Do tamanho da Irlanda: China cria uma nova floresta com 6,6 milhões de hectares

Quando decretou, em 2014, estado de emergência nacional sobre seus níveis de poluição (e os efeitos que tais níveis teriam sobre o aquecimento global e o próprio futuro do planeta), o governo chinês levou a sério uma das mais evidentes e eficientes recomendações para se combater tais males: o reflorestamento. Assim, enquanto os EUA caminham em largos passos para trás em tal assunto (entre tantos outros) com o governo Trump, o governo chinês anunciou que plantará em 2018 uma floresta de 6,6 milhões de hectares – nada menos que praticamente o tamanho de toda a Irlanda.

O plano chinês visa ampliar de 21,7% de seu território coberto por florestas para 26% até 2030 – e não está medindo esforços para conquistar tal meta: nos últimos cinco anos foram mais de 82 bilhões de dólares gastos em esforços de reflorestamento, e o investimento seguirá pesado pelos próximos anos.

Para esse ano, serão plantadas florestas na província de Hebei, ao noroeste do pais, Qinghai, no platô tibetano, e no deserto de Hunshandake, no nordeste da região autônoma da Mongólia. Como um dos mais poluentes países do mundo – com um crescimento econômico intenso e uma imensa população – o compromisso chinês contra a poluição reconhece no reflorestamento uma de suas mais importantes armas, mas não para por aí: além de plantar uma Irlanda inteira de novas árvores, nos próximos cinco meses diversas fábricas e siderúrgicas serão fechadas ou terão suas atividades reduzidas.

 

© fotos: divulgação /fonte:via

Anúncios

10 formações de gelo e neve que parecem arte

Em regiões onde neva, ou onde as temperaturas são baixas o suficiente para criar belas formações de gelo, verdadeiras obras de arte podem ser desenhadas pela natureza.

Enquanto essas inesperadas criações são de fato lindas, o gelo também pode ser muito perigoso e até mortal. O inverno rigoroso causa muitos acidentes, desde estradas escorregadias até tempestades fortes de granizo.

Da segurança do verão brasileiro, no entanto, podemos nos contentar com observar imagens impressionantes de formações diversas, influenciadas por fatores que vão desde umidade e temperatura até velocidade do vento, gerando resultados extremamente diferentes:

Lago Baikal


Esse lago do sul da Sibéria, na Rússia, é responsável por 22% a 23% da água doce de degelo do planeta, e considerado Patrimônio Mundial pela UNESCO. Foto de Alexey Trofimov.

Bolhas congeladas


Essa é uma criação humana, feita com a ajuda do clima. Após a previsão do tempo anunciar temperaturas de menos 9° C a menos 12° C em Washington, nos EUA, a fotógrafa Angela Kelly decidiu aproveitar o frio inesperado para fazer bolhas de sabão com seu filho, enquanto as clicava à medida que congelavam e derretiam.

Farol congelado


O farol do lago Michigan, nos EUA, congelou no inverno passado. A visão parece quase inacreditável, não é mesmo? Foto de Thomas Zakowski e Tom Gill.

Flores congeladas


Essa foto foi feita por João Paglione, como resultado de uma tempestade de neve em Atlanta, nos EUA, em janeiro de 2005.

Lago McDonald e Lago Abraham


Esses cliques são do fotógrafo Phillips Chip. À esquerda, uma imagem feita ao pôr do sol no Lago McDonald (EUA), enquanto o artista literalmente assistia essas folhas de gelo congelarem. À direita, bolhas congeladas fotografas no Lago Abraham, no Canadá.

 

Teia congelada


Essa foto incrível foi clicada por Robert Felton em 2013.

Árvore congelada


A fotógrafa desta imagem literalmente se machucou por ela. Svetlana Kazina passeava pelas margens do Lago Teletskoye, na Sibéria, quando notou a frágil e bela árvore de gelo. No caminho de volta, escorregou nas rochas congeladas deslizantes, mas considerou seu clique perfeito um bálsamo para seu joelho dolorido.

Gelo na cerca


Essa imagem de autor desconhecido é um belo retrato de uma árvore, de ângulo gelado diferente.

Pinheiros brancos


Cindi Girard é a autora dessa bela foto de pinheiros congelados.

Macieira congelada


Essa imagem de Thomas Zagler mostra água congelada em temperatura fria (abaixo de 0° C) nas flores de uma macieira.

fonte:via[BoredPanda]

A beleza única da Islândia fica ainda mais impressionante nesta série de fotos analógicas

Existem muitas belezas diferentes no planeta – essa é boa parte da graça de se estar na Terra. Enquanto as matas, montanhas e o sol tropical encantam a nós mesmos e ao resto do mundo com a diversidade e a intensidade multicolorida da paisagem brasileira, há também a igualmente intensa beleza do frio e da brancura infinita das paisagens geladas.

O fotógrafo português André Terras Alexandre viajou à Islândia para justamente registrar as maravilhas naturais do Atlântico Norte – e o resultado é desconcertante.

A melancolia e a pureza das paisagens islandesas parecem ainda mais fortes no trabalho de Alexandre pelo fato de suas fotos serem feitas à moda antiga, em filme. Um certo toque vintage adiciona não só charme às imagens, como uma nova camada sentimental, de um tempo um tanto congelado, como em um lugar onde é o clima quem manda – onde a beleza não está sujeita a nada além das estações do ano.

A inclemência do inverno ameaça e, ao mesmo tempo, sublinha a força natural e a beleza de algumas paisagens que só um lugar como a Islândia oferece ao nosso olhar.

 

© fotos: André Terras Alexandre/fonte:via

Veja o melhor das incríveis esculturas de neve e gelo do Festival de Harbin, na China

Esqueçam os singelos bonecos de neve ou mesmo aquelas simpáticas esculturas de gelo de filmes americanos: na cidade chinesa de Harbin, na província de Heilongjiang, as esculturas de gelo são um assunto sério – e imenso. É lá que acontece o Festival Anual de Gelo e Neve de Harbin, onde animais, personagens, castelos e paisagens são transformados em imensas, elaboradas e coloridas esculturas de gelo.

O festival dura meses e, como tudo na China, atrai uma verdadeira multidão – no ano passado, 18 milhões de visitantes passaram por Harbin para admirar as esculturas. O festival esse ano começou no dia 02 de janeiro, e terá seu auge entre os dias 15 e 23 de fevereiro, quando o ano novo lunar é celebrado no país. O único porém é mesmo o frio: estima-se que a temperatura possa chegar a -20 graus.

 

As esculturas são inacreditáveis, mas não se trata, no entanto, somente de uma festa lúdica e bela, mas também de um bom negócio: no ano passado, o lucro estimado para a cidade por conta do festival foi de 4.4 bilhões de dólares. O festival acontece desde 1963, e tradição e mercado parecem se encontrar de fato muito bem na China, através de construções em gelo tão incríveis quanto efêmeras.

 

© fotos: divulgação /fonte:via