Museu de arte antiga em Lisboa inova e espalha suas obras pelas ruas da cidade

 

Quem estiver caminhando pelas ruas de Lisboa nos próximos dias poderá se deparar com algumas famosas obras de arte expostas pelo caminho. O que a princípio pode parecer estranho é uma nova proposta do Museu Nacional de Arte Antiga, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa e a HP Portugal.

A exposição ganhou o nome de “ComingOut. E se o Museu saísse à rua?” e estará dando as caras nas ruas das zonas do Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real. Por motivos de conservação e segurança, obviamente as obras expostas se tratam de reproduções de alta qualidade, em escala real.

Ao todo, 31 obras estarão expostas pelas ruas da cidade para quem quiser ver por um período de cerca de três meses. A iniciativa é uma maneira criativa de levar a arte ao alcance de uma parcela maior da população, que não está habituada a frequentar os museus.

Confere só:

lisboa1

lisboa2

lisboa3

lisboa4

lisboa5

lisboa6

lisboa7

Todas as fotos © Museu Nacional de Arte Antiga/Facebook

Asas inteiras de pássaros pré-históricos são encontradas

 
Duas pequenas asas conservadas em âmbar revelam que a plumagem (a estratificação, padronização, coloração e arranjo de penas) vista em aves de hoje já existia em pelo menos alguns dos seus antecessores quase uma centena de milhões de anos atrás.Um estudo das asas mumificadas, publicado na edição de 28 de junho da revista Nature Communications e financiado em parte pelo Conselho de Expedições da National Geographic Society, indicou que as asas provavelmente pertenciam a Enantiornithes, um grupo de dinossauros aviários que foram extintos no fim do período Cretáceo.

“Extremamente legal”

Enquanto o fato de que muitos – se não quase todos – os dinossauros tinham penas tem sido geralmente aceito desde os anos 1990, o nosso conhecimento da plumagem pré-histórica até agora vinha de impressões de penas em fósseis de compressão carbonizados e penas individuais fossilizadas em âmbar.Mas, enquanto podem mostrar seu arranjo, os fósseis geralmente não têm detalhes muito precisos e raramente preservam informações sobre as cores, enquanto as penas individuais em âmbar não podem ser associadas com o animal a que pertenciam originalmente.
As duas novas amostras, pesando apenas 1,6 e 8,51 gramas, contêm a estrutura óssea, extensões de plumas e tecidos moles. Elas são as primeiras amostras de plumagem do Cretáceo a ser estudadas que não são simplesmente penas isoladas, de acordo com o coautor Lida Xing, da Universidade de Geociências da China.
“O maior problema que enfrentamos com penas em âmbar é que normalmente temos pequenos fragmentos ou penas isoladas, e nós nunca temos certeza a quem elas pertenciam”, diz o coautor Ryan McKellar, curador de paleontologia de invertebrados no Royal Saskatchewan Museu, no Canadá. “Nós não conseguimos algo como isto. É extremamente legal”.

Penas familiares

Uma análise de microtomografia de raios-X revelou que as duas amostras pertenciam a animais jovens, com base no tamanho dos ossos e na fase de desenvolvimento. As semelhanças na estrutura óssea e proporção, bem como algumas características da plumagem, sugerem que podem pertencer à mesma espécie.Pele, músculo, garras e eixos das penas são visíveis em ambas as amostras, juntamente com os restos de linhas de penas primárias assimétricas de voo, penas secundárias e penas da plumagem. Todas são semelhantes no arranjo e nas microestruturas às penas das aves modernas. 
Embora as penas pareçam pretas a olho nu, a análise microscópica revelou que as de voo eram predominantemente castanho-escuro, enquanto as da plumagem variavam de um marrom um pouco mais pálido a prata ou branco.
asas dinossauros2

Uma fonte generosa de fósseis em uma área problemática

A maioria dos fósseis em âmbar birmanês vêm de minas no Vale Hukawng no estado de Kachin, no norte de Mianmar. O vale está atualmente sob o controle do Exército da Independência de Kachin, que tem estado em conflito intermitente com o estado há mais de 50 anos.Devido ao conflito, a mineração e venda de âmbar birmanês é, em sua maior parte, não regulamentada. A maioria do material é vendido aos consumidores chineses que o valorizam para joias e esculturas decorativas.
Xing e sua equipe de pesquisa coletaram as amostras fossilizada das asas utilizadas no estudo em um mercado de âmbar conhecido em Myitkyina, a capital do estado de Kachin.
Para os cientistas, o apelo do âmbar birmanês reside no fato de que ele provavelmente contém a maior variedade de vida animal e vegetal do período cretáceo, de acordo com David Grimaldi, curador de zoologia de invertebrados do Museu Americano de História Natural. “Cerca de 70% do âmbar birmanês é estéril, mas os outros 30% possuem biodiversidade fenomenal”, diz Grimaldi. “Nunca eu iria ter previsto esse nível de diversidade”, afirma ele.

