Quadrigêmeos se candidatam em conjunto contando sua história e são aceitos em Harvard e outras universidades

Os quadrigêmeos Aaron, Nick, Nigel e Zachary Wade, de Ohio, nos Estados Unidos, acabam de descobrir que foram aceitos nas melhores universidades norte-americanas, como Harvard e Yale.

Os irmãos, que têm 18 anos, contam que ainda não acreditam no resultado. “Nós ainda estamos em estado de choque, honestamente”, disse Aaron. “Eu simplesmente me sinto abençoado”, contou Nigel.

The Wade Brothersq

Eles contaram também que o apoio da família e dos professores foi essencial para que obtivessem um resultado positivo nesse processo. “É algo que nós não teríamos conseguido sem o apoio que tivemos ao longo da vida”, explicou Nick.

149159780458e7f9ecccd4f_1491597804_16x9_md

Os irmãos ainda não decidiram quais cursos irão escolher. Porém, já têm suas preferências em relação às universidades. Enquanto Aaron prefere Stanford, os outros três tendem a ir para Yale. Imagina a felicidade destes pais?!

Todas as imagens © AP/Arquivo Pessoal fonte

Anúncios

Pássaro de 100 milhões de anos preso em âmbar é o melhor já encontrado

Já há algumas décadas paleontólogos têm encontrado insetos inteiros e pedaços de aves e dinossauros preservadas em âmbar, uma espécie de resina produzida por vegetais capaz de manter partes de seres vivos intactas por milhões de anos. E o maior pássaro já encontrado acaba de ser revelado.

O achado aconteceu em Mianmar, país do sul asiático. O pesquisador canadense Ryan McKellar diz que este espécime, com praticamente todo o lado direito do corpo preservado, é o mais completo entre os pássaros já encontrados em âmbar. Ele pertence a um grupo conhecido como Enantiornithes, ou “pássaros opostos”, um tipo primitivo de ave, anterior aos pássaros como conhecemos.

No pedaço de âmbar estão cabeça, pescoço, asa, rabo e pé do animal, batizado de Belone, que, estimam os especialistas, viveu por poucos dias. Acredita-se que membros da espécie já nasciam com penas nas asas que os ajudavam a voar, e foi justamente assim que o filhote foi encontrado, embora com poucas penas no corpo.

Além disso, ele possui dentes em vez da estrutura que conhecemos como bico e garras nas patas. Os cientistas acreditam que os pássaros opostos tenham se desenvolvido durante o período Cretáceo, ao mesmo tempo em que os ancestrais dos pássaros modernos, mas, por algum motivo, eles foram extintos junto dos dinossauros.

Todas as fotos © Gondwana Research

Fonte[NewScientist  via ]

 

Essas invenções mudaram o mundo e foram todas criadas por mulheres

https://i1.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2017/04/EDIT_Boone.jpg

Até pouco tempo atrás era comum pensar o mundo das grandes invenções, da superação e das conquistas humanas como um mundo masculino. Naturalmente que o próprio machismo atávico, sempre presente pautando não só os espaços de trabalho e estudo (e, consequentemente, das criações e desenvolvimentos humanos) criou historicamente um sem fim de barreiras para que fosse permitido que mulheres disputassem e se destacassem em tais contextos, como que as conquistas femininas fossem sequer reconhecidas – vale lembrar que até meados do século XIX na maior parte do mundo não era sequer permitido que mulheres patenteassem invenções.

Pois, apesar do funcionamento desigual das estruturas sociais e profissionais do mundo, diversas mulheres conseguiram superar tais barreiras e alterar de forma determinante o curso da civilização com suas invenções. Não é por acaso, contudo, que poucas sejam reconhecidas, mas isso não altera a importâncias de suas criações e a substancial contribuição que grande inventoras mulheres, mesmo sob a dura égide do machismo, para o desenvolvimento direto de nossas tecnologias, hábitos e de nossa vida como um todo.

Assim, separamos aqui 10 grandes inventoras de uma lista muito maior de mulheres que expandiram o mundo com suas invenções.

1. Ada Lovelace – Primeiro programa de computador (1843)

ADA LOVELACE 2

Única filha legitima do poeta inglês Lord Byron, a escritora e matemática Ada Lovelace (1815-1852) foi a primeira pessoa a reconhecer, em 1843, que as máquinas e computadores poderiam exercer funções mais amplas do que simplesmente cálculos matemáticos. Com isso, Lovelace desenvolveu o primeiro algoritmo pensado para ser executado por uma máquina, tornando-se a primeira programadora de computação da história – além da primeira pessoa a reconhecer um potencial amplo em tais máquinas, antevendo em mais de um século a revolução que vivemos hoje.

