22 pugs fantasiados de forma ‘assustadora’ para o Halloween

Se gatos e cachorros falassem uma língua que nós humanos compreendêssemos, muito provavelmente eles já teriam dito o quanto somos irritantes. Tentem entender o ponto de vista dos bichinhos: nós os apertamos, falamos com eles com voz de bebê, lhe damos nomes ridículos e, como se não bastasse, começamos essa modinha de fantasiá-los até para o Halloween.

Se é que podemos nos defender mediante a tanta chatice cometida contra essas criaturas de Deus, é que não podemos nos controlar com tanta fofura em cima de quatro patinhas peludas. Então, gatinhos e cachorrinhos, nos processem! Mas enquanto isso não rola, fizemos uma seleção de pugs vestidos para o Halloween para te deixar feliz nesta segunda-feira.

Tenta se controlar a não soltar um ‘Ahhhh que fofura!’ pra ver se você consegue!!

Imagens: Reprodução/fonte:via
Anúncios

Casa-estufa permite cultivar alimentos o ano todo

O sonho de ter uma horta em casa pode se tornar complicado durante os meses de inverno, em que a maioria das residências carece de sol e temperaturas adequadas para o cultivo de alimentos. Na Suécia, onde as temperaturas são realmente baixas nessa época do ano, o problema é ainda pior. Para transpô-lo, foi criado um incrível projeto de casa-estufa, que permite manter alimentos fresquinhos em casa em qualquer época do ano.

A residência é localizada em Gotemburgo e, além de uma grande estufa, conta ainda com três quartos, cozinha e banheiro. Enquanto as peças da casa são localizadas nos dois primeiros andares, o último deles é dedicado inteiramente à estufa, com um incrível telhado de vidro que permite que a iluminação natural entre e aqueça o ambiente. Com isso, o clima é ideal para cultivo de vegetais durante todo o ano.

Além de servir como fonte de alimentos frescos para a família, a estufa também ajuda a regular o clima de todo o imóvel, mantendo o espaço aquecido mesmo durante os meses do inverno sueco. Isso permite aumentar a eficiência energética, que fica completa com a instalação de painéis solares. As informações são do Ciclo Vivo.

 

Fotos: Eklund Stockholm New York – http://bit.ly/2vlTLf3 /fonte:via

As melhores cidades do mundo para saborear um bom café

Quem ama um bom café e viajar pelo mundo, acaba unindo o útil ao agradável e sempre aproveitando os passeios que faz para experimentar a bebidinha por onde passa. Muitas cidades badaladas como NY, Berlim e Paris, possuem estabelecimentos estilosos a cada esquina, mas isso não é garantia de que suas bebidas são as melhores do mundo.

De tanto fazer as malas e ‘encher a cara’ de cafeína por aí, fizemos uma lista com as 11 melhores cidades do globo para os fanáticos por um cafezinho bem quentinho.

Confira!

Roma, Itália

roma

A Itália é conhecida por sua comida de qualidade e o mesmo se aplica ao café. Roma está repleta de cafés que mantém a cidade a todo vapor. Os italianos geralmente desfrutam de um café preto ou adoçado suavemente, de modo que aqueles que gostam da bebida saborosa e sem frescuras se encontrarão entre amigos.

Onde ir: Caffè Greco, Rosati, Ciampini

Havana, Cuba

Se você está planejando uma viagem a Cuba, achará uma série de cafés fortes e muitas vezes doces. Expresso é o componente de bebida popular de escolha, que você pode obter como um Café Cubano (café expresso com açúcar) ou um cortadito (café expresso com leite). O café cubano é um pouco de um gosto adquirido, mas aqueles que bebem dizem que você aprende rapidamente a gostar!

Onde ir: Cafe Bohemia, Cafe Escorial, La Chucheria

Reykjavik, Islândia

islandia

Os islandeses só se interessaram realmente pelo ramo do café nas últimas duas décadas. Sem presença de grandes cadeias de café, a concorrência é forte entre as cafeterias independentes do país, resultando em café de alta qualidade para impressionar e atrair clientes.

