Os penteados infantis mais malucos e inovadores de todos os tempos

O Crazy hair day, ou Dia do cabelo maluco, é promovido em algumas escolas pelo mundo. Neste dia, as crianças são encorajadas a expressar sua criatividade para todos admirarem. É o dia em que o moicano de xampu ganha vida social.
Gel, laquê, brilho, tinta e outros adereços são liberados para ajudar a dar asas à imaginação das crianças, e provavelmente dos pais que as ajudam a compor o visu e que devem se divertir tanto quanto os pequenos.
Selecionamos aqui alguns penteados campeões para inspirar o dia a dia. Afinal, todo dia pode ser o Dia do cabelo maluco.
penteados1
penteados2
penteados3
penteados4
penteados5
penteados6
penteados7
penteados8
penteados9
penteados10
penteados11
penteados12
penteados13
penteados14

Companhia aérea atrasa voo apenas para que passageiros vissem fenômeno raro

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/03/eclipse-by-alaska-airlines.jpg

Em linhas gerais, todo mundo odeia atrasos, mas em certos casos isso pode ser muito bem vindo. No dia 8 de março, o voo 870 da Alaska Airlines rumo a Honolulu, no Havaí, demorou 25 minutos a mais em seu trajeto para que todos presenciassem, lá do alto, o eclipse solar total. O visual não poderia ser mais incrível e os passageiros sortudos registraram tudo.

A ideia partiu do astrônomo Joe Rao, que há um ano atrás notou que isso seria possível durante este percurso. Para que conseguisse assistir o sol e a lua alinhados, teria de haver o atraso, então ele fez questão de convencer a companhia aérea. Rao e outros seis astrônomos reservaram seus assentos na janela e distribuíram um material informativo sobre o eclipse aos demais tripulantes.

O eclipse deste ano foi incomum, começando no dia 9 de março e terminando no dia 8. Isso porque sobre as regiões do Pacífico, especialmente no oeste da Indonésia, a sombra da lua se projetou na quarta-feira, mas não demorou muito a cruzar a linha internacional de data, que no imaginário coincide com o meridiano 180°, onde ainda era terça-feira.

eclipse4

eclipse5

eclipse8

eclipse

eclipse7

eclipse6

eclipse-by-alaska-airlines

eclipse3

Fotos: Alaska Air

eclipse2

Foto 


Galeria Pet mistura arte, loja e padaria para cães e gatos em SP

 

Desde os primórdios, o homem tem encontrado boa companhia ao lado de animais. Eles são carinhosos, leais, amigos e, mesmo errantes, fazem de tudo para nos agradar. Se isso não é amor, eu não sei o que é. Como forma de retribuir todo esse carinho – e também morder uma isca do mercado -, a Galeria Pet reúne num só espaço artes decorativas, loja e padaria para cães e gatos.

O local não poderia ser mais estratégico: na Rua Oscar Freire, em São Paulo, onde é comum ver os bichos passeando entre as badaladas lojas de grife. Apesar disso, uma boa notícia: os preços conseguem ser democráticos. Mesmo que o cliente não tenha grana pra comprar uma peça de decoração, pode levar para casa um pacote de biscoitinhos caseiros por R$ 12, por exemplo. Posso dizer que eu mesma não resisti e minhas filhas peludas amaram o presente (porque de bobinhas não têm nada, né)!

É interessante ver a alimentação natural para animais domésticos tomando espaço nas prateleiras, feita ano passado. Dentro da loja está inserida uma franquia da Padaria Pet, que tem uma unidade também em Pinheiros e está conquistando novos endereços pela cidade. Nas geladeiras, sorvetes (R$ 4) e comida natural congelada; logo ao lado, vitrines – como se fossem baleiros – estão lotadas de courinhos, ossos e outros petiscos que fazem os olhos dos cães brilharem ainda mais.

E tem de tudo: biscoitos, cookies de vários sabores (beterraba, castanha do Pará, espinafre, etc), cerveja para cachorro (feita com caldo de carne e lúpulo), tortas, docinhos, cupcakes, bombom e até brigadeiro. São alimentos naturais de grau humano, ou seja, nós também podemos comer e provar à vontade”, contou Mari Castro, que além de ser dona da bulldog francesa Antônia (com direito a retrato na parede), é uma das sócias e blogueira do It Pet Blog.

