Conheça os nômades Tsaatan na Mongólia que vivem como nenhuma outra

https://i0.wp.com/static.boredpanda.com/blog/wp-content/uploads/2015/09/tsaatan-nomads-photography-mongolia-coverimage.jpg
Tsaatan pessoas são pastores de renas e vivem no norte da Khövsgöl Aimag da Mongólia. Originalmente da fronteira no que é hoje a República de Tuva da Rússia, o Tsaatan são um dos últimos grupos de pastores nômades renas do mundo. Eles sobreviveram por milhares de anos que habitam a mais remotas subárcticas Ulaan taïga, movendo-se entre 5 e 10 vezes ao ano.
A rena e o povo de Tsaatan é dependente um do outro. Alguns Tsaatan dizer que, se as renas desaparecer, assim será também a sua cultura. Renas fornecem-los com leite, queijo, carne e transporte. Eles também costurar suas roupas com cabelo de rena, Rena esterco combustíveis que seus fogões e chifres são usados para fazer ferramentas. Eles não usam seus animais para a carne. Isto faz com que seu grupo exclusivo entre comunidades de pastoreio de renas.
Como diminuir as populações de renas, apenas cerca de 40 famílias continuam a tradição de hoje. Sua existência é ameaçada pelo número diminuindo de suas renas domesticadas. Muitos têm trocado sua vida nômade para áreas urbanas. Em junho de 2014, depois de dias passados a cavalo através da taïga Ulaan da aldeia de Tsagaan-Nuur, perto do Lago Hövsgöl, tivemos a oportunidade de conhecê-los.
Tsaatan pessoas movem de um lugar para outro sem estabelecer quaisquer assentamentos permanentes durante o ano
Um grupo residencial, constituído por várias famílias chama-se “Orquidea-lal” (que significa “eles” na língua Tsaatan). Geralmente se referem a um grupo específico com o nome de um membro representante.
O sentido da sua comunidade está estruturado em torno das renas, eles são dependentes um do outro. Tsaatans dizer que, se as renas desaparecer, assim será também a sua cultura
Peles de rena são usadas para fazer casacos de inverno. Sacos, esteiras para viajar e os sapatos também são feitas de pele. Material para calçados é retirado da pele na canela das renas. Chifres de rena são ingredientes na medicina tradicional chinesa e foram fornecidos para a China desde 1975.
Tuvshinbayar & Ulziisaihan
Tsaatan comunidades geralmente são um grupo de barracas de dois a sete famílias que movem o acampamento para encontrar a melhor pastagem para as renas que são tratadas como membros da família e respeitadas
As renas são domesticadas e pertencem ao agregado familiar. Tarefas e atividades da Comunidade são centradas em torno do cuidado e alimentação de suas renas. Tarefas de pastoreio são compartilhadas entre o acampamento com as crianças em uma idade jovem, aprendendo a cuidar as renas e mantê-los seguros.
Eles vivem em tendas feitas principalmente de casca de vidoeiro que se parecem com as tendas dos nativos-americanos

Famílias de mesma Orquidea-lal armar barraca perto um do outro e colaboram em pastoreio de gado. Visitamos as pessoas Tsaatan no final de junho, quando eles tinham se estabelecido em seu lugar de verão. Sua altitude é de cerca de 2300 m.
Dentro da tenda de Tsaatan
Bolorma é ferver o leite para fazer queijo que a família precisa alimentarse
Narahuu e Bolorma, marido e mulher
Família completa posando orgulhosamente com algumas das suas renas
Da esquerda para a direita, Bolorma, Ulziitsetseg, Tuvshinbayar, Ulziichimig, Narahuu e a filha mais velha Ulziisaihan.
Ulziisaihan e Ulziitsetseg, filhas de Narahuu & Bolorma

Outros membros da família que vivem no campo: Bayrsaïhan, Chagtan, delcio e Nuuru

Todas as noites, rena mais de 100 retorna ao acampamento após um longo dia andando através da taïga Ulaan para achar comida

Estes eram momentos tão inesquecíveis para vê-los chegando de volta, todas as noites, como um exército graciosa no horizonte, com seus chifres dançando no ar.
Tsaatan selfie na Ulaan taïga com Bayrsaïhan

