Fotos de 20 animais da Caatinga

Caatinga significa mata branca em tupi, uma referência à vegetação sem folhas que predomina na temporada de seca. As plantas que vivem aqui tiveram que se adaptar às condições áridas desse ecossistema. Muitas armazenam água, como os cactos, enquanto outras possuem raízes espalhadas pela superfície do solo para absorver o máximo de água. É difícil entender como algum animal pode sobreviver nessas condições.

Mas o período das chuvas, no início do ano, modifica totalmente a paisagem. O verde volta à copa das árvores e as flores colorem a Caatinga, que deixa de ser a mata branca por um breve período. Os bichos conseguem alimento com uma maior facilidade e começam a engordar para enfrentar a seca que virá logo em seguida.

É o ecossistema menos estudado do Brasil, mas, segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA), 80% de seus habitats originais já foram alterados, 62% das áreas que podem se tornar desertos no país estão em zonas originalmente ocupadas pela Caatinga e menos de 1,5% do bioma se encontra em áreas de proteção integral (como Parques, Reservas Biológicas e Estações Ecológicas). O desmatamento – para a formação de pastos ou para a produção de lenha e carvão – é a principal ameaça.

Mesmo assim, os dados do MMA indicam uma grande biodiversidade. São 932 espécies de plantas, 178 espécies de mamíferos, 591 de aves, 177 de répteis, 79 espécies de anfíbios e 241 de peixes, muitas delas endêmicas (ocorrem somente na Caatinga). Para garantir a preservação desse ecossistema é preciso ampliar as medidas de proteção ambiental e promover alternativas para o uso sustentável de seus recursos.Veja abiaxo:

 Arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari)

Arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari)

Observada pela primeira vez na natureza pelo biólogo alemão Helmut Sick no final da década de 1970, a arara-azul-de-lear é encontrada somente naCaatinga, no nordeste da Bahia, onde se alimenta principalmente das sementes da palmeira licuri. A espécie é classificada como ameaçada de extinçãopela lista vermelha da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês). O tráfico de animais, o desmatamento para a criação de pastos e o abate  por fazendeiros que querem defender suas plantações do apetite das aves são as principais ameaças.

 Tatu-bola (Tolypeutes tricinctus)

Tatu-bola (Tolypeutes tricinctus)

Quando o tatu-bola se sente ameaçado curva as costas, coloca a cauda ao lado da cabeça e se fecha em uma esfera de proteção. Seria difícil achar melhor mascote para a Copa do Mundo de 2014 do que um bicho que se transforma em bola e só existe no Brasil. A ONG Associação Caatinga, responsável pela campanha da mascote, espera chamar a atenção para o animal – considerado vulnerável pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) – e, a partir daí, conseguir mais apoio para preservar o habitat em que vive. Com isso, outras espécies doCerrado e da Caatinga seriam beneficiadas.

 Soldadinho-do-araripe (Antilophia bokermanni)

Soldadinho-do-araripe (Antilophia bokermanni)

O soldadinho-do-araripe vive na Caatinga. É a ave mais ameaçada da família dos dançarinos (Pipridae), aves que se alimentam basicamente de frutos e possuem uma corte muito elaborada. Os machos exibem cores vistosas enquanto as fêmeas possuem cores discretas. O desmatamento para a plantação de monoculturas e criação de gado e o crescimento urbano desordenado são os principais problemas enfrentados pela espécie que se encontracriticamente ameaçada de extinção segundo a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês).

 Macaco-prego (Cebus libidinosus)

Macaco-prego (Cebus libidinosus)

Os macacos-prego receberam seu nome devido ao formato do pênis dos machos. São os únicos macacos das Américas capazes de utilizar ferramentas para facilitar a exploração de recursos. A espécie encontrada na Caatinga utiliza pedras para quebrar coquinhos e comer as sementes.

 Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii)

Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii)

A última ararinha-azul que pintou o céu da Caatinga foi avistada no ano 2000. A espécie é considerada criticamente ameaçada (possivelmente extinta na natureza) pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês). Hoje restam cerca de 60 indivíduos espalhados em zoológicos e coleções particulares, a maioria fora do Brasil. Programas de reprodução em cativeiro e reintrodução da espécie ao habitat natural tentam salvar a ave da extinção completa.

 Corrupião (Icterus jamacaii)

Corrupião (Icterus jamacaii)

Também conhecido como sofrê, o corrupião é uma das aves mais bonitas do Nordeste. Ele é capaz de imitar o canto de outras aves e chega a roubar o ninho de outras espécies. Xéxeu, bem-te-vi e joão-de-barro estão na lista de passarinhos que podem ser assaltados. É encontrado na Caatinga, onde procura por frutos e pelo doce néctar das flores.

 Onça-parda (Puma concolor)

Onça-parda (Puma concolor)

Suçuarana, leão da montanha, puma, cougar… A lista de nomes da onça-parda é longa. É encontrada das montanhas Rochosas, no Canadá, até o sul da Patagônia chilena, dos picos nevados dos Andes até florestas brancas da Caatinga, das planícies do Pantanal até a Floresta Amazônica. Devido à sua distribuição extensa, o felino acabou recebendo vários nomes populares em línguas diferentes.

 Rapazinho dos velhos (Nystalus maculatus)

Rapazinho dos velhos (Nystalus maculatus)

O rapazinho-dos-velhos fica pousado em galhos esperando por insetos e pequenos vertebrados. Também é conhecido como joão-bobo, nome adquirido devido ao seu comportamento: quando um possível predador está por perto a ave fica imóvel e conta com sua camuflagem para escapar do perigo. Apesar de ser uma boa técnica, já que é muito mais fácil ver um animal se movendo, as pessoas o chamam de bobo porque a ave fica parada quando alguém se aproxima.

 Mão-pelada (Procyon cancrivorus)

Mão-pelada (Procyon cancrivorus)

Batizado devido à falta de pelos nas mãos, o mão-pelada, também conhecido como guaxinim, é um animal solitário de hábitos noturnos. Existem poucos estudos sobre a espécie, mas sabe-se é extremamente adaptável e oportunista e, por isso, é encontrado em todos os biomas do Brasil (geralmente próximos a cursos d’água). Alimenta-se de caranguejos, moluscos, peixes, sapos insetos e frutas, lavados antes de comer.

 Calango-de-cauda-verde (Ameivula venetacaudus)

Calango-de-cauda-verde (Ameivula venetacaudus)

Encontrado somente na Caatinga do Piauí, o calango-de-cauda-verde procura por insetos escondidos sob o folhiço.

 Gralha-cancã (Cyanocorax cyanopogon)

Gralha-cancã (Cyanocorax cyanopogon)

Presente na Caatinga e no Cerrado, a gralha-cancã consegue imitar o canto de outras aves. Ela se alimenta de cupins, carniça e frutos, principalmente o mandacaru.

 Sagui-de-tufos-brancos (Callithrix jacchus)

Sagui-de-tufos-brancos (Callithrix jacchus)

Um dos primatas mais conhecidos do Brasil, o sagui-de-tufos-brancos habitava a Caatinga originalmente. Porém a espécie se adapta muito bem a áreas degradadas e se espalhou por outras regiões do país. Os primatas vivem em grupos de até seis indivíduos liderados pela fêmea mais velha e se alimentam de insetos, aranhas, ovos, filhotes de aves, lagartos e seiva de algumas árvores.

 Periquito-da-caatinga (Aratinga cactorum)

Periquito-da-caatinga (Aratinga cactorum)

Encontrado na Caatinga e no Cerrado da região nordeste, o periquito-da-caatinga se alimenta de sementes, frutos e flores – especialmente de cactos.

 Cachorro-do-mato (Cerdocyon thous)

Cachorro-do-mato (Cerdocyon thous)

O cachorro-do-mato, também conhecido como lobinho, é um mamífero comum no Brasil. Normalmente é encontrado aos pares, vagando pelos campos da Caatinga a procura de frutas e pequenos animais.

