Loja Ilustrarquia reúne o universo da ilustração independente em SP

Desenhos estão por todas as partes e causam um encantamento instantâneo em pessoas de 0 a 100 anos. Apesar de todo mundo ter contato com este universo quando crianças, somente alguns nascem com o talento (e força de vontade!) necessário para transformar a atividade em profissão. Pensando em dar aquela forcinha para a ilustração independente, a loja Ilustrarquia abriu as portas num pequeno e acolhedor espaço na Av. Paulista, em São Paulo.

O endereço fixo numa discreta galeria próxima ao MASP foi escolhido pelos publicitários e ilustradores Fernanda Terra e Nat de Abreu, que transformaram os poucos metros quadrados numa banca de e para ilustradores. As prateleiras estão recheadas com produções independentes, daquelas que os criadores passam por um verdadeiro parto até concluírem suas obras, e também de editoras menores, como Bebel Books e Lote 42.

Apesar de ser bem específico, este é um nicho que precisava de novos ares dentro da cidade. “Aqui dá para encontrar HQ’s que não têm em lugar nenhum. Trabalhamos diretamente com a galera que produz e não tem onde vender”, explicou Nat, falando ainda que aquele espaço funciona como um verdadeiro desabafo mental no meio da Paulista. 

De fato, os profissionais da área e até mesmo aqueles que praticam a ilustração por hobby, não costumam ter cara ou voz ativa. Por mais que a gente veja desenhos, tirinhas e cartoons por todas as partes, pouco ou nada sabemos sobre a mente brilhante por trás daquilo. Nat complementa a ideia: expomos essa liberdade criativa. Aqui os artistas têm visibilidade, saem do anonimato”.

A loja é um prato cheio para quem se entrega de corpo e alma às artes visuais. Numa arara é possível ver e levar pra casa alguns trabalhos em stêncil e camisetas, como os modelos desenhados por Estenio Napalm. Logo ao lado tem um baú cheio de pôsteres descolados para levar pra casa, incluindo um caça-palavras gigantesco da TXTUrbano, que espalha muitos stickers pelas paredes paulistanas. No balcão estão ainda capas de almofada, marca páginas, tatuagens adesivas temporárias e uma invenção que achei genial: um moleskine-carteira feito em cardboard. É tão lindo ver o artesanal acontecendo.

A qualidade do que está exposto mostra o quanto este mercado precisa ser ampliado e merece atenção. O bom e velho humor ácido das histórias em quadrinhos brasileiras, junto com as críticas bem aplicadas à sociedade, volta a aparecer em alguns trabalhos disponíveis na loja, como Tempos Modernos, de Rodrigo Terra, e Vida de Prástico, de Ricardo Coimbra.

Outro destaque é a revista-pôster jogável Triple Space Dungeon, de Lucas Gehre, um formato bem diferente dos convencionais, que rompe com a ordem narrativa comum. O visual, inspirado em antigos jogos de vídeo-game, retrata uma aventura espacial onde o leitor interage e pode escolher vários caminhos para compor uma história.

A procura de ilustradores por uma brecha nas prateleiras tem sido alta, mesmo que a Ilustrarquia ainda seja um bebê, com pouco mais de uma semana de vida. Enquanto estava na loja, presenciei um pequeno grande momento. O ilustrador Willian Denaro e o roteirista (escritor, poeta e etc) Gabriel Araújo chegaram por lá para fechar uma parceria. Enfim encontraram um lugar para expor o zine Feijão com Arroz, um trampo que levou 10 anos para ficar pronto, e a HQ Zimbo, feita em nanquim e pincel, com tiragem de 20 unidades cada.

Assim como a Banca Tatuí, dedicada a livros independentes, a vitrine de arte marca seu território dentro de um mundo cada vez mais virtual. Sobre a suposta crise no mercado de impresso, Nat acredita que online e offline podem caminhar juntos. “São duas mídias diferentes, uma complementa a outra, mas ainda acho mágica a obra impressa. Livrarias lotadas e feiras de livros bombando mostram o quanto as pessoas ainda são apaixonadas por folhear e cheirar páginas, ver figuras e encher suas estantes.

Ilustração é uma gracinha, mas é coisa séria. Torço para que mais espaços como este pipoquem pela cidade, para que todos tenham um canto onde o talento ecoe mais alto do que aquela frase pouco otimista que muitos deles já ouviram: quando é você vai arrumar um emprego de verdade?. Se esse é o resultado, agradeço que nunca tenham arrumado!


Todas as fotos © Brunella Nunes

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s