9 meses que valem pela eternidade. Uma carta de despedida ao melhor amigo peludo

A fotógrafa norte-americana Stephanie Jarstad e seu marido, Michael, se casaram em abril de 2017, e logo na primeira semana de união ganharam a companhia do pequeno Kolohe, um lindo filhote de husky siberiano.

Os três viveram felizes por 9 meses, entre brincadeiras e caminhadas pela floresta, até que uma doença degenerativa levou o cão ao falecimento precoce. Para se ajudar a lidar com a perda do amigo canino, Stephanie criou uma série fotográfica reunindo as imagens favoritas de Kolohe, além de escrever uma carta de despedida.

Confira:

“Você nasceu na mesma semana em que eu e Michael nos casamos. A espera pela sua chegada pareceu uma eternidade. Aqui estão algumas coisas que nunca te contei.

Fiquei nervosa sobre ter um husky porque sabia do quanto você precisaria de exercícios e me perguntava se conseguiria cumprir com essa tarefa.

Você me transformou numa corredora e essa foi a melhor experiência para nos conectar. Eu me planejava ao redor dos dias em que poderia te levar ao parque. Ver você brincar e correr atrás dos seus amigos caninos se tornou o melhor momento das minhas semanas.

Fiquei nervosa quando descobrimos que seus pelos eram mais longos que o normal, porque precisaria estar aspirando a cada passo que você desse.

Rapidamente, essa se tornou minha coisa preferida em você. Te abraçar é como abraçar uma nuvem. Você é o travesseiro mais macio. Obrigado por enxugar todas minhas lágrimas com penugem incrível.

Fiquei nervosa sobre ter um cachorro no que parecia ser o segundo seguinte a nos casarmos. Me perguntava se não deveríamos nos adaptar a essa nova temporada da vida, só os dois, para começar.

Agora, não consigo imaginar nosso começo sem você. Crescemos como casal em nossa adoração mútua por nosso lindo filhote. Você ilumina nossas vidas e não podemos imaginá-las sem você.

Fiquei nervosa sobre você ser um daqueles huskies típicos: malandros, fugitivos e teimosos.

E bem, você era. O husky que escavou a lagoa e fugiu para a casa do vizinho é o mesmo que fez o veterinário perguntar se nosso husky estava quebrado, de tão obediente.

Fiquei nervosa por te amar tão profundamente e ter que encarar o difícil destino de precisar dizer adeus um dia.

E esse dia chegou cedo demais. Eu ainda não acredito que precisamos dar tchau para nosso filhote de 9 meses. Te vi envelhecer 15 anos em 2 semanas.

Eu limparia sua bagunça por 15 anos se fosse a única coisa que estivesse errada. Eu te daria frango cozido na boca por 15 anos se fosse a única coisa que estivesse errada. Eu seria sua humana-guia para te ajudar com a cegueira por 15 anos se fosse a única coisa que estivesse errada.

Eu cuidaria das suas convulsões por 15 anos se fosse a única coisa que estivesse errada. Eu seguraria sua tigela de água para você não aspirar por 15 anos se fosse a única coisa que estivesse errada. Eu seria seus ouvidos quando você ficasse surdo por 15 anos se fosse a única coisa que estivesse errada.

Eu pegaria suas patas traseiras quando você estivesse muito fraco para subir as escadas por 15 anos se fosse a única coisa que estivesse errada.

Você lidou com tudo isso e uma doença cerebral degenerativa que te tirou de nós rapidamente.

Eu queria poder tirar sua dor e te manter com a gente. Se significasse que você viveria 9 meses ou 9 anos, eu faria tudo de novo, desde que você vivesse conosco.

Eu queria que você pudesse conhecer nossos futuros filhos e lamber as bochechas gordas deles. Queria que você pudesse ver seu primeiro Natal, sua primeira nevasca, seu primeiro aniversário.

Te amamos tanto, Kolohe, Bubba, Pupper Nutter, Derp. Temos tanta sorte de te chamar de nosso. Descanse em paz. 19/03/17 – 19/12/17

Para ler o texto original, em inglês, acesse o blog de Stephanie.

 

Fotos via Stephanie Jarstad /fonte:via

Anúncios

Wisdom, a ave selvagem mais velha do mundo, bota ovo tem 67 anos

A albatroz chamada Wisdom é um pássaro fora do comum, que não só venceu, como superou todos os obstáculos da vida.

Com 67 anos, a mais velha ave selvagem conhecida do mundo colocou um ovo em sua casa, no Atol Midway, localizado no norte do Oceano Pacífico, a noroeste do Havaí, pertencente aos EUA.Esse ovo é mais um de seus sucessos: em sua longa vida, Wisdom já deu à luz a cerca de 30 a 35 filhotes. Dado que sua espécie está quase ameaçada de extinção, essa “supermãe” é uma conquista da natureza.

Campeã

Wisdom e seu atual companheiro, Akeakamai, retornam todos os anos ao Monumento Nacional Marinho Papahānaumokuākea para fazer um ninho e criar um único filhote.

