Arquiteto cria projeto para mostrar como é viver sustentavelmente fora das grandes cidades

O arquiteto Konrad Wójcik, baseado na Dinamarca, imaginou como seria viver de forma sustentável fora das  grandes cidades e desenhou uma casa inspirada nesse habitat natural, num projeto chamado de ‘Primeval Symbiosis’.

C3

O conceito de casa inspirado nas árvores ganhou vida quando Wójcik ainda era um estudante de arquitetura. Ela acomoda duas pessoas, é erguida sobre um único pilar e está coberta por painéis solares.

C4

A casa dispõe também de uma bomba de aquecimento, que extrai energia do sol  e de um biodigestor, que gerencia resíduos. O objetivo de  Wójcik com o Primeval Symbiosis foi criar uma residência que não causasse impacto algum ao meio ambiente.

Veja só:

C1

C7

C5

Todas as fotos: Reprodução fonte

Fotografias impressionantes capturam a magnífica fauna de África

Como fotógrafo de vida selvagem, o britânico Will Burrard-Lucas viajou para a África mais do que para qualquer outro continente. Em um maravilhoso projeto intitulado Backlit, ele registrou imagens incríveis de animais na Namíbia, África do Sul e Botsuana ao nascer e pôr do sol.

Ele flagrou os momentos em que a vida se move do dia para a noite e da noite para o dia de forma impressionante, encantadora e mágica.

Veja:

3F8F9E3D00000578-4441066-image-a-5_1493104660083

3F8F9E0200000578-4441066-Horsing_around_A_group_of_zebras_in_Serengeti_National_Park_in_T-a-15_1493195036926

3F9061C200000578-0-image-a-78_1493054313396

* Imagens: Will Burrard-Lucas fonte

Verão do amor: os 50 anos do auge da psicodelia e do movimento hippie

Se hoje referir-se a algo como sendo “psicodélico” pode parecer um tanto genérico e vazio (despido de qualquer sentido crítico ou subversivo, como somente um slogan publicitário e colorido), há exatos 50 anos o efeito era oposto, e a psicodelia surgia como o sopro de um vento renovador não só para o rock da década de 1960, como para a juventude e, nos mais ambiciosos sonhos da época, até mesmo para o mundo e seu futuro.

Psico6

Em meados de 1967 a ala conservadora da humanidade se pôs em escândalo diante das centenas de milhares de jovens que tomaram as ruas do ocidente em busca de liberdade e sonho, com flores no cabelo e ácido na cabeça, especialmente na cidade de São Francisco, na Califórnia, formando o que ficou conhecido como Verão do amor. Era o auge do que genericamente é hoje reconhecido como a cultura psicodélica, que completa enfim 50 anos.

Psico13
Os jovens nas ruas de São Francisco em meados de 1967

Forjado essencialmente a partir da popularização do uso de drogas alucinógenas de efeito psicológico como a mescalina, o cogumelo e principalmente o LSD ao longo da década de 1960, a psicodelia foi vivenciada como bem mais do que simplesmente uma colorida estética sonora ou gráfica. Para a juventude de então, a experiência psicodélica oferecia uma nova maneira de compreender o mundo e viver a vida.

 Psico21

Rejeitar o status quo, e encaminhar uma vida pelo amor livre, a comunhão com a natureza, o espírito comunitário, longe dos preceitos do capitalismo e da guerra, e devidamente decorada pelas imagens e sons das experiências psicodélicas – afirmadas na cultura geral como uma tentativa de reproduzir os efeitos que as drogas alucinógenas provocavam – era o espírito que moldava a ideologia por trás dos hippies que protagonizaram o tal verão de 1967.

 Psico1

É preciso um sem fim de elementos e acontecimentos que, aleatoriamente ou não, se combinam no tempo e no espaço para que um fenômeno social e cultural como a psicodelia e o movimento hippie (dois irmãos culturais siameses, inseparáveis) aconteça. Após o fim da segunda guerra mundial, a juventude de então, plena de razão, rejeitava o poder que, afinal, havia recentemente chegado perigosamente perto de acabar com o mundo.

