Sereio carioca dá um chega pra lá no preconceito e faz sucesso com vídeos bem-humorados

O youtuber carioca Davi Moreira, de 22 anos, passou a fazer sucesso após um vídeo que viralizou em março de 2016. Nas imagens ele aparece nadando em uma praia do Rio de Janeiro exibindo uma gigante cauda de sereia. Depois disso ele passou a ser chamado de “Davi Sereio” e não parou mais. Hoje é um verdadeiro porta-voz de um movimento que vem ganhando bastante força nos últimos tempos: o sereísmo.

Enquanto na mitologia grega, as sereias eram representadas por figuras exclusivamente femininas, Davi é a prova de que gênero não é um fator relevante para este estilo de vida nos dias de hoje. Antigamente as criaturas atraiam marinheiros com suas vozes e sedução, mas Davi define o sereísmo como uma forma de arte e de amar ao mar e à natureza. Portanto, ser sereio está liberado sim!

20170324190621e0Td67UnVF

Para o youtuber, o amor ao sereísmo vem de longa data, quando se encantou por Ariel de “A Pequena Sereia”. Tanto, que em seu canal no Youtube, fez uma divertida paródia à animação da Disney na companhia de amigos. Em sua versão, Davi é o protagonista que se apaixona por um ser humano, um banhista de uma praia carioca.

20170324190625hAcVkFNY7j

Ficou interessado em se tornar um sereio ou sereia e sair por aí com sua cauda colorida? Em seu canal, Davi ensina o passo a passo de como fazer uma em casa.

O chamado sereismo é um estilo que tem sido muito usado pelas adolescentes e também consiste em utilizar roupas e cabelos em cores delicadas como azul, rosa e verde, além de acessórios contendo tudo aquilo que remete ao mar.

20170324190631OLZGeYocxL

20170324190640hS5EZyxjRY

201703241906160wVojqn6NX

2017032419063632NBmgeb60

Todas as imagens: Acervo pessoal – Davi Sereio

Anúncios

Muito antes da câmera frontal, Vivian Maier usou a criatividade para criar esta incrível série de ‘selfies’

A fotógrafa Vivian Maier é uma daquelas personalidades intrigantes, cujo trabalho foi ignorado em vida. Por muito tempo ela trabalhou como babá, embora andasse sempre acompanhada de sua câmera Rolleiflex. Durante seus passeios, Vivian registrava a vida em Chicago, onde vivia, secretamente e aproveitava para tirar muitas selfies usando reflexos de vitrines, espelhos e até mesmo sua sombra.

O trabalho da artista só passou a ser conhecido em 2009, ano de sua morte, quando o agente imobiliário John Maloof encontrou os filmes de suas fotografias ainda não reveladas em um antiquário de Chicago. Ele buscava fotografias para ilustrar um livro sobre a história da cidade – e os registros de Vivian eram perfeitos para esta proposta.

selfie5

Suas fotografias logo foram exibidas mundialmente e conquistaram o público com seu talento quase inocente. Em 2013, a trajetória da fotógrafa se transformou em um documentário sobre sua vida, que ganhou o nome de Finding Vivian Maier – conhecido no Brasil como “A Fotografia Oculta de Vivian Maier“.

selfie2

selfie11

selfie10

selfie9

selfie8

selfie7

selfie6

selfie4

selfie3

Todas as fotos © Vivian Maier; Fonte:via

Ela transforma as refeições saudáveis e orgânicas de seu filho em personagens da Disney

Enquanto muitas crianças reclamam na hora de comer alimentos saudáveis, na casa do pequeno Jacob a hora da refeição é pura diversão. Tudo porque sua mãe, Laleh Mohmedi, de Melbourne, decidiu transformar o almoço em um momento para ser curtido junto com os personagens de desenhos animados preferidos de Jacob.

Se antes a brincadeira acontecia de vez em quando, hoje já se transformou em profissão. Laleh já trabalhou com diversos estúdios de animação fazendo o que gosta: transformar comida em arte. O mais legal é que todas as refeições são feitas com alimentos orgânicos, segundo ela conta nesta publicação feita através do site Bored Panda.

disney4

Suas criações podem ser acompanhadas também através do Instagram, onde já contam com mais de 80 mil seguidores. Espia só alguns dos trabalhos realizados por ela:

disney1

disney9

disney8

disney7

disney6

disney5

disney3

disney2

disney10

disney14

disney13

disney12

disney11

Confere só uma destas criações sendo elaborada no vídeo abaixo:

Todas as fotos © Jacob’s Food Diaries

As 10 praias mais perigosas e assustadoras do planeta

 

Com certeza você adora ir a uma praia no verão… É um lugar para relaxar, pois geralmente é tranquilo e calmo (na maior parte das vezes!). Você olha ao seu redor e curte a Mãe Natureza em todo seu esplendor, e de fato, é um dos principais destinos de férias em todo o mundo. Ir à praia serve sempre como momentos para esquecer os problemas que nos cercam, sentindo o granulado da areia sob os dedos dos pés…

 

E se estiver realmente quente, é só andar alguns metros e cair no mar para se refrescar. No entanto, há algumas praias espalhadas pelo mundo que não são tão simples e agradáveis como imaginamos. Na verdade, elas são consideradas as praias mais perigosas do mundo… e perigoso, nesse caso, não significa que elas tenham ondas maiores que o normal.

