A incrível casa que já foi de Lenny Kravitz e que de fora parece uma coisa muito diferente do que é por dentro

A regra que vale para livros e pessoas, pelo visto também vale para casas – ou, ao menos, nesse caso. Se não se pode julgar um livro por sua capa, e quem vê cara não vê coração, não é também possível supor o que vai se encontrar dentro de uma casa por sua fachada.

De fora, essa pequena casa marcada pelo tempo e pelo clima esconde longe dos olhos aquilo que o coração só sentirá depois que adentrar essa impressionante construção em Nova Orleans, nos EUA, que já pertenceu ao guitarrista americano Lenny Kravitz.

Lenny2

Quem poderia dizer que essa casa que, por fora, mais parece em vias de ser demolida, está avaliada em 1,6 milhões de dólares?

Lenny17

Foi Lenny quem transformou essa casa com aparência de abandonada em uma verdadeira mansão de luxo – e decidiu manter a fachada com o devido charme e também o devido disfarce. Construída no século XIX, a casa se transformou em uma espécie de loft, amplo e aberto, com escadas espirais e banheiros em mármore – e tudo mais que se espera de uma casa de luxo.

Lenny15

Lenny16

Lenny14

Lenny13

Lenny12

Lenny Kravitz sabe o que fez: ele possui uma empresa de design e decoração, para onde já criou diversas peças. Além de tocar muito, o músico tem um baita bom gosto – e não é bobo, no que diz respeito a manter o luxo de sua casa da porta para dentro.

Lenny11

Lenny10

Lenny9

Lenny8

Lenny7

Lenny6

Lenny5

Lenny4

Lenny3

Lenny1

© fotos: divulgação

Anúncios

Se você acha que tatuagem dói, precisa conhecer a arte na pele dessas tribos africanas

A técnica da escarificação, marcas feitas na pele através da navalha, são parte da cultura de algumas tribos africanas como Bodi, Mursi e Surma, que vivem na Etiópia, além de Karamojong, no Uganda, e Nuer, no Sudão do Sul. Testas marcadas, por exemplo, são consideradas uma parte fundamental no processo de transição de menino para homem, enquanto algumas cicatrizes representam um sinal de pertença a determinadas tribos.

Essas marcas impressionantes de cicatriz formam agora a incrível série de fotografias do fotógrafo francês Eric Lafforgue, que viajou pelo continente africano observando as cerimônias de corte e conhecendo os locais. Durante uma visita à tribo Surma, que vive no remoto Vale do Omo, ele assistiu a uma cerimônia de escarificação, que envolveu a criação de símbolos, onde foram usados apenas espinhos e uma navalha.

Em reportagem ao Daily Mail, Lafforgue disse que uma garota de 12 anos não mostrou nenhum sinal de dor durante os 10 minutos de escarificação, permanecendo em silêncio. Após o término, a menina confessou que estava à beira de um colapso, mas que as marcas são um sinal de beleza dentro da tribo, embora mulheres não sejam obrigadas a participar.

A prática tem se tornado arriscada, pois ao utilizar a mesma navalha em diversos membros da tribo, surge um problema: a hepatite. Além disso, a AIDS também faz parte dos riscos a que essas tribos estão expostas.

Porém, Lafforge explicou que a arte tribal está desaparecendo aos poucos. “Em parte, por causa de uma melhor educação e aumento do número de pessoas que se voltaram para o cristianismo, mas também porque é um sinal muito visível de pertencimento tribal em uma área que tem sofrido muitas disputas”, explicou ele ao tabloide.

africa16

africa15

africa14

africa13

africa12

africa11

africa10

africa9

africa8

africa7

africa6

africa5

africa4

africa3

africa2

africa1

todas as fotos © Eric Lafforgue

10 lugares fascinantes que você nunca terá permissão para visitar

Quem ama viajar está sempre em busca de lugares diferentes ao redor do mundo para conhecer e explorar. Infelizmente, vários locais interessantíssimos jamais farão parte dos roteiros turísticos, já que a maioria dos mortais não pode visitá-los. Separamos 10 deles e na lista há ilhas com tribos selvagens e cobras mortíferas e estabelecimentos repletos de mistério e teorias da conspiração. Veja abaixo:

Área 51
Onde: Nevada, EUA

01-area51

A área 51 é indiscutivelmente um dos lugares mais secretos do mundo. Também conhecido como Groom Lake, o propósito da base da Força Aérea dos Estados Unidos permanece desconhecido para o público, o que gera grandes especulações e teorias da conspiração. É comum pensar que tecnologias de aeronaves e armas de alto sigilo são desenvolvidas e testadas na Área 51 desde que a instalação foi criada pela Agência Central de Inteligência (CIA) em 1955. Muitos também acreditam que a área 51 abriga OVNIs e que extraterrestres sejam mantidos em cativeiro lá. Embora a Área 51 nunca tenha sido declarada uma base secreta, somente em 2005 o governo dos EUA reconheceu publicamente sua existência. O acesso à área ao redor de Groom Lake, controlada por sensores de vigilância e de movimento, é proibida para civis e o espaço aéreo acima é uma zona de exclusão para aeronaves comerciais.

