Arqueólogos amadores descobrem mosaico raro da Roma Antiga na Inglaterra

A expansão do império romano ao longo de seus mais de cinco séculos de duração.

O processo foi tão intenso que é possível encontrar ainda hoje vestígios intactos e inéditos de suas construções e culturas por toda a Europa e pela bacia mediterrânea da África e da Ásia, por onde os romanos reinaram de cerca de 27 a.C até cerca de 476 d.C.

E uma nova e incrível descoberta arqueológica acaba de ser revelada no sul da Inglaterra: um mosaico romano de cerca de 6 metros de extensão.

Trata-se, segundo os arqueólogos, da mais importante descoberta desse tipo no país em mais de 50 anos:

O mosaico foi encontrado por arqueólogos amadores, em uma fazenda na vila de Boxford, com somente 300 habitantes, e traz imagens de mitos gregos e romanos, como Hércules e um cupido. Estima-se que o mosaico seja do último período do império, por volta do século 4 d.C.

E ainda há mais a se descobrir: somente um terço do mosaico propriamente foi revelado, e há um trabalho de cerca de um ano ainda por vir, à espera de fundos para que seja continuado. Como um mosaico como esse pode se deteriorar rapidamente se exposto direto ao sol e ao ar, a terra foi colocada de volta, enquanto o trabalho de escavação não é feito por completo.

 

© fotos: divulgação/fonte:via

O portfólio deste fotógrafo especializado em paisagens é de babar

Baseado em Portland, Oregon, Elliot Hawkey é o tipo de artista capaz de tirar fotos e transportar o espectador para dentro delas.

Como um apaixonado pela natureza, sua especialidade não poderia ser outra coisa a não ser retratar magicamente florestas, cachoeiras, montanhas, mas também a neve, os lagos, o pôr do sol e tudo mais o que de lindo o mundo tiver.

Olha só a tranquilidade das remadas do canoísta desta imagem de Hawkey:

Apesar de ter se especializado em capturar a beleza em seus mínimos detalhes, o fotógrafo é muito honesto com relação a pessoas que tentam usar a imagem como sinônimo de viagens perfeitas:

Muito frequentemente, a fotografia é retratada como a vida perfeita da viagem, belas paisagens e condições perfeitas. No entanto, há dias em que tudo hilariantemente dá errado”. escreveu em seu Instagram.

Através de suas obras de arte, ele dispensa o uso de qualquer palavra e só é preciso olhar e respirar. Mas ele também conta sobre o outro lado de suas belas fotos:

Há dias parcialmente nublados, com ventos fortes ou chuva intensa e tudo o que você pode realmente fazer é sorrir ir embora e tentar outro dia”, escreveu em seu Instagram.

Confira algumas das imagens mais impactantes dele:

 

Imagens: Elliot Hawkey/fonte:via

Cientistas estão de boca aberta com a ‘cidade submarina’ criada por polvos

A ideia de que os polvos são animais solitários foi desafiada por uma curiosa e singela descoberta: uma espécie de “cidade”, criada pelos próprios polvos, em que cerca de 15 animais da espécie vivem juntos, como vizinhos.

A descoberta foi batizada de Octlantis, juntando a palavra octopus (polvo, em inglês), com Atlantis, ou Atlântida, nome da lendária cidade desaparecida que estaria, segundo sua lenda, submersa.

A cidade dos polvos foi construída pelos próprios animais, empilhando e esculpindo conchas, pedra e restos e estruturas de suas presas. Tal trabalho arquitetônico criou como que tocas uma do lado das outras, onde os animais vivem. Essa não é, porém, a primeira cidade de polvos descoberta: em 2009 foi encontrada Octopolis, construída em forma similar à Octlantis – uma, inclusive, fica próxima a outra, nos mares do sudeste da Austrália.

Cada letra representa um polvo diferente vivendo em Octlantis 

Segundo os pesquisadores, tal comportamento denota que a convivência no local se dá entre polvos ao longo de diversas gerações, ainda que o número de animais possa variar vivendo nas cidades. Os polvos são, portanto, verdadeiro engenheiros do fundo do mar, além de gostarem da companhia um do outro.

 

© Fotos: David Scheel/fonte:via

Quero! Casal cria casa perfeita para apaixonados por gatos e livros

Pessoas que vivem com gatos sabem que seus amigos peludos são quem realmente governam a família – os humanos são simplesmente convidados.

Muitas pessoas estão felizes com este arranjo e chegam a acomodar seus felinos com arranhadores e brinquedos elaborados.

No entanto, um casal do Brooklyn, em Nova York, levou isso muito a sério transformou seu lar em uma verdadeira casa de gatos.

Combinando seu desejo de agradar seus dois “gatos tímidos e curiosos” com sua paixão pela literatura, nasceu a House for Booklovers and Cats.

A casa inteira recebeu um novo nível e, uma das maiores mudanças foi o espaço inserido no primeiro andar. De 6 por 15 metros, o espaço agora inclui passagens para os gatos se locomoverem. A estrutura alinha uma parede da sala e apresenta uma passarela para os felinos acessarem facilmente o topo e observarem seu reino abaixo.

Além disso, há portas ‘secretas’ que tornam mais fácil do que nunca escapar para outra sala. Do topo das prateleiras alongadas, os gatos podem entrar no segundo andar.

Os tímidos felinos são certamente felizes com o novo espaço e também há muitas vantagens para os humanos. Outros elementos únicos também pertencem a estantes, um dos quais foi projetado pelo proprietário, que é artista. É uma prateleira de parede que contém uma mini- sala de estar. O recanto especial é acompanhado por outras áreas rebaixadas que possuem pequenas coleções de objetos.

Embora esta casa tenha sido construída com gatos em mente, existem alguns espaços que estão fora dos limites de pelos. O porão, é uma “zona livre de gatos”. Parte utilizado como espaço de exercícios e parte como casa quarto de hóspedes. A área tem acesso ao quintal e é um lugar convidativo para os visitantes ficarem.

 

Imagens: BFDO Architects – Website | Facebook /fonte:via