Os 10 momentos políticos mais importantes da história das Olimpíadas modernas

Por ter todos os olhos do mundo voltados para o evento, é natural que os Jogos Olímpicos sirvam também como palco para manifestações e eventos políticos. Considerando a efervescência do atual momento brasileiro e mundial, é possível que no Rio de Janeiro o mesmo se dê. Ora trágicos e descabidos, ora belos e contundentes, esses momentos entraram pra história.Seguem aqui nessa seleção em ordem cronológica os 10 mais importantes momentos políticos da história dos Jogos Olímpicos modernos.

1. Jesse Owens e as olimpíadas nazistas (1936)

OLIMPOLITICS_OWENS 

As olimpíadas de Berlim, em 1936, eram pra ser a grande propaganda mundial do nazismo. O Fuhrer Adolf Hitler pretendia mostrar não só as benesses de seu governo em uma Alemanha renascida, como provar, no campo, a superioridade da raça ariana sobre qualquer outra raça. Seu único problema foi não ter combinado com o atleta norte-americano Jesse Owens.

Owens não só venceu quatro medalhas de ouro no atletismo bem diante do ditador nazista (inclusive os 100ms rasos), como o fez afirmando um nada singelo detalhe para a teoria racial nazista: ele era negro. O bizarro argumento da superioridade ariana ruía diante dos olhos do povo alemão ao mesmo tempo em que Owens se tornava um herói – e a segunda guerra mundial não havia sequer começado.

Em 1948, em Londres, na primeira olimpíada após o conflito, Japão e Alemanha não seriam convidados a participar.

 OLIMPOLITICS_OWENS2


2. A despedida da África do Sul e a reconquista da Etiópia em Roma (1960)

Abebe BikilaAbebe Bikila

Dois fatos marcaram o aspecto político das Olimpíadas de Roma, em 1960: a vitória do etíope Abebe Bikila na maratona, e a despedida da África do Sul dos jogos.Bikila tornou-se em Roma o primeiro negro africano a ganhar uma medalha de ouro nos jogos. Mas esse não foi a única simbologia de sua conquista: ele correu descalço, sob o sol escaldante da capital italiana, e terminou a corrida batendo o recorde mundial sob o Arco do Constantino, símbolo do poder romano. O detalhe é que a Etiópia, seu país de origem, havia sido invadida por Benito Mussolini, justamente o ditador italiano, em 1936. 
As olimpíadas de Roma foram também a última participação da delegação sul-africana. Como sanção por conta do regime racista do Apartheid vigente no país, o comitê olímpico decidiu banir o país dos jogos, até que o sistema chegasse ao fim – o que só se daria 32 anos depois, em Barcelona.

Placa na África do Sul regida pelo apartheid: “Ponto de ônibus para não-brancos”


3. O movimento negro nas Olimpíadas do México (1968)

OLIMPOLITICS_BPOWER1 

1968 não foi um ano simples em lugar nenhum do mundo. As ruas de Paris tornaram-se palco da famosa rebelião estudantil, a União Soviética invadiu a Checoslováquia para acabar com a Primavera de Praga, enquanto no Brasil a ditadura se endurecia ainda mais, a tortura e as prisões corriam soltas, culminando no AI-5. Nos EUA, Richard Nixon tornava-se presidente – e seguia, aos milhares e milhares de mortos, a inócua Guerra do Vietnã.

Alguns meses antes dos Jogos do México, duas mortes marcariam para sempre a história: o assassinato de Robert Kennedy, potencial presidente do país, em junho de 1968, e principalmente, o assassinato do ativista pelos direitos civis e negros Martin Luther King, em abril de 1968, que incendiou os EUA e o movimento negro no país.

Martin Luther King Jr.Martin Luther King Jr.

Foi para protestar contra o racismo nos EUA que os corredores Tommie Smith e John Carlos – medalhas de ouro e bronze nos 200 metros – subiram ao pódio trajando meias negras sem sapatos, broches do movimento pelos direitos civis e, ao som do hino americano, baixaram a cabeça e ergueram os punhos cerrados, cobertos por uma luva também negra. Era a saudação do movimento negro, e os atletas foram suspensos pela declaração política que significavam seus gestos, mas saíram dos jogos para entrarem para a história.