 Azulão (Cyanocompsa brissonii)

Azulão (Cyanocompsa brissonii)

O azulão tem uma ampla distribuição no Brasil e é encontrado em todos os biomas do país, inclusive na Caatinga. O sexo dos animais pode ser identificado pela cor: o macho é azulado (foto) e a fêmea é marrom.

 Preguiça-de-chifres (Stenocercus squarrosus)

Preguiça-de-chifres (Stenocercus squarrosus)

A preguiça-de-chifres é um lagarto encontrado somente na Caatinga do Piauí. O animal prefere ambientes densos, em meio a galhos secos, onde a camuflagem o torna praticamente invisível.

 Águia-chilena (Geranoaetus melanoleucus)

Águia-chilena (Geranoaetus melanoleucus)

A águia-chilena é encontrada em campos abertos e montanhas, onde procura por aves, cobras e pequenos mamíferos. Apesar do nome, pode ser encontrada em vários países da América do Sul, incluindo o Brasil.

 gambá-de-orelha-branca -

Gambá-de-orelha-branca (Didelphis albiventris)

Encontrado em uma grande variedade de habitats , o gambá-de-orelha-branca também é conhecido como saruê, seriguê, micurê, entre outros, dependendo da região do Brasil. Na Caatinga são encontrados em zonas de vegetação espinhosa e em áreas perturbadas (é comum abrigarem-se no forro das casas). Os gambás possuem glândulas odoríferas que liberam um cheiro muito ruim e servem como defesa. Em último caso, o animal se finge de morto na esperança de que o predador perca o interesse.

 Carcará (Caracara plancus)

Carcará (Caracara plancus)

Ao contrário do que diz a música de João do Vale: “Pega, mata e come“,  o carcará prefere se alimentar de carniça. Mas também caça pequenos insetos e vertebrados na Caatinga e nos demais biomas brasileiros.

 Perereca-de-capacete (Corythomantis greeningi)

Perereca-de-capacete (Corythomantis greeningi)

Com glândulas urticárias de veneno ao redor de todo o corpo, a perereca-de-capacete é encontrada somente na Caatinga, onde se reproduz em cachoeiras e riachos temporários.

 Arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari)

Arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari)

Observada pela primeira vez na natureza pelo biólogo alemão Helmut Sick no final da década de 1970, a arara-azul-de-lear é encontrada somente naCaatinga, no nordeste da Bahia, onde se alimenta principalmente das sementes da palmeira licuri. A espécie é classificada como ameaçada de extinçãopela lista vermelha da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês). O tráfico de animais, o desmatamento para a criação de pastos e o abate  por fazendeiros que querem defender suas plantações do apetite das aves são as principais ameaças.

 Tatu-bola (Tolypeutes tricinctus)

Tatu-bola (Tolypeutes tricinctus)

Quando o tatu-bola se sente ameaçado curva as costas, coloca a cauda ao lado da cabeça e se fecha em uma esfera de proteção. Seria difícil achar melhor mascote para a Copa do Mundo de 2014 do que um bicho que se transforma em bola e só existe no Brasil. A ONG Associação Caatinga, responsável pela campanha da mascote, espera chamar a atenção para o animal – considerado vulnerável pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) – e, a partir daí, conseguir mais apoio para preservar o habitat em que vive. Com isso, outras espécies doCerrado e da Caatinga seriam beneficiadas.

 Soldadinho-do-araripe (Antilophia bokermanni)

Soldadinho-do-araripe (Antilophia bokermanni)

O soldadinho-do-araripe vive na Caatinga. É a ave mais ameaçada da família dos dançarinos (Pipridae), aves que se alimentam basicamente de frutos e possuem uma corte muito elaborada. Os machos exibem cores vistosas enquanto as fêmeas possuem cores discretas. O desmatamento para a plantação de monoculturas e criação de gado e o crescimento urbano desordenado são os principais problemas enfrentados pela espécie que se encontra criticamente ameaçada de extinção segundo a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês).

