Jovem recria fotos antigas do pai para se reconectar e aceitar melhor sua partida

Cada pessoa tem uma maneira diferente de lidar com a perda de entes queridos. Muitas vezes, esse processo não é nada simples. Para a designer Chrisya Sabaru, a perda de seu pai havia sempre sido uma lembrança dolorosa, com a qual ela não sabia bem como lidar. Mas, quando a morte do progenitor completou três anos, ela decidiu fazer uma bela homenagem a ele.

Chrisya havia ido estudar em Melbourne, na Austrália, e lembrou que seus pais haviam visitado a cidade juntos em 2011 e voltaram com muitas fotos da viagem. Dessa forma, a jovem selecionou algumas das melhores imagens e decidiu recriar as fotografias em que seu pai aparecia, visitando os mesmos lugares onde ele havia estado durante a viagem, como uma maneira de se reconectar com ele.

Eu estou tentando superar a morte de meu pai, mas sempre lembrarei dele. Ele será sempre uma grande parte de mim, e eu sou quem eu sou por causa dele“, lembra ela.

Vem ver:

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai1.jpg

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai2.jpg

https://i1.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai3.jpg

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai4.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai5.jpg

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai6.jpg

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai7.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai8.jpg

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai9.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai10.jpg

https://i2.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai11.jpg

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/02/pai12.jpg

Todas as fotos © Chrisya Sabaru

Finlândia quer pagar um salário mínimo a todos os seus habitantes

Não, a medida não vale apenas para pessoas que exerçam atividades remuneradas. A proposta é oferecer uma renda básica a todos os cidadãos, estejam trabalhando ou não. Por enquanto, a ideia não passa de um projeto piloto que, se aprovado, poderá ser colocado em prática na Finlândia.

Para o primeiro-ministro do país, Juha Sipila, a medida deverá simplificar o sistema de seguridade social finlandês. A iniciativa deverá beneficiar principalmente os desempregados – que já somam 10% da força de trabalho. Entre os finlandeses, o projeto já conta com o apoio de 4 entre 5 pessoas consultadas.

Inicialmente, deverá ser realizado um teste em uma região específica do país, com participantes provenientes de grupos de baixa renda em diferentes áreas residenciais. A proposta é de que sejam oferecidos quatro níveis de pagamentos mensais, variando entre US$ 445 (R$ 1.579) e US$ 785 (R$ 2.785). Depois disso, resta saber se o projeto terá impactos positivos a longo prazo.

finlandia

Foto via.

Conheça a ilha em SP que abriga mais de 2 mil serpentes que podem salvar vida

Esse talvez não seja um destino pronto para constar em guias turísticos, porém é um lugar que pode salvar muitas vidas. São as Ilhas da Queimada Pequena e Queimada Grande, no litoral paulista, que abrigam mais de 2 mil serpentes jararaca-ilhoa, consideradas das mais perigosas do mundo.

Porém, como toda história tem dois lados, o veneno destas serpentes também é um forte aliado da vida humana, sendo usado na criação de fármacos contra doenças cardíacas e circulatórias. Por isso mesmo a região é considerada como Área de Relevante Interesse Ecológico – e só pode ser acessada por pesquisadores. É que, embora sejam comuns nestas ilhas, a jararacas-ilhoa estão entre as espécies ameaçadas de extinção, em grande parte graças à ação de caçadores que capturavam a serpente para vendê-la no mercado paralelo.

Hoje, com atenção redobrada da equipe que cuida do local, isso não acontece mais e a espécie pode continuar se proliferando na região, já que não existem no local predadores naturais. Estima-se que estas serpentes tenham se separado do continente há mais de 10 mil anos e, graças a isso, tenham desenvolvido um veneno diferente do da jararaca do continente – embora seu efeito em humanos seja bastante semelhante.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha1.jpeg

Mesmo assim, a distância e a dificuldade de conseguir tratamento médico graças a problemas logísticos dificultam o desembarque na ilha, sendo que sempre que os pesquisadores visitam o local, o serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) precisa ser notificado.

Vem ver algumas fotos do local:

 

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha2.jpeg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha3.jpeg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha5.jpeg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha6.jpeg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha7.jpeg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha8.jpeg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha9.jpeg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha10.jpeg

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/ilha11.jpeg

Todas as fotos © João Marcos Rosa/Agência Nitro