4. O atentado do Setembro Negro em Munique (1972)

 OLIMPOLITICS_MUNIQUE1 

A imagem mais marcante das Olimpíadas de 1972, em Munique, na Alemanha, não aconteceu em nenhum campo ou pista durante nenhuma competição esportiva – sequer se deu dentro de um estádio. O que entrou para a história foi a sinistra imagem de um terrorista membro do grupo palestino Setembro Negro, saindo na varanda do alojamento da delegação de Israel, com um capuz lhe cobrindo a cabeça.

O grupo de oito terroristas invadiu o prédio e, após lutar com vários atletas, manteve 11 atletas israelenses como reféns. Em troca, O Setembro Negro exigiu a libertação de 234 prisioneiros detidos em Israel. Diz a lenda que a logística local foi oferecida por neonazistas alemães, a fim de atingir o estado de Israel.

Israel rapidamente negou qualquer possibilidade de negociação, O grupo exigiu aviões e helicópteros para transporte, e o plano da polícia era preparar uma cilada para o grupo no aeroporto. O plano, porém, foi incrivelmente mal executado, e o saldo final foi catastrófico, resultando na morte de todos os reféns, um policial alemão e cinco terroristas (três foram detidos). Os jogos foram interrompidos por 36 horas, e uma enorme cerimônia em repúdio ao atentado e tributo aos atletas foi realizada.

A bandeira de Israel, a meio pau, na cerimônia em tributo aos mortos no ataqueA bandeira de Israel, a meio pau, na cerimônia em tributo aos mortos no ataque


5. O maior boicote da história dos jogos, em Moscou (1980)

OLIMPOLITICS_1980_2 

Os jogos de Moscou, em 1980, talvez tenham sido o mais pautado pela política de toda a história: nos estertores da guerra fria, 69 países aderiram ao boicote iniciado pelos EUA. A crise política, simbólica e mesmo esportiva foi tamanha que o Comitê Olímpico temeu pelo fim dos jogos modernos.

A imagem de Lênin na cerimônia de aberturaA imagem de Lênin na cerimônia de abertura

O motivo oficial do boicote foi a invasão pela União Soviética ao Afeganistão, no ano anterior (vale aqui a ironia de que os EUA ao mesmo tempo invadiam o Líbano e, em seguida, Granada). Dentre os países que boicotaram estavam Canadá, Alemanha Ocidental e Japão – França, Portugal e Reino Unido deram livre arbítrio para os atletas decidirem, e acabaram participando com delegações reduzidas.

A ausência dessas delegações afetou severamente o nível das competições, e pela primeira vez nenhuma rede americana de TV transmitiu os jogos. O mascote Misha, um simpático ursinho que chorou na cerimônia de encerramento, tornou-se o mais popular mascote da história dos jogos. No ano seguinte, como contrapartida, os jogos foram realizados em Los Angeles.


6. O boicote do bloco comunista aos jogos de Los Angeles (1984)

A frase de duplo sentido no cartaz “Deixe os soviéticos disputarem (brincarem) sozinhos

Na edição seguinte, foi a vez do bloco comunista dar o troco, e boicotar os jogos de Los Angeles, em 1984. A ausência dos países do leste europeu e de Cuba prejudicou imensamente a qualidade dos jogos, tal qual na competição anterior.

OLIMPOLITICS_LA_2

Nas cerimônias, no entanto, não houve choro nem vela. Diferentemente das olimpíadas soviéticas, os EUA não mencionaram oficialmente em momento algum a ausência dos países do bloco comunista. Curiosamente, essa foi a primeira participação da China que, apesar de pertencer ao bloco, colocou-se de maneira isenta ao boicote. Da mesma forma a Romênia, que conseguiu sua melhor participação até hoje, ficando em segundo lugar no quadro geral. Simultaneamente aos jogos de Los Angeles, os países que boicotaram realizaram os Jogos da Amizade, uma espécie de mini olimpíada com os países do bloco.