 Macaco-prego (Cebus libidinosus)

Macaco-prego (Cebus libidinosus)

Os macacos-prego receberam seu nome devido ao formato do pênis dos machos. São os únicos macacos das Américas capazes de utilizar ferramentas para facilitar a exploração de recursos. A espécie encontrada na Caatinga utiliza pedras para quebrar coquinhos e comer as sementes.

 Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii)

Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii)

A última ararinha-azul que pintou o céu da Caatinga foi avistada no ano 2000. A espécie é considerada criticamente ameaçada (possivelmente extinta na natureza) pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês). Hoje restam cerca de 60 indivíduos espalhados em zoológicos e coleções particulares, a maioria fora do Brasil. Programas de reprodução em cativeiro e reintrodução da espécie ao habitat natural tentam salvar a ave da extinção completa.

 Corrupião (Icterus jamacaii)

Corrupião (Icterus jamacaii)

Também conhecido como sofrê, o corrupião é uma das aves mais bonitas do Nordeste. Ele é capaz de imitar o canto de outras aves e chega a roubar o ninho de outras espécies. Xéxeu, bem-te-vi e joão-de-barro estão na lista de passarinhos que podem ser assaltados. É encontrado na Caatinga, onde procura por frutos e pelo doce néctar das flores.

 Onça-parda (Puma concolor)

Onça-parda (Puma concolor)

Suçuarana, leão da montanha, puma, cougar… A lista de nomes da onça-parda é longa. É encontrada das montanhas Rochosas, no Canadá, até o sul da Patagônia chilena, dos picos nevados dos Andes até florestas brancas da Caatinga, das planícies do Pantanal até a Floresta Amazônica. Devido à sua distribuição extensa, o felino acabou recebendo vários nomes populares em línguas diferentes.

 Rapazinho dos velhos (Nystalus maculatus)

Rapazinho dos velhos (Nystalus maculatus)

O rapazinho-dos-velhos fica pousado em galhos esperando por insetos e pequenos vertebrados. Também é conhecido como joão-bobo, nome adquirido devido ao seu comportamento: quando um possível predador está por perto a ave fica imóvel e conta com sua camuflagem para escapar do perigo. Apesar de ser uma boa técnica, já que é muito mais fácil ver um animal se movendo, as pessoas o chamam de bobo porque a ave fica parada quando alguém se aproxima.

 Mão-pelada (Procyon cancrivorus)

Mão-pelada (Procyon cancrivorus)

Batizado devido à falta de pelos nas mãos, o mão-pelada, também conhecido como guaxinim, é um animal solitário de hábitos noturnos. Existem poucos estudos sobre a espécie, mas sabe-se é extremamente adaptável e oportunista e, por isso, é encontrado em todos os biomas do Brasil (geralmente próximos a cursos d’água). Alimenta-se de caranguejos, moluscos, peixes, sapos insetos e frutas, lavados antes de comer.

 Calango-de-cauda-verde (Ameivula venetacaudus)

Calango-de-cauda-verde (Ameivula venetacaudus)

Encontrado somente na Caatinga do Piauí, o calango-de-cauda-verde procura por insetos escondidos sob o folhiço.

 Gralha-cancã (Cyanocorax cyanopogon)

Gralha-cancã (Cyanocorax cyanopogon)

Presente na Caatinga e no Cerrado, a gralha-cancã consegue imitar o canto de outras aves. Ela se alimenta de cupins, carniça e frutos, principalmente o mandacaru.

 Sagui-de-tufos-brancos (Callithrix jacchus)

Sagui-de-tufos-brancos (Callithrix jacchus)

Um dos primatas mais conhecidos do Brasil, o sagui-de-tufos-brancos habitava a Caatinga originalmente. Porém a espécie se adapta muito bem a áreas degradadas e se espalhou por outras regiões do país. Os primatas vivem em grupos de até seis indivíduos liderados pela fêmea mais velha e se alimentam de insetos, aranhas, ovos, filhotes de aves, lagartos e seiva de algumas árvores.

 Periquito-da-caatinga (Aratinga cactorum)

Periquito-da-caatinga (Aratinga cactorum)

Encontrado na Caatinga e no Cerrado da região nordeste, o periquito-da-caatinga se alimenta de sementes, frutos e flores – especialmente de cactos.

