Python

https://vivimetaliun.files.wordpress.com/2016/06/75a48-2blog.jpg

Píton Panda (Python regius) com mutação e padrão de cor diferente. Ao todo, existem mais de 1300 cores e mutações para esta espécie, muito apreciada por colecionadores. Essas “mutações genéticas” são desenvolvidas por criadores, por meio de produção seletiva.



Python regius é um nonvenomous python espécies encontradas em África. Esta é a menor das pítons africanas e é popular no comércio do animal de estimação, em grande parte devido ao seu temperamento normalmente dócil. Nenhumasubespécie é reconhecida atualmente.  Ele também é conhecido como python real ou python bola. O nome "python bola" refere-se a tendência do animal para enrolar em uma bola quando está estressado ou com medo.  O nome real python (do régio Latina) vem do fato de que os governantes da África usaria o python como uma jóia.

Adultos geralmente não crescer para mais de 152-182 cm (5,0-6,0 pés).  As fêmeas tendem a ser um pouco maior do que os homens, com vencimento em uma média de 122-137 cm (4,0-4,5 pés). Os machos geralmente média em torno de 90-107 cm (3,0-3,5 pés).  A compilação é encorpado  enquanto a cabeça é relativamente pequena. As escalas são lisas e ambos os sexos têm esporas anais de cada lado da abertura.  Embora os machos tendem a ter esporas maiores, isso não é definitiva, e sexo é melhor determinada via eversão manual dos machos hemipenes ou inserindo uma sonda na cloaca de encontrar as hemipenes invertidos (se do sexo masculino).  Quando sondagem para determinar o sexo, os machos geralmente medem oito a dez escalas subcaudais, e as fêmeas geralmente medem dois a quatro escalas subcaudais.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/92/Pit%C3%B3n_de_la_India_(Python_molurus),_Zoo_de_Ciudad_Ho_Chi_Minh,_Vietnam,_2013-08-14,_DD_10.JPG

O padrão de cor é normalmente preto ou marrom escuro com luz marrom ou lados de ouro e manchas dorsais. A barriga é um branco ou creme que pode incluir espalhadas manchas pretas.  No entanto, os das indústrias de animais têm, através da criação selectiva, desenvolvido muitos morphs (mutações genéticas) com cores e padrões alterados.

Distribuição geográfica 

Eles são encontrados em África do Senegal, Mali, Guiné-Bissau, Guiné, Serra Leoa, Libéria, Costa do Marfim, Gana, Benine Nigéria através de Camarões, o Chade ea República Centro Africano para o Sudão e Uganda. Sem localidade tipo foi dado na descrição original. 

Habitat

Pythons bola preferência pastagens, savanas e áreas esparsamente arborizadas.  Montes da térmita e tocas de mamíferos vazias são habitats importantes para esta espécie. Geralmente encontrado na África Ocidental, particularmente na Serra Leoa, Togo, Senegal, Guiné Bissau, Camarões, Gâmbia, Libéria, Costa do Marfim, República Centro Africano, Gana, Benin, Níger, Burkina Faso, República Democrática do Congo, Mali, Uganda, e Sudão.

Comportamento

Esta espécie terrestres é conhecida por sua estratégia de defesa que envolve enrolando em uma bola apertada quando ameaçado, com a sua cabeça e pescoço escondido no meio. Neste estado, ele literalmente pode ser enrolado ao redor. Retiros favorecidas incluem tocas de mamíferos e outros esconderijos subterrâneos, onde também a estivate. Em cativeiro, eles são considerados bons animais de estimação, com o seu tamanho relativamente pequeno e natureza plácida tornando-os fáceis de manusear.  adultos criados em cativeiro raramente mordem a menos severamente ameaçada.

Alimentando 

Em estado selvagem, sua dieta consiste principalmente de pequenos mamíferos, como ratos soft-furred africanos, musaranhos e os ratos listradas. Os indivíduos mais jovens também têm sido conhecidos para se alimentar de aves. Pythons importados na natureza tendem a ser picky eaters e pode não responder a alimentos, bem como pítons criados em cativeiro, que geralmente fazem bem em ratos domésticos e ratos, quer ao vivo, morto ou congelados e descongelados. Jogos de alimentação de um serpente pode ser perigoso para a serpente envolvida e nunca deve ser tentada por parte dos detentores inexperientes. O tamanho da presa dado a um pitão deve ser equivalente a, ou ligeiramente maior do que a largura da maior parte do seu corpo. Este python é conhecida por ser um exigente comedor e não pode comer durante meses, especialmente durante a época de reprodução inverno. Enquanto isso não é estranho, deve ser tomado cuidado para ver que a serpente não experimentar a perda de peso significativa. Embora pythons bola em cativeiro só pode precisam ser alimentados uma vez por semana, muitos proprietários vão alimentar sua python duas vezes por semana, ou mais do que uma dose de cada vez. Isto é feito para aumentar o peso e o comprimento de cobra. A maioria dos pythons bola não vai comer quando eles estão se preparando para lançar; no entanto, existem alguns que irá,. Parasitas também pode causar a cobra para não comer. Outras causas de não comer são o estresse causado por overhandling, temperaturas que são muito quente ou muito frio, umidade sendo muito alto ou baixo,  e não áreas suficientes para se esconder dentro do viveiro. 

