Pessoas seguram cartazes com as frases que ouvem por serem descendentes de asiáticos

O preconceito racial é um problema urgente e global e, ainda que tenha contra as populações negras sua maior incidência, outros grupos sofrem desse mesmo mal. Um grupo de americanos de origem asiática, estudantes da Universidade de Bowdoin, no estado do Maine, decidiu iniciar um debate sobre o preconceito que sofrem, por conta de suas origens asiáticas expressas fenotipicamente em seus rostos, através de cartazes com as frases que, mesmo em 2016, ainda escutam por aí.


“Por favor, não ria do meu nome”

As fotos viralizaram e, em parceria com a associação de estudantes de Bowdoin e a associação de estudantes asiáticos, se transformou em uma exposição. Sob o hashtag #IssoÉ2016 – que levanta o espanto de tais frases ainda serem repetidas mesmo hoje em dia – o trabalho reúne estudantes de origens chinesa, do sul da Índia, paquistanesa e vietnamita, entre outras.

“Seus olhos são grandes para uma asiática”

“Eu não sou do Oriente Médio”

“[ouvida de um professor de literatura] Aposto que ninguém na sua família fala bem inglês”

“Eu falo ‘Alô’ e não ‘Arô’”


“Não, eu não falo ‘asiático’”

A ideia é mostrar que cada experiência, cada aparência, cada história é individual e diferente – mas que o preconceito, que está mais presente e próximo do que costumamos pensar, sempre fere.

“Eu não sairia com um homem asiático”

“[para o porteiro] Não, eu não estou aqui para fazer uma entrega. Isso é meu almoço”

“‘- Como vai a China?’
Como eu vou saber? Eu sou americana de origem coreana, e nunca estive lá”

“Sua barba lhe dá uma aparência arriscada”

“É verdade que os pais chineses matam o segundo filho?”

“Você é uma pessoa ‘de cor’? Nunca se sabe com asiáticos…”

© fotos: divulgação

Fotográfo capta lindas imagens entre as montanhas de Tatra Polônia

Marcin Kesek é um  fotógrafo de 27 anos de uma pequena aldeia no sul da Polônia, chamado Gronkow. Mora em  lugares  perto das montanhas Tatra, Pieniny e Gorce. alguns anos, decidiu captar estes ambientes incríveis no momento certo e a melhor iluminação possível. Foi assim que nasceu paixão pela fotografia de paisagem.
Na  fotografia, o mais importante é a iluminação que determina como a paisagem olhará como nas fotos. Normalmente, fico com o lugar que estou planejando para fotografar pelo menos uma hora mais cedo, antes do nascer do sol. Observando o céu mudando, comecei a criar composições que eu gostaria de descrever. Se eu decidir capturar o pôr do sol, normalmente ficar alguns minutos depois disso porque o céu tem cores mais intensivas em seguida.
Muitas vezes tenho que voltar para o mesmo lugar para várias vezes porque é muito difícil tirar a foto perfeita melhores condições (leve, suave nevoeiro, interessante céu, clareza, plasticidade da paisagem). Mas quando tudo fica impecável, eu sei que meu trabalho duro compensa. A maior alegria da fotografia de paisagem, para mim é estar perto da natureza. Eu amo o que faço e não mudaria isso por nada no mundo.
Eu tiro minhas fotos com a Nikon D700 e usar Nikkor 16-35/4 mm, 24-70/2.8 mm e lentes de Sigma 120-400 mm. Geralmente levo meu tripé de X PROB Manfrotto 190 comigo, também.Diz Marcin Kesek,confira a baixo algumas de suas belas imagens captadas em lugares altos e perto de montanhas.

Freedom!

Spring in the Tatras

Wielki Staw Polski

Morskie Oko

Magical Tatras

Morning in Morskie Oko

Hot and cold

Łapszanka

Milk

Sokolica

Sunset in The Tatras

Giewont and Kasprowy Wierch

Tatra Mountains seen from the Pieniny

Dolina Pięciu Stawów Polskich

Krywań

Lasers!

