Projeto incrível une design e sustentabilidade para permitir que você “plante” sua própria mobília

Preocupado com o desmatamento e com o meio ambiente de forma geral, o designer inglês Gavin Munro buscava formas de tornar móveis mais sustentáveis. Mas entre madeira de demolição, reuso e tantas outras opções já existentes, ele desenvolveu um projeto realmente genial: usando moldes plásticos, fez com que árvores crescessem na forma de cadeiras, mesas e luminárias.

Com o projeto Full Grown, Munro tem nada menos que uma plantação de móveis em seu quintal e espera coletar cerca de 400 peças até a metade de 2017. Ele descobriu que um salgueiro demora de três a quatro anos para crescer na forma de um móvel, enquanto que o carvalho demora de seis a dez anos. Então, inspirado na arte que é feita com bonsais, ele replicou o formato de moldes para um tamanho maior.

Na essência, trata-se de uma arte bastante simples. Você começa treinando e ajustando os ramos das árvores à medida que crescem em moldes. Em determinado momento eles se mantém juntos, fazendo com que o objeto se torne sólido – eu gosto da forma como isso se parece com uma impressora 3D orgânica que usa ar, terra e o sol como matéria-prima“, afirma.

O resultado, além de estaticamente incrível, pode ser um primeiro passo para combater alguns dos maiores problemas do mundo moderno:

full-grown12

full-grown11

FullGrown1

full-grown9

full-grown8

FullGrown2

full-grown7

full-grown2

full-grown3

full-grown4

full-grown5

full-grown6

Todas as fotos © Full Grown

Anúncios

Viaje pelas montagens surrealistas de jovem artista “apaixonada pelo impossível”

A cauda de vestido é uma onda na praia, o cobertor é uma estradinha no mato, patos passeiam pela tela de um celular. Nada disso é estranho demais para Monica Carvalho, a mente por trás do Mofart, projeto que reúne uma fantástica coleção de colagens e manipulações digitais.

Monica é, de fato, uma moça de ideias excêntricas. O nome do projeto, por exemplo, surgiu da palavra “mof” – um neologismo que ela inventou para substituir falas cotidianas como “que legal“, “desculpa” ou “obrigado“. É tudo mof. Não faz sentido, ela sabe. Filha de portugueses, deixou a Suíça, seu país natal, para estudar História da Arte na Inglaterra. Foi quando viu crescer ainda mais a admiração pelos surrealistas Salvador Dalí e René Magritte.


mofart1 

Para chegar a estas imagens surrealistas, Monica costuma utilizar apenas fotografias que ela mesma tira – autorretratos, viagens, família, objetos etc. A exceção é quando busca no Google fotos de planetas ou galáxias. Com o material em mãos, debruça-se sobre programas de edição como o Adobe Photoshop e deixa a imaginação fluir. Colando, sobrepondo, distorcendo, explorando as possibilidades mais surpreendentes. Obras que fazem sucesso do Instagram às paredes da galeria londrina Sprout Arts.

Para mim, a arte está em qualquer lugar, a qualquer hora. Arte é aquilo que inspira, que chama a atenção, que conta algo sobre o mundo em que vivemos ou sobre outro mundo. Nós estamos sempre cercados por arte – seja nos móveis da nossa casa, no filme que assistimos ou na música que ouvimos. Por isso, acredito que haja maneiras infinitas de criar novos tipos de arte e de ideias. Tudo é possível“, defende Monica, tanto no discurso quanto em suas colagens.

Mofart5 

Mofart3 

Mofart2 

Mofart1 

Mofart6 

Mofart4 

Mofart8 

mofart2 

mofart7 

mofart3 

mofart5 

mofart6 

mofart8 

mofart9 

mofart10 

mofart11 

mofart12 

mofart13 

Mofart7 

Para seguir viajando com o trabalho de Monica, basta seguir o Instagram e o blog do Mofart.

Todas as fotos © Monica Carvalho

A vida de um fotógrafo nômade em sua viagem sem fim

https://scontent.fgig1-4.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13502058_1841291726098831_2659659354235991087_n.jpg?oh=02d130276153a30860b9ec1d98f23ac8&oe=57FDAD72

Após dez anos de carreira, o fotógrafo e videomaker Andy Best resolveu seguir seus instintos, pois toda vez que olhava uma foto de natureza pensava: “eu queria estar ali”. E ele foi. E começou a clicar fotos as quais evocam este mesmo sentimento em quem as vê.

Bom, e como ele fez tudo isso? Simples. Deixou sua casa, seus pertences e colocou tudo em um motor home e decidiu viver uma aventura por dia, sem fim, sem data para acabar ao lado de sua esposa Erica, que topou e embarcou junto na aventura.

Enquanto trabalhava na indústria comercial, nunca fiz algo que eu realmente quisesse seguir profissionalmente. Mas conforme eu comecei a desenvolver minha empresa de conteúdo, percebi o quão grande minha ferramenta poderia ser para fazer parte de um negócio global. E quando a minha carreira começou a tomar um rumo para a aventura, comecei a notar uma mudança em mim mesmo e no trabalho. E era isso que me mantinha viciado, pois não há nada que me mantenha preso em um só lugar“, conta ele para o Travel Resource Mag.

https://scontent.fgig1-4.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13466039_1840889036139100_1645268655325184019_n.jpg?oh=9782cd8070cc7c3d4c5bfa8b711efe08&oe=57EE1E10

Com uma caminhonete ele leva sua extensão, onde dorme, vai ao banheiro e toma banho. Como uma espécie de trailer, este carrinho é climatizado, tem energia solar, TV e internet. Ou seja, tudo adaptado para que eles não abiquem de pequenos confortos e para que não deixem de trabalhar, editar e enviar as fotografias através do computador.