A gente não tem o costume de provar a comida dos nossos bichos porque sabemos que os industrializados não são tão confiáveis assim. Mas é tão melhor saber o que seu cão ou gato vai comer, não é? Nas receitas, tudo é feito no local com ingredientes que não prejudicam a saúde dos pets, ou seja, não entram frituras, leite e derivados, chocolates, frutas cítricas, nozes, tomate, abacate, entre outros. Os corantes são a base de frutas, sem adição de metais.

A Mari também é responsável pelo lounge de 18 m² que serve para festas, palestras e cursos. Sim, os cães e gatos aniversariantes da era moderna fazem festinhas como qualquer humano que se preze, incluindo bolo, docinhos e decoração no pacote. “A demanda é cada vez maior. Acho que o que motiva os donos é devolver o amor que se recebe. No sábado (12/03) haverá uma festa filantrópica da ONG Adoptapet Br, que vende alguns produtos na loja, e todos estão convidados.

Nessa história toda, não pude deixar de questioná-la sobre a humanização dos animais. Embora este assunto seja para outra pauta, a Mari quer também que o espaço sirva para debates dedicados a não humanização, porque é sempre importante lembrar que cães e gatos são selvagens em suas essências, precisam ter uma vida de bicho e não de pessoa.

Quem concorda com a ideia é o artista plástico Fábio Polesi, responsável pela curadoria das peças decorativas do Pet Art Crew, grupo formado por ele e outros 12 artistas. Depois de trabalhar como tatuador por 12 anos, voltou a se dedicar a arte há três anos e não parou mais. O sucesso veio quando ele passou a fazer cachorros e gatos de cerâmica, pintados a mão. “Nunca me imaginei dentro desse mercado. A escultura foi a grande sacada. Ano passado, em três meses, tive um aumento de 400% nas vendas“.
As peças da primeira galeria de Pet Art da América Latina tem preços variados, mas as esculturas do Polesi custam R$ 180. “Quero que todos tenham uma arte minha, se não for uma escultura, pode ser uma garrafa, um quadro, um shape…”. Ele customiza qualquer coisa e, é claro, atende também os pedidos dos clientes. As prateleiras e as paredes também exibem obras de Edson Ramos, Sid Lopes, Rodrigo dos Santos, Décio Ramires, Rosa Malta, e os grafiteiros Foquinha e Mari.

Dentro da loja também estão outros expositores, que vendem coleiras, produtos de higiene, camas, roupas, almofadas, bolsas, livros e o que mais você puder imaginar, tudo relacionado aos bichos que tanto amamos. Um dos produtos mais legais que achei é a ração desidratada para cães, recém-chegada ao Brasil. A comida natural vem concentrada no pacote e pode ser preparada com adição de água morna. O endereço também conta com um café para humanos, com mesinhas pra você e seu pet bater um papo.


todas as fotos © Brunella Nunes

 

Esse cara criou uma empresa que constrói imensos ‘castelos de gelo’ de forma orgânica

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles2.jpg

Se você já quis viver dentro do cenário da animação Frozen, pode ser que ainda há chances disso ser tornar realidade. O artista Brent Christensen transformou esculturas de gelo em negócio ao criar uma empresa que constrói imensos “castelos de gelo” de forma orgânica. Através de uma técnica, as estruturas se mantêm firmes por muitos dias e depois tomam novas formas.

Chamada de Ice Castles, a empreitada com sede em Utah (EUA) constrói torres de gelo, túneis, paredes, cavernas e tronos congelados que chegam até 1 tonelada em seus pesos. Para mantê-los de pé e brilhantes, a equipe criou um sistema que pulveriza a água em grandes prateleiras de metal para fazer enormes pingentes de gelo que são presos uns aos outros por andaimes.

Depois de ensopados em água e fundidos em certas posições, dependem do vento e das condições climáticas para se transformar em estruturas de grandes proporções, chegando até 10 metros de altura, com ajuda da mãe natureza. A ideia começou logo após Christensen ter feito uma pista de patinação de gelo para os filhos em sua casa, em 2008. Depois de espalhar seus castelos pelo Estados Unidos e Canadá, mais de 750 mil pessoas chegaram a visitá-los e sim, até a princesa Frozen está por lá.

