Veja os finalistas do prêmio de comédia de fotografia da vida selvagem

O Prêmio de Fotografia de Comédia da Vida Selvagem seleciona todos os anos as imagens mais engraçadas de animais. Podem participar fotógrafos do mundo todo, mas a banca de juízes é britânica, e o prêmio é um safari em Maasai Mara, no Quênia. Neste ano, mais de 2000 fotografias foram enviadas para concorrer, mas apenas 40 foram selecionadas para disputar o prêmio.

Um dos organizadores, conhecido apenas por Tom, diz que 30% dos participantes são profissionais e o restante é de amadores. O grande vencedor vai ser anunciado em Londres, no dia 15 de novembro. Para ganhar, a imagem é julgada por um painel de avaliadores que procuram por fotografias com excelência técnica, conteúdo engraçado e legenda divertida.

O objetivo da competição é conscientizar amantes de fotografia e da vida selvagem sobre a necessidade de conservar esses habitats e seus habitantes selvagens. O prêmio indica aos participantes e aos fãs das imagens que conheçam a Fundação Born Free, que protege leões, elefantes, gorilas, tigres, lobos, ursos, golfinhos, tartarugas e trabalham com comunidades locais para encontrar soluções para que as pessoas e a vida selvagem co-habitem a mesma região sem conflitos.

Confira abaixo algumas das finalistas:

21. Fotógrafo polar


Por Rolie Galitz

20. Pego no flagra


Por Mari Mcgowan

18. Espacate de esquilo


Por Geert Weggen

19. Rinoceronte de tutu


Por Kallol Mukherhee

18. Leões gargalhando


Por Muriel Vekemans

17. Mamãe voltou


Por Valterri Mulkahainen

16. Beijoca molhada


Por Sergey Sawi

15. Dirija com cuidado


Por Jonathan Irish

14. Donos da praia


Por Amy Kennedy

13. Psiu…


Por Shane Keena

12. Tango


Por Michael Watts

11. Figaroooo, Figaroooo, Figarooo


Por Mary Hone

10. Ai que vontade de morder esse bumbum


Por Michael Lane

9. Pós-balada


Por Danielle D’Ermo

8. Eu não devia ter dito aquilo


Por Daniel Friend

7. Atchim!


Por Amy Kennedy

6. Bronzeando as axilas


Por Qiusheng Hu

5. Só mais cinco minutinhos…


Por Denise Dupras

4. Eu te falei!


Por Barney Koszalka

3. Bafo de morsa


Por Kackie Downey

2. O que foi que você disse?!


Achim Sterna

1. Fala, bro


Roie Galitz

fonte via [Comedy Wild Li

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu errasse”. É com essas palavras que Violet Palmer descreve a sensação que sentiu ao fazer sua estreia como juíza de um jogo da NBA, se tornando a primeira mulher a alcançar o feito na principal Liga de Basquete dos EUA e do mundo.

Segundo Violet, quando criança, ela amava ser uma garota, mas não conseguia gostar do que era imposto a ela como ‘coisas de menina’. Mas, quando conseguia praticar esportes, sentia que estava fazendo o que realmente a agradava.

Ela se formou na escola em um período em que o esporte feminino ganhava cada vez mais terreno nos EUA, e conseguiu uma bolsa de estudos para jogar basquete na universidade.

Para ganhar um dinheiro extra durante as férias, Violet começou a fazer parte da mesa de arbitragem durante jogos de basquete masculinos, marcando o placar e as faltas. Algumas vezes os árbitros não compareciam, e foi assim que ela decidiu colocar o uniforme e assumir as responsabilidades de juíza.

O passo seguinte foi atuar como árbitra em jogos femininos na Liga Universitária de Basquete dos EUA. A NBA a convidou para os testes de recrutamento de novos juízes no final de 1995, e ela passou mais de um ano se preparando até a estreia, em 1997.

Foram 18 temporadas, tendo atuado em 919 jogos, até a aposentadoria em 2016. E é claro que o caminho foi repleto de desafios. Violet conta que sentia que muitos juízes se sentiam desconfortáveis com sua presença, achando que teriam de agir diferente ao trabalhar com ela ou que uma mulher não daria conta do recado.

Em 2007, depois de uma década provando jogo após jogo que estava à altura da responsabilidade de ser juíza, Violet esteve no meio de uma grande controvérsia. O ex-jogador e então comentarista de basquete Cedric Maxwell chegou ao absurdo de dizer no ar que ela deveria “voltar para a cozinha” e “trazer ovos com bacon”.

O absurdo repercutiu e fez com que Cedric se retratasse dias depois. “Eu acho que aquilo realmente me deu mais motivação para sair, aprender mais, trabalhar bem, ser profissional e mostrar a todo mundo que eles teriam de se calar, porque eles veriam que eu posso fazer aquilo, assim como qualquer juiz homem nas quadras”, diz Violet.

Lesões nos joelhos foram responsáveis pelo fim da carreira dela nas quadras, mas, após ‘pendurar o apito’, Violet passou a atuar como coordenadora de arbitragem na liga profissional de basquete feminino dos EUA, além de dirigir um curso que forma outras mulheres que querem atuar como juízas.

Além disso, as boas atuações de Violet abriram as portas para outras mulheres que desejavam ser árbitras na NBA. A segunda foi a já aposentada Dee Kantner, e a terceira Lauren Holtkamp, que ainda está na ativa. Quem sabe em breve uma das alunas do curso de Violet não seja a próxima a ocupar esse espaço importante.

Fotos: Reprodução/fonte via