Corte da madeira para as necessidades diárias

Tuvshinbayar está jogando com as renas

Ops, algo saiu errado

Perseguindo as renas por do sol para trazê-los de volta ao acampamento para ordenha

As meninas e mulheres mais jovens a fazer a ordenha e fazem chá de leite, queijo e iogurte

Tia do Narahuu está nos oferecendo uma tigela de Suutei tsai, o chá tradicional salgado leite

Ulziichimig, a filha mais nova da família, está prestes a acordar e arreliar a irmã dela

Pôr do sol sobre a Ulaan Taïga

Por causa do clima frio durante todo o ano, abrir pastagens espalharam o estepe alta. Rena não aguenta o calor, então eles devem ser pastando nas planícies elevadas no verão.
Tsaatan acreditam que os fantasmas dos seus antepassados vivem na floresta como animais que dão orientação para a vida, para que eles praticam o Xamanismo, uma religião baseada na adoração da natureza

O Shamanistic práticas entre Tsaatans diferem de outras religiões xamânicas na região. Culto de xamã entre o povo Tsaatan é pensado para representar a variante mais antiga do xamanismo praticado pelos nômades da Mongólia. Não só eles venero Xamã deles, mas eles têm muitos livros sagrados místicos também e usam muitos tratados diferentes em suas vidas diárias, incluindo aqueles para caça e para chamar ou banir a chuva.
Kukula vestindo o Tsaatan tradicional vestido que é caracterizada por chapéus como aqueles do povo Khalkh e ampla deels (sobretudos mongol tradicionais)

Eles usam botas fortes, quentes, formadas a partir da peles e tendões de suas renas. Estas botas são conhecidas pela sua qualidade de acabamento e são muito caras comprar.
Pôr do sol sobre o acampamento
Anúncios

A pizzaria mais antiga do mundo tem mais de 200 anos e continua uma delícia

20161126_124830

As origens da pizza são um mistério: há quem diga que ela é italiana, quem jure que ela veio do Egito e até aqueles que tem certeza de que a redonda veio da Grécia. Mas, se é difícil chegar a um consenso nesse sentido, pelo menos uma coisa é certa (ou quase): a primeira pizzaria do mundo fica em Nápoles, na Itália.

A Antica Pizzeria Port’Alba é a pizzaria mais antiga da qual se tem registro, ainda que possam ter existido outras antes dela. A história do local começou em 1738, antes mesmo da Itália ser um país unificado – na época, a região pertencia ao Reino de Nápoles. Mas, inicialmente, ela era apenas uma tenda que vendia pizza para quem estivesse de passagem.

Foi apenas em 1830 que uma pizzaria de fato surgiu no local, nos modelos de um restaurante como conhecemos hoje. E, quase 200 anos depois, ela continua funcionando no centro histórico de Nápoles, para nossa alegria. Como estávamos por lá, não poderíamos visitar a cidade sem uma passada no local para experimentar uma tradicional pizza margherita.

20161126_135900

A fachada da pizzaria é bem simples – e, invariavelmente com gente na frente, seja esperando para comer ou apenas passando pela rua. Quem quiser pode passar ali apenas para pegar uma pizza a portafoglio (uma espécie de pizza dobrada em quatro para comer enquanto caminha) ou, como nós fizemos, parar em uma das mesas para apreciar a pizza com a atenção que ela merece.

20161126_124830

20161126_124835

pizza-portalba

Com mesinhas na rua e também uma área interna, a Antica Pizzeria Port’Alba está associada à Associazione Verace Pizza Napoletana, que certifica as origens da pizza feita na cidade e possui regras rígidas que definem o que é uma “verdadeira pizza napolitana“. Sim, o prato é levado bem a sério por aqui, como vocês já devem ter reparado…

Em algumas pizzarias, só são servidos dois sabores: margherita (pizza com molho de tomate, queijo, manjericão e aziete de oliva) ou marinara (a mesma receita, sem o queijo). Mesmo assim, a Port’Alba é menos purista e oferece a refeição em diversos sabores, cujos preços variam entre € 3,50 e € 14 (R$ 12 a R$ 50) – a margherita sai por € 4,50 (R$ 16).

