O autoensaio desse casal brasileiro na sua lua de mel é pura inspiração

A imagem pode conter: 3 pessoas, casamento e atividades ao ar livre

Roberto e Soraia, do projeto fotográfico Los Padrinos, namoraram 11 anos e se casaram no dia 23 de julho de 2016 em Teresópolis. O destino de sua lua de mel foi o Chile, mais especificamente para um lugar chamado Huilo Huilo, uma reserva biológica localizada na selva Patagônia. Na mala, além das roupas que usariam durante aqueles dias, também decidiram levar as peças que usaram no dia do casório.

Como qualquer casal recém-casado, eles curtiram o lugar e se divertiram aproveitando o spa, conhecendo cachoeiras e trilhas. No penúltimo dia da viagem tiraram o vestido e o terno da mala e, com a ajuda de um tripé, começaram a fazer fotos para relembrar e eternizar a data em que disseram sim um para o outro.

Vestir de novo aquelas roupas, mesmo tão pouco tempo depois, amplificou tudo. A saudade de estar de volta em Teresópolis, comemorando com nossa família e amigos nosso dia tão inesquecível. A felicidade de sentir tanta gente feliz por nós, feliz conosco. O amor acumulado em 11 anos, transbordando e arrumando espaço para mais”, contou Roberto.

Depois de muito trabalho, fuga de cachorros e muitos ajustes para a posição ideal do tripé, o resultado foi uma série de imagens delicadas e apaixonantes.

Confira:

LosPadrinos1

LosPadrinos2

LosPadrinos3

LosPadrinos4

LosPadrinos5

LosPadrinos6

LosPadrinos7

LosPadrinos8

LosPadrinos9

LosPadrinos10

LosPadrinos11

LosPadrinos12

LosPadrinos13

LosPadrinos14

LosPadrinos15

LosPadrinos16

LosPadrinos17

LosPadrinos18

LosPadrinos19

LosPadrinos20

LosPadrinos21

LosPadrinos22

Confira mais imagens aqui.

Todas as fotos © Roberto e Soraia / Los Padrinos

Anúncios

Conheça o lago mais profundo e mais antigo do mundo

A imagem pode conter: oceano, céu, nuvem, água, atividades ao ar livre e natureza

O lago nome do lago mais limpo e profundo do mundo é Baikal, e ele fica no sul da Sibéria, na Russia. Tem nada menos que 600 km de comprimento e uma espessura de gelo na superfícies que varia entre 1,5 e 2 metros. Dizem que pode tolerar veículos de 15 toneladas, o que não significa que aconselhamos você a percorrê-lo com um carro, já que existem registros de acidentes.

Mas o gelo não é apenas forte. É de uma beleza que faz cair o queixo, já que forma cenários diferentes por conta da água, que congela em camadas. O gelo do Baikal é também o mais transparente no mundo. É possível enxergar absolutamente tudo, da superfície até o fundo: peixes, pedras verdes, plantas… E as bolhas se que formam nele e o tornam ainda mais magnífico são resultado do gás metano que as algas produzem.

Dá só uma olhada. Com um cenário assim, a gente nem lembra de sentir frio!

Lago 2

Lago 5

Lago 4

Lago 3

Lago 6

Lago 7

Todas as fotos © Kristina Makeeva

ONG e arquitetos se unem para construir minicasas em vila para pessoas em situação de rua

A imagem pode conter: casa, árvore e atividades ao ar livre

Casas não vão resolver o problema dos sem-teto, o senso de comunidade vai”, diz Alan Graham, criador da ONG Mobile Loaves & Fishes, responsável pela vila Community First. Trata-se de um espaço em Austin, no Texas, onde foram construídas 140 minicasas para abrigar pessoas em situação de rua.

A ideia foi trabalhada por Alan durante mais de uma década, desde que ele começou a distribuir comida para quem ele encontrava vivendo nas ruas de sua cidade. Em parceria com arquitetos, ele chegou ao projeto final, com pequenas moradias compostas basicamente por quartos, enquanto os moradores dividem ambientes como banheiros e cozinhas.

2014-08-30-tumblr_nayzbqMJe81qzqiq0o4_1280

As frentes das casas, que têm pequenas varandas, são voltadas umas às outras, para estimular os moradores a se conhecerem. O local conta com espaço para cachorros, centro médico, jardins, animais de fazenda e um cinema a céu aberto. São os próprios moradores que mantêm tudo funcionando.

13876625_10153786607857960_3664248339963119670_n

A construção do espaço custou cerca de 14 milhões de dólares, levantados junto a doadores. Cada morador precisa pagar aluguel, sendo que muitas vezes o dinheiro provém dos serviços prestados ali mesmo. A ONG Mobile Loaves & Fishes também ajuda os moradores a conseguir empregos e Alan espera que, com isso, eles possam se reerguer e dar lugar a outras pessoas precisando de um lar.

1958293_10153529766117960_7086382363167439481_n

12049148_10153177155452960_869018751904094401_n

940909_10153530098312960_6779422860257607785_n

Todas as fotos © Mobile Loaves & Fishes

Baleia com comportamento estranho tinha 30 sacos plásticos no estômago

Uma baleia passou a rondar a cidade de Bergen, na Noruega neste mês de janeiro. Várias tentativas foram feitas de guiar o animal de volta para águas profundas, mas a baleia voltava e engalhou três vezes. Aparentando exaustão e problemas de saúde, especialistas em vida marinha da região optaram por sacrificá-la. A baleia-bicuda-de-cuvier tinha seis metros de comprimento.

O animal foi examinado depois da morte para determinar o que havia de errado com ele. “O estômago estava cheio de plástico. Foram encontrados cerca de 30 sacos de plástico, grandes pedaços de plástico e muitas peças pequenas de plástico. Isso não é bom, é incrivelmente triste”, diz o zoólogo e professor Terje Lislevand, da Universidade de Bergen.

O pesquisador acredita que todo o material encontrado no sistema digestivo da baleia esteja por trás do comportamento estranho do animal. Tudo indica que ela estivesse sentindo muita dor.

“Esta baleia não foi feliz. O plástico formou uma grande bola em seu estômago e o encheu completamente. Pode ser que o plástico tenha entupido o sistema”, afirmou ele para o jornal Bergens Tidende.

Outro fator estranho sobre a baleia é que ela foi o primeiro exemplar a ser registrado na Noruega. “Esse tipo de baleia está presente em todo o mundo, mas com a gente é uma raridade. Eu certamente já ouvi rumores de um outro exemplar nas águas norueguesas, mas esta é provavelmente a primeira baleia-bicuda-de-cuvier e primeiro encalhado neste país”.

Ele explica que ela provavelmente comeu os plásticos acreditando que fossem lulas. “Plástico não é apenas um problema para a baleia, mas também para aves e tartarugas”, aponta.

 

Os ossos da baleia e os plásticos serão colocados em exposição no Museu de História Natural do país, provavelmente no verão de 2019, segundo o professor. [Bergens Tidende]