Vídeo mostra maior coração do mundo já preservado

Cientistas do Museu Real de Ontario, no Canadá, revelaram recentemente como é o maior coração do mundo, pertencente as baleias-azuis.

(Foto: reprodução/YouTube)

Segundo informações dos cientistas, que divulgaram o material em um vídeo no YouTube, o coração pertencia a um animal com 23 metros de comprimento e 180 toneladas, que tinha todos os seus órgãos em tamanhos gigantescos. O animal dissecado foi encontrado morto em Newfoundland, no Canadá, e os cientistas precisaram de quatro pessoas para retirar o coração de sua cavidade torácica.

“Este é o primeiro coração de baleia-azul a ser anatomicamente preservado para exposição e estudo”, disse Jacqueline Miller, uma das pesquisadoras do museu, em um vídeo veiculado pela rede de televisão americana PBS.

O órgão possui 180 quilos, 1,5 metro de comprimento e, quando estava ativo, bombeava cerca de 60 galões de sangue (220 litros) por batimento cardíaco. Comparando ao órgão humano, o nosso coração tem, em média, 12 cm e pesa cerca de 340 gramas.

Segundo informações divulgadas pela equipe, o coração ficou congelado por um ano. Em julho, Miller e seus colegas começaram a tampar as artérias do coração com mil litros de formol, para preservar os restos mortais. O processo de preservação é concluído quando o coração é desidratado com acetona e enchido com silicone.

Veja abaixo o vídeo, em inglês, com as imagens da baleia-azul e de seu coração:

Ação criativa coloca holograma de cadeirante na frente de motoristas que usam vagas reservadas

Sabe aquela história de que “são só cinco minutinhos“? Essa desculpa está permitida para assuntos relacionados ao travesseiro, antes das 7 da manhã, mas definitivamente não cola quando se trata de motoristas que usam, indevidamente, vagas reservadas para pessoas com deficiência.

Na Rússia, estima-se que 30% dos motoristas estacionem irregularmente nessas vagas e, para conscientizá-los de que respeito não se mede em minutos, a ONG Dislife Russia e a agência Y&R Moscow criaram uma campanha pra lá de criativa, em que um holograma de um cadeirante é colocado à frente do carro toda vez que isso acontece.

Na área próxima à vaga da ação, foram instaladas câmeras e sensores que identificam quando um carro estaciona e verificam automaticamente a presença do adesivo no vidro, exclusivo para pessoas que têm algum tipo de deficiência. Caso o adesivo não seja constatado, um dispersor de água forma uma espécie de tela, a partir de minúsculas gotas d’água, e um projetor dá vida ao holograma de um cadeirante, que manda um papo reto com o motorista irresponsável:

Pare! O que você está fazendo? Eu não sou apenas um sinal no chão. Não finja que eu não existo. Por que você está surpreso? Esta vaga é para pessoas com deficiência. Sim, eu sou real! Por favor, procure outra vaga para estacionar. Eu enfrento muitos desafios todos os dias. O seu único desafio é respeitar os meus direitos!

Depois de uma dessas, como continuar indiferente? Confira o vídeo da ação:

dislife-deficiente5

dislife-deficiente6

dislife-deficiente7

dislife-deficiente8

dislife-deficiente9

dislife-deficiente10

dislife-deficiente11

dislife-deficiente12

dislife-deficiente13

dislife-deficiente14

Todas as imagens © YouTube/Reprodução

Eles largaram seus trabalhos estáveis para investir em uma plataforma de educação inovadora



Aprender coisas novas é sempre uma experiência enriquecedora e costuma também ser muito prazerosa. Mas o processo de aprendizagem nem sempre é tão legal assim, muitas vezes restrito a salas de aula que parecem ter sido feitas especialmente para entediar os estudantes: todo mundo virado de frente para um único professor que está ali para “transmitir” seu conhecimento. A sorte é que as coisas não precisam ser assim!

Depois de algumas experiências de ensino frustrantes, três jovens decidiram que poderiam mudar esse cenário. Foi assim que os amigos Filipe Heilberg, Martim Konigsberger e Rodrigo Klepaczap largaram seus empregos estáveis para criar uma startup de educação à distância um pouco diferente do convencional.

Com essa proposta, a Saibalá nasceu, em janeiro de 2015, com foco nas diversas áreas da economia criativa e já conta com professores de peso, como os estilistas Glória Coelho e Ronaldo Fraga e o fotógrafo de moda Bob Wolfenson.

A gente percebeu que nossos trabalhos agregavam muito pouco para o mundo. No meio dessa indignação, começamos a pensar em como ganhar dinheiro ao mesmo tempo em que fazíamos algo relevante para a sociedade”, conta Martim, que antes de se dedicar à Saibalá trabalhava no mercado financeiro. “Meu trabalho só servia para deixar os ricos mais ricos”, lembra.

Equipe Saibalá


Graças a esse potencial transformador, hoje a Saibalá é gerida por uma equipe de 13 jovens, com idade média de 25 anos, que veem na sua frustração com o sistema educacional defasado um combustível para inovar o modelo de ensino. É por isso que a plataforma aposta em vídeo aulas dinâmicas (e baratas!), com um modelo de ensino contemporâneo para democratizar o conhecimento através da web. E a ideia não poderia dar mais certo: em apenas 1 ano, eles já conquistaram 10 mil alunos

As vídeo aulas também permitem que os estudantes tenham contato com alguns dos profissionais que são referência em suas áreas e acompanhem de perto o processo de criação destes. Assim, todos os professores convidados são escolhidos a dedo, com preferência para aqueles que tenham uma forte atuação no mercado e possam transmiti-la através das aulas, gravadas em seus ambientes de trabalho, mostrando melhor o dia-a-dia da profissão.

