Fotógrafo cria trilhas mágicas de arco-íris em meio à floresta

O fotógrafo e cineasta Daniel Mercadante sabe como dar cor e magia a paisagens de uma forma no mínimo diferente. Ele pinta trilhas de arco-íris usando luz e, em seguida, captura-os através de uma longa exposição. A técnica é chamada ligh painting, que é exatamente pintar com a luz.

Você pode imaginar onde esses caminhos iluminados e coloridos o levariam? Conheça mais o trabalho abaixo e no Instagram do artista.

 

Fotos: Daniel Mercadante/fonte:[via]

Anúncios

Artista transforma montanhas canadenses em paisagens sobrenaturais e geométricas

A artista Elyse Dodge, especializada em arte contemporânea, produziu uma série de ilustrações reinventando as cadeias de montanhas de sua cidade, Vancouver.Inspirada pela incrível beleza da British Columbia, Dodge revela que seu objetivo é “capturar a beleza vibrante das paisagens que chamamos de lar”.

Usando uma paleta de cores vibrantes, as pinturas contemporâneas do artista exploram o contraste entre as texturas das montanhas, destacando os diversos formas encontradas na natureza. Penhascos, colinas e picos renderizados com linhas gráficas nítidas são preenchidos com as texturas suaves e orgânicas das árvores.

“As formas poligonais transformam os picos de algo que é reconhecível como uma montanha em uma forma facetada de diamante. Essas cenas surreais encorajam a mente a imaginar como poderia ser um mundo alternativo e mais vívido ”, conta Elyse ao site My Modern Met.

Você pode ver mais das paisagens coloridas de Dodge em seu site.

 

Arte: Elyse Dodge/fonte:[via]

Cidade no Alasca tem quase todos os moradores vivendo debaixo do mesmo teto

Whittier, no Alasca, é uma cidade pequena e remota a 100 quilômetros ao sul de Anchorage. Ela é comumente chamada de “cidade sob o mesmo teto”. Com cerca de 217 pessoas vivendo por ali, o lugar é acessível apenas por barco ou por um túnel de mão única.

Mas a coisa mais estranha sobre essa cidade é que quase todos os seus moradores moram no mesmo prédio, Begich Towers, um quartel do Exército construído em 1974, na época da Guerra Fria. A delegacia, mercearia, clínica, igreja, loja de conveniência e escola estão todas alojadas dentro da mesma estrutura.

Begich Towers também tem funciona como pousada e os hóspedes são convidados a observar como é a vida na cidade de uma única estrutura. A fotógrafa Hunter Smith foi lá conhecer e registrou a cidade:

 

Fotos: Hunter Smit/fonte:[via]

Conheça a fotógrafa que registrou a cultura de rua nos anos 70 e 80 em Londres e NY

A fotógrafa londrina Janette Beckman é referência quando se fala em punk e hip hop. A documentarista londrina começou sua carreira quando o punk rock estava borbulhando, quando ela trabalhava para a publicação The Face and Melody Maker. Para se ter ideia, ela fotografou bandas que vão de The Clash a Boy George, além de três capas de álbuns do The Police.

Janette se mudou para Nova York, em 1982, atraída pela a cena underground do Hip Hop. Suas fotografias de pioneiros como Run DMC, Rick Slick, Salt’n’Pepa, Grandmaster Flash e Big Daddy Kane estão nas coleções permanentes do Museu Smithsonian, em Whashington, e do Museu da Cidade de Nova York.

Beckman se descreve como fotógrafa documental e, enquanto ela produz muitos trabalhos como a capa do álbum The Police Zenyatta Mondatta, tirada no meio de uma floresta na Holanda, ela também trabalha com retratos em estúdio.

Suas fotos já apareceram em discos de grandes gravadoras e em revistas como Esquire, Rolling Stone, Glamour, edição italiana da Vogue, The Times, Newsweek, Jalouse, Mojo e outras.

Em uma entrevista de 2015 com a revista American Photo, ela relembrou: “É incrível, 30 anos depois, as pessoas falando ‘oh, você fotografou lendas ’. Eu acho que sim, mas não eram lendas quando eu estava tirando fotos delas”.

Confira:

 

Fotos: Janette Beckman /fonte:[via]