https://i2.wp.com/www.snaketuary.com/data/gallery/4/photo/Snake-%20Albino%20Burmese%20Python%20M.jpg

Reprodução 

As fêmeas são ovíparos, com em qualquer lugar de 3 a 11, em vez de grandes, ovos de couro que está sendo colocado (4-6 mais comum).  Estes são incubados pela fêmea sob o solo (através de um movimento tremores), e chocam após 55 a 60 dias. A maturidade sexual é atingida aos 11-18 meses para os homens, e 20-36 meses para as fêmeas. A idade é apenas um fator na determinação da maturidade sexual e habilidade para se reproduzir – peso é o segundo fator. Os machos se reproduzem em 600 gramas ou mais, mas em cativeiro muitas vezes não são criados até que eles são 800 gramas (1.7lb), embora em cativeiro alguns machos foram conhecidos para começar a sua criação em 300-400 gramas. As fêmeas se reproduzem na natureza em pesos tão baixas quanto 800 gramas, embora 1200 gramas ou mais é mais comum; em cativeiro, os criadores geralmente esperar até que eles são nada menos do que 1.500 g (3,3 lb). Cuidado parental dos ovos termina quando eles eclodem, ea fêmea deixa os filhos para se defenderem sozinhos.

https://41.media.tumblr.com/4063d6e9381b893fa3c106fbc2675bf6/tumblr_na3ob0SMkj1r3iw19o1_1280.jpg

Cativeiro

Estas serpentes são criados em cativeiro e são populares como animais de estimação, por causa de seu pequeno tamanho (em comparação com outros pítons) e seu temperamento dócil.  espécimes selvagens capturados têm maior dificuldade em se adaptar a um ambiente em cativeiro, o que pode resultar em recusa de alimentar, e eles geralmente carregam internos ou externos parasitas que devem ser eliminados através da administração de medicamentos antiparasitários.Espécimes sobreviveram por mais de 40 anos em cativeiro, com o mais antigo python bola gravada sendo mais de 48 anos de idade. Para viver este tempo, a bola pythons em cativeiro requer cuidados adequados. Esse cuidado inclui alimentação adequada, um tanque limpo, manipulação e qualidade de vida global. Em cativeiro, a maioria das cobras pitão régio adulto deve ser mantido em um mínimo de um 40 galões (150 L), longa de vidro tanque, como esses pítons são moradores de solo e são altamente secreto e em grande parte sedentária. Algumas grandes fêmeas podem exigir gaiolas até os 50 galões americanos (190 L) de comprimento do tanque. Além disso, pelo menos dois esconderijos deve ser fornecida em diferentes extremidades do tanque, com quem tem uma almofada de aquecimento controlado por termostato sob ele para que os animais possam regular sua temperatura. Como a maioria das cobras são peritos em escapar cativeiro, o tanque deve ter uma tampa de bloqueio. Os juvenis em particular, podem ser salientado por excessivamente grandes gaiolas que não têm espaços pequenos esconderijos suficientes. Por esta razão, a bola pythons bebê fazem bem em uns 10 galões (38 L) ou 15 galões (57 L) gaiola em primeiro lugar.Temperatura controlada de 80 ° F (27 ° C) com um 90 ° F (32 ° C), aquecendo a área numa extremidade da gaiola são necessárias para a boa saúde. A humidade deve ser mantida a 50% a 60% com substrato seco. 

https://i1.wp.com/images.forwallpaper.com/files/thumbs/preview/31/310295__snake-python_p.jpg

Crenças e folclore 

Esta espécie é particularmente venerado na religião tradicional dos povos do Igbo do sudeste da Nigéria. É considerado simbólico da terra, sendo um animal que viaja tão perto do chão. Mesmo entre muitos cristãos Igbos, esses pítons são tratados com muito cuidado, sempre que acontecer para passear em uma aldeia ou sobre a propriedade de alguém; eles estão autorizados a circular livremente ou estão muito gentilmente pegou e colocou para fora em uma floresta ou um campo longe de quaisquer casas. Se alguém é morto acidentalmente, muitas comunidades em Igboland ainda vai construir um caixão para os restos da cobra e dar-lhe um curto funeral. 

