Artistas criam série de murais para chamar a atenção para o perigo do que estamos fazendo com nossos oceanos

Você já parou para pensar nos danos que estamos causando aos oceanos? Enquanto muita gente pensa sobre como reduzir nosso impacto sobre a terra, poucas lembram-se de que o oceano também á parte importante do ecossistema em que vivemos. Mas uma ação criada em Cozumel, no México, promete aumentar a consciência sobre o assunto.

A ideia partiu da organização Pangeaseed, que criou o projeto Sea Walls: Murals for Oceans através do qual diversos murais foram espalhados pela cidade para lembrar a nossa perigosa relação com estes elementos. Diversos artistas foram convidados a compor um total de 35 murais que refletissem o assunto – e ajudassem as pessoas a refletir também.

A organização promoveu ainda atividades educativas para as crianças durante a realização do evento, buscando aumentar a consciência sobre o assunto nas próximas gerações. “Viva você na costa, na cidade ou nas montanhas, todos nós deveríamos nos sentir responsáveis pela saúde dos oceanos e pela vida que há neles“, lembra o diretor-executivo da Pangeaseed, Tre Packard.

mural1

Mural © Franco Fasoli (JAZ) / Foto © Nate Peracciny

mural2

Mural © Faith 47 / Foto © Stills Agency

mural3

Murais © Alexis Diaz/Cryptic/Fintan Magee / Foto via

mural4

Mural © Hueman/Jeff Grass / Foto © Tre Packard

mural5

Mural © Yves Cousteau / Foto © Tre Packard

mural6

Mural © Bicicleta Sem Freio / Foto © Tre Packard

mural7

Mural © Aaron Glasser / Foto © Tre Packard

mural8

Mural © Naturel / Foto © Tre Packard

mural9

Mural © Phlegm / Foto © Stills Agency

mural10

Mural © Tristan Eaton x The London Police / Foto © Stills Agency

Este bebê coala resgatado após uma tempestade vai atualizar seus conceitos de fofura

Depois de uma forte tempestade que atingiu a região de Hawkes Nest, na Austrália, um bebê coala foi encontrado na área. Se você achava que nada poderia ser mais fofo do que um coala, este bebê mostrou que não existem limites para a fofura de um animal!

O filhote ganhou o nome de Louise e foi resgatado por um grupo local de cuidados aos marsupiais, o HKPS Koala Care And Rescue. O grupo encontrou a coala que acreditavam ser a mãe do animal, mas ela aparentemente havia abandonado o filhote – e não deu atenção aos chamados do grupo.Após perceber isso, ficou claro que a pequena coala precisaria de um novo lar. E foi assim que ela ganhou uma ótima mãe-adotiva, desta vez humana: Sue Swain. É na casa da cuidadora que o animal será cuidado até atingir autonomia suficiente para frequentar uma espécie de “jardim de infância para coalas“, onde terá contato com outros animais da espécie para aprender a se comportar como eles. 
Olha só que fofura:

coala4

Foto © abcnews_au

coala1 

coala2 

coala3 

coala5 

coala6 

coala7 

coala8 

coala9 

coala10 

Ilustradora recria personagens de Game of Thrones em estilo Tim Burton

https://scontent.fgig1-4.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13700185_1747109192232168_1456483174802115038_n.jpg?oh=f59022b6896d47832a684aef771e722f&oe=57EB25D1

Esqueça os cenários gelados e o dress code viking/medieval de GOT. A ilustradora canadense Xenia Rassolova deu um toque mais animado aos personagens da série e os transformou em verdadeiros desenhos de Tim Burton. Linhas finas, olhos esbugalhados, membros magrinhos e muita criatividade. Dá só uma olhada:

Xenia-Rassolova-5-652x1011

Xenia-Rassolova-3-558x1024

Xenia-Rassolova-9-652x940

Xenia-Rassolova-10-527x1024

Xenia-Rassolova-4-652x892

Xenia-Rassolova-8-594x1024

Xenia-Rassolova-6-578x1024

Xenia-Rassolova-7-645x1024

Xenia-Rassolova-2-557x1024

Desenhos: Xenia Rassolova

Essas propagandas do início do século 20 nos ajudam a entender como o machismo foi disseminado

Para entender um pouco mais a razão de ser da luta das mulheres, e de que forma, entre tantas, o machismo foi sendo profundamente enraizado e naturalizado em nossa sociedade, vale a pena dar uma olhada nessa coleção de cartões postais do início do século passado. Usados como material de propaganda, os cartões advogavam, com argumentos ora delirantes, ora violentos, contra algo que hoje parece natural, mas que teve de ser conquistado a duras penas: o sufrágio feminino – o direito das mulheres ao voto.

Quero votar, mas a minha esposa não me deixa. No quadro: Todos trabalham menos a mãe: ela é uma sufragista.