20161126_130227

20161126_125242

Todas as pizzas são individuais, embora tenham o mesmo tamanho de uma pizza grande no Brasil. A diferença é a finura da massa e a quantidade de recheio, bem mais tímida do que a encontrada nas pizzarias brasileiras. Por sinal, a massa da pizza napolitana é algo único: ela é torradinha por fora e tem a consistência parecida à de um chiclete na parte de dentro.

Para chegar a esse resultado, todos os detalhes são controlados: a massa é feita com farinha de trigo, levedura napolitana, sal e água e misturada à mão ou, no máximo, com um misturador de baixa velocidade. Ela também precisa ser aberta à mão, sem a ajuda de rolos ou máquinas automáticas e a espessura da massa no centro da pizza não pode ser maior do que 3 milímetros. Depois de pronta, a pizza é assada em forno a lenha a uma temperatura de mais de 400ºC durante 60 a 90 segundos, o que garante que ela fique elástica e sequinha ao mesmo tempo!

20161126_124908

20161126_124912

Na Port’Alba não é diferente – afinal, um negócio não dura 200 anos sem um bom motivo. E a pizza servida por eles não é apenas um bom, mas um ótimo motivo para aproveitar a estadia na cidade ganhando uns merecidos quilos extras!

20161126_130215

Para acompanhar :)

20161126_135422

Todas as fotos: Mariana Dutra

Artista usa folhas de jornal para criar as esculturas de animais mais impressionantes que você já viu

https://scontent-grt2-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/14720514_1791895197753567_6544811226271682338_n.jpg?oh=df74de0a9b34068a38791d801d493dc1&oe=58A1D678
A era digital mudou totalmente a comunicação, e evita uma dúvida comum de anos atrás: o que fazer com os jornais velhos que vão se acumulando em algum canto da casa? Mas, se para a maioria das pessoas os papéis se tornavam lixo, para a japonesa Chie Hitotsuyama eles são material artístico.
Ela aproveita jornais antigos, que perderam seu valor como mídia, para criar incríveis esculturas de animais, muitas delas em tamanho real. Ela escolhe as cores dos papéis, os corta, molha e molda da forma que mais se encaixe nos seus projetos.
O papel sempre foi algo muito próximo de Chie. A cidade onde ela nasceu, Fuji City, é conhecida por sua produção do material, e sua família era dona de uma fábrica. “Eu sempre fui cercada de uma quantidade enorme de papel desde que consigo me lembrar, e ele sempre foi uma espécie de brinquedo para mim”, conta em entrevista.
chieanimals 
chieanimals5 
chieanimals4 
chieanimals3 
chieanimals2 
chieanimals6 
20140608-03 
20140608-09 
2016_1125_29 
20130725-02 
web_14199293_1079903955431707_4283987539088058411_n 
20130725-03 
img_2340_web1 
sai_s 
img_2344_web1 
20140608-06
Todas as imagens © Chie Hitotsuyama

Partilhe as suas fotos mais espetaculares do céu noturno em todo o mundo

Claro céu noturno está cheio de magia e a sensação de que há um monte de coisas por descobrir misteriosas acontecendo lá em cima. Não há nenhum tal sentimento no mundo como assistir céu claro na noite quente de verão. Lembrame a grandeza e a incrível beleza do nosso planeta maravilhosa!.Eu amo essas fotos espetaculares do céu noturno em todo o mundo, então eu convido você a compartilhar com todos os seus leitores. 😀
 

#1 Lost In The Dark (Lake Dumbleyung, Western Australia)

Lost In The Dark (Lake Dumbleyung, Western Australia)

#2 Radio Mast Milkyway (southern Finland)

Radio Mast Milkyway (southern Finland)

#3 Southern Milky Way (Patagonia, Argentina)

Southern Milky Way (Patagonia, Argentina)

#4 Thunderstorm Near Broken Bow, Nebraska, Usa

Thunderstorm Near Broken Bow, Nebraska, Usa

#5 When Worlds Collide (Washington, USA)

When Worlds Collide (Washington, USA)

#6 Galactic Dance (Mount Cook, New Zealand)