Clube 33
Onde: Anaheim, Califórnia, EUA

02-clube33

Eis uma parte da Disney a que pouquíssimas pessoas têm acesso: o Clube 33. Inaugurado em 1967 no número 33 da Royal Street na New Orleans Square (dentro do parque temático na Califórnia), o lugar foi concebido para receber executivos, investidores e celebridades. A lista de espera para a adesão é de vários anos e depois de uma taxa de iniciação (segundo rumores: entre 25 mil e 100 mil dólares), os membros pagam uma taxa anual de 12 mil dólares. Em troca, os membros têm acesso a dois refeitórios, cartões VIP, estacionamento com manobrista, salão de jazz e o Salão 1901 na Disney Califórnia Adventure, o único local que serve álcool na Disney.

As Cavernas de Lascaux
Onde: Lascaux, França

03-lascaux-caves

A caverna mundialmente famosa de Lascaux é encontrada em todos os livros de história graças a suas pinturas de seres humanos e animais feitas a mais de 17 mil anos de idade. Entre as mais de 600 obras de arte visíveis que adornam o complexo de cavernas no sudoeste da França, estão imagens como, cavalos, cervos e plantas correspondentes a registros fósseis do Paleolítico Superior. Apesar de ter sido nomeada Patrimônio Mundial da UNESCO em 1979, as grutas não são acessíveis desde 1963. A abertura ao público após a Segunda Guerra Mundial (1963), a presença de visitantes e afluxo de luz criou uma série de problemas como o crescimento de líquenes e fungos, que forçaram o fechamento permanente para preservar o local.

Ilha Sentinela do Norte
Onde: Ilhas Andamão, Índia

04-ilha-sentinela

As pessoas de que vivem na Ilha Sentinela do Norte, no Oceano Índico, não querem saber do mundo moderno. Tanto, que se por acaso alguém decidir conhecer o local desavisadamente, os nativos podem até mesmo tentar matá-lo. Quase nada se sabe sobre essa tribo indígena que habita a ilha há mais de 60 mil anos. Os ‘sentineleses’ são completamente cortados da civilização moderna por sua própria escolha. Depois de falhar na tentativa de estabelecer uma ligação com os moradores (mesmo depois que os resgatadores do tsunami de 2004 foram confrontados com hostilidade), o governo indiano parou novas tentativas e proibiu que as pessoas se aproximem em uma área de três milhas da ilha (quase 4 km). Em 2006, dois pescadores foram mortos quando quebraram as regras e visitaram a ilha.

Poveglia
Onde: Veneto, Itália

05-poveglia

A pequena ilha de Poveglia perto de Veneza é descrita pelos moradores locais como o lugar mais assombrado na Terra. Além de servir como um cemitério para vítimas da peste e pessoas com doenças infecciosas, a ilha também possui um hospital psiquiátrico onde, segundo boatos, um médico teria realizado experiências com pacientes antes de se suicidar. Pouqíssimas pessoas colocaram os pés na ilha desde os anos 60 e os locais apenas aceitam visitantes por um preço muito elevado. No entanto, isso pode mudar em breve. Poveglia, também apelidada de ‘Shutter Island’, foi colocada a leilão em 2014 e há vários planos para a reconstrução do terreno. Estima-se que a restauração dos edifícios abandonados, incluindo a igreja, o hospital, o asilo, a torre do sino e as moradias, custe pelo menos 20 milhões de dólares.

Túmulo de Qin Shi Huang
Onde: Xian, China

06-tumulo

Enterrado sob uma colina de 76 metros de altura, o túmulo do primeiro imperador chinês Qin Shi Huang, que morreu em 210 aC, permanece um mistério. A descoberta em 1974 do exército de guerreiros terracota em tamanho natural é um dos maiores achados arqueológicos de todos os tempos e levou a mais de quatro décadas de escavações. Estima-se que entre 6 e 8 mil guerreiros que guardam o túmulo do imperador permaneceram intocados por mais de dois milênios. É pouco provável que a área do túmulo seja aberta a curto prazo, nem para os cientistas nem para os turistas. Das armadilhas mencionadas na literatura antiga ao difícil acesso ao palácio subterrâneo, parece que nenhuma tecnologia em todo o mundo está pronta para realizar a escavação com segurança.

Ilha da Queimada Grande (Ilha das Cobras)
Onde: São Paulo, Brasil

07-ilha-queimada

O que poderia ser uma linda ilha tropical é realmente um dos lugares mais mortíferos na Terra. A Ilha da Queimada Grande, também apelidada de Ilha das Cobras, é o lar de milhares de cobras altamente venenosas. A ilha está localizada a cerca de 35 km da costa e o acesso é estritamente controlado pelo governo brasileiro. Estimativas afirmam que há uma cobra por cada três metros quadrados em alguns pontos. Visitas anuais da marinha para cuidar do farol são sempre realizadas com um médico presente já que as picadas podem causar hemorragia interna, insuficiência renal e morte.