2. Maria Beasley – Bote salva-vidas (1882)

EDIT_Maria-Beasley-life-raft-inventor

Em meados do século XIX, um bote salva-vidas não era muito mais do que uma placa de madeira com remos para se escapar de um navio afundando. Foi Maria Beasley, uma inventora e empreendedora americana quem inventou o bote salva-vidas moderno, compacto, à prova de fogo, de fácil e eficiente uso, com placas de metal capazes de boiar e navegar por longas distâncias de forma realmente segura. A eficácia de sua invenção foi comprovada de forma extrema quando do desastre do Titanic, no qual seu bote evitou centenas de mortes.

3. Josephine Cochrane – Lava-louças (1886)

EDIT_Josephine

De um mero desejo de não precisar mais lavar suas louças chinesas (e nem quebra-las durante o processo manual de lavagem depois do uso), a americana Josephine Cochrane acabou por participar do início de um processo fundamental em nossas modernização: a substituição do esforço humano por máquinas em tarefas gerais.

Josephine inventou uma máquina que utilizava jatos de água quente e sabão no lugar do esfregar de mãos contra a louça. Para efetuar um processo realmente seguro, ela incluiu a estrutura onde se encaixam as louças (até hoje utilizada), e patenteou sua máquina de lavar louças em 1886, com uma adição revolucionária: um motor. Dessa forma, não era preciso do esforço humano nem mesmo para girar manivelas. O futuro começava a chegar, portanto, dentro de nossas vidas e casas.

4. Anna Connelly – Saída de incêndio (1887)

EDIT_Anna Connelly

Parece simples, mas a invenção da saída de incêndio em edifícios mudou a maneira com que o mundo podia lidar com tais tragédias. A invenção de Anna Connelly não era exatamente uma escada, como até hoje se usa, mas sim uma ponte retrátil de metal, que ligava um prédio ao edifício vizinho. Com isso, se antes, diante de um incêndio, a única possibilidade de fuga era para o alto do edifício (dificultando tremendamente a fuga), com sua “ponte” as pessoas podiam ir até o prédio ao lado, e sair de forma segura (a distância necessária entre os prédios para a aplicação das pontes também ajudavam no combate para que o fogo não se alastrasse).

Sem a ponte de Connelly, não haveria escadas modernas – e muito mais vidas teriam sido perdidas em tragédias.

5. Sarah Boone – Tábua de passar (1892)

EDIT_Boone

A invenção de utensílios domésticos, em uma época em que somente as mulheres cuidavam das tarefas da casa e do dia-a-dia, ao oferecerem mais autonomia, tempo livre e menos trabalho braçal, ajudaram em muito à libertação feminina. Assim, como na invenção da máquina de lavar-louças, a tábua de passar – criada pela afro-americana Sarah Boonne em 1892 – não só trouxe uma qualidade muito maior no resultado das roupas passadas, como facilitou a vida das mulheres que, dinate das desiguais circunstâncias, tinham de se dedicar a tais tarefas – abrindo espaço, dentro de casa, para uma maior autonomia feminina.

6. Florence Parpart – Geladeira elétrica (1914)

EDIT_Florence-Parpart

Imagine a vida moderna sem a geladeira – e, logo, sem sua bebida favorita sempre gelada, e sem a transformadora capacidade de armazenar alimentos por muito mais tempo (diminuindo o desperdício de comidas radicalmente, além de melhorar intensamente a própria higiene de nossas cozinhas e hábitos alimentares).

Pois foi em 1914 que Florence Parpart apresentou ao mundo a primeira geladeira elétrica, tornando instantaneamente obsoletas as caixas de gelo de então. Florence foi também uma grande empreendedora, capaz de popularizar seu invento por todo o mundo – e o mundo até hoje agradece.

7. Hedy Lamarr – Wi-Fi e tecnologias celulares (1942)

EDIT_Lamarr_Tortillaflatb_promo

A austríaca Hedy Lamarr já era uma reconhecida atriz de Hollywood quando, no início da Segunda Guerra Mundial, inventou um sistema de comunicação, por ondas de rádio, capaz de alterar a rota e despistar os torpedos inimigos. A patente foi alcançada em 1942, mas pouco utilizada na guerra, por seu alto custo e pela dificuldade de desenvolvimento.

Décadas depois, porém, a invenção de Lamarr (levantada junto com o compositor George Antheli) tornou-se base direta para o desenvolvimento da telefonia celular, e das tecnologias de transmissão de dados Wi-Fi e Bluetooth. Em 2014, por sua vasta contribuição, Lamarr foi incluída no Hall da Fama dos Inventores, nos EUA.