Galactic Dance (Mount Cook, New Zealand)

#7 The Eye Of The Universe (180 Degree Panorama Over Australia)

The Eye Of The Universe (180 Degree Panorama Over Australia)

#8 Perseid Meteor Shower Over Denver, Colorado

Perseid Meteor Shower Over Denver, Colorado

#9 Northern Lights, Iceland

Northern Lights, Iceland

#10 A Dreamscape From Rila Mountain, Bulgaria

A Dreamscape From Rila Mountain, Bulgaria

#11 Arctic Sky In Lofoten, Norway

Arctic Sky In Lofoten, Norway

#12 Aurora Over The Callanish Standing Stones, Isle Of Lewis

Aurora Over The Callanish Standing Stones, Isle Of Lewis

#13 Galactic Panorama Taken In The Middle Of A Desert In Arizona

Galactic Panorama Taken In The Middle Of A Desert In Arizona

#14 Ancient

Ancient

#15 Surreal Night At Easter Island

Surreal Night At Easter Island

#16 Aurora Borealis

Aurora Borealis

#17 Starry Night Sky

Starry Night Sky

#18 VLA And Milky Way (New Mexico, USA)

VLA And Milky Way (New Mexico, USA)

#19 Milky Way Galaxy Hanging Cver The Devil’s Tower In Wyoming (western Usa)

Milky Way Galaxy Hanging Cver The Devil’s Tower In Wyoming (western Usa)

#20 Area 51 Stargazer

Area 51 Stargazer

#21 The Time Machine

The Time Machine

 

#22 The Search For Extraterrestrial Life Continues.

The Search For Extraterrestrial Life Continues.

#23 The Way To The Universe

The Way To The Universe

#24 Red Square In Moscow, Russia

Red Square In Moscow, Russia

#25 Castle Spandau

Castle Spandau

Pessoas solteiras recriam fotos clássicas de casamento e o resultado é hilário

Já reparou como as fotografias de casamento parecem ser sempre iguais? Geralmente, os ensaios são realizados em cenários bucólicos em que os noivos tentam parecer o mais naturais possíveis em poses nada convencionais. Agora, se essas fotos já parecem meio bizarras por si só, imagina o que acontece quando elas são recriadas por pessoas solteiras!

Foi o que aconteceu neste ensaio fotográfico, que convidou alguns solteiros a recriar essas fotografias bobas que todo casamento tem. Sim, nós estamos falando de fotos como estas daqui:

Foto © Katrina Elena Photography

casamento2

Foto © Green Wedding Shoes

O ensaio divertido foi clicado pelas lentes da fotógrafa profissional Courtney Lindberg, especializada em fotos de casamentos, e tudo foi gravado pelo Buzzfeed Yellow em um vídeo que promete melhorar o seu dia. Afinal, mesmo quem não tem um par pode ter ótimas fotos de casamento (e elas ficam ótimas no Tinder!).

wedphoto1

wedphoto2

wedphoto3

wedphoto4

wedphoto5

O vídeo é em inglês, mas as imagens são autoexplicativas. Dá o play:

Foto destaque: Reprodução Youtube

As penas neste fóssil de 130 milhões de anos ainda contêm vestígios de cor

penas-cores-fossil-2

Um fóssil bem preservado encontrado na China ainda contém os compostos biológicos originais que deram ao pássaro de 130 milhões de anos sua cor.A descoberta estende o período em que os cientistas pensaram que essas substâncias podiam ser conservadas.

 

A pesquisa foi realizada por especialistas da Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos EIA, e da Academia Chinesa de Ciências e da Universidade de Linyi, na China.

https://i1.wp.com/www.heritagedaily.com/wp-content/uploads/2016/11/pal1.png

Melanosoma

Os pesquisadores mostraram evidências de preservação original de queratina e melanosoma nos restos fossilizados do Eoconfuciusornis, uma espécie parecida com o corvo que viveu na China cerca de 130 milhões de anos atrás.Esse é o mais antigo fóssil já descoberto que contém vestígios destas moléculas.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/68/Eoconfuciusornis_BW.jpg

Paleontologistas já haviam encontrado vestígios de organelas contendo melanosoma em penas fossilizadas antes. O problema é que não tinham certeza se os melanosomas, e suas cores associadas, vinham na verdade da criatura preservada, ou de micróbios que “atacaram” essas penas durante sua decomposição e fossilização.Mais evidências eram necessárias para separar as duas possibilidades.

