Gato é abandonado com nós terríveis no pelo, mas ganha vida nova após uma boa tosa

Se algumas pessoas dedicam suas vidas para cuidar de animais desamparados, adotando gatos e cachorros que cruzam seus caminhos, outras são tão negligentes, que deixam um gato ter 4,5 quilos de puro nó nos pelos, impedindo até mesmo o seu caminhar. O gato – de 10 anos, foi deixado no abrigo Douglas County Animal Care & Services, em Nevada – EUA, por uma pessoa que ainda não foi reconhecida.

Liz Begovich – a supervisora do abrigo, disse que no início pensou se tratar de um cachorro, já que são menos cuidadosos e higiênicos do que os gatos, o que aumentou ainda mais o seu choque: Oh meu Deus, é um gato!’ Eu nunca vi um gato com esse tipo de condição, disse ao site The Dodo.

O gato recebeu o nome de Bob Marley por causa de seus dreadlocks e precisou ser sedado para que a equipe pudesse trabalhar em sua tosa, um pouco dolorida, devido ao emaranhado absurdo que possuía em seus pelos. A situação era tão extrema, que ele não conseguia se locomover e, acabou ficando com muitos quilos a mais do que é considerado saudável.

A boa notícia é que Bob foi adotado e agora está em boas mãos, porém o o próximo passo é encontrar seu antigo dono, que pode ser o homem que o deixou no abrigo, ou não. Por isso, toda a cidade de Gardnerville já está empenhada em identificar o homem que aparece nas câmeras de segurança do abrigo que salvou a vida de Bob. Sendo ele ou não, é difícil acreditar que uma pessoa possa fazer isso com um ser indefeso!

Artista ilustra luta contra a depressão em desenhos sombrios e impactantes

A arte pode promover uma verdadeira catarse dentro de nós, se a utilizamos na tentativa de compreender nossos próprios sentimentos. Se falar sobre as nossas angústias é essencial para lidarmos com as emoções e, é por isso mesmo que ações como o setembro amarelo surgiram, com o objetivo de alertar a população sobre a importância de dividir e de comunicar, para algumas pessoas a chave pode estar justamente na arte.

Dawid Planeta é um artista visual polonês, que após conviver com a depressão no ano passado, decidiu usar seu dom de ilustrar para retratar os sentimentos mais sombrios que vivenciou. O ato de transferir  as emoções que estão no inconsciente para o papel o ajudou a compreender e a conhecer o lugar de onde elas estavam vindo, fundamental para sua cura e autoconhecimento: Você precisa ir fundo, mais profundo do que a sua mente consciente. Esse é o caminho para realmente se conectar com os outros usando sua arte”, disse ao site Bored Panda.

Sua série é sombria e até mesmo um pouco assustadora, já que retrata a história de um homem que precisou mergulhar na escuridão para compreender a vida e a si mesmo, mas na verdade é uma história universal, que conta um pouco sobre cada um de nós, que mais cedo ou mais tarde, precisaremos aprender a lidar com os mais variados sentimentos, inconscientemente, ou não.

Fotos: Dawid Planeta /fonte:via