Pai diagnosticado com câncer terminal antecipa Natal para que seu filho de 10 meses tenha boas memórias

https://scontent.fssa2-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/15220265_1817034695239617_6910557439075768953_n.jpg?oh=0ce6d18b7c7c9a7f70749aa48d70b9d4&oe=58CB7759

Como muitos casais, Jay e Caroline sonhavam em ser pais. Em 2015, após muita paciência, esperança e algumas rodadas de fertilização in vitro, eles finalmente receberam a tão esperada notícia: seriam papais de um menino cheio de saúde.

Mas apenas três meses antes do pequeno Maxie nascer, Jay sentiu fortes dores de estômago e foi diagnosticado com câncer no pâncreas em estágio avançado.

Ao invés de perder as esperanças, Jay estava determinado a enfrentar a doença, ver seu filho nascer e passar o maior tempo possível com ele. Mas infelizmente o câncer se espalhou, e o estado de Jay é terminal. Todo dia que chega ao fim é uma vitória para eles, e a família não sabe se Jay chegará até o fim do ano, ou ainda até o aniversário de 1 ano de Maxie, em janeiro.

jayclarkbemorejaycancer9

Por isso, ele e Caroline tiveram a ideia de antecipar o Natal, para que Jay participasse dessa experiência mágica com seu filho. “Quantos pais conseguem passar o primeiro ano da vida de seu filho com eles? E agora também passo um Natal com ele. Apesar de tudo, eu me considero um homem de sorte em muitos aspectos.”, disse Jay, sem perder as esperanças.

jayclarkbemorejaycancer8

Jay ainda escreveu várias cartas de Natal e aniversário para Maxie, para que sejam abertos durante sua infância e adolescência. “Maxie vai receber cartões até seus 18 anos, assim como presentes em aniversários significativos. Claro que eu queria estar lá, na vida real, mas eu tenho que ir para outro lugar. Eu aceitei isso.”. Emocionante!

jayclarkbemorejaycancer7

jayclarkbemorejaycancer6

jayclarkbemorejaycancer5

jayclarkbemorejaycancer4

jayclarkbemorejaycancer11

jayclarkbemorejaycancer3

jayclarkbemorejaycancer2

Todas as fotos © Reprodução Facebook

O revolucionário sistema de reciclagem da Suécia que está deixando o país sem lixo

A Suécia costuma ser reconhecida por medidas de sucesso que garantem a qualidade de vida dos cidadãos, e não é diferente quando o país trata do lixo. Com o objetivo de reaproveitar os resíduos de todas as formas possíveis, o país chega a importar detritos para gerar energia.

A atenção do governo para a sustentabilidade faz com que a Suécia recicle 1,5 bilhão de latas e garrafas por ano, em um país com cerca de 9,6 milhões de habitantes, segundo o último censo. Cada cidadão sueco produz, em média, 461 kg de lixo por ano, contra uma média de 525 kg no resto da Europa.

paper-recycling Reciclagem de papel na Suécia (Foto: SRV)

No país, toda zona residencial deve ter uma estação de reciclagem a no máximo 300 metros de distância, e praticamente toda a população tem a separação do lixo como hábito. Até mesmo o material orgânico é reaproveitado: a Suécia utiliza 50% do lixo domiciliar para produzir energia.

Ponto de recolhimento de lixo reciclável (Foto: Samantha Marx)

Ponto de recolhimento de lixo reciclável (Foto: Samantha Marx)

Ao incinerar o lixo em 32 estações especiais, os suecos geram um gás capaz de mover turbinas geradoras de eletricidade, que é transferida para a rede que abastece as cidades. Isto também impede que os resíduos se acumulem em lixões, onde acabam produzindo gases como o metano.

topswedishtrashphoto1_618476618 Estação de incineração de lixo (Foto: Vattenfall)

Os suecos capricham tanto na separação do lixo reciclável que o país nem produz lixo orgânico o suficiente para dar conta da demanda energética: A Suécia chega a importar setecentas mil toneladas de lixo de outros países, como Noruega, Irlanda e Itália.

Para completar, o governo também incentiva os moradores a investir em produtos de longa duração, em vez daqueles que precisam ser trocados frequentemente, e a tentarem consertar tudo que quebrar em vez de comprar novos. É ou não é um modelo para o mundo?