Quero votar, mas a minha esposa não me deixa. No quadro: Todos trabalham menos a mãe: ela é uma sufragista.

A coleção pertence ao arquivo da professora Catherine H. Palczewski, da Universidade de Iowa, e foi levantando nos últimos 15 anos. As propagandas compreendem um período de 1900 até 1914. O voto feminino universal no Brasil só foi instaurado em todo o país em 1932.

Origem e desenvolvimento de uma sufragista. Aos 15 uma princesinha, aos 20 uma coquete, aos 40 ainda não se casou, aos 50 uma sufragista. Origem e desenvolvimento de uma sufragista. Aos 15 uma princesinha, aos 20 uma coquete, aos 40 ainda não se casou, aos 50 uma sufragista.

É interessante olhar o passado e se valer do poder revelador do tempo para notar como ondas conservadoras costumam propagar previsões apocalípticas para o futuro diante de todo e qualquer esforço por algo supostamente tão óbvio e fundamental quanto direitos iguais para todos. Mesmo que a realidade mostre que tais previsões jamais se confirmam (e que a igualdade é um bem maior, que melhora a vida de todos sempre), os discursos permanecem em muitas esferas iguais até hoje, no que diz respeito às lutas feministas, negras ou LGBTs.

Quando as mulheres votarem. O trabalho do marido: segunda dia de lavar a roupa, terça remedar a roupa, quarta limpar a casa, quinta esfregar o chão, sexta ir ao mercado, sábado outros tipos de trabalho e domingo ainda mais trabalho. Quando as mulheres votarem. O trabalho do marido: segunda dia de lavar a roupa, terça remedar a roupa, quarta limpar a casa, quinta esfregar o chão, sexta ir ao mercado, sábado outros tipos de trabalho e domingo ainda mais trabalho.

Impressiona como algumas das lógicas ofensivas dispostas ainda são usadas hoje como pretensos argumentos. Quem quiser, portanto, saber como parecerão no futuro os que hoje costumam debochar das feministas e diminuir essa causa, é só olhar para o quão absurdos são esses cartões – que agora podem parecer coisa do passado, mas há não muito tempo eram símbolos da mais pura (e dura) realidade.

Quem falou em divórcio?

Quem falou em divórcio?

Dia das eleições!

Dia das eleições!

Não se preocupe, o pior ainda está por vir.

Não se preocupe, o pior ainda está por vir.

A vida é um aborrecimento, um atrás do outro. Nos cartazes: como um lar sem uma sufragista. Nossa presidenta.

A vida é um aborrecimento, um atrás do outro. Nos cartazes: como um lar sem uma sufragista.

Isto não é um trabalho de homem.

Isto não é um trabalho de homem.

O lugar de uma mulher é em casa.

O lugar de uma mulher é em casa.

O que eu faria às sufragistas.

O que eu faria às sufragistas.

A mãe ganhou o hábito.

A mãe ganhou o hábito.

Eu não fiz nada, mas não farei de novo.

Eu não fiz nada, mas não farei de novo.

As sufragistas atacando um policial.

As sufragistas atacando um policial.

Descarregando no marido: eu te digo que nós vamos ter o direito de votar! Sim, sim, sim - ele responde. Descarregando no marido: eu te digo que nós vamos ter o direito de votar! Sim, sim, sim – ele responde.

Sufragistas que nunca foram beijadas. Sufragistas que nunca foram beijadas.

Enigma: encontre o chefe de família Enigma: encontre o chefe de família.

Ninguém me ama. Acho que vou ser uma sufragista. Ninguém me ama. Acho que vou ser uma sufragista.

© imagens: divulgação

Este teatro em Buenos Aires foi transformado numa das livrarias mais incríveis que você já viu

Definitivamente você precisa ir da próxima vez que estiver em terras argentinas. Sabe a nossa Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista? Então. Agora imagine algo parecido com isto no Theatro Municipal. É mais ou menos assim.

Escondido no Bairro Norte, em Buenos Aires, El Ateneo Grand Splendid é a bela livraria de quem estamos falando. Foi construída em uma ambiente de quase 100 anos, uma vez que o Teatro Grande Splendid foi inaugurado em 1919.

O teatro, que já foi um cinema e em 2000 deu espaço a livraria Splendid, que atualmente recebe mais de um milhão de visitantes por ano. E não é à toa. Em 2008, a El Ateneo Grand Splendid foi nomeado a segunda livraria mais bonita do mundo pelo The Guardian por conta da sua decoração bem elaborada e da sensação de estar dentro de um teatro clássico dos anos 1920.

Dá só uma espiada:

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-7

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-8

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-1a

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-3

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-2

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-4

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-6

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-10

buenos-aires-bookstore-theatre-el-ateneo-grand-splendid-9

Imagens via Bored Panda