Conheça a enfermeira que raptou e salvou 2.500 crianças judias das mãos dos nazistas

Quando pensamos em alguém que tenha salvado vidas durante a segunda guerra mundial, o primeiro nome que vem à provavelmente todas as cabeças do mundo é um só: Oskar Schindler, o industrial alemão que salvou perseguidos empregando-os em suas fábricas, retratado no cinema pelas mãos de Steven Spielberg. Curiosamente, no entanto, Schindler não é nem de longe a pessoa a mais salvar membros da comunidade judaica durante esse monstruoso período. Uma enfermeira polonesa chamada Irena Sendler foi quem mais salvou vidas judias durante o holocausto.

LEAD Technologies Inc. V1.01

Irena atuou na resistência polonesa, chefiando a seção infantil do Conselho Polonês para Auxilio aos judeus. Com a ajuda de sua equipe, Irena salvou nada menos que 2.500 crianças, retirando-as do gueto de Varsóvia e providenciando documentos falsos e esconderijos para que pudessem sobreviver às perseguições. Para compreender o impacto de Sendler, basta lembrar que a lista de Schindler continha 1200 nomes.

IRENA5

Por trabalhar para o Serviço Social, Irena possuía uma autorização especial para frequentar o gueto, combatendo sinais de doenças. Em cada visitia, Irena e sua equipe escondiam crianças em todo e qualquer local possível: ambulâncias, pacotes, caixas e sacos de lixo. Durante as visitas, a enfermeira fazia questão de usar a estrela de Davi em seu braço – sinal obrigatório que identificava os judeus do resto da população – em solidariedade.

IRENA7

Algumas das crianças prisioneiras do gueto de Varsóvia Algumas das crianças prisioneiras do gueto de Varsóvia

Com exceção de diplomatas que arranjavam passaportes e vistos para que judeus pudessem escapar da europa, Sendler é a pessoa que mais salvou vidas durante o conflito. E, como se não bastasse, após suas atividades serem descobertas, e ser presa pela temida polícia nazista, a Gestapo, torturada e condenada à morte, Sendler conseguiu burlar a condenação e sobreviver à guerra.

IRENA2

Irena com algumas das "crianças" que salvou do Holocausto

Irena com algumas das “crianças” que salvou do Holocausto

Condecorada por seus atos com a Ordem da Águia Branca, a mais alta condecoração polonesa, Irena viveu em Varsóvia até o fim da sua vida, em 2008, aos 98 anos, com simplicidade peculiar. Ela fez questão a vida inteira de frisar que não fez nada sozinha, e que não eram heróis, pelo contrário: “Eu continuo a sofrer dores de consciência por ter feito tão pouco”, ela disse. “O que fizemos não foi extraordinário. Foi normal”. Nos resta viver para construir, em sua memória, um mundo em que tamanha coragem, altruísmo, empatia e força sejam de fato a normalidade.

IRENA8

A memória e o trabalho de Irena Sandler são mantidos por uma fundição, chamada Life in a Jar (Vida em uma jarra).

Placa em tributo à Irena, na Polônia

Placa em tributo à Irena, na Polônia

© imagens: divulgação

4 comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s