Este carteiro é sucesso na internet com selfies com seus amigos caninos

A mitologia ao redor do nobre ofício do carteiro sugere como parte de sua rotina diária ter de fugir de cães de guarda que perseguem os entregadores de correspondência feito fossem inimigos ou deliciosa iguaria canina. A origem de tal suposta rixa provavelmente vem do instinto de proteção de seu próprio território pelos animais, mas um carteiro de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, decidiu derrubar o clichê e mostrar que sua relação com os cachorros é a mais fraterna e carinhosa possível. Para mostrar sua boa relação com os animais, Angelo Cristiano da Silva, de 32 anos, publica selfies com os cães que cruza em sua rotina de trabalho diária – e suas fotos rapidamente bombaram na internet.

Angelo possui técnicas, como aproximar-se lentamente, oferecer a mão para os animais cheirarem, conversa e cria confiança, para desenvolver a amizade com os animais. Criar amizade e depois encontrar seus amigos caninos é, segundo ele, a parte mais feliz de seu dia, e não somente com cães: alguns gatos também fazem parte das relações do carteiro.

Suas fotos são publicadas em grupos no Facebook, e compartilhadas por milhares de pessoas como provas de que o clichê sobre carteiros e os animais não passa de uma lenda furada.

Segundo o carteiro, somente uma vez ele foi atacado por um cachorro, em seu primeiro ano de trabalho, mas não passou de um arranhão, mas ele já teve de se dedicar profundamente para superar inimizades iniciais com animais. Apaixonado por cães desde a infância, Angelo também dedica parte de seu dia aos cachorros abandonados, ajudando no resgate para serem adotados.

Seu sonho é construir um abrigo para cuidar de animais – mas, enquanto tal futuro não chega, seu carinho diário já é uma grande ajuda para a felicidade dos bichanos.

© fotos: arquivo pessoal/fonte:via

Menina que nasceu sem as mãos é bicampeã em concurso de caligrafia nos EUA

Se desconhecer limites de qualquer tipo para alcançar objetivos apesar das dificuldades pode ser uma definição de superação, poucas histórias serão tão perfeitamente ilustrativas de tão força quanto a da jovem estudante americana Anaya Ellick. Atual vencedora do concurso de caligrafia “Nicholas Maxim para Excelência em Caligrafia Cursiva”, Anaya superou outros 50 alunos de diversas escolas do país, para conquistar o certificado, o troféu e o prêmio de 1 mil dólares – cerca de 3,7 mil reais. O imenso detalhe que faz do feito de Anaya um verdadeiro épico é o fato da jovem não possuir as duas mãos.

Hoje com 9 anos, Anaya nasceu sem as duas mãos, e nunca quis usar próteses que, segundo ela, lhe atrapalhavam para as mais diversas tarefas. Dessa forma, ela foi descobrindo e desenvolvendo técnicas para conseguir realizar atividades como desenhar e, claro, escrever.

A estudante do terceiro ano fundamental segura o lápis com o braço direito e, com o cotovelo esquerdo, estabiliza o papel sobre a mesa – é assim que ela desenha sua caligrafia campeã.

O espanto, no entanto, não para por aí: essa é a segunda vez que Anaya ganha o concurso; sua primeira vitória foi em 2016, quando ainda cursava o 1º ano. No Greenbrier Christian Academy, colégio na cidade de Chesapeake, no estado da Virgínia, nos EUA – onde ela estuda -, Anaya virou de fato uma inspiração. “O merecido primeiro lugar de Anaya nos lembra o que a determinação e o trabalho duro podem alcançar. Estamos bastante orgulhosos dela e de suas realizações. Parabéns Anaya por sua conquista, você inspira a todos!”, disse o post oficial da escola comentando seu feito.

O Nicholas Maxim é parte da competição nacional de caligrafia Zaner-Bloser, premiando em caligrafia os alunos com algum tipo de necessidade especial.

© fotos: reprodução/fonte:via