Onde ir: Café Stofan, Café Paris, Café Babalu

Viena, Áustria

No que diz respeito ao café, Viena é apenas incrível: a cidade teve seus cafés listados como “patrimônio intangível” pela UNESCO em 2011. Os estabelecimentos de Viena orgulham-se de sua atmosfera, levando bastante a sério a mobília e a decoração das lojas. Esses espaços são grandes ambientes sociais ou assistenciais. Os vienenses em particular adoram cappuccinos e expressos, bem como o famoso ‘Wiener Melange’, um expresso servido em uma grande xícara de café coberta com leite fervido no vapor junto com a espuma do leite.

Onde ir: Cafe Neko, Cafe Korb, Cafe Weimar

Seattle, EUA

Em Seattle você encontrará cafés tanto de luxo industrial-chique e artsy hipster e variedades geeky. Os moradores têm opiniões bastante diferentes sobre seu café preferido que podem

Onde ir: Caffé Vita, Victrola Coffee, Tin Umbrella Coffee

Melbourne, Austrália

melbourne

Melbourne ama tanto o café que eles recebem uma expo anual e têm sua própria publicação relacionada à bebida, o Melbourne Coffee Review. O que torna as cafeterias de Melbourne únicas é a forma como a cidade é dividida, em várias “aldeias”, cada uma com sua própria cultura específica. As bebidas mais recomendadas para chegar em Melbourne são normalmente lattes ou outras bebidas com leite e café.

Onde ir: Pilar de Sal, Stassi Café, Capitães da Indústria

Istambul, Turquia

A Turquia é conhecida por seus grãos de café ricos e escuros. Eles também possuem um método único. Os baristas turcos moem grãos torrados e fermentam os dois com ou sem açúcar em um cezve, um pote especialmente feito para o café turco. Eles não usam peneiras e por isso é preciso que o café se assente no fundo das xícaras antes de ser servido. Se você gosta de café grosso e saboroso e deseja uma experiência totalmente nova, Istambul é o lugar!

Onde ir: Mandabatmaz, Velvet Cafe, KronotRop

Addis Abada, Etiópia

addis

Considerado o “local de nascimento do café” e um dos principais produtores de grão de café do mundo atualmente, não é surpresa que o café seja uma parte importante da cultura etíope. Se você tem amigos no país, ou fez alguns amigos recentemente por lá, aguarde ser convidado para uma cerimônia de café. Você vai adorar moer os grãos, depois prepará-los em uma panela de barro antes de finalmente aproveitar o produto final com seus anfitriões.

Onde ir: Tomoca Coffee, Mokarar (Harar) Café, Alem Bunna

Vancouver, Canadá

Vancouver está cheia de cafeterias e baristas qualificados e é um ótimo destino urbano para quem gosta de café de qualidade. O centro da cidade tem uma grande quantidade de excelentes cafés, mas ótimos locais também podem ser encontrados em alguns dos bairros menos movimentados da cidade. Os residentes de Vancouver desfrutam de bebidas americanas, expressos e também há uma grande variedade de opções bem elaboradas.

Onde ir: Bel Cafe, Caffe Artigiano, JJ Bean Coffee Roasters

Portland, EUA

Portland possui opções de comércio justo e sustentável e você encontrará muitas lojas realmente divertidas com interiores artísticos, acolhedores e críticas favoráveis.

Onde ir: Spella Caffe, Barista, Courier Coffee

Taipé, Taiwan

taipe

Os tailandeses são apaixonados por café expresso e é possível encontrar ótimos em lojas de redes e comerciais. Os grãos de Taipei geralmente são recém-torrados e de alta qualidade e, devido à fervura mais lenta possui melhor sabor. No entanto, os preços podem ser um pouco elevados (pelo menos na conversão em dólares), mas vale a pena.

