O surpreendente lago a 30 minutos de Budapeste onde ainda vivem cerca de 70 famílias

Quem mora no interior do Brasil já deve ter passado as férias em lagos artificiais, formados com a inundação criada pelas usinas hidrelétricas. Na falta de uma praia mais próxima, é uma ótima opção para passar o verão e não é raro encontrar belas casas em suas margens ou barcos e jet skis navegando pelas águas calmas. Mas ainda que nossos lagos tenham seu charme, nenhum chega perto desta preciosidade localizada na Hungria.

Apenas 2km ao sul da capital Budapeste, o Lago Kavicsos era, originalmente, uma pedreira. Mas aproximadamente 20 anos atrás as atividades foram encerradas e a natureza tomou conta. A água da chuva e pequenos afluentes inundaram a cratera, dando origem a esse encantador destino.

Apesar do fácil acesso pelas estradas ou trem (está a apenas 30 minutos do centro da capital), poucas pessoas vivem nesse cartão postal. Aproximadamente 70 famílias chamam o Lago Kovicsos de casa, enquanto o restante das moradias são residências de veraneio ou base para pesca. Um verdadeiro desperdício, não acham?

kavicsos-lake-12

kavicsos-lake-22

kavicsos-lake-32

kavicsos-lake-42

kavicsos-lake-52

kavicsos-lake-66

kavicsos-lake-76

kavicsos-lake3

Todas as imagens © Alexander H. Szabo/Aerial National Police/fonte:via

Por que a Namíbia pode ser um dos destinos mais inesquecíveis

A Namíbia, país africano que faz fronteira com a África do Sul, Angola, Zâmbia e Botswana, é um destino pouco explorado pelos turistas. Esse, inclusive, é um dos motivos pelo qual você deveria considerar visitar o país nas suas próximas férias.

Com pouco mais de 2,4 milhões de habitantes, a língua oficial da Namíbia é o inglês, apesar de ser a menos falada, já que inúmeros outros dialetos locais são usados pela população. Com clima bastante seco, o país tem a segunda menor densidade demográfica do mundo, atrás apenas da Mongólia.

Entre os principais atrativos, está o Deserto da Namíbia, conhecido como Sossusvlei, que é considerado o mais antigo do mundo. No local, é possível encontrar enormes dunas douradas de quase 400 metros de altura, e algumas das paisagens mais inesquecíveis que você provavelmente verá na vida. Há também o Fish River Canyon, o segundo maior canyon do mundo, atrás apenas do Grand Canyon, nos Estados Unidos. Além de ser um lugar incrível, ele se torna ainda mais mágico já que não está lotado de turistas, como o seu irmão norte-americano.

Além disso, o país também é famoso por seus safáris. O mais famoso é o Etosha National Park, que conta com ótimos passeios e com a vantagem de ser menos disputado que os safáris da África do Sul e da Tanzânia, por exemplo. Outra vantagem é o fato da Namíbia ser considerada um dos países da África mais seguros para os viajantes, além de manter acordos bilaterais com o Brasil, não sendo necessário visto de entrada e com um processo de imigração bastante simples.

Já com relação a estadia, é possível encontrar locais para todos os bolsos. E se sua intenção for ficar em um hotel de luxo, pode ter certeza que irá desembolsar muito menos do que se estivesse na África do Sul. Para chegar até lá, não existem voos diretos do Brasil, sendo necessário fazer uma escala em algum outro país africano. E a melhor época para ir é entre abril e junho, quando as chuvas são bem escassas e o número de turistas ainda mais reduzido. Tá esperando o que para comprar as passagens?!

Imagens © Travel Butlers/Divulgação/fonte:via

Por que você precisa conhecer Bom Jardim da Serra, em SC

Bom Jardim da Serra, cidade localizada em Santa Catarina, não possui a fama de Florianópolis, Camboriú ou Garopaba, destinos adorados pelos turistas no estado, mas sem dúvida merece destaque. Conhecida como “capital das águas”, o município possui 35 cachoeiras com pelo menos dez metros de altura e 14 nascentes de rios em seu território.

01

Com pouco mais de 4 mil habitantes, Bom Jardim da Serra é praticamente a porta de entrada da Serra Catarinense. Muitos turistas chegam à região através da cidade, após percorrer as curvas da Serra do Rio do Rastro e chegar ao mirante que oferece uma vista deslumbrante de 1000 metros acima do nível do mar.

A Serra do Rio do Rastro é um dos principais cartões-postais de Santa Catarina. Sua estrada, que liga o litoral à região serrana do estado, tem quase 300 curvas e, ao mesmo tempo que desafia os motoristas, deixa maravilhados quem por ali passa por conta de suas deslumbrantes paisagens.

02

Bom Jardim da Serra vale ser visitada durante todo o ano, mas a cidade consegue ficar ainda mais atraente no inverno, pois as temperaturas despencam. Seu cânion, que possui 1450 metros de profundidade, em alguns anos chega até mesmo a ficar coberto por uma camada de gelo fino.

Outros pontos de interesse na cidade são o Cânion das Laranjeiras, com 1520 metros de profundidade, é tido como o mais bonito, o Cânion da Ronda (1485 metros) e o Cânion do Funil (com 1590 metros).

* Imagens: Reprodução/fonte:via

Nojentas bolas de meleca amarela aparecem em praia francesa

Quem frequentou as praias do norte da França nesta última semana se deparou com uma visão estranha. Centenas de pedaços de espuma amarela que parecem ter sido arrancada de um colchão gigante estão espalhadas por quilômetros de areia, de acordo com a Associação Sea-Mer, uma ONG que protege o litoral da poluição.

Autoridades francesas dizem que o material não parece ser perigoso e que amostras foram enviadas para análise no Center for Documentation, Research and Experimentation on Accidental Water Pollution, que deve anunciar os resultados em uma semana.

O presidente da Associação Sea-Mer, Jonathan Hénicart, diz que até que os resultados saiam, é melhor que ninguém encoste no material misterioso. “Ele parece ter vindo de um produto do petróleo. Poderia ser de um produto de poliuretano normalmente usado na construção. O cheiro é de parafina”. Hénicart acrescenta que o material é oleoso.

Uma hipótese é que o material pode ter vindo do óleo quente do exaustor de algum navio, que depois congelou quando se misturou à água gelada do mar.

O Canal da Mancha, onde a meleca foi vista, tem trânsito pesado de navios de carga. Como resultado, coisas estranhas acabam chegando às praias. No último mês de maio, uma substância parecida com cera apareceram nas praias de North Yorkshire, na Inglaterra. Esse material ceroso derreteu no sol e se misturou com a areia e outros poluentes, criando o maior problema para a equipe de limpeza das praias inglesas.Fonte: [via] [Live Science]