Jovem cria escola de inglĂȘs na periferia de SP que conta com a ajuda de professores estrangeiros

 

O carioca Gustavo Fuga, 22, sempre teve contato prĂłximo com a desigualdade social. Morador da zona oeste do Rio, ele sempre buscou participar de projetos comunitĂĄrios e ONGs. Quando chegou Ă  capital paulista para estudar Economia na USP, a rotina de voluntariado nĂŁo foi diferente. Enquanto auxiliava um projeto da comunidade de CapĂŁo Redond, ele teve uma ideia: trazer estrangeiros que estudam nas universidades de SĂŁo Paulo para ensinar inglĂȘs a pessoas de baixa renda.

Assim foi criada a escola 4YOU2, que utiliza espaços cedidos por ONGs e conta com o auxílio de intercambistas estrangeiros. Até hoje, mais de 3 mil pessoas jå passaram pela escola e a expectativa é que até o fim de 2015, 4 mil alunos sejam alcançados.

Para participar das aulas, os alunos pagam uma mensalidade de R$ 76, custo que cobre o material didĂĄtico e as aulas. Segundo ele, a experiĂȘncia de colocar estrangeiros que sabem pouco ou nada de portuguĂȘs em contato com moradores que ainda nĂŁo dominam a lĂ­ngua inglesa tem sido positiva e a barreira do idioma apenas incentiva os estudantes a quererem aprender mais. A 4YOU2 tem parceria com ONGs nos bairros de CapĂŁo Redondo, Campo Limpo Paulista, HeliĂłpolis e Jardim Ângela.

4you2-escola8

4you2-escola5

4you2-escola4

4you2-escola3

4you2-escola

4you2-escola2

4you2-escola88

Todas as fotos © 4YOU2  via

Mulher instala cabine de foto em comedouro e capta retratos maravilhosos de pĂĄssaros

A imagem pode conter: pĂĄssaro e atividades ao ar livre

Logo que a alemã Lisa M. Ca se mudou para Michigan, nos Estados Unidos, a variedade de påssaros que passeavam pelo quintal chamou sua atenção, especialmente os cardeais e os gaios azuis (blue jays). Fotógrafa amadora, Lisa foi atrås da melhor maneira de fotografar os animais, e conseguiu um resultado encantador.

Graças ao Bird Photo Booth, um comedouro com espaço para encaixar cùmeras, celulares ou tablets, Lisa pÎde capturar imagens mais próximas dos bichos do que poderia ter imaginado. O sucesso das imagens em sua conta no Facebook a levou a criar o Tumblr Ostdrossel.

lisa-m-ca-bird-photobooth-2

O equipamento pode ser controlado remotamente, via wi-fi ou bluetooth, permitindo que o usuårio acompanhe o que estå à frente da lente e tire fotos ou grave vídeos. Outra opção é deixar o sensor de movimento fazer as fotografias automaticamente.

Lisa se empolgou tanto com a atividade que entrou em grupos de observadores de pĂĄssaros para conhecer melhor sobre as espĂ©cies que visitam o comedouro. Ela observa as mudanças de comportamento deles quando as temperaturas mudam e diz conseguir diferenciar diferentes pĂĄssaros das mesmas espĂ©cies graças a detalhes em suas aparĂȘncias.

lisa-m-ca-bird-photobooth-1

femcardinal

tumblr_oiyzuliaq51w13lrpo1_1280

tumblr_oiry1lwtce1w13lrpo1_1280

tumblr_oirwfjehpq1w13lrpo1_1280

lisa-m-ca-bird-photobooth-5

lisa-m-ca-bird-photobooth-4

lisa-m-ca-bird-photobooth-8

lisa-m-ca-bird-photobooth-3

redbelliedwoodpecker

lisa-m-ca-bird-photobooth-10

Todas as fotos © Lisa M. Ca

Deficiente visual coloca GoPro em seu cĂŁo-guia para ilustrar os abusos do cotidiano

A imagem pode conter: 2 pessoas

A falta de empatia é um agudo sinal dos nossos tempos, e pode ser facilmente percebida mesmo em casos em que oferecer um mínimo de atenção e auxílio ao outro deveria ser o mínimo.

Amit Patel é deficiente visual em Londres, e decidiu colocar uma cùmera em sua cadela-guia para ilustrar parcialmente a quantidade de abusos, descriminaçÔes ou simplesmente desprezo que recebe das pessoas ao seu redor.

 amit1

Amit era um mĂ©dico na capital inglesa, e perdeu sua visĂŁo em 2012. Desde entĂŁo ele conta com o trabalho de Kika, sua cadela-guia para poder se locomover pela cidade. Foi a enorme quantidade de incidentes envolvendo principalmente o cĂŁo que o levou a incluir a cĂąmera. “Pessoas me empurram, acertam Kika com guarda-chuvas, sacolas”, ele disse.

Ainda que, segundo Amit, 99% do tempo ele consiga se locomover sem incidentes, o 1% que resta, pleno de “pessoas arrogantes rudes”, Ă© o suficiente para abalar Kika e atrapalhar a vida de Amit sem qualquer motivo especial – a nĂŁo ser o egoĂ­smo e a falta de empatia.

amit5

“As pessoas distraem Kika, ficam no caminho, fazem gracinhas ou esbarram nela”, ele diz. “Alguns pais nĂŁo se dĂŁo ao trabalho de impedir os filhos de gritarem com Kika ou a impedirem de me ajudar, entĂŁo sou eu quem tem que explicar que ela estĂĄ trabalhando, e pedir que as crianças esperem ao menos atĂ© eu conseguir entrar no vagĂŁo”, explica Amit.

 amit2

Ainda assim, Amit faz questão de sair de casa diariamente com um sorriso no rosto – e contando com sua audição, com Kika e com as pessoas que amigavelmente se oferecem para ajuda-lo, ou que simplesmente falam para ele que estão ali, ao seu lado, caso ele precise de algo.

amit3

São essas pessoas e Kika – assim como a equipe do metrî de Londres – que o ajudar a combater um aspecto inesperado e profundo de se perder a visão: a solidão. Quando Amit chega em casa, sua esposa edita os vídeos e os disponibiliza na conta de Kika no Twitter.

© fotos: reprodução

Conheça a cidade francesa que fica literalmente Ă  beira do abismo

A imagem pode conter: montanha, atividades ao ar livre e natureza

A cidade de Bozouls, no sul da França, estå debruçada sobre um canyon em formato de ferradura de 400 metros de diùmetro e 100 metros de profundidade, escavado com o passar dos anos graças a ação erosiva da ågua corrente do rio Dourdou. Empoleirada na borda da curva, Bozouls conta assim com uma fortaleza natural de proteção.

O cenårio também é resultado da sucessão de eras de gelo que ocorreram hå milhÔes de anos, que fez com que geleiras avançassem e recuassem, criando rios e a paisagem de hoje.  Veja só que impressionante:

trou-1

trou-2

trou-3

trou-4

trou-5

Fotos: syl.lemouzy/Flickr