/uploads/2016/02/polonio-210-substancia-muito-toxica-2.jpg

Apesar das várias medidas de segurança tomadas depois da descoberta da substância no corpo do ex-espião, acredita-se que mais de 700 pessoas foram expostas ao Po-210 em conexão com a morte de Litvinenko. Felizmente, ninguém morreu ou teve qualquer doença grave.

Efeitos do Po-210

O Po-210 não tem propriedades químicas tóxicas por si só. Seu perigo vem exclusivamente da radiação que emite. Dano mortal só pode ser feito internamente, ou seja, se as pessoas inalarem (causando câncer de pulmão), ingerirem ou entrarem em contato com a substância via abrasões ou feridas na pele.

No caso de Litvinenko, depois de beber o chá contaminado, o Po-210 concentrou-se em suas células vermelhas do sangue, atingindo em seguida seu fígado, rins, medula óssea, trato gastrointestinal e gônadas. Conforme o polônio viaja através do corpo, rouba os elétrons de qualquer molécula em seu caminho, e danos ao DNA podem causar morte celular e mudanças que afetam a replicação celular.

Dentro de dias, as pessoas passam a ter sintomas como vômitos, seguidos de falência da medula óssea e perda de cabelo. Em doses mais elevadas, síndromes gastrointestinal, cardiovascular e do sistema nervoso central podem ocorrer. Esta última é irreversível e conduz à morte.

O Po-210 no ambiente

O Po-210 é, obviamente, altamente perigoso. A produção moderna da substância geralmente é feita através da criação de um outro elemento radioativo em um reator nuclear, que então decai ao polônio-210.

Mas o material radioativo também é encontrado naturalmente no corpo humano, devido a baixos níveis existentes no ambiente normal. Além disso, fumantes de tabaco acumulam Po-210 em seus pulmões. A substância pode ainda ser encontrada em frutos do mar.

Nada disso vai te matar, no entanto. O envenenamento por Po-210 teria que ser intencional. As chances de sobrevivência não são das melhores, neste caso, porque tal envenenamento é muito difícil de diagnosticar.

Isto porque os médicos precisam suspeitar do isótopo radioativo (o que não é algo assim tão comum…) a fim de testar se ele está presente no corpo de alguém. O teste em si requer a utilização de equipamento especializado, o que torna improvável que uma pessoa seja diagnosticada precocemente.

Como conseguir a substância?

Uma das perguntas que surgiram a partir do caso de Litvinenko foi onde os assassinos conseguiram o Po-210.

Polônio é vendido em pequenas quantidades. Seria preciso encomendar 15.000 unidades da substância apenas para ser capaz de envenenar uma pessoa.

A melhor maneira de se obter Po-210 seria a partir de um processo industrial nuclear. Os assassinos, neste caso, precisariam ter acesso a um reator capaz de produzir e irradiar materiais e um laboratório de radioquímica, de acordo com o professor Nick Priest, um dos poucos especialistas do Reino Unido que trabalharam com Po-210.

Embora o caso ainda esteja em curso no governo britânico, um dos principais especialistas do mundo em física teórica afirmou que o Po-210 só poderia ter vindo de uma instalação nuclear específica fechada em Sarov, na Rússia. A fábrica da era soviética foi o único lugar no mundo com uma linha de produção de polônio, e é a última fonte remanescente de polônio comercial.

Atualmente, Po-210 é usado para isolar instrumentos em sondas espaciais russas, remover eletricidade estática, inspecionar poços de petróleo e medir a espessura de revestimentos industriais. Por causa do perigo inerente à substância, porém, em muitas aplicações comerciais o elemento já foi substituído por tecnologia não radioativa. [Futurism]

Designer usa criatividade para alertar para o que os doces podem fazer com pessoas com diabetes

O designer Nattakom Jangsem, de Bangkok, Tailândia, criou uma série de anúncios terrivelmente doces a fim de conscientizar os males que o açúcar traz para os diabéticos.

Ele usou os ‘próprios vilões’ na pele para simular feridas abertas, lembrando que algumas das consequências de quando a doença não é tratada são infecções e o retardamento do processo de cicatrização. Então, lembre-se: docinhos são uma delícia e, quando consumidos com moderação, uma ótima pedida, principalmente para a Páscoa que se aproxima. Mas o excesso pode ter consequências bem graves.

Veja abaixo a série de anúncios Sweet Kills (Doce mata), aos quais é impossível ficar indiferente:

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes1.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes5.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes4.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes7.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes8.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes3.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes9.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes10.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/diabetes2.jpg

Todas as imagens © Nattakom Jangsem

Conheça a inacreditável casa submersa que está sendo construída em Dubai

Enquanto uns moram num trailer ou percorrem o mundo apenas com uma bike, outros ostentam todos os luxos que o dinheiro pode comprar. Destino certo de endinheirados, Dubai continua se destacando por arquitetura sofisticada, que em breve vai incluir a inacreditável casa submersa “Floating Seahorse.”

Com previsão de lançamento para o final de 2016, o empreendimento desenvolvido pela agência Kleindienst Group já teve 60 unidades vendidas em 2015 e ainda tem algumas disponíveis. A casa está dividida em duas partes, sendo uma acima do nível do mar e outra abaixo, onde ficará a suíte principal de 25 metros quadrados, com vista para a fauna oceânica e os cavalos marinhos do Golfo Pérsico.

Custando 2,8 milhões, o modelo ainda tem um deck com escada, para quem quiser mergulhar ou tomar um sol. Por estar a cerca de 4 km da costa de Dubai, o acesso até ela é feito por barco. Os representantes da empreiteira ainda afirmam que será criado um recife de coral artificial sob os retiros de luxo, criando uma área protegida em que os cavalos-marinhos podem viver com segurança.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/floating-seahorse.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/the-floating-seahorse.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/the-floating-seahorse-01.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/casa-submersa-dubai-4.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/the-floating-seahorse-cbb8.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/kleindienst7.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/seahorse6.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/the-floating-seahorse-cbb4.jpg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/the-floating-seahorse-cbb2.jpg

Todas as fotos: divulgação