Precioso para ciência, impuro para os consumidores

Uma vez que a maioria do âmbar birmanês é usado em joias e esculturas, a maioria das partes fossilizadas, como insetos e plantas, são consideradas impurezas que reduzem o valor da peça acabada. Os fósseis podem ser parcialmente ou completamente destruídos durante o polimento. A escuridão relativa das partes fossilizadas dentro do âmbar escuro também pode torná-los difíceis de detectar antes da amostra ser cortada ou polida, observa McKellar.Mas as penas em âmbar birmanês são valorizadas pela sua raridade e beleza, e são cortadas e polidas para destacar o valor estético da plumagem pré-histórica. Pouca consideração é dada a manter a maior parte possível do espécime.
A menor das duas amostras no estudo atual foi apelidada de “Anjo” pela equipe de Xing porque um designer de joias originalmente iria transformá-la em um pingente chamado de “asas de anjo”. Quando os pesquisadores analisaram o fóssil, eles observaram superfícies da asa truncadas diretamente na superfície do âmbar, o que sugere que esta parte tinha sido tirada de um âmbar maior, que pode ter originalmente incluído todo o espécime.Ainda assim, o que Xing viu na análise fez seu coração acelerar: não apenas penas individuais, mas várias penas associadas com a estrutura óssea de uma asa de quase 100 milhões de anos de idade. “É um verdadeiro anjo”, o pesquisador orgulhosamente conclui.
Os planos futuros incluem o estabelecimento de um instituto onde os investigadores no terreno dos mercados de Myitkyina possam verificar espécimes do Cretáceo no âmbar proveniente das minas, e manter aqueles com valor de pesquisa em Mianmar para serem estudados em parceria com universidades locais. [National Geographic]

Essa cachorra gosta tanto de receber cartas que mesmo quando não há entregas o próprio carteiro escreve pra ela

https://i0.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/08/cadelaecarteiro_interna.jpg

Quando Pippa, uma cadelinha da raça Golden Retriver que vive em Brisbane, na Austrália, avista o carteiro Martin Studer, ela corre até o portão para buscar as correspondências da família.

No entanto, não são todos os dias que Martin têm cartas para Pippa, para a tristeza da cachorrinha. Mas o carteiro, em compaixão à sua amiga canina, resolveu dar um jeito nessa situação, e começou a escrever cartas improvisadas, especialmente para Pippa.

dog-loves-mail-postman-pippa-martin-studer-2

dog-loves-mail-postman-pippa-martin-studer-1

“Às vezes, Pippa sai para a sua missão diária, mas não há nenhuma correspondência para ela levar”, escreveu Martin no Facebook. “Então eu tenho que improvisar.” E, se formos julgar pelo felicidade de Pippa, ela tem adorado a invenção do seu carteiro preferido!

dog-loves-mail-postman-pippa-martin-studer-8

Imagens © Martin Studer

A assustadora – e linda – ponte de corda que está chamando a atenção na Irlanda

https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpl1/v/t1.0-9/14088537_1764134773862943_7488911650047277161_n.jpg?oh=efb2f50064dbfc0a2456fe27a1be088f&oe=583EA6F7&__gda__=1480709459_dcdfe323eaf3759553df7cd14a5137fe

Existem alguns lugares no mundo que parecem existir para desafiar a coragem de seus visitantes e, um cantinho localizado na Irlanda do Norte, está nesta lista.

A Carrick-a-rede-rope-bridge é uma assustadora ponte suspensa de cordas situada perto de Ballintoy, condado de Antrim. Tem medo de altura? Então fique bem longe de lá: a belezinha mede 20 metros de comprimento e fica a 30 metros de altura sobre o Oceano Atlântico unindo uma pequena ilha chamada Carrick-a-Rede – onde existe um pesqueiro de salmão – à costa da Irlanda.

A ponte foi construída em 1755 por pescadores de salmão e sofreu várias restaurações ao longo do tempo, mas mesmo que pareça uma estrutura perfeitamente segura, atravessá-la requer certa coragem.

O local atrai muitos turistas e recebe dezenas de milhares de visitantes anualmente.

Veja fotos:

18367486

CarrickPonte2

CarrickPonte1

Carrick-a-Rede_Rope_Bridge,_Antrim,_Northern_Ireland_(7107478475)_(2)

Crossing-Carrick-a-Rede-Bridge1

DSC_0147

P1010299

Todas as fotos: Divulgação

Perfil no Instagram mostra imagens de belas portas, janelas e fachadas ao redor do mundo

https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xft1/v/t1.0-9/14102509_1764141460528941_7971686417905922512_n.jpg?oh=40fbc1ccf2f8eec614daf77a027323c1&oe=584ED5D0&__gda__=1482419633_acaeea9d1d97639ad9211ac77c4eb51a

Quando se viaja pelo mundo, cada pessoa possui um olhar diferente a respeito do que vê. Visitas a museus são apreciadas de maneiras distintas, paisagens específicas possuem mais destaque para uns do que para outros e, coisas que inicialmente não parecem instigar nenhum interesse, ganham status de obras de arte dependendo da forma como são observadas.

Alexis Somerville é uma destas pessoas que possuem um olhar peculiar a respeito do que observa a seu redor nas viagens que realiza. Em seu perfil no Instagram, a jovem registra belas imagens de lugares pelo mundo, mas entre os seus cliques preferidos estão registros de portas, janelas e fachadas que, para muitos, passariam despercebidos pelo caminho.

Veja algumas de suas belas imagens:

0bf650dbd0436e25a5dcc2ec970e50401b8549aa

4fa31ee98e80a27c3be05c1ef8f73888fab37aaf

6c41103f8abef7fb0bec5c34d6591266eaf86074

49a1ece8243e4dc303916b8ff9c11b38e2c1128d

696c89a1ff54eb9975fe8e0bef4362fcb7d5ae30

7516af9ed15a631cd662d3fde669d2d71d70dccc

13490b6b308a8b9dd53c35d072283c30d198fe31

87311c0a897c51b617d88333d9cff411792b45b9

3495123e4e0144fed1558026cef65ee8610f88f6

a41bb146e79334e69e3cc47e0d8c99fe31f199bb

ac8524790b8ca955596fc9bdc1fe2cf063de2849

Todas as fotos © Alexis Somerville