Após chuvas intensas, sumidouro de 200 metros surge na Nova Zelândia

O que é considerado o maior sumidouro da Nova Zelândia se abriu no meio de uma fazenda na Ilha Norte, revelando um gigantesco buraco que mede até dois campos de futebol e possui a profundidade de um prédio de seis andares.

Situado a cerca de 15 quilômetros a sudeste da cidade de Rotorua, um trabalhador da fazenda o encontrou pela primeira vez na semana passada, por pouco não caindo dentro dele com sua moto enquanto reunia as vacas para a ordenha no início da manhã.

Características geológicas

De acordo com o vulcanologista Brad Scott, da empresa de geociências Kiwi GNS Science, o sumidouro pode ter se formado ao longo de até 100 anos, após décadas de chuvas corroendo lentamente as fundações calcárias da fazenda.

Depois de um período de precipitações intensas no final de abril, que durou cerca de uma semana, a rocha finalmente cedeu, abrindo-se para revelar o buraco irregular de 200 metros de comprimento.

A profundidade de 20 metros, além de gerar vertigem, oferece um fascinante corte científico transversal aos geólogos, ou seja, a oportunidade perfeita para analisar o acúmulo gradual e a sobreposição de rochas, sedimentos e solo em escalas de tempo longas.

“O que eu vejo no fundo desse buraco é o depósito vulcânico original de 60 mil anos. Depois, há uma pilha de cerca de 10 a 12 metros de sedimentos, que vêm dos lagos que se formaram na cratera. Os três últimos metros são cinzas vulcânicas”, disse Scott à TVNZ.

Chuva recorde

O que torna este sumidouro muito maior do que outros que o precederam na Nova Zelândia é a chuva recorde que ajudou a causá-lo: quase 170mm de pluviosidade em 38 horas.

Graças a esse dilúvio decisivo, os vulcanologistas e os cientistas que estudam deslizamentos estarão ocupados nas próximas semanas, inspecionando o abismo e vendo o que podem aprender com ele. 

 
fonte:via[ScienceAlert]
Anúncios

Partiu? Cruzeiro mais longo do mundo dura 8 meses e passa por 59 países

Tirar um ano sabático, largar tudo e viajar ao redor de todo mundo é algo que todo mundo deveria fazer ao menos uma vez na vida, mas que praticamente ninguém consegue ou pode. Considerado o mais longo cruzeiro realizado no mundo, o Viking Sun é um navio norueguês de luxo, que justamente produz e realiza para você essa viagem: encorando em 113 portos diferentes em 59 países ao longo de 245 dias, basta subir a bordo do cruzeiro para justamente realizar esse sonho.

O cruzeiro sai de Greenwich, na Inglaterra, em agosto, e só volta ao porto original em maio do ano que vem. Os destinos são diversos, começando pela Irlanda e Noruega, e indo até a Groelândia e a Antártica. Estão incluídas também passagem pelo canal de Suez até o Mediterrâneo, Espanha, Portugal, e muito mais.

É claro que um pequeno detalhe separa esse sonho da realidade: a passagem para o Viking Sun custa nada menos que 67 mil libras, ou 322 mil reais. O preço, ao menos, inclui passagem área executiva para Londres e todas as refeições, que podem ser selecionadas de 8 diferentes restaurantes dentro do navio, além de experiências exclusivas em cada local aportado.

O navio também oferece tudo que se espera de um cruzeiro de luxo, como piscinas, cassinos e spas – e, naturalmente, com um publico seleto: somente 930 passageiros.

A próxima viagem será a terceira volta ao mundo do navio, que se diz perfeito para pensadores, músicos, pesquisadores e para quem precisa de tempo e relaxamento.

© fotos: divulgação/fonte:via