Queratina

Essa evidência agora chegou na forma de queratina, uma proteína fibrosa que protege certas células de danos.

“Se esses pequenos corpos são melanosomas, eles devem ser incorporados em uma matriz queratinosa, uma vez que as penas contêm beta-queratina”, observou Mary Schweitzer, bióloga da Universidade Estadual da Carolina do Norte e coautora do estudo, em um comunicado. “Se não pudéssemos encontrar a queratina, então essas estruturas poderiam ser facilmente micróbios, ou uma mistura de micróbios e melanosomas”.

Usando microscópios eletrônicos, juntamente com uma técnica para criar um mapa de alta resolução dos elementos dentro das penas, os pesquisadores foram capazes de mostrar que os traços químicos de melanosomas e queratina no fóssil eram realmente derivados das penas originais.Como conclusão, o sombreado marrom escuro visto neste fóssil é provavelmente indicativo da aparência e cor do pássaro quando ainda estava vivo.

Evolução

Os pesquisadores dizem que sua nova técnica tem o potencial de ajudar os cientistas a compreender, a nível molecular, como e por que as penas evoluíram nestes pássaros primitivos.A presença de melanosomas e queratina nesse fóssil sugere que outros poderiam revelar segredos semelhantes.

Praticamente todos os dinossauros tinham penas (tenha o Jurassic Park admitido isso ou não), de maneira que é concebível que a nova técnica seja usada para determinar os esquemas de cores de certos dinossauros. Isso, é claro, se os paleontólogos encontrarem um fóssil tão bem preservado como este último. [Gizmodo]

10 hostels brasileiros onde você pode trabalhar em troca de hospedagem grátis

Quem disse que é preciso gastar fortunas pagando por hospedagem enquanto você viaja? A gente não concorda nada com isso e sabe que algumas vezes uma pequena economia pode significar muitos dias a mais na estrada.
Por isso mesmo, estamos sempre de olho em oportunidades como a que é oferecida pelo site World Packers, em que é possível trocar algumas horas de trabalho por hospedagem grátis. E estes 10 hostels no Brasil estão de portas abertas para os viajantes que toparem dar uma mãozinha nas tarefas diárias.

1. Bamboo Groove Hostel – Ubatuba (SP)

Uma experiência ideal para quem quer passar adiante suas habilidades com esportes como surfe ou yoga para outras pessoas. É o que este hostel em Ubatuba oferece. Em troca, os viajantes ganham hospedagem em quarto compartilhado e a oportunidade de ficar cara a cara com as lindas paisagens desta praia.
hostel1

2. Pousada Jardim da Marambaia – Barra de Guaratiba (RJ)

Neste hostel no Rio de Janeiro, os viajantes terão nada menos do que cinco dias de folga por semana. Nos outros dias, deverão trabalhar seis horas em tarefas que envolvem artes, desenvolvimento web ou música. Em troca, eles recebem acomodação com café da manhã incluído e a oportunidade de conhecer esse lindo lugar!
hostel2

3. Haleakala Hostel – Praia do Rosa (SC)

Trabalhar em uma das praias mais bonitas do Brasil com a limpeza dos quartos e áreas comuns deste hostel é uma possibilidade tentadora. Trabalhando 30 horas semanais, você ganha acomodação, café da manhã e também pode lavar suas roupas gratuitamente no hostel.
hostel3

4. Breda Hostel Paraty – Paraty (RJ)

Se você sabe tirar boas fotografias, pode ser que isso renda algumas noites neste hostel, em Paraty. Trabalhando cinco horas por dia, quatro dias por semana, você ganha acomodação em um quarto compartilhado e ainda pode aproveitar o café da manhã no local.
hostel4

5. Knock Knock Hostel – Curitiba (PR)

Neste hostel de Curitiba você pode dar uma mãozinha na recepção, ajudar a trocar a roupa de cama e a servir refeições e, de quebra, ganha hospedagem grátis em um quarto compartilhado e também o café da manhã oferecido pelo hostel.
hostel5