 Cachorro-do-mato (Cerdocyon thous)

Cachorro-do-mato (Cerdocyon thous)

O cachorro-do-mato, também conhecido como lobinho, é um mamífero comum no Brasil. Normalmente é encontrado aos pares, vagando pelos campos da Caatinga a procura de frutas e pequenos animais.

 Azulão (Cyanocompsa brissonii)

Azulão (Cyanocompsa brissonii)

O azulão tem uma ampla distribuição no Brasil e é encontrado em todos os biomas do país, inclusive na Caatinga. O sexo dos animais pode ser identificado pela cor: o macho é azulado (foto) e a fêmea é marrom.

 Preguiça-de-chifres (Stenocercus squarrosus)

Preguiça-de-chifres (Stenocercus squarrosus)

A preguiça-de-chifres é um lagarto encontrado somente na Caatinga do Piauí. O animal prefere ambientes densos, em meio a galhos secos, onde a camuflagem o torna praticamente invisível.

 Águia-chilena (Geranoaetus melanoleucus)

Águia-chilena (Geranoaetus melanoleucus)

A águia-chilena é encontrada em campos abertos e montanhas, onde procura por aves, cobras e pequenos mamíferos. Apesar do nome, pode ser encontrada em vários países da América do Sul, incluindo o Brasil.

 gambá-de-orelha-branca -

Gambá-de-orelha-branca (Didelphis albiventris)

Encontrado em uma grande variedade de habitats , o gambá-de-orelha-branca também é conhecido como saruê, seriguê, micurê, entre outros, dependendo da região do Brasil. Na Caatinga são encontrados em zonas de vegetação espinhosa e em áreas perturbadas (é comum abrigarem-se no forro das casas). Os gambás possuem glândulas odoríferas que liberam um cheiro muito ruim e servem como defesa. Em último caso, o animal se finge de morto na esperança de que o predador perca o interesse.

 Carcará (Caracara plancus)

Carcará (Caracara plancus)

Ao contrário do que diz a música de João do Vale: “Pega, mata e come“,  o carcará prefere se alimentar de carniça. Mas também caça pequenos insetos e vertebrados na Caatinga e nos demais biomas brasileiros.

 Perereca-de-capacete (Corythomantis greeningi)

Perereca-de-capacete (Corythomantis greeningi)

Com glândulas urticárias de veneno ao redor de todo o corpo, a perereca-de-capacete é encontrada somente na Caatinga, onde se reproduz em cachoeiras e riachos temporários.viajeaqui

14 comentários

  1. Republicou isso em Br Andrew's Musese comentado:
    Caatinga means white forest in Tupi, a reference to vegetation without leaves that predominates in the dry season. Plants that live here have had to adapt to arid conditions of this ecosystem. Many store water, such as cacti, while others have roots spread across the surface of the soil to absorb as much water. It is difficult to understand how an animal can survive in these conditions.

    But the rainy season at the beginning of the year, completely changes the landscape. Green around the canopy of trees and flowers coloring Caatinga, which is no longer the white forest for a short time. The animals get food with greater ease and begin to put on weight to face the drought that will come soon after.

    Is the ecosystem least studied in Brazil, but according to the Ministry of Environment (MMA), 80% of their original habitats have been altered, 62% of the areas that may become deserts in the country are in areas originally occupied by the Caatinga and less 1.5% of the biome is strictly protected areas (such as parks, biological reserves and ecological stations). Deforestation – for the formation of pastures or for the production of firewood and charcoal – is the main threat.

    Even so, the data indicate the MMA rich biodiversity. Are 932 species of plants, 178 species of mammals, 591 of birds, 177 of reptiles, 79 species of amphibians and 241 fish, many of them endemic (occurring only in the Caatinga). To ensure the preservation of this ecosystem is necessary to expand the measures of environmental protection and promote alternatives to the sustainable use of its resourses.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Pingback: Fotos de 20 animais da Caatinga | Klauzmarat's Blog

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s