Onde ir: Melange Cafe, Barbie Cafe, Paper Plane Cafe

* Imagens: Reprodução/fonte:via

O charme de Paris é tanto que basta um iPhone para qualquer um se apaixonar

Desde que Loic Le Quéré se tornou fotógrafo, há 15 anos, tem acontecido um avanço tecnológico louco, a tal ponto que, quando não sai de casa carregando seus equipamentos profissionais, ele ainda pode exercer seu trabalho fotográfico usando apenas um iPhone.

Claro, a visão profissional faz muita diferença na hora de captar as imagens, mas o aparelho deu conta do recado para que o artista conseguisse retratar a mágica Paris de forma encantadora.

Com um iPhone na mão, o francês registrou as cores, reflexos, cotidiano e pessoas da Cidade Luz.

Confira:

2c372751467051.58ee6d82b66a0 3abe5751467051.58ee6d82b3ec7 7ff27451467051.58ee6d82b4962 28a25f51467051.58ee743285a4d 82ea3151467051.58ee6d82b8e7d 90d51e51467051.58ee6d82b368d 93e48851467051.58ee6d82b395f 256e5f51467051.58ee6d82b7657 941a7451467051.58ee6d82b8bb6 4881a351467051.58ee74328a105 67130c51467051.58ee6d82b6fc7 a0ef4351467051.58ee6d82bae7a ab49d251467051.58ee743286b50 cc00a551467051.58ee6d82b9a82 d5cf3b51467051.58ee6d82b5c3c ed89c751467051.58ee6d82b558b f0160e51467051.58ee6d82b88e5 f262ef51467051.58ee74328b953 vo600
Todas as fotos © Loic Le Quéré

Estas árvores que se recusam a morrer são um lembrete da força da natureza

As árvores existem há quase 400 milhões de anos, e cobrem cerca de 30% de todo o terreno do planeta, e são responsáveis por uma grande parte da produção de oxigênio que nos mantém vivo. O ser humano, porém, não retribui muito bem a esse nada singelo presente, desmatando, poluindo e cortando-as de forma inclemente. As árvores, porém, claramente são resistentes e duras na queda.

Pois basta olhar essas fotos para se ter certeza de que não há tempo ruim que vença a força de uma árvore para se manter viva e crescer. Buracos, alagamentos, tsunamis, concreto, ferro, pedras, todos esses obstáculos não foram o suficiente para acabar com as árvores aqui mostradas – infelizmente talvez o único obstáculo à altura dessa força seja mesmo a ação do homem, que tanto precisa justamente das árvores vivas.

De todo modo, ver a força da natureza e da própria vida é sempre inspirador. Pois, nesse caso, a piada é quase literal, e não tem a menor graça: de fato, as árvores somos nós.

Essa árvore foi a única a sobreviver ao Tsunami no Japão – e depois foi devidamente protegida

E essa manteve-se viva por conta da luz artificial sobre ela

 

© fotos: divulgação/fonte:via

Entenda por que este resort na Indonésia é o ‘melhor hotel do mundo

guests-can-also-travel-by-safari-jeep-or-boat-to-neighboring-bays-with-less-advanced-surfing-spots

Nihi Sumba Island (anteriormente Nihiwatu) foi eleito o melhor hotel do mundo pela Travel + Leisure pelo segundo ano consecutivo. O resort da ilha de luxo na Indonésia foi criado por Chris Burch, famoso por fundar várias marcas de renome internacionalmente conhecidas como C. Wonder e Tory Burch – e investir em várias outras.

Juntamente com James McBride, o hoteleiro comprou o albergue na ilha indonésia de Sumba em 2012. A dupla gastou US $ 30 milhões em reformas e o reabriu como um resort cinco estrelas em 2015.

Em uma entrevista ao Business Jet Traveler em 2015, Burch disse: “Eu o comprei para meus filhos como uma peça de algo que espero que possamos preservar e devolver à comunidade. Quando você está em um lugar onde a paisagem é tão linda, você pode fazer coisas que você não pode fazer em outros lugares: construir um spa sob uma cachoeira, ir a lugares onde nenhum outro tem, ter um mordomo em todos os cômodos”.