Drop Acid Not BombsAnti-War Moratorium, San FranciscoNovember 16, 1969 sheet 468 frame 32

“Tome ácido, não jogue bombas” 

Em meados dos anos 1950, a geração Beat, movimento literário ocorrido nos EUA e liderado por nomes como Allen Ginsberg, William S. Burroughs, Jack Kerouac e Neal Cassady, passou a escrever sobre uma outra América que não aquela do velho e capitalista sonho americano. Do ponto de vista de uma verdadeira subcultura – marginal e crítica ao modelo comportamental de então -, os beats escreviam sobre o uso de drogas como meio de se expandir a consciência em uma afirmação de identidade. Esse pode ser visto como um ponto fundador do que viria a se tornar o momento hippie e a psicodelia – de certa forma, os beats se transmutaram em hippies ao longo da década seguinte.

Psico30

Os escritores beats Allen Ginsberg e Jack Kerouac, ainda no final dos anos 1950 

Em uma dessas operações históricas sincrônicas, ao mesmo tempo o LSD – que havia sido forjado pelo químico suíço Albert Hofmann em 1938, tendo suas propriedades psicodélicas descobertas por ele em 1943 – passou a ser utilizado, não só por médicos como pela própria CIA como um tratamento experimental capaz de combater doenças mentais e estudar a psique humana. Assim se popularizava tanto o uso dessa droga em seu sentido expansivo e crítico quanto o questionamento do establishment político e cultural e o desejo da criação de um novo mundo e futuro enquanto elementos essenciais do espírito de uma época.

 Psico17

Albert Hofmann, o pai do LSD

Outro elemento importante dessa conjunção foi a Guerra do Vietnã. Em nome de um abstrato combate à expansão do comunismo, milhares de jovens acabaram absurdamente mortos no campo de batalha. Especialmente, porém, o Vietnã foi um estopim cultural por ter utilizado não um exército americano profissional, mas sim, tropas formadas por jovens comuns – em sua maioria imigrantes, latinos e negros – recrutados das cidades americanas direto para a sanguinária selva asiática.

Psico34

Jovem soldado em campo de batalha no Vietnã

Os próprios jovens compreenderam que teria de partir deles a força para resistir à guerra, e se opor ao sistema que fabricava conflitos por causas escusas e os enviava para o outro lado do mundo a fim de morrer por algo em que não acreditavam.

Vietnam War Protests. Andy Blunden,

“Faça amor, não faça guerra”

Psico9

O poeta Allen Ginsberg, já hippie, dançando em São Francisco no Verão do amor 

Foi nesse conturbado contexto que o uso do LSD se tornou ao mesmo tempo válvula de escape e combustível para que um novo mundo pudesse surgir. Assim, nomes como o psicólogo Timothy Leary, o escritor Aldous Huxley (autor de clássicos como As Portas da Percepção e Admirável Mundo Novo) e o escritor Ken Kesey e seu grupo de hippies, os Merry Pranksters (que viajam os EUA dentro de um ônibus colorido movido a LSD e dirigido pelo poeta beat Neal Cassidy, gastando o dinheiro que Kesey ganhou com sucesso de seu livro Um Estranho no Ninho) passaram a ocupar a vanguarda do pensamento dos jovens, sedentos por liberdade, como gurus do ácido.

Psico23

Os Merry Pranksters em seu psicodélico ônibus colorido

Leary e Kesey acreditavam no LSD como um terapêutico meio de se expandir a mente, abandonar o “velho mundo”, conhecer a própria verdade e encontrar o amor total – para, assim, se fundar uma nova maneira de ser e estar no mundo.

Psico22

Acima, Ken Kesey, autor de Um Estranho no Ninho; abaixo, Neal Cassady e Timothy Leary dentro do ônibus

Psico27

No meio do ano de 1967, portanto, o movimento hippie e a estética psicodélica eram como um vulcão esfumaçado prestes a entrar em erupção. E o início enfim dessa explosão – em um dos momentos-chave da própria cultura ocidental – se deu em 01 de junho de 1967, quando os Beatles lançaram seu mais icônico trabalho (e talvez o mais importante disco da história do rock): Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band.

 Psico5

Os Beatles em suas indumentárias psicodélicas, na festa de lançamento de Sgt. Pepper’s

Se Pepper’s sugere o espírito e a força psicodélica, a sonoridade das bandas que viriam a surgir dentro intensificava profundamente a tal tentativa de “simular” uma viagem de ácido através da música. Instrumentos cheios de efeitos, canções longas estruturadas de forma não usual, extensos trechos instrumentais e orquestrações até então estranhas para a música pop – com instrumentos exóticos, mistura de estruturas e instrumentos eruditos com o rock, influência da música oriental, além de temáticas e letras reflexivas, místicas, abstratas e libertárias, passaram a proliferar em toca discos, palcos e rádios pelo mundo.