Veja isso como uma mudança no seu estilo de vida, mais do que uma viagem. Pensar assim me ajudou a ganhar uma perspectiva diferente para eu encontrar o porquê estou fazendo isso. Se você está com medo de ter que lidar com seu próprio esgoto e de se perguntar ‘onde eu vou dormir hoje?’, esta vida não é para você. Se isso te excita, o que você está esperando para cair na estrada?

https://scontent.fgig1-4.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13428468_1839178362976834_5255328157063269195_n.jpg?oh=a82257629c9cb1c6c39cd5ea6fa4142b&oe=580A980D

https://scontent.fgig1-4.fna.fbcdn.net/t31.0-8/s960x960/13415397_1837815413113129_223952649170399337_o.jpg

https://scontent.fgig1-4.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13406984_1837459596482044_5801517428121502008_n.jpg?oh=ae0c052c1b6718bf2e44839b6ab76b26&oe=57F6F750

https://scontent.fgig1-4.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13434840_1835451866682817_5485949926588605211_n.jpg?oh=caafd80890bb4e1e153c9c4c5190b530&oe=5808BD5D

AndyBest_GTX_Blog1_7

AndyBest_GTX_Blog1_15

AndyBest_GTX_Blog1_11

AndyBest_GTX_Blog1_1

AndyBest_GTX_Blog1_5

AndyBest_GTX_Blog1_9

AndyBest_GTX_Blog1_12

AndyBest_GTX_Blog1_6

AndyBest_GTX_Blog1_14

AndyBest_GTX_Blog1_13

AndyBest_GTX_Blog1_3

AndyBest_GTX_Blog1_2

AndyBest_GTX_Blog1_8

Todas as fotos © Andy Best

Nesta cidade em SC, os cães de rua ganharão 500 casinhas para abrigá-los

Foi reparando primeiro em um grupo de cachorros de se aquecendo em uma calçada, amontados uns sobre os outros, e depois em uma ninhada de filhotes sendo atacada por formigas, que a empresaria catarinense Bruna Uncini decidiu que deveria ajudar os animais nas ruas da cidade de Lages, em Santa Catarina. Assim nasceu o projeto Ajude Um Animal de Rua.

CASINHA3

Tal qual a maioria de nós faz com seres humanos, Bruna percebeu que grande parte das pessoas passava pelos cães, muitos em sofrimento, sem sequer tomar conhecimento de sua existência. Não sendo possível levar todos os animais para casa, ela decidiu fazer o caminho contrário: levar casas para esses cães na própria rua.

CASINHA6

Ela então juntou-se com Bruno Hartmann, da Gerência de Proteção Animal de Lages, e Clênia Souza, voluntária do grupo Adote, para espalhar casinhas ecologicamente corretas, onde os cães possam descansar e se abrigar. Nas casinhas os cachorros encontram ração e cobertores para fugirem do intenso frio da cidade.

CASINHA1

Hoje com 80 casinhas espalhadas pela cidade, a ideia de Bruna é que esse número chegue a 500, para servir de casa para ao menos uma parcela dos mais de 30 mil cachorros abandonados só em Lages.

CASINHA4

E não para por aí: a voluntária quer, no futuro, cadastrar, vacinar e castrar esses animais. A iniciativa já conta com apoio de empresas, e começa a ser replicada em outras cidades. Ela conta que começou a receber ligações do Brasil inteiro e descobriu inclusive que um projeto parecido já estava nascendo em São Bernardo do Campo, São Paulo. Nesse caso, descobrir que alguém copiou sua ideia é algo que agrada muito à autora – assim como aos cãezinhos por aí.

CASINHA5

CASINHA2

© fotos: Facebook

Família que teve sêxtuplos recria foto viral 6 anos depois e o resultado é igualmente adorável

Em 2010, a família McGhee, que vive no Ohio, EUA, teve uma daquelas surpresas absolutamente transformadoras: uma gravidez que, ao invés de uma, trouxe ao mundo seis crianças!

O caso rapidamente ficou conhecido nos EUA e chegou até ao programa de Oprah Winfrey, que doou 250 mil dólares para que a família pudesse fazer face a tão inesperada despesa (além de surpresa, o parto trouxe doses iguais de alegria, fofura e todos os adjetivos que vierem à sua cabeça quando olhar essas fotos).

Quatro meninos e duas meninas, juntos numa foto que definiu a história da família. E que se tornou viral, lá em 2010, quando esses fenômenos ainda eram coisa rara. Olha só:

Agora os sêxtuplos completaram, precisamente, seis anos e o presente foi o melhor possível. O mesmo estúdio, o mesmo fotógrafo, a mesma posição, e uma única diferença, além das óbvias: todos estão bem acordados e posando para a foto, já revelando um talento natural para uma exposição que, provavelmente, vai continuar acontecendo.

Afinal, não é todos os dias que vemos histórias como a de Olivia, Madison, Rozonno Jr., Josiah, Elijah e Isaac, que ganharam inclusive um programa de TV que acompanha o dia a dia de uma família bem fora do comum (basta seguir o “Growing Up McGhee“):

 McGheeFamily2

McGheeFamily3

McGheeFamily4

McGheeFamily5

Todas as fotos © Reprodução McGhee Family