Sacolinha de amido de mandioca se dissolve na água quente evitando poluição

“Eu não sou de plástico”, é assim que a sacolinha de amido de mandioca se apresenta. Desenvolvida pela Avani Eco, empresa de Bali, na Indonésia, ela é totalmente biodegradável, pode ser reciclada como papel e dissolve na água.

Por não ser tóxica, a sacola desaparece com um simples copo de água quente e depois pode até ser bebida. Além de contribuir para a diminuição da produção de produtos plásticos, o objeto não-tóxico também ajuda no consumo racional de água. A invenção é resultado do trabalho do biólogo Kevin Kumala.

O preço sugerido para comercialização é de R$ 1, por volta de 405 rupias indonésias. Mas para ser vendida é necessário que os pedidos atinjam a marca de pelo menos 5 mil unidades.

Para especialistas os debates sobre o uso do plástico serão os grandes protagonistas da primeira metade do século 21. Atingindo níveis preocupantes, o item está sendo banido em países europeus e também no Brasil. Recentemente o McDonald’s anunciou a substituição do canudinho de plástico pelo de papel em todas as unidades britânicas. No Rio de Janeiro uma lei prevê o banimento dos canudos em bares da capital fluminense.

Foto: Reprodução/fonte:via

De novo? Restauração amadora vira novo escândalo mundial

Já dá pra dizer que a restauração de esculturas históricas é uma prática das mais arriscadas. Depois de tentativas frustradas como a do quadro Ecce Homo, foi a vez da imagem de ninguém menos do que São Jorge ser seriamente danificada por uma restauração amadora.

A escultura está sob tutela da Igreja de San Miguel de Estella, em Navarra, na Espanha e mostra o santo católico com uma armadura e lutando contra um dragão. O problema é que este retrato clássico foi deformado por um pároco, que com a intenção de ajustar um ‘espaço que estava sujo’, acabou tirando toda a pigmentação original da obra de, preparem-se, 500 anos de idade.

“Não sabemos a gravidade do dano, mas a impressão é de que se eliminou uma policromia antiga e de que o dano é irreversível”, explicou à BBC Brasil Fernando Carrera, presidente da Associação Profissional de Conservadores-Restauradores da Espanha (Acre).

Especula-se que os danos à obra de São Jorge podem ser mais graves do que os causados ao Ecco Homo em função da relevância da escultura. Lembrando que o Ecco Homo foi repintado por uma idosa, também da Espanha.

“O que não queremos, porém, é que a história vire motivo de festa, piada e gozação, como foi com o Ecce Homo”, finaliza Carrera.

Fotos: foto 1: Artus Restauración Patrimonio/ foto 2: Centro de Estudios Borjanos/fonte:via