8. Virginia Apgar – Teste de Apgar (1953)

EDIT_Virginia_Apgar

A obstetra e anestesista americana Virginia Apgar já era uma liderança pioneira em suas áreas quando, em 1953, desenvolveu o primeiro teste para determinar a saúde do bebê recém-nascido. O teste (ou Escala de Apgar) é aplicado nos primeiros minutos de vida, levantando a avaliação de 5 sinais objetivos do bebê, no primeiro e no quinto minuto de vida (e seu sobrenome tornou-se uma espécie de sigla e acróstico para o apontamento desse sinais): Aparência, Pulso, Gesticulação, Atividade, Respiração.

Através dessas avalições dentro da escala, é possível determinar com especial eficiência a saúde dos primeiros momentos de vida do neném – possibilitando, assim, o que boa parte das invenções aqui listadas permite: salvar vidas.

9. Escorredor de arroz – Therezinha Beatriz Alves de Andrade (1959)

EDIT_Thereza

O invento da brasileira Therezinha Beatriz Alves de Andrade não só entra na categorias das invenções que ajudaram a emancipação feminina, como provoca um forte impacto no desperdício de comida – pauta cada vez mais fundamental no mundo de hoje.

Ela inventou nada menos que o escorredor de arroz, com uma bacia acoplada a uma peneira em um só objeto. Assim, não só a tarefa doméstica de lavar e preparar o arroz para ser cozido tornava-se mais ágil, como uma boa quantidade de alimento deixava de ser desperdiçada diariamente nas pias de todo o mundo.

10. Stephanie Kwolek – Fibra Kevlar (1965)

EDIT_Kwolek

A química americana Stephanie Kwolek havia dedicava-se apaixonadamente à ciência quando incumbiu-se de uma tarefa que ninguém na época pareceu interessado: desenvolver uma fibra mais resistente do que as até então existentes, mas que fosse também mais leve. Seu propósito original era usa-la para reverter pneus.

Sua criação, a fibra Kevlar, é cinco vezes mais resistente que o aço, e consideravelmente mais leve do que outras fibras – e é hoje utilizada não só em coletes à prova de bala, como em aviões e turbinas.

© fotos: reprodução,fonte

Artista ilustra palavras árabes para mostrar o seu significado

A caligrafia árabe costuma chamar atenção pelas letras arredondadas e pela fluidez com a qual elas se unem para formar palavras. Não é à toa que muita gente escolhe esse tipo de escrita para fazer tatuagens, por exemplo. Entender o significado delas já é mais complicado, mas um artista resolveu ajudar.

O arquiteto e designer gráfico egípcio Mahmoud El Sayed diz ter a tipografia como paixão. Ele manipulou 40 palavras árabes para transformá-las em seus significados, moldando as curvas e pontos para se tornarem animais, objetos e alimentos.

Conheça o trabalho de Mahmoud:

Pato

mahmoud-el-sayed-arabic-words-19

Girafa

mahmoud-el-sayed-arabic-words-20

Cachorro

mahmoud-el-sayed-arabic-words-21

Coala

01-58a30c302255e-png-58a4584b31ada__605

Polvo

02-58a30c34ea9f2-png-58a45ab956e4f__605

Rinoceronte

03-58a30c3814d92-png-58a459ce99da0__605

Coelho

04-58a30c3be66f8-png-58a45941591e9__605

Café

11-58a30c5124fdc-png-58a4586b9d9e6__605

Bicicleta

12-58a30c5418f4a-png-58a458e7c4567__605

Rato

14-58a30c59cc2e4-png-58a4594eedd42__605

Cavalo

15-58a30c5ce1229-png-58a45aedbebb9__605

Leopardo

19-58a30c69ed34c-png-58a45b226f538__605

Melância

Illustrating-Arabic-words-into-their-meaning-58a31d3f117c0-png-58a458d87713c__605

Macaco

Illustrating-Arabic-words-into-their-meaning-58a31d6a3059d-png-58a458fa516b7__605

Gazela

Illustrating-Arabic-words-into-their-meaning-58a31d32bef56-png-58a45919329e9__605

Gato

mahmoud-el-sayed-arabic-words-1

Raposa

mahmoud-el-sayed-arabic-words-2

Baleia

mahmoud-el-sayed-arabic-words-3

Todas as imagens © Mahmoud El Sayed

Para ver mais do artista, entre em seu Instagram ou Behance fonte

Esta sorveteria reaproveita ingredientes que iriam para o lixo para criar novos sabores

Você comeria um sorvete feito com comida que iria para o lixo? Se a ideia parece inusitada, então você precisa conhecer esta sorveteria de Portland, nos Estados Unidos, que criou sabores de sorvete usando ingredientes que seriam descartados.

