Conheça a menor espécie de gato selvagem do mundo: 1,5 kg e menor que seu bichano

Felinos em geral são criaturas maravilhosas, mas alguns deles, como os tigres ou as onças, por exemplo, podem arrancar nossas cabeças com a mesma facilidade que comemos uma baratinha frita. Por conta disso, ficamos na companhia dos gatos, que são tão lindos quanto e podemos ter em casa sem correr riscos.

Mas eis que existe uma espécie de gato que consegue ser ainda mais ‘compacta’ e absurdamente mais fofa do que um gatinho doméstico: o rusty-spotted cat, ou o prionailurus rubiginosus.

Esses pequeninos de, no máximo, 1,5 Kg são encontrados apenas no Sri Lanka e infelizmente vivem sob risco de extinção.

 

Imagens: Reprodução/fonte:via

A ‘ilha do lixo’, ao norte do Pacífico, pode se tornar oficialmente um país

Localizada ao norte do Oceano Pacífico, uma espécie de ilha, do tamanho da França – e que segue expandindo seu “território” – pode ser reconhecida como um país inteiramente novo. O singular e um tanto trágico de tal novidade está naquilo do que essa ilha é feita: de lixo. Conhecida como “Ilhas de Lixo”, esse imenso amontoado de dejetos reunido no oceano, através de um pedido real enviado para a ONU, pode ser reconhecido como um país oficialmente.

Entre a metáfora e a denúncia de como tratamos não só nossos países, mas o planeta como um todo, o pedido foi desenvolvido e enviado pela organização ambiental Plastic Oceas Foundation, em parceria com a publicação LadBible. E não se trata de um pedido meramente simbólico e simplório: as Ilhas de Lixo já possuem bandeira, passaporte, selos, moeda (batizada de Debris, que quer dizer lixo, ruína, dejeto em inglês) e o pedido de reconhecimento de cidadania de nada menos que 100 mil pessoas – entre elas, o ex-vice presidente dos EUA, Al Gore, que se ofereceu para se tornar o primeiro cidadão das Ilhas.


A bandeira das Ilhas do Lixo


Passaporte de Al Gore como cidadão das Ilhas

Se a ONU reconhecerá ou não as Ilhas como um país é, em verdade, a parte menos importante do gesto – que se impõe como um contundente protesto a respeito do problema do lixo e do despejo nos mares. Estima-se que até 2050 o lixo presente nos oceanos supere, em peso, o número de peixes, e uma nova ilha em formação já foi descoberta no Pacífico sul. Se a ideia de reconhecer tais Ilhas como países parece absurda, muito mais absurdo é que elas existam.


Os selos das Ilhas


As notas de Debris, a moeda das Ilhas do Lixo

 

© artes: Mario Kerkstra/Plastic Oceans/LadBible/fonte:via

As 20 melhores fotos de drone de 2017

O Dronestagram é uma comunidade de fotógrafos que utilizam drones para fazer belos retratos.A comunidade possui várias páginas de divulgação na internet, de website a perfil no Instagram. Também realiza concursos anuais para prestigiar as melhores imagens feitas do ângulo mais incomum e abrangente possível: o do alto.

Agora, todos os 20 vencedores do ano foram anunciados. Confira:

Ninfeia-rosa


Uma mulher colhe ninfeias-rosas em uma lagoa no Delta do Mekong, Vietnã.

Raias e mulheres


Duas duplas de amigas na praia.

Nanuk


O grande urso polar Nanuk (da mitologia Inuit) é um animal impressionante. Nesta foto, podemos ver o urso cruzando dois pedaços de gelo do mar.

Nadando com uma baleia


Vista aérea de uma experiência incrível.

Baía de Alexandria


Clique feito na baía de Alexandria, entre os EUA e o Canadá, quando os níveis de água aumentam e as cores do outono começam a aparecer.

 

Escada para o paraíso


A longa escadaria que leva a uma das mais belas praias de Algarve, em Portugal.

Ponte


Duas scooters cruzando uma ponte em Chiang Mai, na Tailândia.

Route 66


Um casal num clássico Ford Mustang conversível, dirigindo na histórica Route 66 americana.

Caverna


Explorando a caverna de Melissani na ilha grega de Cefalônia de barco.

Campos de sal


Campos de sal de Bac Lieu, no Vietnã.

Mar de lama


Família navegando no Lago Burke, EUA, que parece lama seca.

Flores


Campo de flores.

Ilha tropical


Praia de Punta Cana, na República Dominicana.

Lar, doce lar


Um tanto isolado.

Dupla cascata


A cachoeira mais conhecida da Islândia tem uma dupla cascata impressionante.

Arranha-céu


Amanhecer no arranha-céu Mercury City Tower, em Moscou, na Rússia.

Surfista


Surfista português enfrentando o frio europeu de fevereiro.

Selva de concreto


Uma vista deslumbrante dos edifícios de Dubai.

Hipopótamos


Hipopótamos no Parque Nacional do Serengeti.

Hotel Sveti Stefan


Um hotel incomum em Montenegro.

fonte:[via][BoredPanda]

Paint Back: Artista alemão transforma símbolos nazistas em grafites fofos

Ibo Omari, de 37 anos, é um artista alemão que ficou tão enojado com a quantidade de suásticas pichadas nas ruas por onde passa, que decidiu tomar uma atitude pintando-as. Então, ao invés de permitir que os símbolos de ódio permanecessem visíveis, ele recrutou uma equipe de jovens artistas de rua para ajudá-lo a cobrir tudo com ilustrações amigáveis.

Omari, que dirige uma loja de graffiti e um clube juvenil em Berlim, lançou a iniciativa chamada ‘Paint Back’ (‘Pinte de volta’, em tradução livre) para encorajar as pessoas a agirem contra o vandalismo do mal.

Sua equipe já transformou 25 suásticas em obras de arte – tudo isso feito com permissão do dono da propriedade.  Desde que a equipe de Omari começou sua missão em 2015, eles encontram cada vez menos símbolos nazistas pintados nas ruas.

Além disso, a campanha ‘Paint Back’ inspirou dezenas de outros artistas a ocultar símbolos similares de ódio em Hamburgo, Kiel e Bremen.

Era importante incentivar os jovens a entrarem em ação e encorajá-los a assumir a responsabilidade para que eles simplesmente não ignorem tais símbolos de ódio”, disse Omari à Reuters. “Isso ofende todo o bairro se alguém em nosso meio pintar suásticas em um parque infantil e eu levo isso para o pessoal“.

O time de Omari também não é o único que luta contra o antissemitismo em Berlim. Irmela Schramm, de 70 anos, virou manchete no ano passado por constantemente pintar corações sobre suásticas que encontra pelas ruas.


 

Imagens: Reprodução/fonte:via