Selo comemorativo russo pelos Jogos da Amizade, em 1984Selo comemorativo russo pelos Jogos da Amizade, em 1984


7. O fim da guerra fria e do Apartheid nas Olimpíadas de Barcelona (1992)

BARCELONA 

O novo contexto político que começava na virada da década de 1980 para a década de 1990 foi completamente representado nos jogos de Barcelona, em 1992 – o primeiro dos Jogos a não sofrer boicote desde 1972. Com o fim da URSS, os soviéticos se juntaram a mais 12 territórios e formaram a Comunidade dos Estados Independentes, que viria a terminar em primeiro lugar no quadro geral de medalhas. Além disso, a Alemanha recém unificada voltou a participar como uma só nação, fato que não ocorria desde 1964.

A delegação sul-africana, enfim de volta aos jogosA delegação sul-africana, enfim de volta aos jogos

O principal fato político a marcar as Olimpíadas de Barcelona foi, porém, a volta da África do Sul como participante. O país estava suspenso das olimpíadas havia 32 anos, por conta do regime racista do Apartheid que comandava a política nacional sul-africana. Nelson Mandela havia deixado a cadeia em 1990, e se tornaria presidente do país em 1994. Em 1992 o apartheid ainda não havia oficialmente se encerrado, mas a própria participação do país nos jogos ilustrava o enfraquecimento do horror que abateu a África do Sul por impressionantes 46 anos.


8. O atentado à bomba nos Jogos de Atlanta (1996)

Memorial às vítimas do atentado em AtlantaMemorial às vítimas do atentado em Atlanta

No dia 27 de Julho uma bomba explodiu dentro do Parque Olímpico Centennial, sede dos Jogos de Atlanta, em 1996, matando duas pessoas e ferindo em torno de 150 outras. O autor do atentado, Eric Robert Rudolph, era um norte-americano radical de extrema direita, e veio a ser preso em 2003, condenado à prisão perpétua.

Segundo Rudolph, que era ligado a movimentos de supremacia branca e extremistas cristãos, o atentado se deu como parte de uma guerrilha contra o aborto e a “agenda” homossexual que tomava conta do mundo globalizado, que celebrava ideais socialistas que, segundo seu comunicado, foram “perfeitamente expressados na canção ‘Imagine’, de John Lennon, tema dos jogos de 1996”. Seu plano era que os jogos fossem cancelados, o que não aconteceu. Rudolph permanece preso, no estado do Colorado.


9. As mulheres muçulmanas nas Olimpíadas de Londres (2012)

 OLIMPOLITICS_2012 

Ainda que tenha começado com uma controvérsia na relação com os países islâmicos, os Jogos de Londres terminaram como um marco na afirmação feminina em países mulçumanos. Londres foi a primeira vez em que a Arábia Saudita, assim como Catar e Brunei, enviaram atletas mulheres para os jogos.

A controvérsia se deu pelas Olimpíadas terem sido realizadas em época paralela ao ramadã, período sagrado para o islã, no qual seus praticantes renovam sua fé através de jejuns e orações. Tal prática poderia deixar os atletas muçulmanos em desvantagem. O COI não alterou a data das Olimpíadas mas, ainda assim, a presença de mulheres nessas delegações terminou como uma vitória: pela primeira vez na história dos jogos, todos os países participantes enviaram delegações femininas.

Members of Saudi Arabia's contingent take part in athletes parade during opening ceremony of London 2012 Olympic Games at Olympic Stadium


10. A delegação de atletas refugiados nas Olimpíadas do Rio (2016)

08sochi-hp-jumbo-e1457481951252 

Esse fato obviamente ainda não aconteceu, mas de fato o COI aprovou a criação de uma delegação de atletas refugiados para competir no Rio. Os refugiados entrarão antes do Brasil – última delegação a entrar, como anfitriã – e carregarão a bandeira olímpica .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s