A Índia fez a maior limpeza de lixo de sempre em uma praia graças a um homem que cansou da sujeira na natureza

Manter as cidades limpas costuma ser uma responsabilidade associada aos governos, mas a verdade é que todos nós temos um pouco de culpa sobre o lixo que repousa em nossa cidade, seja não tomando cuidado com o descarte ou simplesmente não fazendo nada para mudar essa situação. Mas o advogado Afriz Shah, natural da Índia, decidiu fazer a sua parte nessa história e gerou uma das maiores limpezas de lixo da história na praia de Versova, em Mumbai.

Aos 33 anos, Afriz havia cansado de ver a praia suja e resolveu tomar uma atitude. Com a ajuda do vizinho Harbanash Mathur, de 84 anos, ele começou a limpar a região. Não demorou para que a iniciativa dos dois se espalhasse através das redes sociais e eles decidiram criar um grupo de voluntários para ajudar na causa. Assim nascia o Versova Residents Volunteer, que já reúne cerca de 200 pessoas.

india1

Foto © United Nations Environment Programme

Junto, o grupo já foi responsável por retirar mais de 1,8 milhões de quilos de lixo de uma área de 2,5 km de extensão, durante mais de 10 meses de trabalho aos finais de semana. O material foi levado por eles a um lixão próximo, evitando a contaminação da praia.

india2

india5

india4

india3

Fotos © Michael Booth/UNEP

india6

Foto © Lewis Pugh/Reprodução Twitter

Fotógrafo retrata a beleza natural dos fiordes da Noruega em série de cliques impressionante

Você provavelmente ainda não tinha ouvido falar sobre fjords ou fiordes, mas na Noruega eles são bastante comuns. Segundo a Wikipedia, se trata de “uma grande entrada de mar entre altas montanhas rochosas“. E, obviamente, a vista dessas formações geográficas tão particulares é algo incrível, que encantou o fotógrafo polonês Tomasz Furmanek
Tomasz vive em Bergen, na Noruega, onde trabalha no Instituto de Pesquisas Marinhas. Um de seus passatempos é andar de caiaque em áreas próximas à cidade, quando aproveita para registrar os fjords e outras belezas naturais do país com uma GoPro anexada ao seu capacete e uma pequena câmera na parte fronteira de seu caiaque.
As imagens registradas por ele vão fazer você ficar com vontade de conhecer a Noruega hoje mesmo. Vem ver:
fjord1 
fjord2 
fjord3 
fjord4 
fjord5 
fjord6 
fjord7 
fjord8 
fjord9 
fjord10 
fjord11 
fjord12 
fjord13 
fjord14 
fjord15 
Todas as fotos © Tomasz Furmanek

Fotografa capta há 10 anos fotos nas montanhas Tatra polacas

Karol Nienartowicz, uma fotógrafa de montanha  de 30 anos de idade da Polônia. 10 anos ela foi escalada e fotografando Tatras as montanhas mais altas na Polónia.
A primeira vez que foi para as montanhas Tatras foi em 2005. Então  ganhou o seu  meu primeiro concurso de fotografia em que o prémio foi um fim de semana em pensão em Zakopane a capital das montanhas Tatra. A partir desse momento ter passado em Tatra 740 km e eu ter dado a soma da diferença de altitude igual m 51 000.
Os Tatras são uma das mais belas serras altas na Europa ao lado dos Alpes, os Pirenéus e Alpes Dináricos. Montanhas Tatra é um mundo de rocha , prados alpinos e lagos de verdes esmeraldos.

Five Polish Ponds Valley

Western Tatras

Brocken Spectre On Szpiglasowy Wierch

Temnosmrecinska Dolina

Chocholowska Valley

On Mieguszowieckie Peaks

Valley Gasienicowa

Eagle Path

Western Tatras

Five Polish Ponds Valley

Environment At Black Pond

Valley Gasienicowa And Black Pond

The Summit Koscielec

Eagle Path

Valley Gasienicowa And Black Pond

Valley Gasienicowa

Morskie Oko Pond

The Summit Koscielec

Via Ferrata Called Eagle Path

Western Tatras

Mountain Pass Szpiglasowa

Brocken Spectre And The Mountain Swinica

Black Pond

Five Polish Ponds Valley

Chapel In the Valley Chocholowska

Western Tatras

Pass Priecne Sedlo