 Psico18

Nas artes gráficas que estampavam capas de discos, roupas e cartazes, o colorido intenso e a sucessão de imagens cheias de simbologia (também em sincronia com o repertório psicológico e alucinógeno sugerido pelo LSD) tornaram-se os principais motivos a adornarem os olhos juvenis.

Psico26

Psico25

Acima, capas de discos do Cream e do The 13th Floor Elevators; abaixo, capas de Jimi Hendrix e Pink Floyd

Psico2

Psico8

No Brasil, o que ficou diretamente identificado como hippie na cultura aconteceria alguns anos depois – como é o caso dos Novos Baianos ou dos Secos & Molhados. O Tropicalismo, porém, se deu em perfeito timing com a vanguarda do resto do mundo, e pôde representar, em pleno 1967, a psicodelia brasileira (com as devidas especificidades sonoras, rítmicas, estilísticas e temáticas que fizerem desse movimento algo tão especial no cenário musical mundial).

Psico3

Jorge Ben, Caetano, Gil, Rita Lee, Gal Costa, Sérgio Dias e Arnaldo Baptista

Ainda que distante dos intensos holofotes dos EUA ou da Inglaterra, o fato é que Os Mutantes são grandes representantes da psicodelia por aqui, seguindo até hoje como uma das melhores e mais reconhecidas bandas do gênero no mundo. A banda Ave Sangria e o disco Paêbirú (de Zé Ramalho e Lula Cortês) são outros excelentes exemplos da psicodelia em verde e amarelo.

 Psico16

Caetano e Gil

Quinze dias depois do lançamento de Pepper’s, o festival de Monterey (o primeiro dos grandes festivais do fim da década de 1960), realizado na Califórnia entre 16 e 18 de junho de 1967, culminou por ser a erupção total do tal sentimento psicodélico – e depois de Monterey, a juventude jamais seria a mesma.

Psico11

O cartaz do festival de Monterey, num perfeito exemplo da estética gráfica psicodélica da época

Em um mesmo palco, sucederam-se a primeira grande apresentação de Jimi Hendrix (na qual tocou fogo em sua guitarra), de Janis Joplin, junto de nomes como Jefferson Airplane, The Mamas & The Papas e The Greateful Dead (além de figurões como The Who, The Animals e Otis Reading) e a música oriental do mestre indiano Ravi Shankar.

Psico12

Acima, Hendrix colocando fogo em sua guitarra em Monterey; abaixo, Janis Joplin em ação no palco do festival

Psico24

Concretizava-se assim o espírito que parecia sugerido no ar. O verão de 1967 tinha enfim cara, vestimenta, comportamento, sonoridade e espírito. Cerca de 90 mil pessoas compareceram a Monterey.

 Psico36

Brian Jones, dos Rolling Stones, em meio à multidão de Monterey

E a multidão de hippies não iria se dissipar. Verdadeiros êxodos juvenis ocorreram depois do festival, e São Francisco se tornou a capital da contracultura e do Verão do Amor quando cerca de 100 mil jovens migraram para a cidade, em especial para a região de Haight-Ashbury, espécie de epicentro do movimento. A utopia tinha enfim seu cenário.

Psico14

A icônica esquina entre Ashbury e Haight, em São Francisco

A força da juventude, até então afirmada em sua virtude comercial, ganhava contornos políticos, objetivamente se opondo à maneira como o poder, a política e a economia conduzia a vida das pessoas, e exigindo com urgência uma mudança drástica, em nome da paz, do amor e do coletivo – e essas seguem sendo as caríssimas heranças que o movimento nos oferece até hoje.

 Psico37

Jovens marcham por São Francisco

A cidade, no entanto, não tinha estrutura para receber tantos jovens, que ocuparam praças e ruas, consumando suas liberdades ideológicas e consumindo drogas ao ar livre. Aos poucos, a inclemência da realidade se impôs, a Guerra do Vietnã não acabou, o poder não foi tomado, e para os que aderiram ao movimento crendo que mudar o mundo era algo tão simples quanto ingerir uma substância química, era o início do fim, o ocaso de um dos mais importantes momentos culturais do século.

