O que podemos aprender com a história por trás da foto do cavalo marinho com cotonete

Uma foto incomum se tornou uma das finalistas do prêmio de Fotógrafo de Natureza Selvagem do Ano, promovido pelo Museu de História Natural de Londres. A imagem, capturada na costa da Indonésia, mostra um cavalo-marinho agarrado a um cotonete.

O clique foi feito pelo fotógrafo norte-americano Justin Hofman. De acordo com o site da premiação, os cavalos-marinhos têm o hábito de se segurar em superfícies que encontram no mar. Ao Washington Post, o fotógrafo contou que o animal primeiro havia se segurado em uma alga e, então, saltou para o cotonete, apenas um entre muitos detritos encontrados nas águas.

A foto impressiona pela crueza como vemos a relação entre o animal e o lixo, que está tomando conta dos oceanos. A Indonésia é considerada o segundo produtor de lixo marinho do mundo. Apesar disso, o país tem planos para diminuir em 70% seu descarte de resíduos nos oceanos até 2025, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Todas as fotos © Justin Hofman /fonte:via

Anúncios

Impressionantes fotografias coloridas digitalmente mostram bombardeio a Londres na Segunda Guerra

A técnica de colorir digitalmente antigas fotos em preto e branco parece possuir a capacidade de trazer nova e atual vida ao passado registrado nas imagens. Dependendo das fotos, porém, tal renovação em cores pode trazer a memória de tempos sombrios e cinzas – como é o caso das imagens da Grande Blitz alemã contra a Grã-Bretanha durante a segunda guerra mundial.

Mais de 40 mil cidadãos britânicos foram mortos e mais de 135 mil acabaram feridos ao longo desse que é um dos mais intensos bombardeios de todo o combate. A Blitz (contração da palavra alemã “blitzkrieg”, que quer dizer “guerra relâmpago”) começou no dia 7 de setembro de 1940 e durou impressionantes 8 meses e 5 dias, até 10 de maio de 1941, com 57 noites consecutivas ininterruptas de ataque em seu início. Ao fim, cerca de um milhão casas estavam destruídas ou danificadas somente em Londres.

 

A gravidade dos ataques fica clara nas imagens, assim como o sofrimento imposto à população inglesa. Londres não foi, no entanto, a única cidade atingida pela Luftware (nome da aviação alemã): Belfast, Birmingham, Bristol, Cardiff, Coventry, Glasgow, Liverpool, Manchester, são algumas das outras cidades que também sofreram a blitzkrieg nazista.

Apesar da intensidade dos ataques, os nazistas falharam em sua iniciativa de destruir a força militar britânica e a moral do povo e do governo para culminar em uma invasão nazista à Grã-Bretanha. As imagens trazidas à atualidade através da aplicação de cores, contudo, mostram o custo que uma guerra traz às populações e às cidades, não importa se do lado dos vencedores ou vencidos.

A resistência do povo inglês, porém, entre tantos outros, ajudou o mundo a combater e derrotar o nazismo, mal esse que precisa permanecer nas cinzas da história, e jamais ser trazido à atualidade que não por fotos e pela memória.

 

© fotos: Royston Leonard/mediadrumworld.com/fonte:via

As mulheres africanas e suas cores nas lentes do fotógrafo nigeriano Willyverse

Se existem renovações por vir no campo das artes como um todo, uma aposta que faz sentido é imaginar que elas virão das periferias – das cidades e do mundo.

Na música e na literatura, por exemplo, o processo já dá seus sinais. E, bem, cada vez mais a fotografia também abre espaço naturalmente para que artistas surgidos fora dos grandes centros e países desenvolvidos ganhem espaço e as renovem linguagens tidas como padrão.

O fotógrafo nigeriano Willyverse é deles. Nome dos mais fortes da fotografia atual africana, que carrega as imagens e sua arte com com afirmações culturais da Nigéria, seu país natal.

 

Se valendo de intensos contrastes visuais, cores e sombras, indumentária forte e especial sensibilidade, Willyverse vem se especializando em retratar mulheres com forças estética e discursiva especiais. Tornando a fotografia uma afirmação ao mesmo tempo estética e metafórica, o fotógrafo oferece um sentido impactante para a beleza e a intensidade das personagens femininas registradas nos ensaios batizados de “Mulheres Vaporosas”.

 Para conhecer mais do trabalho do artista nigeriano, corra até o site oficial dele.

 

© fotos: Willyverse/fonte:via

Neta de Bob Marley e outros artistas negros em retratos fortes e sensíveis

O fotógrafo Jack McKain nasceu e cresceu na Virgínia, nos Estados Unidos. Após estudar publicidade, ele criou uma carreira em torno da fotografia. O sucesso de seus retratos não é por acaso. Jack consegue criar imagens fortes e sensíveis ao mesmo tempo, com um resultado impactante.

Seja em cores ou em preto e branco, um dos assuntos que mais o interessa é retratar artistas negros, alguns quase desconhecidos, outros ligados a grandes celebridades, como a modelo Selah Marley, filha de Lauryn Hill e neta de Bob Marley; e a atriz e cantora Willow Smith, filha de Will Smith. Há ainda retratos poderosos de artistas como Sampha, Melo-X, Asap Ferg, Leon Bridges, entre outros.

Espia só o trabalho do cara:

 

 

Todas as fotos © Jack McKain /fonte:via