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/47/74/6c/47746c3b7be48a1d6491f82d17b6282a.jpg

https://vivimetaliun.files.wordpress.com/2016/06/75a48-2blog.jpg

https://ericstk.files.wordpress.com/2014/03/704414_83477953.jpg

http://donpreptiles.com/sites/default/files/DSC_0006%20(Large).JPG

Google imagens

Ilustrações controversas de artista polonês revelam o lado escuro da sociedade moderna

O ilustrador, artista e coproprietário da Morski Studio Graficzne, Igor Morski, cria imagens surreais imbuídas de significado oculto.O polonês se formou em arquitetura de interiores e design industrial na State Higher School of Fine Art, em Poznań, e mais tarde abriu seu próprio estúdio de ilustração, em 1995.
Segundo o artista, seu tempo trabalhando na revista Wprost foi o que inadvertidamente levou-o a um estilo surrealista: “As pessoas não estavam familiarizadas com Photoshop, e muitas ilustrações eram interpretadas literalmente, como se o que fosse mostrado fosse realmente verdade. Isso era especialmente recorrente em fotomontagens com políticos. O fato de que, desde então, tenho trabalhado em material fotográfico fez com que o realismo aparecesse no meu trabalho”.
Confira algumas das obras controversas de Morski:

ilustracoes sociedade moderna morski (1) 

ilustracoes sociedade moderna morski (2) 

ilustracoes sociedade moderna morski (3) 

ilustracoes sociedade moderna morski (4) 

ilustracoes sociedade moderna morski (5) 

ilustracoes sociedade moderna morski (6) 

ilustracoes sociedade moderna morski (7) 

ilustracoes sociedade moderna morski (8) 

ilustracoes sociedade moderna morski (9) 

ilustracoes sociedade moderna morski (10) 

ilustracoes sociedade moderna morski (11) 

ilustracoes sociedade moderna morski (12) 

ilustracoes sociedade moderna morski (13) 

ilustracoes sociedade moderna morski (14) 

ilustracoes sociedade moderna morski (15) 

ilustracoes sociedade moderna morski (16) 

ilustracoes sociedade moderna morski (17) 

ilustracoes sociedade moderna morski (18) 

ilustracoes sociedade moderna morski (19)

Em prol dos animais, evento em SP reúne flash tattoos, feira de adoção, música e gastronomia

Domingo é um dia preguiçoso, mas que tal sair do sofá pra ajudar entidades animais? No dia 1º de maio acontece, em São Paulo, a primeira edição do Pet Day Tattoo, que vai reunir flash tattoos, feira de adoção, música e gastronomia com o intuito de arrecadar doações e fundos para compra de ração, remédios e produtos de limpeza para diversas instituições que cuidam de animais abandonados.

O evento é uma iniciativa da HOPEt em parceira com o estúdio Sampa Tattoo. Ambos uniram forças para promover um dia de diversão e incentivo à adoção. O “flash day” acontece da seguinte maneira: as tatuadoras participantes levarão desenhos prontos sob a temática pet e farão as tatuagens por valores promocionais. Toda a renda será revertida para as entidades cuidadoras de animais.

Quem quiser também poderá levar seu pet para eternizar na pele um “carimbo” da patinha através das tattoos, mas por um preço diferente dos flashes. Doando 5kg de ração, ganha-se um desconto de R$ 50 na tatuagem. O atendimento será por ordem de chegada e o pagamento pode ser feito em dinheiro ou cartão.

A ação beneficente também contará com os food trucks Quitinete na Rua, servindo hambúrgueres, e Japengo, de comida japonesa, além de painel de photo stage para os donos tirarem fotos com seus pets, feira de adoção, vendas de produtos HOPEt como coleiras, pratinhos para ração e água, ossinhos, camas e demais produtos e acessórios e música.

petday

hopet

petdaysp

petday6

petday2

petday5

petday4

petday3

Todas as fotos: divulgação

A moda dos anos 1920 quebrou tudo e lançou tendências que imperam até hoje

Quando a Primeira Guerra Mundial terminou em, 1918, as pessoas estavam obviamente felizes. Tão felizes que todo esse sentimento acabou influenciando a arte e a moda da época. A era começou sendo definida pelo surgimento da Art Déco, que influenciou também a moda, que – como você pode ver nas fotos a seguir – continua sendo incrível mesmo 90 anos mais tarde.

Antes da década de 1920, a moda na Europa ocidental ainda era um pouco rígida e impraticável. Estilos eram restritivos e muito formais, havendo pouco espaço para se expressar. Mas depois da guerra, as pessoas começaram a abandonar esses estilos pelo conforto. As mulheres começaram a usar saias curtas e calças. Já os homens passaram a se vestir de maneira mais informal.