 Psico15

Acima, jovens em uma praça da cidade; abaixo, George Harrison entre hippies no Verão do amor, em São Francisco

Psico29

Se alguns pontos específicos que o psicodelismo e os hippies defendiam como meio de se fazer a revolução hoje parecem anacrônicos e ingênuos, o desejo propriamente de entrar em comunhões coletivas, em sincronia com a natureza, o amor, as diferentes identidades e fora das grandes estruturas econômicas segue em voga como forças de rebeldia fundamentais.

Human Be-In

Psico7

Timothy Leary em São Francisco; abaixo, um protesto na cidade contra o recrutamento para a guerra

O momento psicodélico e o movimento hippie são o último grande evento cultural a de fato, aberta e concretamente lutar pela construção de um novo mundo, mais livre e jovem. Esse sentimento, que alcançou seu estopim há 50 anos, permanece – como o motor incontornável da indignação e do sonho utópico de liberdade que tem de sempre mover as cores da juventude, em qualquer época ou lugar.

Psico10

© fotos: divulgação/acervo/Getty Images fonte: via

Cardápios originais revelam o que comeram os passageiros da 1ª, 2ª e 3ª classes do Titanic na noite do desastre

Se, quando foi anunciado e posto a navegar, o RMS Titanic já era fascinante em diversos aspectos, depois que o então maior navio já construído colidiu com um iceberg e afundou na noite do dia 14 de abril de 1912 – e, ainda mais, depois do sucesso do filme contando sua história – qualquer memorabilia ou informação direta do navio e de sua história torna-se motivo de fascínio, estudo e debate – até mesmo algo tão mundano quanto os cardápios com o menu servido aos passageiros.

EDIT_Titanic1

Não é espantoso descobrir que havia uma diferença extrema entre as refeições servidas para os passageiros da primeira, segunda e terceira classe. Na primeira classe, mais de 13 opções de pratos para somente um jantar. Os cardápios aqui dispostos mostram o que os passageiros comeram no dia em que o navio bateu no iceberg.

EDIT_menus-1st class

1a classe: Entre diversos tipos de queijo, maionese de salmão, camarões, anchovas norueguesas, sardinhas defumadas, rosbife, torta de presunto e vitela, salsicha bolonhesa, havia ainda para a primeira classe ovos Argenteuil, consomê fermier, frango à la Maryland, salada de ave e chuletas de cerdo, entre muitas outras suculentas opções.

EDIT_titanic-1st-class

A sala de jantar da primeira classe

Os passageiros da segunda classe não tinham tantas opções chiques quanto os da primeira, mas há ainda uma série de delícias – e uma diferença tremenda para o cardápio da terceira classe, muito mais simples e com poucas opções.

EDIT_2nd breakfast

EDIT_menus-2nd class

2a classe: No café da manhã da segunda classe, frutas, peixe fresco, bacon, salsicha grelhada, batata amassada, presunto, ovos fritos, bolos, marmelada, chá, café, cereais e pão. Nas refeições, tapioca, hadoque cozido, frango ao curry, arroz, cordeiro ao molho de menta, peru, ervilhas, batatas e, de sobremesa, pudim, sorvete, frutas, queijos, biscoitos, geleia e café.

EDIT_titanic-2nd-class

A sala da segunda classe

EDIT_3rd class menu

3a classe: Na terceira classe as opções eram bem mais escassas. No café, mingau de aveia com leite, arengue defumado, batatas, presunto, ovos, pão fresco com manteiga, chá e café. Nas refeições (não fica claro se não era servido um almoço, pois no cardápio só consta o jantar), sopa de arroz, pães, biscoitos, rosbife, milho, batatas cozidas, pudim e frutas. Pães, queijo, e biscoitos são disponíveis.

EDIT_titanic-3rd-class

O refeitório da terceira classe

O Titanic afundou na manhã do dia 15 de abril de 1912. Ainda que durante o resgate o privilégio de classe tenha se mantido – com preferência nos botes de resgate a quem pagou mais caro (absurdamente se medindo de fato o valor da vida por quanto dinheiro a pessoa possui), no gelo do norte do oceano atlântico, tragicamente todas as classes desapareceram, e mais de 1500 vidas desapareceram junto com o navio.

EDIT_Titanic2

© fotos: acervo/ fonte: via