EUA têm primeiro caso de bactéria resistente ao ‘último antibiótico’

Placas com a bactéria E. coli, em um laboratório da Alemanha – FABIAN BIMMER / REUTERS

WASHIGNTON — Os Estados Unidos registraram o primeiro caso de um paciente com uma superbactéria resistente ao antibiótico mais potente que a medicina conhece: a colistina. Considerada o último recurso, quando a pessoa tem uma infecção que não responde a outros antibióticos convencionais, essa droga existe desde 1949, e a resistência a ela foi identificada pela primeira vez em 2015, na China. Com isso, autoridades de saúde pública chegam a dizer que estamos “no fim da linha” na era dos antibióticos.

A bactéria foi encontrada na urina de uma mulher de 49 anos da Pensilvânia, que tinha infecção urinária. Pesquisadores d Departamento de Defesa dos EUA afirmam se tratar de uma infecção que envolve uma cepa da bactéria E. coli resistente à colistina, segundo um estudo publicado pela Sociedade Americana de Microbiologia.

Não é claro como essa resistência surgiu, uma vez que a paciente não viajou recentemente e a colistina não é amplamente usada nos EUA.

A grande preocupação dos cientistas e médicos é que a resistência à colistina se combine à resistência a outros tipos de antibióticos para formar infecções que não podem ser tratadas. O gene mcr-1, responsável por conferir resistência à colistina, pode se espalhar rapidamente entre as espécies, dizem os médicos.

— Quanto mais olhamos para resistência aos medicamentos, mais preocupado ficamos. — disse o diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, Thomas Frieden. — O armário de remédios está vazio para alguns pacientes. É o fim da estrada para os antibióticos se não agirmos com urgência.

Nasia Safdar, da Escola de Medicina e Saúde Pública da Universidade de Wisconsin, também se mostrou preocupada.

— É quase inevitável que mais casos virão à luz. É apenas uma questão de quão rapidamente as coisas se espalhar. Não seria um exagero dizer que estamos no final do tratamento antimicrobiano eficaz para bactérias resistentes a antibióticos — afirmou ela.

via

2 comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s