Equipe da Saibalá em gravação


A maior diferença oferecida pela Saibalá está no estilo das gravações, que não são apenas uma filmagem de uma aula convencional, mas narrativas bem pensadas, construídas como se fossem uma série ou um documentário, para envolver os alunos. Outro diferencial é que as aulas são oferecidas em episódios de 15 minutos, permitindo que cada pessoa aprenda no seu ritmo. Uma vez que o curso é adquirido, o estudante tem o conteúdo à sua disposição por um ano. 

Desde que a plataforma foi ao ar, já foram oferecidas diversas atividades na área da economia criativa, incluindo cursos de fotografia, moda, design e arte, sempre ministrados por professores que são referência em suas áreas de atuação.

Flavio Samelo_Fotografia de Skate


Além dos cursos, os estudantes participam de uma área de comunidade, onde é possível se envolver discussões ou postar o desenvolvimento de projetos sugeridos durante as aulas. É nessa área que os estudantes recebem feedback de outros alunos ou dos próprios professores do curso, tornando a experiência mais interativa e pessoal.

Sobre o futuro da Saibalá, Martim fala: “Nós pretendemos desenvolver um impacto ainda mais expressivo na vida destas pessoas. Mais do que oferecer os cursos, queremos municiar os profissionais liberais em todos os aspectos de sua atuação” – e já adianta que em breve virão mais novidades por aí!

Bob Wolfenson_Fotografia de Moda 

Fred Gelli_Biomimética 

Ronaldo Fraga_Coleção de Moda 

Ricardo Tatoo_Customização de Camisetas 

Luis Crispino_Fotografia em Estúdio 

Iatã Cannabrava_Ensaios Fotográficos 

Gian Franco Rocchiccioli_Design Estratégico

Para saber mais sobre a empresa, acesse o site da Saibalá ou acompanhe todas as novidades através do Facebook.

A menina que anda pelo mundo registrando as melhores comidas de rua que prova pelo caminho

Girl Eat World é o nome no Insta que vai te fazer sentir fome e, ao mesmo, inspirado para viajar! Melissa Hie é um jovem garota que alimenta a conta com fotos de comidas típicas em suas devidas origens pelo globo. Pode babar no teclado, tá tudo tudo bem!

Além das comilança, Melissa também compartilha dicas de viagem sobre gastronomia, claro, como também sobre orçamento e feminismo para mulheres que viajam sozinhas.

Quando perguntada sobre seu snack preferido, ela conta que são os docinhos em forma de emoji no Japão. E caso tenha alguma contribuição a fazer de sua última viagem ou terra natal, publique usando a hashtag #GirlEatWorld.

Agora pode pegar aquele guardanapo.

Birmânia

GirlEatWorld2

Bélgica

GirlEatWorld5

China

GirlEatWorld12

Suíça

GirlEatWorld15

Coreia

GirlEatWorld14

Paris

GirlEatWorld13

Malta

GirlEatWorld9

Japão

GirlEatWorld7

Japão

GirlEatWorld6

Japão

GirlEatWorld8

Malta

GirlEatWorld3

Coreia

GirlEatWorld4

China

GirlEatWorld10

Alemanha

GirlEatWorld16

China

GirlEatWorld11

Japão

GirlEatWorld1

Para ver mais gostosuras como essas acima, siga o link.

Todas as fotos © Girl Eat World

Pais enviam adolescentes consumistas à tribo remota no Peru para que revejam seus valores

Quem convive de perto com adolescentes sabe que algumas vezes pode faltar um pouco de motivação para que eles façam coisas novas ou mesmo valorizem o que possuem. Agora, uma nova experiência promete ser o empurrãozinho que faltava para que alguns deles encarem a vida de uma nova maneira: passar uma semana vivendo com uma tribo indígena em um lugar remoto do planeta.

A proposta faz parte de um novo reality show lançado pelo Canal 5, do Reino Unido. O programa ganhou o nome de Tribal Teens (“Adolescentes Tribais”, em português) e teve sua estréia nessa terça-feira, 19, com dois adolescentes indo viver uma semana com a tribo Ashaninka na floresta tropical do Peru.

tribo1

Alex, 16 anos, de Reading, e Ethan, 18 anos, de Londres, foram os aventureiros que toparam encarar uma semana vivendo sem banheiro, eletricidade ou água encanada e caçando sua própria comida. A experiência foi motivada pelos pais de cada um. Alex antes era uma princesinha mimada e admite que foi um choque cultural enorme sua chegada no local, mas que sairá de lá como uma Indiana Jones.

Ethan era o rei da preguiça e dificilmente acordava antes das 13h, tendo inclusive sido expulso da escola por não comparecer às aulas. Apesar disso, confessa que a experiência foi o empurrão que faltava para retomar o rumo de sua própria vida e encontrar motivação para realizar as coisas que precisa.

Já pensou em encarar uma aventura como essa? Quando tempo você aguentaria?

tribo2

tribo3

tribo4

tribo5

tribo6

tribo8

tribo9

tribo10

tribo11

tribo12

Todas as fotos © Channel 5