1. Kilauea – Havaí

O Havaí é um destino turístico popular por suas praias incríveis, ondas grandes e clima perfeito para se bronzear, porém, também tem seus perigos. Há vários vulcões ao redor do Havaí e o Kilauea continua sendo o mais ativo de todos. A areia da praia de Kilauea é negra em função da cinza vulcânica e, embora seja um lugar fantástico para se visitar, ainda há o risco do vulcão entrar em erupção. Especialmente sabendo que ele está ativo desde 1983, você deve pensar duas vezes antes de ir para este destino.

 

2. Praia Zipolite – México

O México é o lar de praia de Cancún, eleita uma das mais bonitas do mundo, mas é também o lar de uma das praias mais mortais. O próprio nome da praia já traduz seu perigo – “praia dos mortos” – o que é algo que já de cara faz você repensar o seu desejo de ir visitá-la. Mesmo assim, ela recebe anualmente muitos turistas. Oficialmente chamada Praia Zipolite, ela parece um paraíso e pode criar uma falsa sensação de segurança, porém um mergulho em seu mar azul exuberante poderia acabar por ser a última coisa que você faça. Suas ondas enormes dão origem a correntes perigosas, e, embora o número tenha diminuído, muitas pessoas morrem neste lugar, apesar da equipe de resgate que tem.

3. Ilha Fraser – Austrália

Infelizmente, a Ilha Fraser é um paraíso cuja entrada é proibida para todas as pessoas, porque as suas águas são o lar de diversas espécies de água-viva e tubarões perigosos. Além disso, algo que a torna ainda mais complicada é que a ilha é o lar de algumas das aranhas e crocodilos mais mortais do mundo. Vale a pena o risco e ir para este pedaço de paraíso? Pense nisso várias vezes antes de comprar o seu bilhete…

 

4. Gansbaai – Sudáfrica

A praia de Gansbaai tem tantos tubarões brancos em suas águas, que se tornou uma atração turística para os amantes da aventura. Atualmente, você pode até mesmo contratar alguns passeios onde você pode alimentar estes poderosos animais e tomar um banho com eles. Claro, você submergirá dentro de uma gaiola a prova de tubarões só para ter certeza de que você não vire sua comida.

5. Volusia County – Florida

Em 2013, a Florida ficou bastante tempo nas manchetes por ter tido o maior número de ataques de tubarão de sua história. Na época, houve mais avistamentos de tubarões na costa do condado de Volusia do que em toda a região sul-africana, que é notória como habitat destes animais. Embora a maioria dos ataques de tubarões na Flórida não tenham sido fatais, isso nos tira um pouco o desejo de nadar ali. No entanto, os tubarões não são a única ameaça, pois a Flórida também tem a maior taxa de mortes por raios em toda a América do Norte. Na verdade, você não fica seguro lá, nem na água, nem na areia…

 

6. Praia de Chowpatty – Índia

A praia de Chowpatty é, senão a mais famosa, uma das mais importantes em todo o país. No entanto, é também uma das mais poluídas do mundo. A cada ano, centenas de moradores de Mumbai comemoram o festival hindu de Ganesha Chaturthi na praia e é tradição que todos os ídolos de Lord Ganapati se lavem no mar. As águas e a praia são tão repugnantes que as chances de se pegar alguma coisa lá são muito altas…

7. Atol de Bikini – Ilhas Marshall

O Atol de Bikini tem um muita vida marinha, tornando-o um destino ideal para o mergulho. Ele também foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. No entanto, apesar de sua beleza, ele não é livre de perigos. Suas águas são infestadas de tubarões e, de 1946 a 1958, foi um campo de testes para armas nucleares. Cerca de 20 bombas nucleares foram lançadas sobre a ilha, infectando a área inteira com alta radiação. Há muito tempo o governo declarou a área como segura, mas você tem certeza que quer visitá-la?

 

8. Schitovaya Bukhta – Rússia

Schitovaya Bukhta é conhecida por ser um dos mais famosos destinos de surf em todo o mundo, mas, infelizmente, também há numerosas instalações militares localizadas ali. Devido a isso, os surfistas precisam solicitar uma autorização para cavalgar as ondas e, por outro lado, uma dessas bases é lar de antigos submarinos nucleares que têm vazamentos radioativos.

 

9. Ilha Heard – Antártida

As ilhas Heard e McDonald são um grupo de ilhas desabitadas que levam os nomes dos exploradores que as descobriram, ao desembarcarem nelas em 1855. A ilha Heard tem um vulcão que mede 2.745 metros de altura, o Mawson, e embora ele esteja há muito tempo ocioso, há alguns perigos. Não há atividades turísticas reconhecidas ali, mas aventureiros extremos se atrevem a surfar suas ondas. No entanto, embora a ilha pertença à Austrália, as temperaturas são extremamente frias e alguns sofrem de hipotermia.

 

10. Ilha Sentinela do Norte – Ilhas Andaman

Considerado o lugar mais difícil para se visitar, esta ilha é parte das ilhas Andaman e Nicobar, na Baía de Oceano Bengala, entre Myanmar e Indonésia. É o lar de uma tribo muito perigosa, os Sentineleses. Eles são tão hostis ao contato externo que a ilha recebeu o prêmio de ilha de mais difícil acesso no mundo. Acredita-se que os Sentineleses sejam descendentes diretos dos primeiros seres humanos que surgiram na África. Eles vivem na ilha há mais de 60.000 anos, e sua população exata é desconhecida, variando entre 40 e 500. Não importa se você chegar na ilha de propósito ou por acidente, os moradores cumprimentam todos da mesma forma, com lanças e flechas. Como se isso não bastasse, a ilha é cercada por grandes extensões de recifes de coral, tornando o acesso ainda mais difícil.

Fonte: Starstock / dailynewsdig