No último 13 de dezembro, o Serviço para Peixes e Vida Selvagem dos Estados Unidos (USFWS, na sigla em inglês) confirmou que o par estava incubando um novo ovo.Wisdom já sobreviveu a vários companheiros. Ela também é notável por ter registrado cerca de dois a três milhões de quilômetros desde 1956 – o equivalente a quatro a seis viagens de ida e volta para a lua.

“É sem precedentes que conheçamos um pássaro que sabemos que tem 67 anos e que ainda está reproduzindo”, disse Kate Toniolo, vice-superintendente do Monumento Nacional Marinho.

 

Sobrevivente

A história registrada de Wisdom começou em 10 de dezembro de 1956, quando o biólogo Chandler Robbins, do USFWS, colocou um rastreador em um albatroz-de-laysan qualquer.

O pássaro não foi visto por outros 46 anos, até surgir em 2002, quando Robbins analisou novamente o pássaro. Sua aparente idade avançada e boa saúde lhe renderam o nome de Wisdom (inglês para “sabedoria”).A ave é interessante porque conseguiu evitar muitos riscos para sua espécie por muito tempo, como ingerir plástico oceânico ou ser pega acidentalmente por um pescador.

“Estamos falando de um pássaro que estica o nosso entendimento porque é tão diferente da nossa história de vida e 99% dos animais com os quais interagimos diariamente”, explicou Charles Eldermire, que estuda aves na Universidade Cornell, nos EUA.

Importância

A maioria dos pássaros selvagens luta para continuar a viver, encontrar um companheiro e criar filhotes. Fazer isso todos os anos durante seis décadas é realmente fora da curva.

Não só isso, mas Wisdom dominou o estilo de vida desafiador do albatroz – forrageando por centenas de milhares de quilômetros ao longo do vasto oceano, enfrentando um clima extremo e encontrando um pedaço de terra remota para criar seus filhotes.

“Ela é um pássaro incrivelmente sortudo e incrivelmente esperto”, afirmou Eldermire.

E cada pintinho que Wisdom choca é mais um triunfo para sua espécie, que a União Internacional para a Conservação da Natureza lista como “quase ameaçada”.Quase 70% dos albatrozes-de-laysan aninham no Atol Midway, então um tsunami como o gerado pelo terremoto de 2011 no Japão poderia acabar com muitos dos pássaros de uma só vez. Isso mostra quão importante é cada ave para garantir a sobrevivência da espécie.

 fonte:[via] [NatGeo]

Jardins flutuantes estão transformando Nova York em uma cidade mais verde

Se você é do tipo que acha que sujeira e poluição são temas exclusivamente brasileiros, então está na hora de dar uma olhada no canal Gowanus, localizado em Nova York (Estados Unidos). O espaço ganhou um título nada agradável: o de um dos cursos de água mais poluídos do país.

Olha ele aí:

Bem chato, né?

Por sorte, há pequenas soluções para grandes problemas. E elas podem ser muito eficientes! É o que prova a iniciativa GrowOnUs. Trata-se de um pequeno jardim flutuante formado por 30 espécies de plantas que agem como filtros na hora de limpar as impurezas da água.

Segundo o site Takepart, as plantas interagem com as águas do canal através de um processo conhecido como fitorremediação – um nome complicado para definir o uso de plantas como agentes de purificação. O ambiente sob a ilha funciona como habitat para mexilhões, que também atuam como auxiliares na limpeza da água.

Embora pareça simples, a instalação da estrutura só foi possível graças a uma bolsa no valor de US$ 20.000 oferecida pela Cornelia & Michael Bessie Foundation para a agência de design Balmori Associates, responsável pelo projeto. Instalado em 2015, o jardim flutuante está aos poucos mudando a cara do canal – e pode  até mesmo ser usado como uma horta flutuante no futuro!

 

Fotos: 1 – Bizarre Beyond Belief; 2, 5 – Reprodução Balmori Associates; 3, 4 – The Plaid Zebra /fonte:via

Este porco foi criado com 5 cachorros e tem certeza que é um deles

O porco Chowder, de 6 anos, foi adotado Shelby Madere, moradora da Califórnia, e cresceu junto de cinco cães resgatados por sua humana: Rika, Slick, Nya, James e Bashe. A convivência fez com que eles desenvolvessem uma bela amizade, e o porquinho até criou hábitos caninos.

Shelby mantém uma conta no Instagram em que compartilha fotografias da gangue. Chowder gosta de brincar junto com os cães e às vezes até tenta se encaixar nas caminhas dos companheiros – sem sucesso, é claro.

“Quando olho para o grupo, vejo o reflexo de quem eu sou”, escreve Shelby. “A felicidade, segurança e saúde deles dependem de mim, e eu jamais vou desapontá-los”, conta a tutora, que faz de tudo para garantir que eles levem uma boa vida.

Fotos: Shelby Madere/fonte:via