A Salt & Straw já trabalhava com fornecedores locais como uma forma de fortalecer a economia da região. Porém, seus proprietários Kim e Tyler Malek contaram em uma entrevista ao Fast Company que estavam desapontados por saber que cerca de 40% de toda a comida nos Estados Unidos vai parar no lixo. Foi assim que eles buscaram uma maneira criativa (e deliciosa!) de alertar sobre o problema: criando sabores de sorvete com restos de alimentos.

salt2

A mudança no cardápio não é algo novo na Salt & Straw. A sorveteria muda seus sabores a cada quatro semanas, sempre com cardápios temáticos. Um dos temas foram sabores fermentados (que incluíam mel fermentado e molho de peixe) e em junho deste ano, a temática será voltada para alimentos que seriam desperdiçados.

A estimativa é que a edição de sabores especiais vá fazer com que duas toneladas de comida deixem de ir para o lixo. Embora o impacto ainda seja pequeno diante de um problema tão grande, os proprietários da sorveteria estimam que o principal benefício será a conscientização gerada pelo projeto, que mostra que o desperdício pode – e deve – ser evitado.

salt3

Para aumentar o alcance, a sorveteria irá trabalhar em parceria com instituições que recolhem e redistribuem alimentos que seriam descartados. É também uma forma de chamar a atenção para o trabalho destas instituições e fazer com que os clientes da sorveteria passem a conhecer estas iniciativas e, quem sabe, a apoiá-las.

salt4

Todas as fotos: Reprodução Facebook fonte

5 lugares que você precisa visitar na Califórnia

Situada na costa oeste da América e lar de oito cidades populares dos Estados Unidos, a Califórnia é um Estado de geografia diversa, com inúmeros lugares incríveis para serem explorados. Conheça aqui cinco deles:

Yosemite National Park

Yosemite

Um dos parques mais visitados do país tem atrações impressionantes como o Glacier Point e as Cataratas de Yosemite.  O lugar é um prato cheio para atividades ao ar livre como escalada, passeios de bike e rafting. Para uma experiência única, faça o passeio de bike na lua cheia.

Lago Tahoe

Lake Tahoe

Situado entre as montanhas de Serra Nevada, na região do Lago Tahoe você pode fazer trilhas, praticar escalada ou relaxar observando o cenário de cima, num passeio de teleférico em Heavenly. 

Golden Gate Bridge

Golden Gate

A Golden Bridge conecta São Francisco aos condados do norte da Califórnia, e é um impressionante feito da engenharia. Possui torres de 227 metros e um estilo art deco que a torna um hotspot turístico único. Você pode não só ir até lá para fotografar, mas também percorrê-la de bicicleta, ou a pé.

La Jolla

La Jolla

A costa de La Jolla é longa e variada, e dispõe de inúmeros cartões postais. Você pode desfrutá-la a bordo de um caiaque, num stand up paddle  ou munido de snorkel e nadadeiras. A região também dispõe de vários campos de golfe e inúmeros cafés para sentar e ver a tarde passar.

Ilha de Catalina

catalina-island-1587271_1920

A Ilha de Catalina dispõe de inúmeras atividades em cenários de tirar o fôlego.  Dá para conferir os naufrágios ao redor da ilha num passeio de barco com fundo de vidro ou praticar mergulho em suas águas cristalinas. Para atividades indoor, visite o museu Ilha Catalina, que conta a história da região.

Fotos: Pixabay, Wiki Commons fonte

Essas fotos lembram como voar na década de 1950 era muito mais glamouroso

Hoje em dia, percorrer quilômetros nos ares em aviões tornou-se tão comum que é fácil esquecer o quão legal é voar.

Na década de 50, pelo contrário, tudo era novo e excitante. Naquela era, aeromoças serviam refeições em pratos de porcelana. Comia-se com talheres de prata, os passageiros podiam esticar as pernas em salões dentro das aeronaves e contavam com assentos que se convertiam em camas.

Veja aqui uma série de fotos reunida pelo site This Is Insider, que mostra como era voar há 60 anos:

Foto 2

Foto 3

Foto 4

Foto 5

Foto 6

Foto 7

Foto 8

Foto 9

Foto 10

Foto 11

Todas as fotos: Reprodução fonte