6. Abacate&Music BioHostel – Imbituba (SC)

Quem topar ajudar com alguns reparos ou com a pintura deste hostel em Imbituba não ganha apenas hospedagem grátis, mas também café da manhã e almoço. E, se o trabalho deixar suas roupas muito sujas, não é motivo para se preocupar: o uso da lavadora de roupas também é liberado!
hostel6

7. Tribo Hostel – Ubatuba (SP)

Tem habilidades manuais? Então você pode ajudar com alguns reparos ou com a pintura do Tribo Hostel, em Ubatuba. Em compensação, se o seu talento for voltado para reunir os amigos, você também poderá trabalhar como promotor de eventos por lá! Nos dois casos, os viajantes ganham hospedagem em quarto compartilhado e café da manhã, além de dois dias de folga por semana.
hostel7

8. Rock! and Hostel – Belo Horizonte (MG)

Quem estiver disposto a trabalhar no turno da noite ou realizar tarefas de limpeza e recepção será muito bem-vindo no Rock! and Hostel. Quem encara o trabalho por lá pode tirar quatro dias de folga por semana e ainda ganha café da manhã e uma cama para dormir em quarto compartilhado. Nada mal, né?
hostel8

9. Jeri Hostel Arte – Jericoacoara (CE)

Na belíssima praia de Jericoacora, praticamente qualquer ajuda é válida. Trabalhando na cozinha, na limpeza ou na recepção, os viajantes podem desfrutar de quatro dias de folga por semana para curtir a viagem, além de uma cama em quarto compartilhado e um café da manhã com tapioca e ovos para começar bem o dia.
hostel9

10. Abaquar Hostel – Velha Boipeba (BA)

Neste hostel no interior da Bahia, precisa-se de bartenders, pessoas capazes de ajudar na cozinha, e gente para lidar com a limpeza e a recepção. Em troca das tarefas, você recebe uma cama em dormitório e também café da manhã grátis.
hostel10
Todas as fotos: World Packers/Reprodução

Pessoas seguram cartazes com as frases que ouvem por serem descendentes de asiáticos

O preconceito racial é um problema urgente e global e, ainda que tenha contra as populações negras sua maior incidência, outros grupos sofrem desse mesmo mal. Um grupo de americanos de origem asiática, estudantes da Universidade de Bowdoin, no estado do Maine, decidiu iniciar um debate sobre o preconceito que sofrem, por conta de suas origens asiáticas expressas fenotipicamente em seus rostos, através de cartazes com as frases que, mesmo em 2016, ainda escutam por aí.


“Por favor, não ria do meu nome”

As fotos viralizaram e, em parceria com a associação de estudantes de Bowdoin e a associação de estudantes asiáticos, se transformou em uma exposição. Sob o hashtag #IssoÉ2016 – que levanta o espanto de tais frases ainda serem repetidas mesmo hoje em dia – o trabalho reúne estudantes de origens chinesa, do sul da Índia, paquistanesa e vietnamita, entre outras.

“Seus olhos são grandes para uma asiática”

“Eu não sou do Oriente Médio”

“[ouvida de um professor de literatura] Aposto que ninguém na sua família fala bem inglês”

“Eu falo ‘Alô’ e não ‘Arô’”


“Não, eu não falo ‘asiático’”

A ideia é mostrar que cada experiência, cada aparência, cada história é individual e diferente – mas que o preconceito, que está mais presente e próximo do que costumamos pensar, sempre fere.

“Eu não sairia com um homem asiático”

“[para o porteiro] Não, eu não estou aqui para fazer uma entrega. Isso é meu almoço”

“‘- Como vai a China?’
Como eu vou saber? Eu sou americana de origem coreana, e nunca estive lá”

“Sua barba lhe dá uma aparência arriscada”

“É verdade que os pais chineses matam o segundo filho?”