Silo Global de Sementes de Svalbard
Onde: Spitsbergen, Noruega

08-silo

Legalmente, não é muito provável que você chegue à pequena ilha norueguesa de Spitsbergen, localizada a cerca de 1000 km de distância do Pólo Norte. Mas mesmo que você consiga chegar lá, o Silo Global de Sementes de Svalbard definitivamente estará fora dos limites. Ao fundo de uma montanha em uma construção à prova de terremotos, o local é onde estão armazenadas algumas das mais valorizadas culturas do mundo. Desde 2008, quase todos os países do mundo confiaram a abóbada espécimes de sementes que totalizam mais de 865 mil amostras diferentes, das quais 150 mil são apenas de arroz. A instalação em Spitsbergen serve de apoio aos mais de 1.700 bancos de genes em todo o mundo para o caso de desastres naturais ou provocados pelo homem. Como a sementeira da Noruega funciona como um backup, não é concedido acesso a pesquisadores, cientistas ou produtores.

Arquivos Secretos do Vaticano
Onde: Roma, Itália

09-vaticano

Uma visita aos arquivos secretos do Vaticano seguramente encabeça a lista de lugares que qualquer aficionado por história adoraria fazer. Mas se você é apenas um turista, jornalista, estudante, ou mesmo um historiador amador, você está sem sorte. Somente estudiosos cuidadosamente credenciados podem colocar as mãos em originais de documentos como o Tratado de Tordesilhas que dividiu o Novo Mundo entre Espanha e Portugal ou a petição de 1530 que pediu a anulação do casamento do rei Henrique VIII com Catarina de Aragão. Os arquivos, que contêm documentos que datam do século VIII, foram fundados em 1612 e completamente fechados a estranhos até 1881. Hoje, os estudiosos podem solicitar até três pastas por dia de tudo o que há nas prateleiras que ocupam um espaço de mais de 80 km.

White’s
Onde: Londres, Reino Unido

010-whites

Os clubes de cavalheiros pertencem à instituição da cultura britânica há séculos e nenhum é mais antigo ou mais exclusivo do que o ‘White’s’ em Londres. Estabelecido em 1693, permanece um estabelecimento somente para cavalheiros, embora exceções notáveis tenham sido feitas para a rainha Elizabeth II em duas ocasiões. A adesão é restrita a 500 pessoas (todos homens) e a lista de espera é de vários anos.

* Todas as fotos: Reprodução

A incrível história do médico que salvou a própria vida realizando uma cirurgia em si mesmo

Por mais saudável, bem informado e dedicado à saúde que uma pessoa seja, a verdade é que todo mundo, em algum momento, precisará de um médico – inclusive os próprios médicos. Pois o que fazer quando se está em um dos pontos mais isolados da terra, e quem precisa de uma intervenção cirúrgica urgente é justamente o único médico da expedição? A história do médico soviético Leonid Rogozov é a resposta para essa paradoxal e surreal situação.

Leonid2

De setembro de 1960 a outubro de 1962, Leonid foi o único médico de um time de treze pesquisadores a servirem na base soviética de Novolazarevskaya, na Antártica. Nas primeiras horas do dia 29 de abril de 1961, o paradoxo se deu, e quem desperteu sentindo-se nauseado, fraco e febril foi Leonid.

Leonid7

à direita, Leonid na Antártica

Horas depois, uma forte dor em seu abdômen indicou que o médico estava tendo uma crise de apendicite. Nenhum medicamento funcionou, e sua condição piorou intensamente ao longo do dia. Intensas nevascas, aliadas ao fato de que nenhuma outra base de nenhum outro país possuía um avião na região – e a base soviética mais próxima estava localizada a 1.600 quilômetros de distância – não deixaram nenhuma outra opção: ele mesmo realizaria a operação em si. Leonid tinha 27 anos.

Leonid4

E assim a cirurgia se deu. Leonid contou com a ajuda de um meteorologista e um motorista para lhe para lhe passar os instrumentos e segurar um espelho – a fim de que pudesse enxergar as partes parcialmente cobertas – e, se valendo de uma anestesia local, ele extraiu seu próprio apêndice – que, segundo o próprio, estouraria em questão de horas.

Leonid1

A cirurgia correu bem, com somente dois incidentes: Leonid feriu sem querer uma parte de seu intestino grosso, que precisou ser suturada e, cerca de 40 minutos após o início do procedimento, precisou parar e descansar um pouco, por estar em vias de desmaiar. Quatro horas depois, o corte de 12 centímetros em seu abdômen estava fechado, e seu apêndice, devidamente extraído. Passada uma semana da cirurgia, os pontos foram tirados e Leonid voltou normalmente ao trabalho.

Leonid6

O médico soviético voltaria a Leningrado no final de 1962, onde trabalhou como cirurgião em um hospital até vir a falecer, em 2000, aos 66 anos. Seu legado, no entanto, permanece, não só por sua história ter mudado a política de exames prévios e de equipe desse tipo de expedição, como também do destemor e da técnica que sua autocirurgia exigiu.

Leonid3

© fotos: divulgação