Veja imagens do local:

burch-and-his-partner-mcbride-are-also-looking-to-expand-and-build-resorts-in-costa-rica-and-nicaragua-they-want-to-create-resorts-that-are-more-accessible-to-the-millennial-traveler

burch-and-mcbride-redeveloped-the-land-and-opened-it-as-nihiwatu-in-2015-though-they-have-since-changed-its-name-to-nihi

guests-can-also-travel-by-safari-jeep-or-boat-to-neighboring-bays-with-less-advanced-surfing-spots

it-also-has-a-large-indoor-outdoor-entertaining-area

it-has-27-private-villas-with-plunge-pools

it-has-become-the-largest-local-employer-on-the-island-a-portion-of-the-hotels-profits-are-also-given-to-the-sumba-foundation-an-organization-that-funds-projects-to-help-the-local-community

its-plunge-pool-has-views-over-nihi-beach-and-across-the-indian-ocean

nihi-is-on-the-west-coast-of-sumba-a-remote-indonesian-island

prices-for-a-one-bedroom-villa-start-at-750-a-night-during-the-low-season-burchs-five-bedroom-private-estate-costs-around-14000-a-night-throughout-the-year

raja-mendaka-chris-burchs-private-home-is-also-available-to-guests-it-has-a-main-house-and-four-additional-villas

the-beach-has-always-been-considered-a-surfers-paradise

the-name-means-mortar-stone-and-the-beach-was-originally-named-after-a-rock-formation-on-the-tide

there-are-riding-stables-with-a-team-of-guides-to-take-guests-out-on-sunrise-and-sunset-horseback-riding-trips-along-the-beach-or-up-into-the-hills-and-past-rice-fields-and-the-rain-forest

there-is-a-beach-spa-available-but-treatments-can-also-be-done-in-your-own-room

the-wellness-center-offers-daily-group-yoga-sessions-instructors-can-also-hold-private-classes-that-are-tailored-to-an-individuals-needs

traditional-sumbanese-antiques-local-wood-and-ikat-prints-are-featured-throughout

you-can-book-excursions-to-nearby-waterfalls-through-the-resort-one-trip-includes-a-90-minute-trek-to-a-blue-lagoon-where-guests-can-jump-off-the-rocks-and-swim-the-trip-costs-175-per-person

fonte:via

Fotógrafa capta momentos belos e fugazes dos melhores dançarinos do mundo em ação

A arte da dança é hipnótica. Ao mesmo tempo em que a fluidez dos corpos maravilha, faz desejar que cada momento pudesse ser registrado. É mais ou menos a isso que a fotógrafa Lois Greenfield se dedica: capturar os instantes mais belos da ação dos melhores dançarinos do mundo.

Algumas das melhores imagens produzidas pela norte-americana nos últimos vinte anos foram reunidas no recente livro Moving Still (“Movimento Imóvel”, em tradução livre, que não tem versão em português, mas pode ser encontrado online).

Lois começou a carreira como fotojornalista, mas acabou se apaixonando pelo movimento enquanto trabalhava cobrindo a cena de dança experimental de Nova York para o semanário alternativo The Village Voice a partir de meados dos anos 70.

Passei os 35 últimos da minha carreira fotográfica investigando o movimento e seu potencial expressivo. Minha inspiração sempre foi a capacidade da fotografia de parar o tempo e revelar o que o olho nu não pode ver”, escreve a artista em seu site. “O que me move é criar imagens que surpreendem e confundem o observador, ao mesmo tempo em que ele sabe ou suspeita que realmente aconteceram”, completa.

Apesar de a exuberância das fotografias poder indicar que as imagens foram cuidadosamente planejadas, Lois garante que não. Ela conta que nunca começa com um conceito ou composição em mente, preferindo deixar que as coisas fluam de forma natural. Tudo o que ela leva aos dançarinos são elementos visuais como tecidos, e então deixa que eles interajam com eles como quiserem.

 

 

Fotos © Lois Greenfield/fonte:[via]