Tente não se apaixonar por essa série do concurso de fotografia de viagem de Siena

O Siena International Photo Awards é um concurso de fotografia de prestígio que recebe inscrições de mais de 100 países ao redor do mundo. O resultado da competição 2016 acaba de ser anunciado.

As imagens abrangem inúmeros países, incluindo Índia, China, Bangladesh, Turquia, Cuba, Mianmar e Bahrein. Leyla Emektar ganhou o primeiro lugar na categoria Travel com a bela imagem de um catador de morango entre estufas coloridas na Turquia, enquanto o primeiro lugar para a categoria Open Color foi para Danny Yen Sin Wong pelo clique de uma mulher vietnamita fazer uma rede de pesca.

As fotografias vencedoras estão atualmente em exposição “Beyond the Lens”, realizada na cidade de Siena, Itália.

Confira as imagens vencedoras:

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-2-58173e1da2ee7__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-5-58173e26a9206__880 |

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-12-58173e3885217__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-13-58173e3a701a5__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-31-58173e5e5b20e__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-39-58173e74c26fc__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-42-58173e7f5df36__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-44-58173e839522f__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-49-58173e8f83ee0__880

siena-international-photo-awards-travel-winners-2016-53-58173e9983fa1__880

Todas as fotos © Siena International Photo Awards

Anúncios

Esta pequena ave pode voar DEZ MESES sem pousar

passaro-andorinhao

Pesquisadores descobriram que andorinhões-pretos, uma ave pequena, podem passar dez meses contínuos por ano no ar, sem nunca pousar, um recorde mundial para voo sustentado na natureza.

Andorinhões já eram conhecidos por suas impressionantes habilidades aéreas, capturando alimentos e até fazendo ninhos durante o voo.

 

Esses pássaros são extremamente comuns na Europa, onde aterrissam por dois meses para se reproduzir, passam algumas noites empoleirados nos ninhos que constroem para si mesmos e, após o acasalamento, voam para a África, onde ninguém jamais descobriu ninhos destas aves.

Agora, sabemos por quê.

O rastreio

Biólogos da Universidade de Lund, na Suécia, capturaram alguns andorinhões no sul do país, onde eles fazem ninhos, e anexaram chips de dados minúsculos nas aves.

A pesquisa só foi possível graças aos novos produtos eletrônicos que permitem aos cientistas rastrear criaturas menores. Os dispositivos pesam significativamente menos que os andorinhões, aves leves com cerca de 40 gramas, e assim elas são capazes de carregá-los sem quaisquer problemas.

passaro-andorinhao-2

Os pesquisadores registraram a atividade e geolocalização de 19 andorinhões, que mais tarde foram recapturados. Os pássaros deixaram seu local de reprodução em agosto para uma migração para as florestas tropicais da África Central através da África Ocidental.

“Três deles nunca pousaram por 10 meses”, disse Anders Hedenström, principal autor do estudo, ao portal New Scientist. “Os outros fizeram breves aterrissagens, por algumas noites, mas nunca por mais de metade de 1% do tempo total de seus períodos migratórios”.

Impressionante

Os dados mostraram que andorinhões gastam mais do que 99% do seu tempo durante o seu período não fértil em voo.

A atividade de voo das aves muitas vezes pareceu mais baixa durante o dia do que à noite, provavelmente porque os pássaros aproveitavam energia deslizando nas correntes ascendentes de ar quente.

A parte mais bizarra é que os cientistas ainda não entendem completamente como esses pássaros dormem.

Se você assumir que os andorinhões, como qualquer outro animal do planeta, precisam de um pouco de sono, então, logicamente, conclui-se que eles dormem no ar. Eles poderiam ser capazes de fazer algo parecido com o que os golfinhos fazem: os animais aquáticos podem desligar partes do seu cérebro para “dormir” enquanto seus corpos permanecem ativos.

passaro-andorinhao-4

Campeão

Há poucas chances de encontramos outro animal que voa mais do que esse pássaro sem pousar.

Atualmente, o segundo voo mais longo conhecido é do andorinhão-real, que voa por seis meses sem parar. Essa espécie, diferente do andorinhão-preto, migra muito mais para o sul da África.

Apesar dos custos energéticos elevados associados com voar por tanto tempo sem pousar, andorinhões conseguem ter vidas surpreendentemente longas. Há casos documentados de pássaros vivendo 20 anos.

passaro-andorinhao-3

Então, vamos aplaudir essa pequena ave, um dos melhores e mais eficientes pilotos do mundo. [Gizmodo, Phys]

Las Vegas está sendo transformada – para melhor – pelas mãos destes incríveis artistas

https://scontent.fssa2-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/14938293_1799838823625871_9050092638922425580_n.jpg?oh=ca67980a94962ae333d80473f16b6461&oe=58A17E51

Pelo quarto ano consecutivo, artistas aterrizaram em Vegas para participar do festival Life is Beautiful, com curadoria de Charlotte Dutoit, da JUSTKIDS, uma rede de consultores, designers, curadores e artistas que criam eventos internacionais e mostras de arte.

Visando deixar a cidade mais bonita e colorida, eles foram chamados para eternizar o evento, que engloba música, cozinha, comédia e uma vasta lista de concertos e palestras, através da pintura e da escultura. Conheça aqui alguns desses trabalhos:

Martin Whatson, da Noruega

vegas-13

Crystal Wagner, dos EUA

vegas-11

Foto: Krystal Ramirez

O polonês Betz:

vegas-12

Felipe Pantone, da Argentina

vegas-9

Os trabalhos da francesa Fafi  (na frente) e do americano Shepard Fairey (na lateral)

vegas-8

O americano Justin Favela

vegas-6

vegas-5

O espanhol Dulk

vegas-4

Mike Ross

Demais fotos: Shepard Fairey, Corporate Welfare

Este casal trocou a cerimônia do casamento por uma pequena celebração em paisagens incríveis

Muitas pessoas têm o sonho de casar, mas todos sabemos que não é nem um pouco barato fazer festa ou a menor cerimônia que seja. O casal Jeremy e Rachelle Garrett também queria juntar as escovas de dentes e celebrar, porém decidiu fugir à regra e com a grana do casamento resolveu viajar e trocar alianças em meio à paisagem da Islândia.

Ao invés de escolher bufê, docinhos, selecionar convidados e jogar o buquê, os até então noivos preferiram deixar a tradicional festança de lado para ir em busca do lugar perfeito, do qual saberiam exatamente quando o vissem, para realizar sua cerimônia simbólica e repleta de amor, como há-de ser o matrimônio.

Bem longe de casa, a dupla seguiu com uma van pelos glaciares do país, explorando todas suas belezas naturais e encantos. Para registrar os momentos juntos nas terras gélidas, contrataram o fotógrafo Troy Moth para seguir seus passos durante a viagem, o que resultou em registros incríveis desses momentos.

Num belo dia, encontraram as ruínas de uma antiga igreja, o único local que permaneceu naquele terreno que sofreu danos com uma erupção vulcânica há muito tempo. Ali fizeram seus votos, trocaram alianças, se beijaram e se abraçaram, prontos para retornarem a sua jornada na estrada, mas agora como marido e mulher.

casamentoIslandia

casamentoIslandia2

casamentoIslandia3

casamentoIslandia4

casamentoIslandia5

casamentoIslandia6

casamentoIslandia7

casamentoIslandia8

casamentoIslandia9

casamentoIslandia10

casamentoIslandia11

casamentoIslandia12

casamentoIslandia13

casamentoIslandia14

casamentoIslandia15

Todas as fotos © Troy Moth