Este surto do vintage marcou um ponto de crucial na forma ocidental e contemporânea dos estilos de hoje. Confira!

1920s-women-fashion-58-5710dc57d5d11__700

1920s-women-fashion-55-5710da88a71ce__700

1920s-women-fashion-46-5710cc156e795__700

1920s-women-fashion-44-5710b9d84b7fb__700

1920s-women-fashion-43-5710b8d195773__700

1920s-women-fashion-42-5710ca9120a15__700

1920s-women-fashion-41-5710ccaa6b87a__700

1920s-women-fashion-40-5710a2738169c__700

1920s-women-fashion-38-5710a0485c999__700

1920s-women-fashion-30-5710d53aa8465__700

1920s-women-fashion-29-5710d4ae70094__700

1920s-women-fashion-26-5710d242afa92__700

1920s-women-fashion-20-5710cc97e00b2__700

1920s-women-fashion-11-57109fc4d01c3__700

1920s-women-fashion-8-571096f08b9a1__700

1920s-women-fashion-7-571096ed9117e__700

1920s-women-fashion-6-571096e9971ad__700

1920s-women-fashion-2-571096e09d2c7__700

Fotos: via vintage everyday

 

5 capitais brasileiras com comidas incríveis; e o que comer em cada uma delas

Uma cultura rica em diversidade como a nossa tem mil e uma vantagens. A mistura do Brasil com egito que deu certo tem a oferecer em um só país uma gama de cores, cheiros, sabores e zunidos que nem um outro lugar do mundo pode chegar perto. E a gastronomia é sem dúvida um dos principais trunfos! Saiba agora o que aproveitar em cada região.

De norte a sul o arroz de feijão está sempre na mesa. Mas as vezes ele é branco, as vezes é preto, ou ainda carioca… A mesma coisa com elementos chaves como o bolo, o pãozinho francês e cafezinho. Mas não se engane por laços territoriais! Cada capital brasileira tem sua peculiaridade de dar água na boca. Vem ver agora algumas delas:

1. São Paulo

Apesar de ser uma mistura de tudo, a capital econômica do Brasil já conquistou sua gastronomia – e o mundo. A pizza, por exemplo, é eleita melhor das melhores por experts internacionais. Bem como o pastel, o expresso e o lanche de mortadela. Mas além desses marcos gastronômicos, a cidade leva a fama porque é boa em tudo. E não é patriotismo de paulistano! A cidade tem o melhor japonês, chinês, coreano, italiano, árabe, argentino… Não dá para comparar. São Paulo tem sem dúvida a mais completa gastronomia do país!

pizza-margherita-feita-com-mucarela-de-leite-de-ovelha-1429911821292_956x500

Pizzeria Margherita 

2. Salvador

A comida baiana já é conhecida no mundo inteiro, mas é só pisar em Salvador que o cheiro do acarajé frito na hora faz a gente ficar de queixo caído! O ingrediente chave desta cozinha é o azeite de dendê que não pode faltar em nenhum prato baiano. Outras delícias que se faz com eles é a moqueca, o bobó e o vatapá.

O doce também não pode faltar! Você encontra um sabor único e irresistível em sobremesas como cocada, arroz-doce e mugunzá, provando que assim como o dendê é para o salgado, o coco é para o doce – e muitas vezes para o salgado! Como não amar?

acaraje

Acarajé da Dinha

3. Porto Alegre

Que gaúcho gosta de churrasco você sabe. Mas não se esqueça do arroz de carreteiro, tainha na taquara e claro, do vinho! O chimarrão também é bem típico, mas é mantido como uma prática. Nem sempre quem está de passagem adere para o dia a dia como os próprios sulistas. Como a região é fria, fica a dica para uma culinária perfeita para a época do ano!

fogo-de-chao

Fogo de Chão

4. Belém

Condimentada, colorida e cheirosa, a comida do Pará preserva traços da cultura indígena em suas composições bem como o uso de panelas de barro, peixe e raízes. A mandioca/macaxeira/aipim é curinga e é dela que se faz um dos salgados que mais circulam no Brasil, que é a tapioca.

Caruru com quiabo e camarão, pirarucu e açaí (com arroz, feijão e farofa) também não podem faltar no seu cardápio enquanto estiver por lá! Isso sem falar em pratos marcantes como o tacacá e a maniçoba.

foto-galeria-materia-620-yo

Point do Açaí

5. Florianópolis 

Ostras, lagosta e frutos do mar em geral são especialidade por aqui, pois a vida marinha que nasce na costa encontra as condições perfeitas para se desenvolver. Além disso a cultura alemã aqui também é muito forte – principalmente em Blumenal! Chucrute, repolho, salsicha e maçã não podem faltar. Bem como uma deliciosa cerveja!

ostradamus

Ostradamus