“Você é uma pessoa ‘de cor’? Nunca se sabe com asiáticos…”

© fotos: divulgação

Fotográfo capta lindas imagens entre as montanhas de Tatra Polônia

Marcin Kesek é um  fotógrafo de 27 anos de uma pequena aldeia no sul da Polônia, chamado Gronkow. Mora em  lugares  perto das montanhas Tatra, Pieniny e Gorce. Há alguns anos, decidiu captar estes ambientes incríveis no momento certo e a melhor iluminação possível. Foi assim que nasceu a  paixão pela fotografia de paisagem.
Na  fotografia, o mais importante é a iluminação que determina como a paisagem olhará como nas fotos. Normalmente, fico com o lugar que estou planejando para fotografar pelo menos uma hora mais cedo, antes do nascer do sol. Observando o céu mudando, comecei a criar composições que eu gostaria de descrever. Se eu decidir capturar o pôr do sol, normalmente ficar alguns minutos depois disso porque o céu tem cores mais intensivas em seguida.
Muitas vezes tenho que voltar para o mesmo lugar para várias vezes porque é muito difícil tirar a foto perfeita melhores condições (leve, suave nevoeiro, interessante céu, clareza, plasticidade da paisagem). Mas quando tudo fica impecável, eu sei que meu trabalho duro compensa. A maior alegria da fotografia de paisagem, para mim é estar perto da natureza. Eu amo o que faço e não mudaria isso por nada no mundo.
Eu tiro minhas fotos com a Nikon D700 e usar Nikkor 16-35/4 mm, 24-70/2.8 mm e lentes de Sigma 120-400 mm. Geralmente levo meu tripé de X PROB Manfrotto 190 comigo, também.Diz Marcin Kesek,confira a baixo algumas de suas belas imagens captadas em lugares altos e perto de montanhas.

Freedom!

Spring in the Tatras

Wielki Staw Polski

Morskie Oko

Magical Tatras

Morning in Morskie Oko

Hot and cold

Łapszanka

Milk

Sokolica

Sunset in The Tatras

Giewont and Kasprowy Wierch

Tatra Mountains seen from the Pieniny

Dolina Pięciu Stawów Polskich

Krywań

Lasers!

Pai diagnosticado com câncer terminal antecipa Natal para que seu filho de 10 meses tenha boas memórias

https://scontent.fssa2-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/15220265_1817034695239617_6910557439075768953_n.jpg?oh=0ce6d18b7c7c9a7f70749aa48d70b9d4&oe=58CB7759

Como muitos casais, Jay e Caroline sonhavam em ser pais. Em 2015, após muita paciência, esperança e algumas rodadas de fertilização in vitro, eles finalmente receberam a tão esperada notícia: seriam papais de um menino cheio de saúde.

Mas apenas três meses antes do pequeno Maxie nascer, Jay sentiu fortes dores de estômago e foi diagnosticado com câncer no pâncreas em estágio avançado.

Ao invés de perder as esperanças, Jay estava determinado a enfrentar a doença, ver seu filho nascer e passar o maior tempo possível com ele. Mas infelizmente o câncer se espalhou, e o estado de Jay é terminal. Todo dia que chega ao fim é uma vitória para eles, e a família não sabe se Jay chegará até o fim do ano, ou ainda até o aniversário de 1 ano de Maxie, em janeiro.

jayclarkbemorejaycancer9

Por isso, ele e Caroline tiveram a ideia de antecipar o Natal, para que Jay participasse dessa experiência mágica com seu filho. “Quantos pais conseguem passar o primeiro ano da vida de seu filho com eles? E agora também passo um Natal com ele. Apesar de tudo, eu me considero um homem de sorte em muitos aspectos.”, disse Jay, sem perder as esperanças.

jayclarkbemorejaycancer8

Jay ainda escreveu várias cartas de Natal e aniversário para Maxie, para que sejam abertos durante sua infância e adolescência. “Maxie vai receber cartões até seus 18 anos, assim como presentes em aniversários significativos. Claro que eu queria estar lá, na vida real, mas eu tenho que ir para outro lugar. Eu aceitei isso.”. Emocionante!

jayclarkbemorejaycancer7

jayclarkbemorejaycancer6

jayclarkbemorejaycancer5

jayclarkbemorejaycancer4

jayclarkbemorejaycancer11

jayclarkbemorejaycancer3

jayclarkbemorejaycancer2

Todas as fotos © Reprodução Facebook