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles2.jpg

Foto © Bryan Rowland

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles3.jpg

Foto © Corey Schestak

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles4.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles5.jpg

Fotos © Lon Lovett

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles6.jpg

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles7.jpg

Fotos © Sam Scholes

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles8.jpg

Foto © Ken Skuse

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles9.jpg

Foto © EasPhotography

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles10.jpg

Foto © Viraj Nagar

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles11.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/Ice-Castles12.jpg

Todas as fotos: Divulgação

Restaurante decide comprar fazenda para produzir seus próprios ingredientes com sabor e qualidade

Parece que um número cada vez maior de pessoas estão cansadas de comida sem gosto de nada e totalmente industrializada. Em Manhattan, nos Estados Unidos, uma pequena cadeia de restaurantes é capaz de oferecer comida saudável, orgânica e com preços acessíveis – e agora eles pretendem ter a sua própria fazenda.

O espaço, comprado pela rede Dig Inn, deve ter entre 50 e 100 acres de terra e servirá principalmente como uma espécie de laboratório, onde a empresa poderá testar novas técnicas de cultivo ecológico. Apesar disso, a Dig Inn não deixará de trabalhar com seus atuais fornecedores, pois não seria capaz de suprir toda a demanda de suas 11 lojas em atividade.

Os chefes e cozinheiros serão levados para conhecer a fazenda para entender como as coisas oferecidas no menu crescem e obter inspiração para criar novos pratos. Por enquanto, a rede ainda está buscando as terras para criar sua fazenda, que deverá ser localizada em Nova Iorque a no máximo duas horas de distância de seus restaurantes. Após a aquisição do local, espera-se que a primeira colheita ocorra já no próximo ano, levando o conceito de do-campo-à-mesa mais a sério do que nunca.

campo4

Fotos via

Acervo reúne mais de 300GB de canções de Jazz para ouvir e baixar de graça

A facilidade de arquivar e disseminar conteúdo que a internet nos oferece, aliada às paixões que as pessoas cultivam e cuidam ao longo da vida pode nos oferecer verdadeiros tesouros escondidos. É o caso do professor do ensino médio David W. Niven, que desde sempre foi um fiel amante do Jazz.

Mais do que isso: ao longo de muitos anos David colecionou registros de apresentações ao vivo das maiores lendas do gênero, catalogadas em mais de 650 fitas-cassete. E esse catálogo agora está disponível aos nossos ouvidos, para streaming e download.

São mais de 1000 horas de gravação em 360GB de áudio, reunindo grandes gênios do jazz como Duke Ellington, Charlie Parker, Thelonious Monk, Chat Baker, Frank Sinatra, Django Reindhart, Billie Holiday e muitos outros (muitos outros mesmo!). Cada fita foi perfeitamente catalogada à mão por David, trazendo o setlist dos shows, a data, o local e outras informações. O acervo percorre o período de 1921 até 1991. A coleção está hospedada no site Archive.org, e basta acessa-la para o deleite começar.

JAZZ5

O acesso irrestrito que a internet nos oferece hoje pode fazer tal dedicação parecer despropositada e anacrônica, mas o fato é que a internet sem a paixão humana é só um veículo vazio – que bom que o que ela nos traz de melhor é justamente a possibilidade de acessar conhecimentos diversos, e passear um pouco pelas vidas não só dos gênios, mas também daqueles que souberam apreciar e cuidar de tesouros verdadeiramente valiosos.

  JAZZ1

Imagens: divulgação

10 destinos surreais nos Estados Unidos que você tem que conhecer antes de morrer

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us9.jpg

Os Estados Unidos vão muito além dos cassinos de Las Vegas ou do clima contemporâneo de uma metrópole como Nova Iorque. Mesmo que estes sejam alguns dos destinos mais visitados do país, vale lembrar que há muito mais o que ver por lá, como estes 10 lugares que vão entrar para lista de qualquer viajante disposto a uma aventura.

1. Grand Prismatic Spring, Parque Nacional de Yellowstone, Wyoming

A terceira maior fonte de águas termais do mundo é também a maior dos Estados Unidos. O seu nome vem da variedade de cores encontrada em suas águas, que lembram a um prisma. No verão, elas variam de laranja a vermelho, enquanto no inverno, o verde se soma à coloração desta fonte.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us1.jpg

Foto © Yann Arthus-Bertrand/AP

2. Thor’s Well, Cabo Perpétua, Oregon

Uma incrível fonte de água salgada alimentada pelo Oceano Pacífico. Há quem diga que o lugar parece ainda mais bonito durante a época de maré alta ou quando acontecem tempestades por lá – apesar disso, é melhor evitar visitar o Thor’s Well nestes casos, pois pode ser bastante perigoso.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us2.jpg

Foto © Flickr/Bill Young

3. Parque Nacional das Grutas de Carlsbad, Novo México

Em pleno deserto de Chihuahua, este parque esconde mais de 100 cavernas formadas por ácido sulfúrico que se dissolveu em torno do calcário, criando uma linda paleta de cores subterrânea que você dificilmente encontrará em outro lugar.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us3.jpg

Foto © Doug Meek/Shutterstock

4. Cânion Antelope, Arizona

Um dos cânions mais visitados de todo o sudoeste do país. Na verdade, não se trata de apenas um local, mas duas formações separadas, que são conhecidas como Antelope Canyon Superior e Antelope Canyon Inferior. Essa formação de arenito única é conhecida por suas cores incríveis que mais parecem ter saído de uma pintura surrealista.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us4.jpg

Foto © Shutterstock/Manamana

5. Glaciar Mendenhall, Juneau, Alaska

Se você nunca imaginou caminhar dentro de uma caverna de gelo, essa pode ser a sua oportunidade. E é uma grande oportunidade, literalmente, já que sua extensão é de impressionantes 19 quilômetros. Suas paredes de um azul inigualável prometem ficar na memória de qualquer visitante.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us5.jpg

Foto © Flickr/Andrew E. Russell

6. The Wave, Arizona

Esta impressionante formação rochosa data do período jurássico. Por sua paisagem repleta de formas onduladas, acabou ganhando esse nome (Wave em inglês significa onda). O que originalmente era um conjunto de dunas se transformou uma uma paisagem de pedras sólidas – e a erosão se encarregou de tornar esta uma região ainda mais deslumbrante.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us6.png

Foto © iStock / AvatarKnowmad

7. Floresta de Hoh, Parque Nacional Olímpico, Washington

Uma paisagem para ser visitada no inverno, já que as chuvas frequentes nesta época do ano fazem com que as árvores e plantas fiquem cobertas de musgo. O resultado é uma floresta que parece ter saído de um conto de fadas obscuro, mas nem por isso menos encantador.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us7.jpg

Foto © Shutterstock/Asif Islam

8. Aurora boreal em Fairbanks, Alaska

Quem já viu a Aurora boreal uma vez sabe que o espetáculo é algo quase inacreditável . Embora a maioria das pessoas procure ver o fenômeno em países europeus, ele também pode ser apreciado nos Estados Unidos. A cidade de Fairbanks é a mais indicada, mas outras regiões do Alaska também podem ser presenteadas com a beleza deste céu colorido.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us8.png

Foto © Flickr/Beverly/Joshua Strang, USAF

9. Painted Hills, John Day Fossil Beds National Monument, Oregon

Já que estávamos falando sobre cores, é difícil encontrar uma paisagem que supere as Painted Hills (ou “montanhas pintadas”, em português). Quem passa pelo local poderá apreciar montanhas que parecem saídas de uma aquarela, com tons de amarelo, vermelho, azul e púrpura.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us9.jpg

Foto © Shutterstock/Josemaria Toscano

10. Great Smoky Mountains National Park, Tennessee 

Uma atração que está disponível apenas algumas semanas por ano, geralmente entre os meses de maio e junho, mas que deixará qualquer viajante de boca aberta. Dessa vez, não estamos falando de paisagens surreais, mas de vaga-lumes. Durante a época de acasalamento, eles migram para a região em busca de parceiros e oferecem um espetáculo à parte aos visitantes que veem sua incrível dança de luzes.

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/02/us10.jpg

Foto: Shutterstock